Zilpen 75 mg + 650 mg Comprimido

Portugal - português - INFARMED (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Tramadol + Paracetamol
Disponível em:
Tecnimede - Sociedade Técnico-Medicinal, S.A.
Código ATC:
N02AJ13
DCI (Denominação Comum Internacional):
Tramadol + Paracetamol
Dosagem:
75 mg + 650 mg
Forma farmacêutica:
Comprimido
Composição:
Paracetamol 650 mg - Tramadol, cloridrato 75 mg
Via de administração:
Via oral
Unidades em pacote:
Fita termossoldada - 20 unidade(s)
Tipo de prescrição:
MSRM
Grupo terapêutico:
2.12 Analgésicos estupefacientes
Área terapêutica:
tramadol and paracetamol
Resumo do produto:
5456017 - Fita termossoldada 20 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 3 Ano(s)Condições: Não necessita de precauções especiais - Não comercializado - 10107132 - 50059700 ; 5456025 - Blister 20 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 3 Ano(s)Condições: Não necessita de precauções especiais - Comercializado - 10107132 - 50059700
Status de autorização:
Autorizado
Número de autorização:
PT/H/0631/002/DC
Data de autorização:
2012-08-21

APROVADO EM

14-10-2016

INFARMED

Folheto informativo: Informação para o utilizador

Zilpen 75 mg / 650 mg Comprimidos

Cloridrato de tramadol + Paracetamol

Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois

contém informação importante para si.

- Conserve este folheto. Pode ter necessidade de ler novamente.

- Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro.

- Este medicamento foi receitado apenas para si. Não deve dá-lo a outros. O

medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sinais de

doença.

- Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não

indicados neste folheto, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro. Ver

secção 4.

O que contém este folheto:

1. O que é Zilpen e para que é utilizado

2. O que precisa de saber antes de tomar Zilpen

3. Como tomar Zilpen

4. Efeitos secundários possíveis

5. Como conservar Zilpen

6. Conteúdo da embalagem e outras informações

1. O que é Zilpen e para que é utilizado

Zilpen é uma associação de dois analgésicos, o paracetamol e o tramadol, que atuam

em conjunto para aliviar a sua dor.

Zilpen está indicado no tratamento da dor moderada a intensa, quando o seu médico

recomendar a utilização de uma associação de tramadol e paracetamol.

Zilpen apenas deve ser tomado por adultos e adolescentes com mais de 12 anos de

idade.

2. O que precisa de saber antes de tomar Zilpen

Não tome Zilpen:

- Se tem alergia (hipersensibilidade: erupções cutâneas, inchaço da face, respiração

asmática ou dificuldades em respirar) ao tramadol, paracetamol ou qualquer outro

componente deste medicamento (indicados na secção 6).

- Em caso de intoxicação aguda com álcool, comprimidos para dormir, medicamentos

para o alívio da dor ou com outros medicamentos psicotrópicos (medicamentos que

afetam o humor e as emoções).

- Se também estiver a tomar inibidores da Monoamino Oxidase (MAO) (certos

medicamentos usados para o tratamento da depressão ou da doença de Parkinson)

ou se os tomou nos últimos 14 dias, antes de iniciar o tratamento com Zilpen.

- Se sofre de uma doença grave do fígado.

APROVADO EM

14-10-2016

INFARMED

- Se sofre de epilepsia que não é controlada pelo seu tratamento usual.

Advertências e precauções

Fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro antes de tomar Zilpen:

- Se está a tomar outros medicamentos contendo paracetamol ou tramadol;

- Se tem problemas hepáticos ou doença de fígado, ou se notou amarelecimento da

cor da sua pele e dos seus olhos que podem sugerir icterícia;

- Se tem problemas renais;

dificuldades

respirar,

como

exemplo,

asma

problemas

pulmonares graves;

- Se é epilético ou se já teve convulsões ou crises convulsivas;

- Se sofreu recentemente uma lesão craniana, se entrou em choque ou se teve

graves dores de cabeça associadas a vómitos;

- Se está dependente de quaisquer medicamentos (como por exemplo, morfina);

- Se estiver a tomar outros medicamentos para a dor que contenham buprenorfina,

nalbufina ou pentazocina;

- Se lhe estiver para ser administrado um anestésico. Informe o seu médico ou

dentista de que está a tomar Zilpen.

Se algum dos pontos acima descritos se aplicou a si no passado ou se aplica no

presente, durante o tratamento com Zilpen, por favor garanta que o seu médico

sabe. Ele/Ela poderá então decidir se deverá continuar a tomar este medicamento.

Outros medicamentos e Zilpen

Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar, ou tiver tomado

recentemente, ou se vier a tomar outros medicamentos.

Importante: Este medicamento contém paracetamol e tramadol. Informe o seu

médico se está a tomar qualquer outro medicamento contendo paracetamol ou

tramadol, de modo a que não se exceda a dose máxima diária.

Não tome Zilpen juntamente com inibidores da MAO (ver secção “Não tome Zilpen”).

Zilpen não deve ser tomado em simultâneo com:

- carbamazepina (medicamento vulgarmente usado no tratamento da epilepsia ou de

alguns tipos de dor como episódios de dor intensa na face denominados nevralgia do

trigémio).

- buprenorfina, nalbufina ou pentazocina (analgésico tipo opioide que aliviam a dor).

O efeito de alívio da dor pode ser reduzido.

O risco de efeitos secundários aumenta se tomar em simultâneo:

- triptanos (para a enxaqueca) ou inibidores seletivos da recaptação da serotonina

(ISRS, usados para a depressão). Deverá contactar o seu médico se se sentir

confuso, inquieto, febril, com suores, com movimento descontrolado dos membros

ou olhos, movimentos reflexos incontroláveis dos músculos ou diarreia.

- traquilizantes, comprimidos para dormir, outros fármacos que aliviam a dor, como

a morfina e codeína (também usada para tratamento da tosse), baclofeno (um

relaxante

muscular),

medicamentos

usados

para

baixar

pressão

arterial,

antidepressores ou medicamentos para o tratamento de alergias. Poderá sentir-se

sonolento ou com sensação de desmaio. Se isto acontecer, contacte o seu médico.

APROVADO EM

14-10-2016

INFARMED

- antidepressores, anestésicos, neurolépticos (medicamentos que afetam o estado de

espírito) ou bupropiom (usado para ajudar a deixar de fumar). O risco de um ataque

pode aumentar. O seu médico dir-lhe-à se Zilpen é adequado para si.

varfarina

fenprocumom

(para

fluidez

sangue).

eficácia

destes

medicamentos pode ser alterada e provocar hemorragia. Qualquer hemorragia

prolongada ou inesperada deverá ser relatada ao seu médico imediatamente.

A eficácia de Zilpen pode ser afetada se tomar em simultâneo:

- metoclopramida, domperidona ou ondansetrom (medicamentos para o tratamento

de náuseas e vómitos),

- colestiramina (medicamento para reduzir o colesterol no sangue),

- cetoconazol ou eritromicina (medicamentos para tratar infeções).

O seu médico informá-lo-á de que medicamentos são seguros tomar com Zilpen.

Zilpen com alimentos, bebidas e álcool

Não beba álcool enquanto estiver a tomar Zilpen, pois pode sentir-se sonolento.

Gravidez, amamentação e fertilidade

Se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar,

consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar este medicamento.

Devido à presença de tramadol, não deverá utilizar Zilpen durante a gravidez. Se

durante o tratamento com Zilpen descobrir que está grávida, contacte o seu médico

antes de continuar a tomar mais comprimidos.

Amamentação

O tramadol é excretado no leite materno. Por este motivo, não deve tomar Zilpen

mais do que uma vez durante a amamentação ou, em alternativa, se tomar Zilpen

mais do que uma vez deve parar a amamentação.

Pequenas quantidades de tramadol podem passar para o leite materno. Como tal,

não deve tomar este medicamento enquanto estiver a amamentar.

Condução de veículos e utilização de máquinas

Zilpen pode fazê-lo sentir-se sonolento, o que pode afetar a sua capacidade de

conduzir ou utilizar máquinas de forma segura.

3. Como tomar Zilpen

Tome

este

medicamento

exatamente

como

indicado

pelo

médico

farmacêutico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

Deve tomar Zilpen durante o menor período de tempo possível.

A dose inicial habitual para adultos e adolescentes com mais de 12 anos de idade é 1

comprimido, a não ser que o seu médico prescreva outra posologia.

necessário,

doses

adicionais

podem

tomadas

acordo

recomendações do seu médico. Deve haver um intervalo mínimo de 6 horas entre as

tomas.

Não tome mais de 4 comprimidos de Zilpen por dia.

APROVADO EM

14-10-2016

INFARMED

Não tome Zilpen mais frequentemente do que aquilo que o médico recomendou.

O seu médico pode aumentar o tempo entre doses:

- se tem mais de 75 anos de idade

- se tem problemas de rins ou

- se tem um problema de fígado

Utilização em crianças e adolescentes

A utilização em crianças com idade inferior a 12 anos não é recomendada.

Modo de administração

Os comprimidos devem ser administrados por via oral.

Os comprimidos podem ser engolidos inteiros ou divididos ao meio e tomados com

um copo de líquido, preferencialmente água. O comprimido pode ser dividido em

doses iguais.

Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver a impressão de que Zilpen é

demasiado forte (se se sentir muito sonolento ou se tiver dificuldade em respirar) ou

demasiado fraco (se sentir um inadequado alívio da sua dor).

Se tomar mais Zilpen do que deveria:

Nestes casos, contacte imediatamente o seu médico ou farmacêutico, mesmo que se

sinta bem. Existe o risco de danos graves no fígado que só serão visíveis mais tarde.

Caso se tenha esquecido de tomar Zilpen

Caso se tenha esquecido de tomar os comprimidos, é provável que a dor reapareça.

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Continue simplesmente a tomar os comprimidos como anteriormente.

Se parar de tomar Zilpen

Normalmente não existem efeitos pós-tratamento com Zilpen. No entanto, em casos

raros, pessoas que tomem tramadol durante algum tempo podem sentir-se mal se

interromperem o tratamento abruptamente (ver secção 4 “Efeitos secundários

possíveis”). Se já toma Zilpen há algum tempo fale com o seu médico se pretender

interromper o tratamento, uma vez que o seu organismo se pode ter habituado ao

medicamento.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu

médico, farmacêutico ou enfermeiro.

4. Efeitos secundários possíveis

Como todos os medicamentos, este medicamento pode causar efeitos secundários,

embora estes não se manifestem em todas as pessoas.

Muito frequentes: mais do que 1 em cada 10 pessoas tratadas

- náuseas

- tonturas, sonolência

Frequentes: menos de 1 em cada 10, mas mais do que 1 em cada 100 pessoas

tratadas

APROVADO EM

14-10-2016

INFARMED

- vómitos, problemas digestivos (obstipação, flatulência, diarreia), dor abdominal,

boca seca.

- comichão, sudação.

- dor de cabeça, tremores.

- confusão, perturbações do sono, alterações de humor (ansiedade, nervosismo,

euforia).

Pouco frequentes: menos de 1 em cada 100, mas mais do que 1 em cada 1 000

pessoas tratadas

- aumento das pulsações ou pressão sanguínea, alterações da frequência ou do ritmo

cardíaco,

- dor ou dificuldade em urinar,

- reações na pele (por exemplo erupções cutâneas, erupção da pele com comichão

(urticária)),

formigueiro,

dormência

sensação

picadas

pontadas

nos membros,

zumbidos nos

ouvidos, contrações musculares involuntárias,

- depressão, pesadelos, alucinações (ouvir, ver ou sentir coisas que não existem na

realidade), lapsos de memória,

- dificuldade em engolir, sangue nas fezes,

- arrepios, afrontamentos, dor no peito,

- dificuldades respiratórias.

Raros: menos de 1 em cada 1 000, mas mais de 1 em cada 10 000 pessoas tratadas

- convulsões, dificuldade em coordenar movimentos,

- dependência do medicamento

- visão turva

- perda transitória da consciência (síncope).

Desconhecido:

- Níveis baixos de açúcar no sangue (hipoglicemia).

As reações abaixo descritas são efeitos secundários reconhecidos em pessoas a

tomar medicamentos contendo apenas tramadol ou apenas paracetamol. No entanto,

informe o seu médico se sentir qualquer um destes sintomas durante o tratamento

com Zilpen:

- se se sentir desmaiar quando se levanta de uma posição deitada ou sentada, ritmo

cardíaco baixo, desmaio, alterações de apetite, fraqueza muscular, respiração mais

fraca ou lenta, alterações de humor, alterações de atividade, alterações de perceção,

agravamento de asma já diagnosticada.

- em alguns casos raros, é possível, que se desenvolvam erupções cutâneas,

indicativas de uma reação alérgica, com o desenvolvimento de um súbito inchaço da

face e pescoço, dificuldades em respirar ou descida da pressão sanguínea e desmaio.

Se isto acontecer, pare o tratamento imediatamente e consulte o seu médico. Não

deve voltar a tomar este medicamento.

Em casos raros, a utilização de medicamentos como o tramadol pode torna-lo

dependente dele, tornando difícil a interrupção do tratamento.

Em ocasiões raras, os doentes que tomam tramadol durante algum tempo podem

sentir-se mal quando se interrompe de repente o tratamento. Podem sentir-se

agitadas,

ansiosas,

nervosas

tremores.

Podem

estar

hiperativas,

dificuldades em adormecer e sofrer de perturbações ao nível do estômago e

intestinos. Muito poucas pessoas podem sofrer de ataques de pânico, alucinações,

APROVADO EM

14-10-2016

INFARMED

perceções invulgares como comichão, sensação de formigueiro e dormência e

zumbidos nos ouvidos (tinnitus). Informe o seu médico se notar algum dos efeitos

adversos mencionados depois de interromper o tratamento com Zilpen.

Em casos excecionais, os exames sanguíneos revelaram certas alterações, como por

exemplo, baixa na contagem das plaquetas, que pode resultar em hemorragias

nasais ou sangramento das gengivas.

A utilização de Zilpen juntamente com outros medicamentos anticoagulantes (por

exemplo, fenprocumom, varfarina) pode aumentar o risco de hemorragia. Qualquer

hemorragia prolongada ou inesperada deve ser imediatamente reportada ao seu

médico.

Foram notificados casos muito raros de reações cutâneas graves.

Comunicação de efeitos secundários

Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não

indicados neste folheto, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro.

Também poderá comunicar efeitos secundários diretamente através dos contactos

abaixo.

comunicar

efeitos

secundários,

estará

ajudar

fornecer

mais

informações sobre a segurança deste medicamento.

INFARMED, I.P.

Direção de Gestão do Risco de Medicamentos

Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53

1749-004 Lisboa

Tel: +351 21 798 71 40

Fax: + 351 21 798 73 97

Sítio da internet:

http://extranet.infarmed.pt/page.seram.frontoffice.seramhomepage

E-mail: farmacovigilancia@infarmed.pt

5. Como conservar Zilpen

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.

Não utilize este medicamento após o prazo de validade impresso na embalagem

exterior, após VAL. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico.

Pergunte ao seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza.

Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.

6. Conteúdo da embalagem e outras informações

Qual a composição de Zilpen

- As substâncias ativas são o paracetamol e o cloridrato de tramadol.

Cada comprimido contém 650 mg de paracetamol e 75 mg de cloridrato de tramadol.

APROVADO EM

14-10-2016

INFARMED

- Os outros componentes são: Povidona, estearato de magnésio, sílica coloidal

anidra, glicolato de amido sódico (tipo A) e amido de milho pre-gelatinizado.

Qual o aspeto de Zilpen e conteúdo da embalagem

Os comprimidos de Zilpen são ovais, brancos e para administração oral. Cada

embalagem contém 2, 10, 20, 30, 40, 50, 60, 70, 80, 90 ou 100 comprimidos. Os

comprimidos são ranhurados de modo a poderem ser divididos em metades, para

ajudar a deglutição e para dividir em doses iguais, se necessário.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado

Tecnimede – Sociedade Técnico Medicinal, S.A.

Rua da Tapada Grande nº 2, Abrunheira

2710 – 089 Sintra

Portugal

Fabricante

Atlantic Pharma – Produções Farmacêuticas, S.A.

Rua da Tapada Grande, nº 2, Abrunheira

2710-089 Sintra

Portugal

Este

medicamento

encontra-se

autorizado

Estados

Membros

Espaço

Económico Europeu (EEE) sob as seguintes denominações:

Portugal: Zilpen

Este folheto foi revisto pela última vez em

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

RESUMO DAS CARACTERISTICAS DO MEDICAMENTO

1. NOME DO MEDICAMENTO

Zilpen 37,5 mg / 325 mg comprimidos

Zilpen 75 mg / 650 mg comprimidos

2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada comprimido contém:

Zilpen 37,5 mg / 325 mg comprimidos: Cada comprimido contém 37,5 mg de

cloridrato de tramadol e 325 mg de paracetamol.

Zilpen 75 mg / 650 mg comprimidos: Cada comprimido contém 75 mg de cloridrato

de tramadol e 650 mg de paracetamol.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. FORMA FARMACÊUTICA

Comprimidos.

Comprimidos brancos, alongados e ranhurados.

A ranhura na dosagem de 37,5 mg / 325 mg destina-se apenas a facilitar a divisão,

para ajudar a deglutição, e não para dividir em doses iguais. Na dosagem de 75 mg /

650 mg, o comprimido pode ser dividido em doses iguais.

4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Indicações terapêuticas

Os comprimidos de Zilpen estão indicados para o tratamento sintomático da dor

moderada a intensa.

O uso de Zilpen deve restringir-se aos doentes com dor moderada a intensa em que

se considera ser adequada a combinação de tramadol e paracetamol (ver também

secção 5.1).

4.2 Posologia e modo de administração

Posologia:

Adultos e adolescentes (com 12 ou mais anos de idade):

O uso de Tramadol / Paracetamol deve restringir-se aos doentes com dor moderada

intensa

considera

adequada

combinação

tramadol

paracetamol.

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

A dose deve ser ajustada individualmente de acordo com a intensidade da dor e a

resposta do doente.

Recomenda-se uma dose inicial de dois comprimidos de Zilpen 37,5 mg / 325 mg ou

um comprimido de Zilpen 75 mg / 650 mg. Se necessário, podem ser tomadas doses

adicionais, não ultrapassando 8 comprimidos de Zilpen 37,5 mg / 325 mg ou 4

comprimidos de Zilpen 75 mg / 650 mg (equivalente a 300 mg de tramadol e 2600

mg de paracetamol) por dia.

O intervalo entre as doses não deve ser inferior a seis horas.

Tramadol / Paracetamol não deverá, em nenhuma circunstância, ser tomado durante

mais

tempo

estritamente

necessário

(ver

também

secção

Advertências

precauções

especiais

utilização).

Caso

seja

necessário

tratamento repetido ou prolongado com Tramadol / Paracetamol, como consequência

natureza

gravidade

patologia,

deverá

efetuar-se

monitorização

cuidadosa e regular (sempre que possível, com intervalos no tratamento), de forma

a avaliar se é necessário continuar o tratamento.

População pediátrica

A efetividade e segurança da utilização de Tramadol / Paracetamol não foram

estabelecidas em crianças com menos de 12 anos de idade. Portanto, não se

recomenda o tratamento nesta população de doentes.

Doentes Idosos

Podem ser utilizadas as doses usuais, embora seja de assinalar que em voluntários

com mais de 75 anos a semivida de eliminação do tramadol aumentou 17% após

administração oral. Em indivíduos com mais de 75 anos de idade, recomenda-se que

o intervalo mínimo entre as tomas não seja inferior a 6 horas, devido à presença do

tramadol.

Insuficiência renal:

Devido

presença

tramadol,

não

recomenda

utilização

Tramadol/Paracetamol em doentes com insuficiência renal grave (depuração da

creatinina < 10 ml/min). Em casos de insuficiência renal moderada (depuração da

creatinina entre 10 e 30 ml/min), o intervalo entre as tomas deverá ser aumentado

para 12 horas. Como o tramadol é removido muito lentamente por hemodiálise ou

por hemofiltração, a administração após a diálise para manter a analgesia não é

normalmente necessária.

Insuficiência hepática

Em doentes com disfunção hepática grave não se deve utilizar Tramadol/Paracetamol

(ver

secção

4.3).

caso

insuficiência

hepática

moderada

deve

cuidadosamente considerado o prolongamento do intervalo entre as doses (ver

secção 4.4).

Modo de administração:

Administração oral.

Os comprimidos devem ser engolidos com uma quantidade suficiente de líquido. A

ranhura destina-se apenas a facilitar a divisão, para ajudar a deglutição. Para a

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

dosagem de 75 mg/ 650 mg, a ranhura destina-se também a dividir o comprimido

em metades iguais, caso metade da dose seja necessária.

4.3 Contraindicações

- Hipersensibilidade às substâncias ativas ou a qualquer um dos excipientes

mencionados na secção 6.1;

- Intoxicação aguda pelo álcool, fármacos hipnóticos, analgésicos de ação central,

opiáceos ou fármacos psicotrópicos;

- Paracetamol / Tramadol não deve ser administrado a doentes em tratamento

concomitante com inibidores da Monoamino Oxidase (MAO) ou dentro das duas

semanas após paragem do tratamento (ver secção 4.5. Interações medicamentosas

e outras formas de interação)

- Disfunção hepática grave;

Epilepsia

não

controlada

tratamento

(ver

secção

4.4.

Advertências

precauções especiais de utilização)

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

Advertências:

- Em adultos e adolescentes com 12 ou mais anos de idade, a dose máxima diária de

8 comprimidos de Tramadol / Paracetamol 37,5 mg / 325 mg ou 4 comprimidos de

Tramadol / Paracetamol 75 mg / 650 mg não deve ser ultrapassada. De forma a

evitar-se

sobredosagem,

doentes

devem

avisados

para

não

ultrapassarem a dose recomendada e para não tomarem outros medicamentos

contendo paracetamol (incluindo medicamentos não sujeitos a receita médica) ou

cloridrato de tramadol, sem prévio aconselhamento médico.

- Na insuficiência renal grave (depuração da creatinina <10 ml/min), não se

recomenda Tramadol / Paracetamol.

- Em doentes com disfunção hepática grave não se deve utilizar Tramadol /

Paracetamol (ver secção 4.3). Os riscos de uma sobredosagem de paracetamol são

maiores em doentes com doença hepática alcoólica não cirrótica. Em casos de

disfunção

hepática

moderada

deve

cuidadosamente

considerado

prolongamento do intervalo entre as doses.

Tramadol

Paracetamol

não

está

recomendado

casos

insuficiência

respiratória grave.

Tramadol

não

está

indicado

como

terapêutica

substituição

doentes

dependentes de opiáceos. Embora seja um agonista opiáceo, o tramadol não suprime

os sintomas de privação da morfina.

- Têm sido observadas convulsões em doentes predispostos, a receber tratamento

com tramadol e/ou tratados com fármacos que podem diminuir o limiar convulsivo,

em particular inibidores seletivos da recaptação de serotonina, antidepressores

tricíclicos, antipsicóticos, analgésicos de ação central ou anestésicos locais. Os

doentes

epiléticos

controlados

através

tratamento,

apresentam

suscetibilidade para crises convulsivas, não devem ser tratados com Tramadol /

Paracetamol, a menos que tal se revele absolutamente necessário. Têm sido

observadas convulsões em doentes a receber tramadol nas doses recomendadas. O

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

risco pode aumentar quando as doses de tramadol excedem o respetivo limite

superior da dose recomendada.

- Não se recomenda a utilização concomitante de opióides agonistas-antagonistas

(nalbufina, buprenorfina, pentazocina) (ver secção 4.5 Interações medicamentosas e

outras formas de interação).

Precauções de utilização:

Mesmo nas doses terapêuticas pode desenvolver-se tolerância e dependência física

e/ou psíquica. A necessidade clínica de tratamento analgésico deve ser revista

regularmente (ver 4.2). Nos doentes com dependência de opiáceos e com um

historial de dependência ou abuso de drogas, o tratamento só deve efetuar-se por

um período curto e sob vigilância médica. O Tramadol/Paracetamol deve ser usado

com precaução em doentes com traumatismo craniano, em doentes predispostos a

convulsões,

apresentando

perturbações

biliares,

estado

choque,

alteração da consciência de origem desconhecida, com problemas que afetam o

centro

respiratório

função

respiratória

aumento

pressão

intracraniana.

alguns

doentes,

sobredosagem

paracetamol

pode

causar

toxicidade

hepática.

Mesmo nas doses terapêuticas podem ocorrer reações de privação, semelhantes às

que ocorrem durante a privação de opiáceos (ver secção 4.8). Os sintomas de

privação

podem

evitados

pela

redução

gradual

durante

suspensão,

principalmente após períodos de tratamento longos. Raramente foram notificados

casos de dependência e uso excessivo (ver secção 4.8).

Foi relatado, num estudo, que a utilização de tramadol com enflurano e óxido nitroso

durante a anestesia geral, reavivou as memórias do tempo intraoperatório. Até que

esteja disponível informação adicional, deve ser evitado o uso de tramadol durante

as fases superficiais da anestesia.

4.5 Interações medicamentosas e outras formas de interação

Está contraindicada a utilização concomitante com:

- Inibidores da MAO não seletivos

Risco de síndrome serotoninérgica: diarreia, taquicardia, sudação, tremor, confusão

e eventual

coma.

- Inibidores seletivos da MAO A

Por extrapolação a partir dos inibidores da MAO não seletivos.

Risco de síndrome serotoninérgica: diarreia, taquicardia, sudação, tremor, confusão

e eventual coma.

- Inibidores seletivos da MAO B

Sintomas

excitação

central

semelhantes

síndrome

serotoninérgica:

diarreia, taquicardia, sudação, tremor, confusão e eventual coma.

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

No caso de um tratamento recente com inibidores da MAO, deve observar-se um

intervalo de duas semanas antes de se iniciar o tratamento com tramadol.

Não se recomenda a utilização concomitante com:

- Álcool

O álcool aumenta o efeito sedativo dos analgésicos opiáceos.

A alteração do estado de vigília pode tornar perigosa a condução de veículos e a

utilização de máquinas.

Deve evitar-se o consumo de bebidas alcoólicas e de medicamentos que contenham

álcool.

- Carbamazepina e outros indutores enzimáticos

Risco de diminuição da eficácia e diminuição da duração do efeito devido à redução

das concentrações plasmáticas de tramadol.

- Agonistas/antagonistas dos opiáceos (buprenorfina, nalbufina, pentazocina)

Diminuição do efeito analgésico através do bloqueio competitivo dos recetores, com

risco de ocorrência de síndrome de privação.

Deverá ser tido em consideração o uso concomitante com:

Foram relatados casos isolados de síndrome serotoninérgica, numa relação temporal

entre o uso terapêutico de tramadol e de outros medicamentos serotoninérgicos, tais

como inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRSs) e triptanos. Sinais da

síndrome serotoninérgica são, por exemplo, confusão, agitação, febre, sudação,

ataxia, híper-reflexia, mioclonia e diarreia.

- Outros derivados opiáceos (incluindo fármacos antitússicos e tratamentos de

substituição), barbitúricos e benzodiazepinas.

Aumento do risco de depressão respiratória, que poderá ser fatal em casos de

sobredosagem.

- Outros depressores do sistema nervoso central, tais como outros derivados dos

opiáceos

(incluindo

fármacos

antitússicos

tratamentos

substituição),

barbitúricos,

benzodiazepinas,

outros

ansiolíticos,

hipnóticos,

antidepressores

sedativos, anti-histamínicos sedativos, neuroléticos, fármacos antihipertensores de

ação central, talidomida e baclofeno.

Estes medicamentos podem causar agravamento da depressão central. A alteração

do estado de vigília pode tornar perigosa a condução de veículos e a utilização de

máquinas.

- Devido a relatos de aumento do INR, aconselha-se a avaliação periódica do tempo

de protrombina quando o Tramadol / Paracetamol é administrado simultaneamente

com medicamentos semelhantes à varfarina.

- Outros medicamentos conhecidos por inibirem o CYP3A4, como o cetoconazol e a

eritromicina,

podem

inibir

metabolismo

tramadol

(N-desmetilação)

provavelmente, o metabolismo do metabolito ativo O-desmetilado. A importância

clínica desta interação ainda não foi estudada.

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

Medicamentos que reduzem o limiar convulsivo, como bupropiona, antidepressores

inibidores da recaptação de serotonina, antidepressores tricíclicos e neurolépticos. A

utilização concomitante de tramadol com estes fármacos pode aumentar o risco de

convulsões. A velocidade de absorção do paracetamol pode ser aumentada pela

metoclopramida ou domperidona. A absorção pode ser reduzida pela colestiramina.

- Num número limitado de estudos, a aplicação do antiemético antagonista dos

recetores

5-HT3,

ondansetrom,

período

pré-

pós-operatório

provocou

aumento da necessidade de tramadol em doentes com dor pós-operatória.

4.6 Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez

Uma vez que Tramadol / Paracetamol é uma combinação fixa de substâncias ativas

em que está incluído o tramadol, não deve ser utilizado durante a gravidez.

- Informações relativas ao paracetamol:

Resultados de estudos epidemiológicos durante a gravidez humana, não revelaram

quaisquer efeitos nocivos do paracetamol quando utilizado nas doses recomendadas.

- Informações relativas ao tramadol:

O tramadol não deve ser utilizado durante a gravidez pois não há evidência

suficiente para garantir a segurança do tramadol na mulher grávida. O tramadol

administrado antes ou durante o nascimento não afeta a contração uterina. Em

recém-nascidos, pode induzir alterações na frequência respiratória que não são

clinicamente relevantes. O tratamento de longa duração durante a gravidez pode

desencadear

sintomas

privação

recém-nascido,

após

parto,

como

consequência da habituação.

Amamentação

Como Tramadol / Paracetamol é uma combinação fixa de substâncias ativas em que

está incluído o tramadol, não deve ser tomado durante a amamentação.

- Informações relativas ao paracetamol:

O paracetamol é excretado no leite materno em quantidades sem significado clínico.

A bibliografia publicada, não contraindica a amamentação por mulheres que estejam

a tomar medicamentos que contenham apenas paracetamol.

- Informações relativas ao tramadol:

Aproximadamente 0,1% da dose materna de tramadol é excretado no leite materno.

período

pós-parto

imediato,

dose

diária

oral

materna

até

corresponde a uma quantidade média de tramadol, ingerido por lactentes, de 3% da

dose materna média ajustada ao peso. Por este motivo, o tramadol não deve ser

usado

durante

aleitamento

alternativa,

amamentação

deve

interrompida durante o tratamento com tramadol. A interrupção da amamentação

não é geralmente necessária após uma única dose de tramadol.

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

O tramadol pode causar sonolência ou tonturas, que pode aumentar pela ingestão de

álcool ou outro depressor do SNC. Se se sentir afetado, o doente não deve conduzir

ou utilizar máquinas.

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

4.8 Efeitos indesejáveis

Os efeitos indesejáveis mais frequentemente referidos durante os ensaios clínicos,

realizados com a associação de paracetamol/tramadol, foram náuseas, tonturas e

sonolência, observados em mais de 10 % dos doentes.

Doenças do metabolismo e da nutrição:

Desconhecido: hipoglicemia.

Perturbações do foro psiquiátrico:

Frequentes

(≥1/100

<1/10):

confusão,

alterações

humor

(ansiedade,

nervosismo, euforia), perturbações do sono

Pouco

frequentes

(≥1/1.000

<1/100):

depressão,

alucinações,

pesadelos,

amnésia

- Raros (≥1/10.000 a <1/1.000): dependência do fármaco

Vigilância pós-comercialização

- Muito raros (< 1/10.000): abuso.

Doenças do sistema nervoso:

- Muito frequentes (≥1/10): tonturas, sonolência

- Frequentes (≥1/100 a <1/10): cefaleias, tremor

- Pouco frequentes (≥1/1.000 a <1/100): contrações musculares involuntárias,

parestesias, acufenos

- Raros (≥1/10.000 a <1/1000): ataxia, convulsões, síncope

Afeções oculares:

- Raros (≥1/10.000 a <1/1.000): visão turva

Cardiopatias:

- Pouco frequentes (≥1/1.000 a <1/100): hipertensão, palpitações, taquicardia,

arritmia

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino:

- Pouco frequentes (≥1/10.000 a <1/1000): dispneia

Doenças gastrointestinais:

- Muito frequentes (≥1/10): náuseas

- Frequentes (≥1/100 a <1/10): vómitos, obstipação, xerostomia, diarreia, dor

abdominal, dispepsia, flatulência

- Pouco frequentes (≥1/1.000 a <1/100): disfagia, melenas

Afeções hepatobiliares:

- Pouco frequentes (≥1/1.000 a <1/100): aumento das transaminases hepáticas

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos:

- Frequentes (≥1/100 a <1/10): sudação, prurido

- Pouco frequentes (≥1/1.000 a 1/100): reações cutâneas (por exemplo, erupções

cutâneas, urticária)

Doenças renais e urinárias:

- Pouco frequentes (≥1/1.000 a <1/100): albuminúria, alterações na micção (disúria

e retenção

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

urinária)

Perturbações em geral:

- Pouco frequentes (≥1/1.000 a <1/100): arrepios, afrontamentos, dor torácica.

Embora não tendo sido observados durante os ensaios clínicos, não podem ser

excluídos os seguintes efeitos secundários, associados ao uso isolado de tramadol e

paracetamol:

Tramadol:

- Hipotensão postural, bradicardia, colapso (tramadol);

- A vigilância pós-comercialização do tramadol revelou alterações raras da ação da

varfarina,

incluindo aumento do tempo de protrombina.

- Casos raros (≥1/10.000 a <1/1.000): reações alérgicas com sintomas respiratórios

(ex: dispneia, broncospasmo, síbilo, edema angioneurótico) e anafilaxia;

- Casos raros (≥1/10.000 a <1/1.000): alterações no apetite, fraqueza motora, e

depressão respiratória.

- Após a administração de tramadol podem ocorrer efeitos secundários psíquicos que

variam

individualmente na intensidade e natureza (dependendo da personalidade do doente

e duração da medicação). Estes incluem alterações no humor, (geralmente euforia,

ocasionalmente

disforia),

alterações

atividade

(geralmente

supressão,

ocasionalmente aumento) e alterações na capacidade cognitiva e sensorial (por ex.

distúrbios de perceção do comportamento de decisão).

- Foi relatado agravamento de asma, embora não tenha sido estabelecida uma

relação causal.

- Sintomas de reações de privação, semelhantes às que ocorrem durante a privação

opiáceos,

podem

manifestar-se

seguinte

forma:

agitação,

ansiedade,

nervosismo,

insónia,

hipercinesia,

tremor

sintomas

gastrointestinais.

Outros

sintomas que foram observados muito raramente com a suspensão abrupta do

cloridrato de tramadol incluem: ataques de pânico, ansiedade grave, alucinações,

parestesias, acufenos e sintomas invulgares do SNC.

Paracetamol:

reações

adversas

paracetamol

são

raras,

entanto,

pode

ocorrer

hipersensibilidade

incluindo

erupções

cutâneas.

Têm

sido reportadas

discrasias

sanguíneas,

incluindo

trombocitopenia

agranulocitose,

não

foram

necessariamente relacionadas de forma causal com o paracetamol.

- Vários relatos sugerem que o paracetamol pode produzir hipoprotrombinemia

quando administrado com substâncias análogas à varfarina. Noutros estudos, não se

observaram alterações do tempo de protrombina.

- Foram notificados casos muito raros de reações cutâneas graves.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é

importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-

risco do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer

suspeitas de reações adversas diretamente ao INFARMED, I.P.:

INFARMED, I.P.

Direção de Gestão do Risco de Medicamentos

Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

1749-004 Lisboa

Tel: +351 21 798 71 40

Fax: + 351 21 798 73 97

Sítio da internet:

http://extranet.infarmed.pt/page.seram.frontoffice.seramhomepage

E-mail: farmacovigilancia@infarmed.pt

4.9 Sobredosagem

Tramadol / Paracetamol é uma associação fixa de substâncias ativas. No caso de

uma sobredosagem, os sintomas podem incluir os sinais e os sintomas de toxicidade

do tramadol ou do paracetamol ou de ambas as substâncias ativas.

Sintomas de sobredosagem com tramadol:

Em princípio, na intoxicação com tramadol, são de esperar sintomas semelhantes

aos de outros analgésicos de ação central (opióides). Estes incluem, em particular,

miose, vómitos, colapso cardiovascular, perturbações da consciência incluindo coma,

convulsões e depressão respiratória que poderá originar uma paragem respiratória.

Sintomas de sobredosagem com paracetamol:

Uma sobredosagem é particularmente preocupante em crianças. Nas primeiras 24

horas, os sintomas de uma sobredosagem de paracetamol são palidez, náuseas,

vómitos, anorexia e dor abdominal. As lesões hepáticas podem aparecer 12 ou 48

horas após a ingestão. Podem ocorrer alterações do metabolismo da glucose e

acidose metabólica. Em caso de envenenamento grave, a insuficiência hepática pode

conduzir a encefalopatia, coma e morte. Pode-se desenvolver insuficiência renal

aguda com necrose tubular aguda, mesmo na ausência de lesões hepáticas graves.

Foram descritas arritmias cardíacas e pancreatite.

Doses de paracetamol entre 7,5 g e 10 g ou mais altas, no adulto, podem causar

dano hepático. Considera-se que quantidades excessivas de um metabolito tóxico

fixam-se

irreversivelmente

tecido

hepático

contrário

destoxificação

adequada

pela

glutationa,

normalmente

acontece

quando

são

ingeridas

quantidades normais de paracetamol).

Tratamento de emergência:

- transferência imediata para uma unidade especializada;

- manutenção das funções respiratórias e circulatórias;

- antes do início do tratamento deverá ser colhida uma amostra de sangue, o mais

rapidamente

possível

após

sobredosagem,

vista

determinação

concentrações plasmáticas de paracetamol e tramadol e para efeitos de realização de

provas hepáticas;

- as provas hepáticas devem ser efetuadas no início (da sobredosagem) e repetidas

em intervalos de 24 horas. Observa-se geralmente um aumento das enzimas

hepáticas (ASAT, ALAT), que normaliza ao fim de uma ou duas semanas;

- deverá efetuar-se um esvaziamento do estômago através da indução do vómito por

irritação (quando o doente está consciente) ou lavagem gástrica;

- devem ser instituídas medidas de suporte tais como desobstrução das vias aéreas e

manutenção da função cardiovascular; deve utilizar-se a naloxona para reverter a

depressão respiratória; as crises convulsivas podem ser controladas com diazepam;

- o tramadol é eliminado do sangue numa proporção mínima por hemodiálise ou

hemofiltração.

isso

tratamento

intoxicação

aguda

Tramadol

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

Paracetamol através de hemodiálise ou hemofiltração não é aconselhado para a

desintoxicação.

O tratamento imediato da sobredosagem de paracetamol é essencial. Mesmo na

ausência

sintomas

iniciais

significativos,

doentes

devem

enviados

urgentemente para o hospital para cuidados médicos imediatos. Se um adulto ou

adolescente tiver ingerido cerca de 7,5 g ou mais de paracetamol, ou se uma criança

tiver ingerido >150 mg/kg de paracetamol, nas 4 horas precedentes, deve ser

efetuada lavagem gástrica.

As concentrações de paracetamol no sangue devem ser avaliadas 4 horas após a

sobredosagem,

forma

poder

prever-se

risco

lesão

hepática

(via

nomograma da sobredosagem com paracetamol). A administração de metionina por

via oral, ou de N-acetilcisteína (NAC) por via intravenosa, que pode ter um efeito

benéfico nas 48 horas pós sobredosagem, pode ser necessária. A administração de

intravenosa de NAC é mais benéfica quando iniciada nas primeiras 8 horas após a

ingestão da dose excessiva. Contudo, a NAC ainda deve ser administrada se o

intervalo após a sobredosagem for superior a 8 horas, e continuada para um curso

completo de tratamento. O tratamento com NAC deve ser iniciado imediatamente

quando se suspeita de uma sobredosagem massiva. Devem estar disponíveis os

meios gerais de suporte.

Independentemente da quantidade de paracetamol ingerida, o antídoto para o

paracetamol, a NAC, deve ser administrada o mais rapidamente possível, por via oral

ou intravenosa, se possível nas primeiras 8 horas após a sobredosagem.

5. PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo

farmacoterapêutico:

2.12

Sistema

Nervoso

central.

Analgésicos

estupefacientes, código ATC: N02AX52

Analgésicos

O tramadol é um analgésico opiáceo que atua no sistema nervoso central. O

tramadol é um agonista puro não seletivo dos recetores opiáceos µ, δ e κ, com maior

afinidade para os recetores µ. Outros mecanismos que contribuem para o seu efeito

analgésico são a inibição da recaptação neuronal da noradrenalina e aumento da

libertação da serotonina.

O tramadol possui um efeito antitússico. Ao contrário da morfina, uma gama

alargada de doses analgésicas de tramadol não produzem um efeito depressor do

aparelho respiratório. De modo semelhante, a motilidade gastrointestinal não é

afetada. Os efeitos cardiovasculares são geralmente ligeiros. Considera-se que a

potência do tramadol é de um décimo a um sexto da potência da morfina.

O mecanismo exato das propriedades analgésicas do paracetamol não é conhecido e

pode envolver efeitos a nível central e periférico.

Tramadol / Paracetamol está posicionado como analgésico de grau II pela OMS e

deve ser utilizado em conformidade por indicação médica.

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

5.2 Propriedades farmacocinéticas

O tramadol é administrado na forma racémica, sendo possível detetar na circulação

sanguínea as formas [-] e [+] do tramadol e o seu metabolito M1. Embora o

tramadol seja rapidamente absorvido após a administração, a sua absorção é mais

lenta (e a sua semivida mais longa) do que a do paracetamol.

Após uma dose oral única de um comprimido de tramadol/paracetamol (37,5 mg +

325 mg), obtêm-se concentrações plasmáticas máximas de 64,3/55,5 ng/ml [(+)-

tramadol/(-)-tramadol] e de 4,2 µg/ml (paracetamol), respetivamente, após 1,8 h

[(+)-tramadol/(-)-tramadol] e 0,9 h (paracetamol). As semividas de eliminação t1/2

são, em média, de 5,1/4,7 h [(+)-tramadol/(-) - tramadol] e de 2,5 h (paracetamol).

Durante

estudos

farmacocinéticos

realizados

voluntários

sãos,

após

administração oral de Tramadol / Paracetamol em doses únicas e repetidas, não se

observaram alterações significativas nos parâmetros cinéticos obtidos para cada uma

das substâncias ativas em comparação com os parâmetros das substâncias ativas

quando usadas isoladamente.

Absorção:

O tramadol racémico é rápido e quase completamente absorvido após administração

oral. A biodisponibilidade absoluta média de uma dose única de 100 mg é de cerca

de 75%. Após administrações repetidas, a biodisponibilidade aumenta para cerca de

90%.

Após a administração de Tramadol / Paracetamol, a absorção oral de paracetamol é

rápida e quase completa, ocorrendo sobretudo a nível do intestino delgado. As

concentrações plasmáticas máximas de paracetamol são alcançadas ao fim de 1 hora

e não são modificadas pela administração concomitante de tramadol.

A administração oral de Tramadol / Paracetamol com alimentos não tem qualquer

efeito significativo sobre as concentrações plasmáticas ou sobre a extensão de

absorção quer do tramadol quer do paracetamol; consequentemente, Tramadol /

Paracetamol pode ser administrado com ou sem alimentos.

Distribuição:

O tramadol tem uma grande afinidade para os tecidos (Vd,β = 203 ± 40 l). A sua

ligação às proteínas plasmáticas é de cerca de 20%.

O paracetamol parece ser largamente distribuído à maior parte dos tecidos do corpo,

com exceção do tecido adiposo. O seu aparente volume de distribuição é de cerca de

l/kg.

pequena

porção

(~20%)

paracetamol

liga-se

proteínas

plasmáticas.

Biotransformação:

O tramadol é extensamente metabolizado após administração oral. Cerca de 30% da

dose é excretada na urina sob a forma inalterada, enquanto que 60% da dose é

excretada na forma de metabolitos.

O tramadol é metabolizado por O-desmetilação (catalizada pela enzima CYP2D6) no

metabolito M1, e através de N-desmetilação (catalizada pelo CYP3A) no metabolito

M2. O M1 é posteriormente metabolizado por N-desmetilação e por conjugação com

o ácido glucorónico. A semivida de eliminação plasmática do M1 é de 7 horas. O

metabolido M1 tem propriedades analgésicas e é mais potente que o fármaco

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

original. As concentrações plasmáticas de M1 são várias vezes mais baixas que as do

tramadol e não é provável que o efeito clínico seja alterado com doses múltiplas.

O paracetamol é principalmente metabolizado no fígado através de duas das mais

importantes vias hepáticas: glucuronidação e sulfatação. Esta última via pode ser

rapidamente saturada com doses superiores às doses terapêuticas. Uma pequena

fração

(menos

metabolizada

pelo

citocromo

P450

composto

intermédio ativo (N-acetil-benzoquinoneimina) o qual, nas condições normais de

utilização, é rapidamente destoxificado pela glutationa reduzida e excretado na urina

após conjugação com a cisteína e o ácido mercaptúrico. Contudo, em caso de

excessiva

sobredosagem,

quantidade

deste

metabolito

tóxico

encontra-se

aumentada.

Eliminação:

O tramadol e os seus metabolitos são excretados principalmente por via renal. A

semivida de eliminação do paracetamol é de cerca de 2 a 3 horas, nos adultos,

sendo mais curta nas crianças e ligeiramente mais longa nos recém nascidos e

doentes cirróticos. O paracetamol é principalmente excretado pela formação dose-

dependente de derivados glucuro- e sulfoconjugados. Menos de 9% do paracetamol

é excretado inalterado na urina. Na insuficiência renal, a semivida de ambos os

compostos encontra-se prolongada.

5.3 Dados de segurança pré-clínica

Não

foram

realizados

estudos

pré-clínicos

específicos

associação

fixa

(tramadol e paracetamol), com vista a avaliar os seus efeitos carcinogénicos ou

mutagénicos ou os seus efeitos na fertilidade.

descendentes

ratos

tratados

combinação

tramadol/paracetamol

administrada por via oral, não foi observado nenhum efeito teratogénico que possa

ser atribuído ao tratamento.

A associação tramadol/paracetamol revelou ser embriotóxica e fetotóxica no rato

numa dose maternotóxica (50/434 mg/kg tramadol/paracetamol), isto é, 8,3 vezes a

dose

terapêutica

máxima

para

homem.

Não

observou

qualquer

efeito

teratogénico

esta

dose.

toxicidade embrionária

fetal

resultou

numa

diminuição do peso dos fetos e num aumento das costelas supranumerárias. Doses

mais baixas, que deram origem a um efeito maternotóxico menos grave (10/87 e

25/217 mg/kg tramadol/paracetamol), não provocaram efeitos tóxicos a nível do

embrião ou do feto.

resultados

testes

padrão

mutagenicidade

não

revelaram

qualquer

potencial risco de genotoxicidade do tramadol para o homem.

Os resultados dos estudos de carcinogenicidade não sugerem um potencial risco do

tramadol para o homem.

Estudos

animais

altas

doses

tramadol

revelaram

efeitos

desenvolvimento

órgãos,

ossificação

mortalidade

neonatal

associada

maternotoxicidade. A fertilidade reprodutiva e desenvolvimento da descendência não

foram afetadas. O tramadol atravessa a placenta. Não foi observado nenhum efeito

na fertilidade após administração oral de tramadol em doses até 50 mg/kg nos ratos

machos e até 75 mg/kg nos ratos fêmeas.

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

Extensas investigações mostraram não existir evidência de risco relevante de

genotoxicidade do paracetamol em doses terapêutica (i.e., não-tóxicas).

Estudos a longo termo em ratos e ratinhos não revelaram evidência de efeitos

tumorigénicos relevantes em doses de paracetamol não hepatotóxicas.

Estudos em animais e a extensa experiência no homem não mostraram evidência de

toxicidade reprodutiva.

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1 Lista dos excipientes

Povidona, estearato de magnésio, silica coloidal anidra, carboximetilamido sódico

(tipo A) e amido de milho pré-gelificado.

6.2 Incompatibilidades

Não aplicável.

6.3 Prazo de validade

3 anos.

6.4 Precauções especiais de conservação

O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

Os comprimidos de Zilpen são acondicionados em fitas termossoldadas de alumínio

polietileno ou em blisters alumínio/PVC-PVDC.

Zilpen 37,5 mg / 325 mg comprimidos: embalagens com 2, 10, 20, 30, 40, 50, 60,

70, 80, 90 e 100 comprimidos

Zilpen 75 mg / 650 mg comprimidos: embalagens com 2, 10, 20, 30, 40, 50, 60, 70,

80, 90 e 100 comprimidos

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6 Precauções especiais de eliminação

Qualquer medicamento não utilizado ou resíduos devem ser eliminados de acordo

com as exigências locais (ou devolvido à farmácia).

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Tecnimede – Sociedade Técnico Medicinal, S.A.

Rua da Tapada Grande nº 2, Abrunheira

2710-089 Sintra

APROVADO EM

13-08-2016

INFARMED

Portugal

8. NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

de registo:

5456009

comprimidos,

37,5

blister

alumínio/PVC-PVDC

Nº de registo: 5455977 – 20 comprimidos, 325 mg + 37,5 mg, fita termossoldada

de alumínio polietileno

registo:

5456025

comprimidos,

blister

alumínio/PVC-PVDC

Nº de registo: 5456017 – 20 comprimidos, 650 mg + 75 mg, fita termossoldada de

alumínio polietileno

DATA

PRIMEIRA

AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO

AUTORIZAÇÃO

INTRODUÇÃO NO MERCADO

10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação