Arzerra

União Europeia - português - EMA (European Medicines Agency)

Compre agora

Ingredientes ativos:
ofatumumab
Disponível em:
Novartis Europharm Ltd
Código ATC:
L01XC10
DCI (Denominação Comum Internacional):
ofatumumab
Grupo terapêutico:
Anticorpos monoclonais
Área terapêutica:
Leucemia, linfocítica, crônica, células B
Indicações terapêuticas:
Leucemia linfocítica crónica previamente não tratada (CLL): Arzerra em combinação com clorambucil ou bendamustina é indicado para o tratamento de pacientes com CLL que não receberam terapia prévia e que não são elegíveis para terapia com fludarabina. Recaiu CLL: Arzerra é indicado em combinação com fludarabine e ciclofosfamida para o tratamento de pacientes adultos com recaiu CLL. Refratário CLL: Arzerra é indicado para o tratamento de CLL em pacientes que são refratários à fludarabine e alemtuzumab.
Resumo do produto:
Revision: 16
Status de autorização:
Retirado
Número de autorização:
EMEA/H/C/001131
Data de autorização:
2010-04-19
Código EMEA:
EMEA/H/C/001131

Documentos em outros idiomas

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - búlgaro

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - búlgaro

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - búlgaro

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - espanhol

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - espanhol

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - espanhol

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - tcheco

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - tcheco

22-08-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - dinamarquês

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - dinamarquês

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - dinamarquês

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - alemão

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - alemão

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - alemão

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - estoniano

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - estoniano

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - estoniano

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - grego

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - grego

22-08-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - inglês

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - inglês

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - inglês

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - francês

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - francês

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - francês

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - italiano

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - italiano

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - italiano

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - letão

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - letão

22-08-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - lituano

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - lituano

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - lituano

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - húngaro

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - húngaro

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - húngaro

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - maltês

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - maltês

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - maltês

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - holandês

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - holandês

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - holandês

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - polonês

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - polonês

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - polonês

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - romeno

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - romeno

22-08-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - eslovaco

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - eslovaco

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - eslovaco

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - esloveno

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - esloveno

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - esloveno

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - finlandês

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - finlandês

22-08-2017

Relatório de Avaliação Público Relatório de Avaliação Público - finlandês

02-10-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - sueco

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - sueco

22-08-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - norueguês

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - norueguês

22-08-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - islandês

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - islandês

22-08-2017

Folheto informativo - Bula Folheto informativo - Bula - croata

22-08-2017

Características técnicas Características técnicas - croata

22-08-2017

Leia o documento completo

B. FOLHETO INFORMATIVO

Folheto informativo: Informação para o utilizador

Arzerra 100 mg concentrado para solução para perfusão

Arzerra 1000 mg concentrado para solução para perfusão

ofatumumab

Leia com atenção todo este folheto antes de lhe ser administrado este medicamento, pois contém

informação importante para si.

Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.

Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou enfermeiro

Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não indicados

neste folheto,fale com o seu médico ou enfermeiro. Ver secção 4.

O que contém este folheto:

O que é Arzerra e para que é utilizado

O que precisa de saber antes de lhe ser administrado Arzerra

Como Arzerra é administrado

Efeitos secundários possíveis

Como conservar Arzerra

Conteúdo da embalagem e outras informações

1.

O que é Arzerra e para que é utilizado

Arzerra contém ofatumumab, que pertence ao grupo de medicamentos chamados anticorpos

monoclonais.

Arzerra é utilizado para o tratamento da leucemia linfócitica crónica (LLC). A LLC é um tipo de

cancro do sangue que afeta um tipo de células sanguíneas brancas chamadas linfócitos. Os linfócitos

multiplicam-se muito depressa e têm uma vida demasiado longa, por isso há muitos em circulação no

sangue. A doença pode também afetar outros órgãos no corpo. O anticorpo presente em Arzerra

reconhece uma substância à superfície do linfócito causando-lhe a morte.

2.

O que precisa de saber antes de lhe ser administrado Arzerra

Não lhe deve ser administrado Arzerra:

se tem alergia (hipersensibilidade) ao ofatumumab ou a qualquer outro componente deste

medicamento (indicados na secção 6)

Fale com o seu médico se pensa que isto se aplica a si.

Advertências e precauções

Fale com o seu médico ou enfermeiro antes de lhe ser administrado Arzerra

se já teve problemas no coração (cardíacos),

se tem doença nos pulmões (doença pulmonar),

Confirme com o seu médico se pensa que algum destes se aplica a si. Poderá necessitar de mais

consultas enquanto estiver a ser tratado com Arzerra.

O seu médico pode avaliar a quantidade de eletrólitos, tais como magnésio e potássio, no seu sangue

antes e durante o seu tratamento com Arzerra. O seu médico pode tratá-lo se for detectado algum

desequílibrio de electólitos.

Vacinação e Arzerra

Se for vacinado informe o seu médico, ou o profissional que irá administrar a vacina, que está a ser

tratado com Arzerra. A sua resposta à vacina poderá ser enfraquecida e poderá não ficar

completamente protegido.

Hepatite B

Antes de iniciar o tratamento com Arzerra, deve ser testado para a hepatite B (uma doença do fígado).

Se já teve hepatite B, Arzerra pode fazer com que esta fique novamente ativa. O seu médico pode

tratá-lo com um medicamento antiviral adequado para ajudar a prevenir esta situação.

Se tem ou já teve hepatite B, informe o seu médico antes de lhe ser administrado Arzerra.

Reações à perfusão

Medicamentos deste tipo (anticorpos monoclonais) podem causar reações à perfusão quando são

injetados no organismo. Ser-lhe-ão administrados medicamentos como anti-histamínicos,

corticosteroides e analgésicos para ajudar a diminuir qualquer reação. Ver também secção 4 “Efeitos

secundários possíveis”.

Se pensa que teve anteriormente essa reação, informe o seu médico antes de lhe ser administrado

Arzerra.

Leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP)

A leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP), uma doença cerebral grave e fatal, tem vindo a

ser notificada com medicamentos como o Arzerra. Informe o seu médico imediatamente se tiver

perda de memória, dificuldade em pensar, dificuldade em andar ou perda de visão. Se tiver estes

sintomas antes do tratamento com Arzerra, informe o seu médico imediatamente se ocorrer

alterações nos sintomas.

Obstrução intestinal

Fale com o seu médico imediatamente se tiver prisão de ventre, o abdómen inchado ou dor

abdominal. Estes podem ser sintomas de um bloqueio no intestino, especialmente durante as fases

iniciais do seu tratamento.

Crianças e adolescentes

Desconhece-se se Arzerra tem efeito em crianças e adolescentes. Assim, não se recomenda a utlização

de Arzerra em crianças e adolescentes.

Outros medicamentos e Arzerra

Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a utilizar, tiver utilizado recentemente ou se vier a

utilizar outros medicamentos. O que inclui medicamentos à base de plantas e medicamentos obtidos

sem receita médica.

Gravidez, amamentação e fertilidade

Arzerra não é recomendado durante a gravidez

Informe o seu médico se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia

engravidar. O seu médico avaliará os benefícios para si e o risco para o seu bebé de tomar

Arzerra enquanto estiver grávida.

Utilize um método fiável de contraceção para evitar engravidar enquanto estiver a ser tratada

com Arzerra, e pelo menos até 12 meses após a última dose de Arzerra. Aconselhe-se com o seu

médico se planeia engravidar durante este período.

Se ficar grávida durante o tratamento com Arzerra, informe o seu médico.

Não se sabe se os componentes de Arzerra são excretados no leite materno. A amamentação não é

recomendada durante o tratamento com Arzerra e até 12 meses após a última dose.

Condução de veículos e utilização de máquinas

Não é provável que os possíveis efeitos secundários associados a Arzerra afetem a sua capacidade de

conduzir ou utilizar máquinas.

Arzerra contém sódio

Arzerra contém 34,8 mg de sódio em cada dose de 300 mg, 116 mg sódio em cada dose de 1000 mg e

232 mg de sódio em cada dose de 2000 mg. É necessário que tenha em conta este facto se está a fazer

uma dieta controlada em sódio.

3.

Como Arzerra é administrado

Se tiver qualquer dúvida sobre a utilização de Arzerra, fale com o médico ou enfermeiro que lhe está a

administrar a perfusão.

A dose habitual

A dose habitual de Arzerra para a primeira perfusão é 300 mg. Esta dose será aumentada, geralmente

1000 mg ou 2000 mg, nas restantes perfusões.

Como é administrado

Arzerra é administrado por uma veia (intravenoso) como uma perfusão (gota a gota) durante várias

horas.

Se não tiver sido previamente tratado para a LLC vai ter um máximo de 13 perfusões. Será

administrada uma perfusão inicial seguida por uma segunda perfusão 7 dias depois. As restantes

perfusões serão então dadas uma vez por mês até aos 11 meses.

Se tiver sido previamente tratado para a LLC mas a doença voltou vai ter um máximo de

7 perfusões. Será administrada uma perfusão inicial seguida por uma segunda perfusão 7 dias depois.

As restantes perfusões serão então dadas uma vez por mês até aos 6 meses.

Se já foi tratado previamente para LLC terá geralmente um esquema de 12 perfusões. Será

administrada uma perfusão uma vez por semana durante oito semanas, seguida por um período de

quatro a cinco semanas de intervalo. As restantes perfusões serão administradas uma vez por mês

durante quatro meses.

Medicamentos administrados antes de cada perfusão

Antes de cada perfusão de Arzerra, ser-lhe-á administrado pré-medicação – medicamentos que

ajudam a diminuir as reações à perfusão. Estes podem incluir anti-histamínicos, corticosteroides e

analgésicos. Será acompanhado de perto e se tiver quaisquer reações serão tratadas.

4.

Efeitos secundários possíveis

Como todos os medicamentos, este medicamento pode causar efeitos secundários, embora estes não se

manifestam em todas as pessoas.

Reações relacionadas com a perfusão

Medicamentos deste tipo (anticorpos monoclonais) podem causar reações relacionadas com a

perfusão, as quais, por vezes, graves, e poderão causar morte. A probabilidade de ocorrência é maior

durante o primeiro tratamento.

Sintomas muito frequentes de uma reação relacionada com a perfusão (podem afetar mais do que

1 em cada 10 pessoas):

sentir-se enjoado (náuseas)

febre

erupção cutânea

falta de ar, tosse

diarreia

falta de energia

Sintomas frequentes de uma reação relacionadas com a perfusão (podem afetar até 1 em cada

10 pessoas):

reações alérgicas, por vezes graves, em que os sintomas incluem erupções cutâneas salientes e

com prurido (urticária), inchaço da cara ou da boca (angioedema) causando dificuldade em

respirar e colapso

dificuldade em respirar, falta de ar, aperto no peito, tosse

tensão arterial baixa (pode causar tonturas ao levantar-se)

vermelhidão

transpiração excessiva

agitação ou tremores

batimento cardíaco rápido

dor de cabeça

dores nas costas

tensão arterial elevada

dor ou irritação na garganta

nariz entupido.

Sintomas pouco frequentes de uma reação relacionada com a perfusão (podem afetar até 1 em

cada 100 pessoas):

reação anafilática, incluindo choque anafilático, em que os sintomas incluem falta de ar ou

dificuldade em respirar, síbilo ou tosse, atordoamento, tonturas, alteração nos níveis de

consciência, hipotensão, com ou sem comichão generalizada moderada, vermilhidão na pele,

inchaço da cara e/ou da garganta, coloração azul dos lábios, língua ou pele

líquido nos pulmões (edema pulmonar) causando falta de ar.

batimento cardíaco lento

coloração azul dos lábios e extremidades (possíveis sintomas de hipoxia)

Informe imediatamente o seu médico ou enfermeiro se tiver qualquer destes sintomas.

Outros efeitos secundários possíveis

Efeitos secundários muito frequentes

Podem afetar mais do que 1 em cada 10 pessoas:

infeções frequentes, febre, arrepios, dor de garganta ou feridas na boca devido a infeções

febre, tosse, dificuldade em respirar, síbilo, possíveis sintomas de infeções dos pulmões ou vias

respiratórias (trato respiratório) incluindo pneumonia

dor de garganta, sensação de pressão ou dor na face e testa, infeções nos ouvidos, nariz ou

garganta.

Efeitos secundários muito frequentes que podem aparecer nas análises ao sangue:

baixos níveis de glóbulos brancos (neutropenia)

baixos níveis de glóbulos vermelhos (anemia).

Efeitos secundários frequentes

Podem afetar até 1 em cada 10 pessoas:

febre ou, alternativamente, uma temperatura corporal muito baixa, dor no peito, dispneia ou

respiração rápida, agitação, arrepios, confusão, tonturas, diminuição da micção e pulso rápido,

(possíveis sintomas de infeções no sangue)

dificuldade e dor ao urinar, sensação exagerada de necessidade de urinar, infeções do trato

urinário

zona, herpes labial (possíveis sintomas de infeção viral por herpes que podem ser graves)

Efeito secundário frequente que pode aparecer nas análises ao sangue:

níveis baixos de plaquetas no sangue (células que ajudam o sangue a coagular).

Efeitos secundários pouco frequentes

Podem afetar até 1 em cada 100 pessoas

obstrução (entupimento) no intestino, que poderá sentir como dor no estômago

Se tiver dor de estômago persistente, consulte o seu médico assim que possível.

pele e olhos amarelados, náuseas, perda de apetite, urina escura (possíveis sintomas de uma

infeção ou reativação do vírus da hepatite B)

perda de memória, dificuldade em pensar, e dificuldade em andar ou perda de visão (possíveis

sintomas de leucoencefalopatia multifocal progressiva)

aumento do potássio, fosfato e ácido úrico no sangue com possíveis problemas renais

consequentes (síndrome de lise tumoral)

Os sintomas desta situação incluem:

produção de menos urina que o normal

espasmos (contracturas) musculares

Se tiver estes sintomas, contacte o seu médico assim que possível

Efeitos secundários pouco frequentes que podem aparecer nas suas análises ao sangue:

problemas na coagulação sanguínea

falência da medula óssea em produzir células sanguíneas vermelhas e brancas suficientes

Comunicação de efeitos secundários

Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não indicados neste

folheto, fale com o seu médico ou enfermeiro. Também poderá comunicar efeitos secundários

diretamente através do sistema nacional de notificação mencionado no Apêndice V. Ao comunicar

efeitos secundários, estará a ajudar a fornecer mais informações sobre a segurança deste medicamento.

5.

Como conservar Arzerra

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não utilize este medicamento após o prazo de validade impresso na embalagem exterior e no frasco

para injetáveis. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Conservar e transportar refrigerado (2ºC-8ºC).

Não congelar.

Manter o frasco para injetáveis dentro da embalagem exterior para proteger da luz.

Conserve a solução para perfusão diluída entre 2ºC e 8ºC e utilize dentro de 24 horas.Qualquer

solução para perfusão não utilizada deve ser eliminada 24 horas após preparação.

6.

Conteúdo da embalagem e outras informações

Qual a composição de Arzerra

A substância ativa é o ofatumumab. Um ml de concentrado contém 20 mg de ofatumumab.

Os outros componentes são arginina, acetato de sódio (E262), cloreto de sódio, polissorbato 80

(E433), edetato dissódico (E386), ácido clorídrico (E507) (para ajuste do pH), água para

preparações injetáveis (ver “Arzerra contém sódio”, subsecção 2).

Qual o aspeto de Arzerra e conteúdo da embalagem

Arzerra é um concentrado para solução para perfusão incolor a amarelo pálido.

Arzerra 100 mg está disponível em embalagem com 3 frascos para injetáveis. Cada frasco para

injetáveis de vidro é fechado com uma rolha de borracha e um selo de segurança de alumínio, e

contém 5 ml de concentrado (100 mg de ofatumumab).

Arzerra 1000 mg está disponível em embalagem com 1 frasco para injetáveis. Cada frasco de vidro é

fechado com uma rolha de borracha e um selo de segurança de alumínio, e contém 50 ml de

concentrado (1000 mg de ofatumumab).

Titular da Autorização de Introdução no Mercado

Novartis Europharm Limited

Frimley Business Park

Camberley GU16 7SR

Reino Unido

Fabricante

Glaxo Operations UK Limited (Trading as Glaxo Wellcome Operations), Harmire Road, Barnard

Castle, County Durham, DL 12 8DT, Reino Unido

Novartis Pharmaceuticals UK Limited, Frimley Business Park, Frimley, Camberley, Surrey GU16

7SR, Reino Unido

Novartis Pharma GmbH, Roonstrasse 25, 90429 Nuremberga, Alemanha

Para quaisquer informações sobre este medicamento, queira contactar o representante local do Titular

da Autorização de Introdução no Mercado:

België/Belgique/Belgien

Novartis Pharma N.V.

Tél/Tel: +32 2 246 16 11

Lietuva

Novartis Pharma Services Inc.

Tel: +370 5 269 16 50

България

Novartis Bulgaria EOOD

Тел: +359 2 489 98 28

Luxembourg/Luxemburg

Novartis Pharma N.V.

Tél/Tel: +32 2 246 16 11

Česká republika

Novartis s.r.o.

Tel: +420 225 775 111

Magyarország

Novartis Hungária Kft.

Tel.: +36 1 457 65 00

Danmark

Novartis Healthcare A/S

Tlf: +45 39 16 84 00

Malta

Novartis Pharma Services Inc.

Tel: +356 2122 2872

Deutschland

Novartis Pharma GmbH

Tel: +49 911 273 0

Nederland

Novartis Pharma B.V.

Tel: +31 26 37 82 555

Eesti

Novartis Pharma Services Inc.

Tel: +372 66 30 810

Norge

Novartis Norge AS

Tlf: +47 23 05 20 00

Ελλάδα

Novartis (Hellas) A.E.B.E.

Τηλ: +30 210 281 17 12

Österreich

Novartis Pharma GmbH

Tel: +43 1 86 6570

España

Novartis Farmacéutica, S.A.

Tel: +34 93 306 42 00

Polska

Novartis Poland Sp. z o.o.

Tel.: +48 22 375 4888

France

Novartis Pharma S.A.S.

Tél: +33 1 55 47 66 00

Portugal

Novartis Farma - Produtos Farmacêuticos, S.A.

Tel: +351 21 000 8600

Hrvatska

Novartis Hrvatska d.o.o.

Tel. +385 1 6274 220

România

Novartis Pharma Services Romania SRL

Tel: +40 21 31299 01

Ireland

Novartis Ireland Limited

Tel: +353 1 260 12 55

Slovenija

Novartis Pharma Services Inc.

Tel: +386 1 300 75 50

Ísland

Vistor hf.

Sími: +354 535 7000

Slovenská republika

Novartis Slovakia s.r.o.

Tel: +421 2 5542 5439

Italia

Novartis Farma S.p.A.

Tel: +39 02 96 54 1

Suomi/Finland

Novartis Finland Oy

Puh/Tel: +358 (0)10 6133 200

Κύπρος

Novartis Pharma Services Inc.

Τηλ: +357 22 690 690

Sverige

Novartis Sverige AB

Tel: +46 8 732 32 00

Latvija

SIA “Novartis Baltics”

Tel: +371 67 887 070

United Kingdom

Novartis Pharmaceuticals UK Ltd.

Tel: +44 1276 698370

Este folheto foi revisto pela última vez em

Está disponível informação pormenorizada sobre este medicamento no sítio da internet da Agência

Europeia de Medicamentos:http://www.ema.europa.eu/.

A informação que se segue destina-se apenas aos profissionais de saúde:

1)

Antes de diluir Arzerra

Verifique o concentrado de Arzerra quanto a partículas e coloração antes da diluição.

O ofatumumab deve ser uma solução incolor a amarela pálida. Não utilize o concentrado de Arzerra se

houver descoloração.

Não agite o frasco para injetáveis de ofatumumab durante esta inspeção.

2)

Como diluir a solução para perfusão

O concentrado de Arzerra deve ser diluído numa solução para perfusão de cloreto de sódio 9 mg/ml

(0,9%) antes da administração, utilizando uma técnica asséptica.

Dose de 300 mg – Utilize três frascos para injetáveis x 100 mg/5 ml (15 ml no total, 5 ml por frasco):

Retirar e eliminar 15 ml de um saco de 1000 ml de solução para perfusão de cloreto de sódio

9 mg/ml (0,9%);

Retirar 5 ml de ofatumumab de cada um dos três frascos para injetáveis x 100 mg e injetar no

saco de 1000 ml;

Não agitar; misturar a solução diluída com uma inversão ligeira.

Dose de 1000 mg – Utilize um frasco para injetável x 1.000 mg/50 ml (50 ml no total, 50 ml por

frasco):

Retirar e eliminar 50 ml de um saco de 1000 ml de solução para perfusão de cloreto de sódio

9 mg/ml (0,9%);

Retirar 50 ml de ofatumumab do frasco para injetável de 1000 mg e injetar no saco de 1000 ml

Não agitar; misturar a solução diluída com uma inversão ligeira.

Dose de 2000 mg

Utilize dois frascos para injetáveis x 1000 mg/50 ml (100 ml no total, 50 ml por

frasco):

Retirar e eliminar 100 ml de um saco de 1000 ml de solução para perfusão de cloreto de sódio

9 mg/ml (0,9%);

Retirar 50 ml de ofatumumab de cada um dos dois frascos para injetáveis x 1000 mg e injetar

no saco de 1000 ml

Não agitar; misturar a solução diluída com uma inversão ligeira.

3)

Como administrar a solução diluída

Arzerra não deve ser administrado por via intravenosa rápida ou bólus. Administrar utilizando uma

bomba de perfusão intravenosa.

A perfusão deve ser concluída no prazo de 24 horas após a preparação. Rejeitar qualquer solução não

utilizada após esse tempo.

Arzerra não deve ser misturado com, ou administrado como uma perfusão com outros medicamentos

ou soluções intravenosas. Limpe a veia de administração (linha) de perfusão antes e depois da

administração de ofatumumab com uma solução injetável de cloreto de sódio 9 mg/ml (0,9%).

LLC sem tratamento prévio e LLC recidivante:

Para a primeira perfusão, administrar durante 4,5 horas (ver secção 4.2 do RCM), através de uma linha

periférica ou cateter de longa duração, de acordo com o esquema seguinte:

Se a primeira perfusão foi concluída sem reações adversas graves, as perfusões seguintes de 1000 mg

devem ser administradas durante 4 horas (ver secção 4.2 do RCM) através de uma linha periférica ou

cateter de longa duração, de acordo com o esquema abaixo. Se forem observadas quaisquer reações

adversas relacionadas com a perfusão, as perfusões devem ser interrompidas e reiniciadas quando a

condição do doente for estável (ver secção 4.2 do RCM).

Esquema perfusão

Tempo após início da perfusão

(minutos)

Perfusão 1

Perfusões seguintes*

Velocidade de perfusão

(ml/hora)

Velocidade de perfusão

(ml/hora)

0-30

31-60

61-90

91-120

121-150

151-180

180+

*Se a perfusão anterior foi concluída sem RAM graves relacionadas com a perfusão. Se forem

observadas quaisquer RAM relacionadas com a perfusão, a perfusão deve ser interrompida e reiniciada

quando a condição do doente for estável (ver secção 4.2 do RCM).

Qualquer medicamento não utilizado ou resíduos devem ser eliminados de acordo com as exigências

locais.

LLC refratária:

Na primeira e segunda perfusão, administrar durante 6,5 horas (ver secção 4.2 do RCM), através de

uma veia periférica ou de um catéter, de acordo com o esquema seguinte:

Se a segunda perfusão foi concluída sem qualquer reação adversa grave, as restantes perfusões (3-12)

devem ser administradas durante 4 horas (ver secção 4.2 do RCM), através de uma veia periférica ou

de um catéter, de acordo com o esquema abaixo. Se forem observadas quaisquer reações adversas

relacionadas com a perfusão, as perfusões devem ser interrompidas e reiniciadas quando a condição do

doente for estável (ver secção 4.2 do RCM).

Esquema perfusão

Tempo após início da perfusão

(minutos)

Perfusões 1 e2

Perfusões 3* e 4

Velocidade de perfusão

(ml/hora)

Velocidade de perfusão

(ml/hora)

0-30

31-60

61-90

91-120

121+

*Se a segunda perfusão foi concluída sem RAM graves relacionadas com a perfusão. Se forem

observadas quaisquer RAM relacionadas com a perfusão, a perfusão deve ser interrompida e reiniciada

quando a condição do doente for estável (ver secção 4.2).

Qualquer medicamento não utilizado ou resíduos devem ser eliminados de acordo com as exigências

locais.

Leia o documento completo

ANEXO I

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1.

NOME DO MEDICAMENTO

Arzerra 100 mg concentrado para solução para perfusão

Arzerra 1000 mg concentrado para solução para perfusão

2.

COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Um ml de concentrado contém 20 mg de ofatumumab.

Arzerra 100 mg concentrado para solução para perfusão

Cada frasco para injetáveis contém 100 mg de ofatumumab em 5 ml.

Arzerra 1000 mg concentrado para solução para perfusão

Cada frasco para injetáveis contém 1000 mg de ofatumumab em 50 ml.

O ofatumumab é um anticorpo monoclonal humano produzido em linhas celulares murinas

recombinantes (NS0).

Excipiente com efeito conhecido

Este medicamento contém 34,8 mg de sódio por cada dose de 300 mg, 116 mg de sódio por cada dose

de 1000 mg e 232 mg de sódio por cada dose de 2000 mg.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3.

FORMA FARMACÊUTICA

Concentrado para solução para perfusão (concentrado estéril).

Líquido límpido a opalescente e incolor a amarelo pálido.

4.

INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1

Indicações terapêuticas

Leucemia linfocítica crónica (LLC) sem tratamento prévio

Arzerra em associação com clorambucilo ou bendamustina é indicado para o tratamento de doentes

adultos com LLC que não tenham recebido terapêutica prévia e que não sejam elegíveis para

terapêutica com base em fludarabina.

Ver secção 5.1 para mais informação.

LLC recidivante

Arzerra é indicado em associação com fludarabina e ciclofosfamida para o tratamento de doentes

adultos com LLC recidivante.

Ver secção 5.1 para mais informação.

LLC refratária

Arzerra é indicado para o tratamento da LLC em doentes adultos refratários à fludarabina e ao

alemtuzumab.

Ver secção 5.1 para mais informação.

4.2

Posologia e modo de administração

Arzerra deve ser administrado sob a supervisão de um médico com experiência em terapêutica

oncológica e num ambiente com disponibilidade imediata de todos os meios de ressuscitação.

Monitorização

Os doentes devem ser cuidadosamente monitorizados durante a administração de ofatumumab quanto

ao início das reações relacionadas com a perfusão, incluindo síndrome de libertação de citocinas,

particularmente durante a primeira perfusão.

Pré-medicação

Os doentes devem receber os seguintes medicamentos pré-medicação 30 minutos a 2 horas antes de

cada perfusão com Arzerra de acordo com os seguintes esquemas posológicos:

Esquema de pré-medicação para Arzerra

LLC sem tratamento

prévio ou LLC

recidivante

LLC refratária

Número de perfusões

1 e 2

3 a n*

1 e 2

3 a 8

10 a 12

Corticosteroide

intravenoso

(prednisolona ou

equivalente)

50 mg

50 mg**

100 mg

100 mg**

100 mg

50 a

100 mg***

Paracetamol oral

(acetaminofeno)

1000 mg

Anti-histamínico oral

ou intravenoso

Difenidramina 50 mg ou cetirizina 10 mg (ou equivalente)

*Até 13 perfusões em LLC não tratada previamente; até 7 perfusões em LLC recidivante

**Corticosteroide pode ser reduzido ou omitido em perfusões seguintes de acordo com a prescrição

médica, se nenhuma reação adversa medicamentosa (RAM) grave relacionada com a perfusão tiver

ocorrido com a perfusão(ões) anterior(es).

***Corticosteroide pode ser reduzido em perfusões seguintes de acordo com a prescrição médica, se

nenhuma RAM grave relacionada com a perfusão tiver ocorrido com perfusão(ões) anterior(es).

Posologia

LLC sem tratamento prévio

Na LLC sem tratamento prévio, a dose recomendada e o esquema posológico correspondem a:

Ciclo 1: 300 mg no primeiro dia, seguido, após uma semana, de 1000 mg no oitavo dia

Ciclos seguintes (até à melhor resposta ou a um máximo de 12 ciclos): 1000 mg no dia 1 a cada

28 dias.

Cada ciclo dura 28 dias e é contabilizado a partir do dia 1 do ciclo.

A melhor resposta é uma resposta clínica que não melhora com 3 ciclos adicionais de tratamento.

LLC recidivante

Na LLC recidivante, a dose recomendada e o esquema posológico correspondem a:

Ciclo 1: 300 mg no primeiro dia, seguido, após uma semana, de 1000 mg no oitavo dia

Ciclos seguintes (até um máximo de 6 ciclos no total): 1000 mg no primeiro dia a cada 28 dias.

Cada ciclo dura 28 dias e é contabilizado a partir do primeiro dia do ciclo.

LLC sem tratamento prévio e LLC recidivante

Primeira perfusão

A velocidade inicial da primeira perfusão de Arzerra deve ser 12 ml/h. Durante a perfusão, a

velocidade deve ser aumentada cada 30 minutos até um máximo de 400 ml/h (ver secção 6.6). Se

durante a perfusão for observada uma RAM relacionada com a perfusão, ver secção abaixo

“Modificação de dose e reinício da terapêutica após RAM relacionadas com a perfusão”.

Perfusões seguintes

Se a(s) perfusão(ões) anterior(es) tiver sido concluída sem RAM graves relacionadas com a perfusão,

as perfusões seguintes podem começar a uma velocidade de 25 ml/h e devem sem aumentadas a cada

30 min até um máximo de 400 ml/h (ver secção 6.6). Se durante a perfusão for observada uma RAM

relacionada com a perfusão, ver secção abaixo “Modificação de dose e reinício da terapêutica após

RAM relacionadas com a perfusão”.

“M

odificação de dose e reinício da

terapêutica após RAM relacionadas com a perfusão”

Na eventualidade de uma RAM ligeira a moderada, a perfusão deve ser interrompida e reiniciada com

metade da taxa de perfusão aquando da interrupção assim que a condição do doente for estável. Se a

taxa de perfusão não tiver sido aumentada desde a taxa inicial de 12 ml/hora antes da interrupção

devido a uma RAM a perfusão deve ser reiniciada a 12 ml/hora, a velocidade de perfusão inicial

padrão inicial. A velocidade de perfusão pode continuar a ser aumentada de acordo com os

procedimentos padrão, o critério do médico e a tolerância do doente (não exceder a duplicação da

velocidade a cada 30 minutos).

Na eventualidade de uma RAM grave, a perfusão deve ser interrompida e reiniciada a 12 ml/hora

quando a condição do doente for estável. A velocidade de perfusão pode continuar a ser aumentada de

acordo com os procedimentos padrão, o critério do médico e a tolerância do doente (não excedendo o

aumento da velocidade a cada 30 minutos).

Arzerra deve ser interrompido permanentemente em doentes que desenvolvam uma reação anafilática

ao medicamento.

LLC refratária

A dose recomendada e o esquema posológico são 12 doses administradas da seguinte forma:

300 mg no dia 1 seguido, após 1 semana, por

2000 mg por semana para 7 doses (perfusões 2 a 8) seguido, após 4-5 semanas, por

2000 mg a cada 28 dias para 4 doses (perfusões 9 a 12)

Primeira e segunda perfusão

A velocidade inicial da primeira e segunda perfusão de Arzerra deve ser 12 ml/hora. Durante a

perfusão, a velocidade deve ser aumentada a cada 30 minutos até um máximo de 200 ml/hora (ver

secção 6.6). Se durante a perfusão for observada uma RAM relacionada com a perfusão, ver secção

abaixo “Modificação de dose e reinício da terapêutica após RAM relacionadas com a perfusão”.

Perfusões seguintes

Se a(s) perfusão(ões) anterior(es) tiver sido concluída sem RAM graves relacionadas com a perfusão,

as restantes perfusões poderão iniciar-se a uma velocidade de 25 ml/hora devendo ser aumentada a

cada 30 minutos até um máximo de 400 ml/hora (ver secção 6.6). Se durante a perfusão for observada

uma RAM relacionada com a perfusão, ver secção abaixo “Modificação de dose e reinício da

terapêutica após RAM relacionadas com a perfusão”.

Modificação da dose e reinício da terapêutica após RAM relacionadas com a perfusão

Na eventualidade de uma RAM ligeira ou moderada, a perfusão deverá ser interrompida e reiniciada

com metade da velocidade de perfusão no momento da interrupção, assim que a condição do doente

estiver estável. Se a velocidade de perfusão não foi aumentada desde a velocidade inicial de

12 ml/hora antes da interrupção devido a uma RAM, a perfusão deverá ser reiniciada a 12 ml/hora, a

velocidade inicial de perfusão padrão. A velocidade de perfusão pode continuar a ser aumentada de

acordo com os procedimentos padrão, a prescrição médica e a tolerância do doente (não exceder

duplicação da velocidade a cada 30 minutos).

Na eventualidade de uma RAM grave, a perfusão deve ser interrompida e reiniciada a 12 ml/hora,

assim que a condição do doente estiver estável. A velocidade de perfusão pode continuar a ser

aumentada de acordo com os procedimentos padrão, com a prescrição médica e com a tolerância do

doente (não exceder o aumento da velocidade a cada 30 minutos).

Arzerra deve ser interrompido permanentemente em doentes que desenvolvam uma reação anafilática

ao medicamento.

Populações especiais

População pediátrica

A segurança e eficácia de Arzerra em crianças com idade inferior a 18 anos não foram estabelecidas.

Arzerra não é, portanto, recomendado para utilização nesta população de doentes.

Doentes idosos

Não se observaram diferenças substanciais relacionadas com a idade na segurança e eficácia (ver

secção 5.1). Com base nos dados de segurança e eficácia em doentes idosos, não é necessário ajuste da

dose (ver secção 5.2).

Compromisso renal

Não foram realizados estudos com Arzerra em doentes com compromisso renal. Não se recomenda

ajuste da dose no compromisso renal ligeiro a moderado (depuração da creatinina >30 ml/min).

Afeção hepática

Não foram realizados estudos com Arzerra em doentes com afeção hepática. No entanto, os doentes

com afeção hepática não deverão necessitar de ajuste da dose (ver secção 5.2).

Modo de administração

Arzerra administra-se por perfusão intravenosa e deve ser diluído antes da administração. Para

instruções acerca da diluição do medicamento antes da administração, ver secção 6.6.

4.3

Contraindicações

Hipersensibilidade ao ofatumumab ou a qualquer um dos excipientes mencionados na secção 6.1.

4.4

Advertências e precauções especiais de utilização

Reações relacionadas com a perfusão

O ofatumumab intravenoso tem sido associado a reações relacionadas com a perfusão. Estas reações

podem resultar na interrupção temporária do tratamento ou na sua paragem. A pré-medicação atenua

as reações relacionadas com a perfusão mas estas poderão ocorrer mesmo assim, predominantemente

durante a primeira perfusão. As reações relacionadas com a perfusão incluem, mas não estão limitadas

a, acontecimentos anafilactóides, broncospasmo, acontecimentos cardíacos (ex. isquemia do

miocárdio/enfarte, bradicardia), arrepios/calafrios, tosse, síndrome de libertação de citocinas, diarreira,

dispneia, fadiga, afrontamentos, hipertensão, hipotensão, naúseas, dor, edema pulmonar, prurido,

pirexia, erupção cutânea e urticária. Em casos raros, estas reações podem levar à morte. Mesmo com

pré-medicação, têm sido notificadas reações graves, incluindo síndrome de libertação de citocinas,

após a utilização de ofatumumab. Na eventualidade de reações graves relacionadas com a perfusão,

deve interromper-se imediatamente a perfusão de Arzerra e instituír-se tratamento sintomático (ver

secção 4.2).

Se ocorrer uma reação anafilática, o Arzerra deve ser descontinuado imediata e permanentemente e

deve ser iniciado tratamento médico adequado.

As reações relacionadas com a perfusão ocorrem predominantemente durante a primeira perfusão e

tendem a diminuir com as perfusões seguintes. Os doentes com história de função pulmonar diminuída

poderão ter maior risco de complicações pulmonares devidas a reações graves devendo ser

cuidadosamente monitorizados durante a perfusão com Arzerra.

Síndrome de lise tumoral

Em doentes com LLC, poderá ocorrer o síndrome de lise tumoral (SLT) com a utilização de Arzerra.

Os fatores de risco para o SLT incluem, carga tumoral elevada, concentrações elevadas de células

circulantes (≥ 25.000/mm

), hipovolémia, insuficiência renal, níveis elevados de ácido úrico antes do

tratamento e níveis elevados de desidrogenase láctea. O controlo do SLT inclui a correção de níveis

anormais de eletrólitos, monitorização da função renal, manuntenção do balanço hidríco e cuidados de

suporte.

Leucoencefalopatia multifocal progressiva

Têm sido notificadas casos de leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP) que resultam na morte

em doentes com LLC e a receber terapêutica citotóxica, incluindo ofatumumab. Deve considerar-se o

diagnóstico de LMP em qualquer doente a fazer Arzerra em que se observe o aparecimento ou

alterações de sinais e sintomas neurológicos pré-existentes. Se se suspeitar de um diagnóstico de LMP,

Arzerra deve ser interrompido e deve ser considerado o encaminhamento para um neurologista.

Imunização

Não foi estudado a segurança e a capacidade de gerar uma resposta primária ou secundária à

imunização com vacinas vivas atenuadas ou inativadas, durante o tratamento com ofatumumab. A

resposta à vacinação pode estar comprometida em caso de deplecção das células B. Devido ao risco de

infeção, a administração de vacinas vivas atenuadas deve ser evitada durante e depois do tratamento

com ofatumumab, até a contagem de células B estar normalizada. Devem considerar-se os riscos e

benefícios de vacinar doentes durante o tratamento com Arzerra.

Hepatite B

Em doentes em tratamento com medicamentos classificados como anticorpos citolíticos direcionados

para CD20, incluindo Arzerra, ocorreu infeção e reativação do vírus Hepatite B (VHB), resultando em

alguns casos em hepatite fulminante, insuficiência hepática e morte. Foram notificados casos em

doentes com antigénio de superfície da hepatite B (HBsAg) positivo e também em doentes com

anticorpo nuclear da hepatite B (anti-HBc) positivo mas HBsAg negativo. A reativação ocorreu

também em doentes que aparentavam resolução da infeção a hepatite B (exemplo: HBsAg negativo,

anti-HBC positivo e anticorpo de superfície da hepatite B [anti-HBs] positivo).

A reativação do VHB é definida como um aumento abrupto na replicação de VHB, manifestando-se

como um aumento rápido do nível de ADN VHB no plasma ou deteção do HBsAg numa pessoa que

era previamente HBsAg negativa e anti-HBc positiva. A reativação da replicação do VHB é

frequentemente seguida por hepatite, i.e., aumento dos níveis de transaminases e, em casos graves,

aumento dos níveis de bilirrubina, insuficiência hepática e morte.

Antes do início da terapêutica com Arzerra, todos os doentes devem ser monitorizados para a infeção

por VHB por medição de HBsAg e anti-HBc. Em doentes que mostrem evidência de infeção por

hepatite B anterior (HBsAg negativo, anti-HBc positivo), deve ser consultado um médico especialista

na gestão de hepatite B considerando a monitorização e início da terapêutica antiviral para VHB. A

terapêutica com Arzerra não deve ser iniciada em doentes com evidência de atual infeção por hepatite

B (HBsAg positivo) até que a infeção seja adequadamente tratada.

Doentes com evidência de infeção por VHB anterior devem ser monitorizados para sinais clínicos e

laboratoriais de hepatite ou reativação do VHB durante o tratamento e 6-12 meses após a última

perfusão com Arzerra. Foi notificada reativação do VHB até 12 meses após conclusão da terapêutica.

A descontinuação da terapêutica antiviral para VHB deve ser discutida com um médico especialista na

gestão da hepatite B.

Em doentes que desenvolveram reativação do VHB durante a terapêutica com Arzerra, Arzerra e

qualquer outra quimioterapia concomitante devem ser interrompidos de imediato e deve ser instituído

o tratamento apropriado. Não existem dados suficientes em relação à segurança da interrupção da

terapêutica com Arzerra em doentes que desenvolverem reativação do VHB. O reinício de Arzerra em

doentes com reativação do HBV tratada deve ser dicutida com um médico especialista na gestão da

hepatite B.

Doenças cardiovasculares

Os doentes com história de doença cardiovascular devem ser cuidadosamente monitorizados. Arzerra

deve ser interrompido em doentes com arritmias cardíacas graves ou potencialmente fatais.

O efeito de doses múltiplas de Arzerra no intervalo QTc foi avaliado num conjunto de análises de três

estudos abertos em doentes com LLC (N=85). Observaram-se, no conjunto de análises, aumentos

acima dos 5 mseg no intervalo mediana/média QT/QTc. Não foram detetadas grandes alterações no

intervalo médio QTc (i.e.,>20 milisegundos). Nenhum dos doentes teve um aumento de QTc a

>500 mseg. Não foi detetado um aumento de QTc dependente da concentração. Recomenda-se o

doseamento dos eletrólitos como potássio e magnésio antes e durante a administração de ofatumumab.

As anomalias electróliticas devem ser corrigidas. É desconhecido o efeito de ofatumumab em doentes

com intervalos de QT prolongados (ex. adquiridos ou congénitos).

Obstrução intestinal

Tem sido observada obstrução intestinal em doentes tratados com anticorpos monoclonais anti-CD20,

incluindo ofatumumab. Os doentes que apresentem dores abdominais, especialmente no início da

terapêutica com ofatumumab, devem ser avaliados e deve instituír-se o tratamento apropriado.

Monitorização laboratorial

Foram notificadas citopenias, incluindo neutropenias prolongadas ou de inicio tardio durante o

tratamento com ofatumumab. Deve efetuar-se, regularmente, o hemograma completo, incluindo

contagem de neutrófilos e plaquetas, durante a terapêutica com Arzerra e mais frequentemente em

doentes que desenvolvam citopenias.

Conteúdo em sódio

Este medicamento contém 34,8 mg de sódio por cada dose de 300 mg, 116 mg de sódio por cada dose

de 1000 mg e 232 mg de sódio por cada dose de 2000 mg. Este facto deve ser tido em conta em

doentes com uma dieta controlada em sódio.

4.5

Interações medicamentosas e outras formas de interação

Embora a informação formal existente sobre interações medicamentosas com ofatumumab seja

limitada, não se conhecem interações clínicas signficativas com outros medicamentos. Não foram

observadas interações farmacocinéticas clinicamente relevantes entre ofatumumab e fludarabina,

ciclofosfamida, bendamustina, clorambucilo, ou do seu metabolito ativo, mostarda ácido fenilacético.

A eficácia de vacinas vivas atenuadas ou inativadas poderá estar comprometida com ofatumumab.

Assim, deve evitar-se a utilização concomitante de vacinas com ofatumumab. Se a administração

concomitante for considerada inevitável, devem ser considerados os riscos e benefícios de vacinar os

doentes durante a terapêutica com ofatumumab (ver secção 4.4).

4.6

Fertilidade, gravidez e aleitamento

Mulheres com potencial pra engravidar

Uma vez que o ofatumumab pode causar depleção fetal de células B, tem de ser utilizada uma

contraceção eficaz (métodos que resultem em taxas de gravidez inferiores a 1%) durante o tratamento

com Arzerra e no mínimo durante 12 meses após a última dose de Arzerra. Após este período, o

planeamento de uma gravidez em relação à doença subjacente, deve ser avaliado pelo médico

assistente.

Gravidez

O ofatumumab pode causar depleção fetal das células B com base nos resultados em estudos em

animais e no seu mecanismo de ação (ver secção 5.1).

Não existem estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas que informem um risco

associado ao produto. Não foi observada teratogenicidade ou toxicidade materna num estudo de

reprodução animal com administração de ofatumumab em macacas grávidas (ver secção 5.3). O

ofatumumab não deve ser administrado a mulheres grávidas, exceto se o benefício esperado para a

mãe for maior que qualquer possível risco para o feto.

Deve ser evitada a administração de vacinas vivas em recém-nascidos e crianças expostas a

ofatumumab in utero até ocorrer a recuperação das células B (ver secções 4.4 e 4.5).

Amamentação

Desconhece-se se o Arzerra é excretado no leite humano, no entanto, as IgG humanas são excretadas

no leite humano. O uso seguro de ofatumumab em seres humanos durante a amamentação não foi

ainda estabelecido. A excrecção de ofatumumab no leite não foi ainda estudada em animais. Dados

publicados sugerem que o consumo neonatal e infantil de leite materno não resulta numa absorção

substancial destes anticorpos maternos na circulação. Não se pode excluir o possível risco para recém-

nascidos/lactentes. A amamentação deve ser descontinuada durante o tratamento com Arzerra e nos

12 meses seguintes ao tratamento.

Fertilidade

Não existem dados sobre os efeitos de ofatumumab na fertilidade humana. Os efeitos na fertilidade

masculina e feminina não foram avaliados em estudos animais.

4.7

Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não foram estudados os efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas.

Não se prevê nenhum efeito prejudicial sobre estas atividades, com base na farmacologia de

ofatumumab. O estado clínico do doente e o perfil de RAM do ofatumumab devem ser tidos em

consideração quando se analisa a capacidade do doente para realizar tarefas que exijam avaliação,

habilidade motora e cognitiva (ver secção 4.8).

4.8

Efeitos indesejáveis

Resumo do perfil de segurança

O perfil de segurança do ofatumumab é baseado em dados de 1.168 doentes em ensaios clinicos na

LLC (ver secção 5.1). Inclui 643 doentes tratados com ofatumumab em monoterapia (em doentes com

recaidas ou LLC refrátaria) e 525 doentes tratados com ofatumumab em associação com quimioterapia

(clorambucilo ou bendamustina ou fludarabina e ciclofosfamida).

Tabela de reações adversas

As reações adversas notificadas em doentes tratados com ofatumumab em monoterapia e com

ofatumumab em associação com quimioterapia, encontram-se descritas abaixo de acordo com a classe

de sistemas de órgãos segundo a base de dados MedDRA e por frequência, utilizando a seguinte

convenção: muito frequentes (≥ 1/10); frequentes (≥1/100, <1/10); pouco frequentes (≥1/1000,

<1/100); raros (≥1/10.000, <1/1.000); muito raros (<1/10.000); desconhecido (não pode ser calculado

a partir dos dados disponíveis). Dentro de cada grupo de frequência, as reações adversas são

classificadas por ordem decrescente de gravidade.

Classe de

sistemas de

órgãos segundo a

base de dados

MedDRA

Muito

frequentes

Frequentes

Pouco frequentes

Infeções e

infestações

Infeção no

trato

repiratório

inferior

(incluindo

pneumonia),

infeção no

trato

respiratório

superior

Sepsis (incluindo sepsis

neutropenica e choque séptico)

infeção viral por herpes, infeção

do trato urinário

Infeção por

hepatite B e

reativação,

leucoencefalopatia

multifocal

progressiva

Doenças do

sangue e do

sistema linfático

Neutropenia,

anemia

Neutropenia febril,

trombocitopenia, leucopenia

Agranulocitose,

coagulopatias,

aplasia

eritrocitária,

linfopenia

Doenças do

sistema

imunitário

Hipersensibilidade*

Reações

anafiláticas

(incluindo choque

anafilático)*

Doenças do

sistema nervoso

Cefaleias*

Doenças do

metabolismo e da

nutrição

Síndrome de lise

tumoral

Cardiopatias

Taquicardia*

Bradicardia

Vasculopatias

Hipotensão*, hipertensão*

Doenças

respiratórias,

torácicas e do

mediastino

Dispneia*,

tosse*

Broncospasmo*, desconforto no

peito*, dor orofaríngea*,

congestão nasal*

Edema

pulmonar*,

hipóxia*

Doenças

gastrointestinais

Náuseas*,

diarreia*

Obstrução do

intestino delgado

Afeções dos

tecidos cutâneos e

subcutâneos

Erupção

cutânea*

Urticária*, prurido*, rubor*

Afeções

musculosquelétic

as e dos tecidos

conjuntivos

Lombalgia*

Perturbações

gerais e

alterações no

local de

administração

Pirexia*,

fadiga*

Síndrome de libertação de

citocinas*, arrepios* (incluindo

calafrios)*, hiperhidrose*

Complicações de

intervenções

relacionadas com

lesões e

intoxicações

Reação relacionada com a

perfusão

*Estes acontecimentos são provavelmente atribuidos ao ofatumumab na sequência de uma reação

relacionada com a perfusão e ocorrem normalmente após o início da perfusão e até às 24 horas

seguintes depois de completar a perfusão (ver secção 4.4).

Descrição de reações adversas selecionadas

Reações relacionadas com a perfusão

Dos 1,168 doentes a receber ofatumumab nos ensaios clínicos para LLC, as RAM mais frequentes,

observadas foram reações relacionadas com a perfusão, que ocorreram em 711 doentes (61%) durante

qualquer período do tratamento. A maioria das reações relacionadas com a perfusão foram de

gravidade de Grau 1 ou Grau 2. Sete por cento dos doentes tiveram reações à perfusão de ≥Grau 3

durante qualquer período do tratamento. Dois por cento das reações relacionadas com a perfusão

levaram à interrupção do tratamento. Não houve reações fatais relacionadas com a perfusão (ver

secção 4.4).

Infeções:

Dos 1.168 doentes a receberam ofatumumab em ensaios clinicos para LLC, observaram-se infeções

bacterianas, virais e fúngicas em 682 doentes (58%). 268 (23%) dos 1.168 doentes tiveram infeções de

≥Grau 3. 65 (6%) dos 1.168 doentes tiveram uma infeção fatal.

Neutropenia:

Dos 1.168 doentes que receberam ofatumumab nos ensaios clinicos, 420 doentes (36%) tiveram um

efeito adverso associado a diminuição da contagem de neutrófilos; 129 (11%) tiveram um efeito

adverso grave associado a diminuição da contagem de neutrófilos.

No estudo clínico principal para a LLC sem tratamento (OMB110911; ofatumumab com clorambucilo

217 doentes, apenas clorambucilo 227 doentes), a neutropenia prolongada (definida como neutropenia

de Grau 3 ou 4 sem resolução entre 24 e 42 dias após a última dose de tratamento do estudo) foi

notificada em 41 doentes (9%) (23 doentes [11%] tratados com ofatumumab e clorambucilo,

18 doentes [8%] tratados apenas com clorambucilo). Nove doentes (4%) tratados com ofatumumab e

clorambucilo, e três doentes tratados apenas com clorambucilo tiveram um aparecimento tardio de

neutropenia (definida como neutropenia de Grau 3 ou 4 começando pelo menos 42 dias depois do

último tratamento). No estudo principal (OMB110913, ofatumumab com fludarabina e ciclofosfamida

181 doentes, fludarabina e ciclofosfamida 178 doentes) em doentes com recidiva de LLC, foi

notificada neutropenia prolongada em 38 (11%) doentes (18 doentes [10%] tratados com ofatumumab

em associação com fludarabina e ciclofosfamida comparativamente com 20 doentes [11%] no grupo

de fludarabina e ciclofosfamida). Treze (7%) doentes tratados com ofatumumab em associação com

fludarabina e ciclofosfamida e 5 (3%) doentes tratados com fludarabina e ciclofosfamida tiveram um

aparecimento tardio de neutropenia.

Cardiovascular

O efeito de doses múltiplas de Arzerra no intervalo QTc foi avaliado num conjunto de análises de três

estudos abertos em doentes com LLC (N=85). Observaram-se, no conjunto de análises, aumentos

acima dos 5 mseg no intervalo mediana/média QT/QTc. Não foram detetadas grandes alterações no

intervalo médio QTc (i.e.,>20 milisegundos). Nenhum dos doentes teve um aumento de QTc a

>500 mseg. Não foi detetado um aumento de QTc dependente da concentração.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma

vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento. Pede-se aos

profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema

nacional de notificação mencionado no Apêndice V.

4.9

Sobredosagem

Não foram descritos casos de sobredosagem.

5.

PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1

Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: agentes antineoplásicos, anticorpos monoclonais, código ATC: L01XC10

Mecanismo de ação

O ofatumumab é um anticorpo monoclonal humano (IgG1) que se liga especificamente a um epítopo

distinto envolvendo ambas as hélices extracelulares pequena e grande da molécula CD20. A molécula

CD20 é uma fosfoproteína transmembranar expressa nos linfócitos B a partir da fase de pré-B a

linfócito B maduro e em tumores das células B. Os tumores das células B incluem a LLC (geralmente

associada à expressão de níveis baixos de CD20) e linfomas não Hodgkin (em que >90% dos tumores

têm níveis elevados de expressão de CD20). A molécula CD20 não se liberta da superfície celular e

não passa ao interior da célula após ligação ao anticorpo.

A ligação de ofatumumab ao epítopo da membrana proximal da molécula CD20 induz o recrutamento

e ativação da via do complemento na superfície celular, levando à citotoxicidade dependente do

complemento e consequente lise das células tumorais. O ofatumumab tem demonstrado induzir

consideravelmente a lise de células com níveis de expressão elevados de moléculas de defesa do

complemento. O ofatumumab tem também demonstrado induzir a lise celular em células expressando

ambos níveis elevados e baixos de CD20 e em células resistentes a rituximab. Além disso, a ligação do

ofatumumab permite o recrutamento de células NK (natural killer), permitindo a indução da morte

celular através de citotoxicidade mediada por células dependentes de anticorpos.

Efeitos farmacodinâmicos

A contagem de células B periféricas diminuiu após a primeira perfusão com ofatumumab em doentes

com neoplasias hematológicas. Em todos os doentes com LLC, ofatumumab induz a depleção rápida e

profunda de células B, quer seja administrado em monoterapia ou em associação.

Quando o ofatumumab foi administrado em monoterapia em doentes com LLC refractária, a

diminuição mediana da contagem de células B foi de 22% após a primeira perfusão e de 92% na oitava

perfusão semanal. A contagem de células B periféricas permaneceu baixa ao longo do restante tempo

de tratamento na maioria dos doentes, e, nos doentes que responderam, permaneceu abaixo da linha de

base até 15 meses depois da última dose.

Quando o ofatumumab foi administrado em associação com clorambucilo em doentes com LLC sem

tratamento prévio, o decréscimo mediano na contagem de células B depois do primeiro ciclo e antes

do sexto ciclo mensal foram 94% e >99%. Seis meses após a última dose, a redução mediana na

contagem de células B foi >99%.

Quando o ofatumumab foi administrado em associação com fludarabina e ciclofosfamida em doentes

com LLC recidivante, a diminuição mediana da linha de base foi de 60% após a primeira perfusão e a

depleção completa (100%) foi alcançada após 4 ciclos.

Imunogenicidade

Existe uma imunogenicidade potencial com o tratamento com proteínas como o ofatumumab. Foram

analisadas amostras de soro de mais de 1.000 doentes durante o programa clinico de LLC para

anticorpos anti-ofatumumab durante e após os periodos de tratamento de 8 semanas até 2 anos.

Observou-se formação de anticorpos anti-ofatumumab em menos de 0,5% dos doentes com LLC após

o tratamento com ofatumumab.

Eficácia e segurança clínicas

LLC sem tratamento prévio

O estudo OMB110911 (randomizado, aberto, paralelo, multicêntrico) avaliou a eficácia de Arzerra em

associação com clorambucilo comparativamente a clorambucilo em monoterapia em 477 doentes com

LLC sem tratamento prévio considerados sem indicação para tratamento baseado em fludarabina (ex.

devido a idade avançada ou presença de comorbilidade), com doença ativa e indicada para o

tratamento. Os doentes receberam perfusões intravenosas mensais de Arzerra (ciclo 1: 300 mg no dia 1

e 1000 mg no dia 8; ciclos seguintes: 1000 mg no dia 1 a cada 28 dias) em associação com

clorambucilo (10 mg/m

oral nos dias 1-7 a cada 28 dias) ou apenas clorambucilo (10 mg/m

oral nos

dias 1-7 a cada 28 dias). Os doentes receberam tratamento no mínimo durante três meses até que se

obteve a melhor resposta ou até um máximo de 12 ciclos. A idade mediana foi de 69 anos (intervalo:

35 a 92 anos), 27% dos doentes tinham ≥ 75 anos de idade, 63% eram do sexo masculino e 89% de

raça caucasiana. A Mediana de Doenças Cumulativas para Geriatria (CIRS-G) foi 9 e 31% dos doentes

tinham uma CIRS_G >10. A depuração da creatinina mediana (CrCl), avaliada com a fórmula de

Cockroft-Gault, foi 70 ml/min e 48% dos doentes tinham uma CrCl <70 ml/min.

Os doentes incluidos no estudo tiveram classificação de 0 a 2 no Eastern Cooperative Oncology

Group (ECOG), e 91% tinham um ECOG de 0 ou 1. Aproximadamente 60% dos doentes receberam

3-6 ciclos de Arzerra e 32% receberam 7-12 ciclos. A mediana de ciclos completos pelos doentes foi 6

(dose total de Arzerra de 6300 mg).

O objetivo primário foi sobrevivência livre de progressão (PFS) mediana avaliada em ocultação por

um Comité de Revisão Independente (IRC) utilizando o Workshop Internacional para Leucemia

Linfocítica Crónica (IWCLL) atualizado pelas normas orientadoras (2008) National Cancer Institute-

sponsored Working Group (NCI-WG). A taxa de resposta global incluindo resposta completa (CR) foi

também avaliada por um IRC utilizando as normas orientadoras de 2008 do IWCLL.

Arzerra em associação com clorambucilo demonstrou (71%) de melhoria na PFS mediana com

significado estatístico, comparativamente a clorambucilo em monoterapia (HR: 0,57; 95% IC: 0,45;

0,72) (ver Tabela 1 e Figura 1). Com a adição de Arzerra foi observado um beneficio da PFS em todos

os doentes, incluindo aqueles com caracteristicas biológicas de baixo risco (tais como naqueles com

delecção do 17p ou 11q, sem mutação IGHV, β2M >3500 µg/l, e expressão ZAP-70.

Tabela 1.

Resumo do PFS com Arzerra em associação com clorambucilo comparativamente a

clorambucilo na LLC sem tratamento prévio.

IRC-avaliação primária e subgrupo

de análises de PFS, meses

Clorambucilo

(N=226)

Arzerra e clorambucilo

(N=221)

Mediana, todos os doentes

13,1

22,4

95% IC

(10,6, 13,8)

(19,0, 25,2)

Hazard ratio

valor P

0,57 (0,45, 0,72)

p<0,001

Idade ≥75 anos (n=119)

12,2

23,8

Comorbilidade 0 ou 1 (n=126)

10,9

23,0

Comorbilidade 2 ou mais (n=321)

13,3

21,9

ECOG 0, 1 (n=411)

13,3

23,0

ECOG 2 (n=35)

20,9

CIRS-G ≤10 (n=310)

13,1

21,7

CIRS-G >10 (n=137)

12,2

23,2

CrCl <70 ml/min (n=214)

10,9

23,1

CrCl ≥70 ml/min (n=227)

14,5

22,1

Delecção 17p or 11q (n=90)

13,6

Com mutação IGHV (≤98%) (n=177)

12,2

30,5

Sem mutação IGHV (>98%) (n=227)

11,7

17,3

β2M ≤3500 μg/l (n=109)

13,8

25,5

β2M >3500 μg/l (n=322)

11,6

19,6

ZAP-70 positivo (n=161)

17,7

ZAP-70 intermédio (n=160)

13,6

25,3

ZAP-70 negativo (n=100)

13,8

25,6

Com mutação IGHV & ZAP-70

negativo (n=60)

10,5

Com mutação IGHV & ZAP-70

positivo (n=35)

27,2

Sem mutação IGHV & ZAP-70

negativo (n=27)

16,7

16,2

Sem mutação IGHV & ZAP-70

positivo (n=122)

11,2

16,2

Abreviaturas: β2M= beta-2-microglobulina, CI= intervalo de confiança, CIRS-G= Índice de

doenças cumulativas para geriatria, LLC= leucemia linfocítica crónica, CrCl= depuração de

creatinina, ECOG= Eastern Cooperative Oncology Group, IGHV - Immunoglobulin Heavy

Chain Variable Region = região variável da cadeia pesada da imunoglobulina, IRC= Comité de

Avaliação Independente, N= número, NA – não atingida, PFS - Progression Free Survival =

sobrevivência livre de progressão, ZAP-70= proteína cinase 70 associada à cadeia zeta.

Estão disponíveis dados limitados da população heterogénea não caucasiana e em doentes com

classificação ECOG PS=2.

------Clorambucilo

(N=226)

Mediana 13.1 mesess____

Ofatumumab + Clorambucilo

(N=221)

Mediana 22.4 meses

Hazard Ratio=0,57

IC 95% (0,45; 0,72)

valor-p<0,001

Número em risco em

Risk:

Figura 1

Estimativas Kaplan-Meier do IRC-avaliação PFS em LLC sem tratamento prévio

Tempo para Sobrevivência Livre de Progressão (Meses)

Tabela 2.

Resumo dos resultados secundários de Arzerra em associação com clorambucilo

comparativamente à monoterapia com clorambucilo, na LLC sem tratamento

prévio.

IRC-avaliação dos resultados

secundários

Clorambucilo

(N=226)

Arzerra e clorambucilo

(N=221)

ORR (%)

95% IC

(62,1, 74,6)

(76,7, 87,1)

valor de p

p<0,001

RC (%)

RC com negatividade DRM (% of RC)

Duração mediana da resposta, todos os

doentes, meses

13,2

22.1

95% IC

(10,8, 16,4)

(19,1, 24,6)

valor de P

p<0,001

Abreviaturas: IC= intervalo de confiança, LLC= leucemia linfocítica crónica, RC= resposta

completa, IRC= Independent Review Committee, DRM= doença residual mínima, N= número,

ORR= taxa de resposta global.

O estudo OMB115991 avaliou a eficácia de Arzerra em associação com bendamustina em 44 doentes

com LLC sem tratamento prévio considerados sem indicação para tratamento baseado em fludarabina.

Os doentes receberam perfusões intravenosas mensais de Arzerra (ciclo 1: 300 mg no dia 1 e 1000 mg

no dia 8; ciclos subsequentes: 1000 mg no dia 1 a cada 28 dias) em associação com bendamustina

intravenosa 90 mg/m

nos dias 1 e 2 a cada 28 dias.

Os doentes receberam tratamento até um máximo de 6 ciclos O número mediano de ciclos completos

pelos doentes foi 6 (dose total de Arzerra de 6300 mg).

Clorambucilo

Ofatumumab

mais

Clorambuci

Probabilidade de Sobreviv ência Livre de Progressão

(PFS)

O objetivo final primário foi ORR, avaliada pelo investigador de acordo com as normas orientadoras

IWCLL de 2008.

Os resultados deste estudo demonstraram que Arzerra em associação com bendamustina é uma

terapêutica efetiva proporcionando uma ORR de 95% (95% IC:85,99) e uma RC de 43%. Mais de

metade dos doentes (56%) com RC foram MRD negativos, após conclusão do tratamento em estudo.

Não existem dados que comparem Arzerra em associação com bendamustina ou com clorambucilo

versus uma terapêutica baseada em rituximab tal como rituximab em associação com clorambucilo.

Deste modo, o beneficio desta nova associação comparativamente a uma terapêutica baseada em

rituximab é desconhecido.

LLC recidivante

O estudo OMB110913 (ensaio multicêntrico, aleatorizado, aberto, de grupos paralelos) avaliou a

eficácia de ofatumumab em associação com fludarabina e ciclofosfamida comparativamente com

fludarabina e ciclofosfamida em 365 doentes com recidiva de LLC (definida como um doente que

tenha recebido pelo menos uma terapêutica para a LLC e tenha atingido anteriormente

remissão/resposta completa ou parcial, mas que após um período de seis ou mais meses tenha

demonstrado evidência de progressão da doença). As características iniciais da doença e os

marcadores de prognóstico foram equilibrados entre os grupos de tratamento e representativos de uma

população com LLC recidivante. A mediana de idade dos doentes foi de 61 anos (intervalo: 32 a

90 anos, 7% tinham 75 anos de idade ou mais), 60% eram homens e 16%, 55% e 28% dos doentes

eram estádios A, B e C de Binet, respetivamente. A maioria dos doentes (81%) recebeu 1-2 linhas de

tratamento anteriormente (dos quais aproximadamente 50% receberam 1 tratamento anterior) e 21%

dos doentes tinha recebido rituximab anteriormente. A mediana da escala de CIRS foi 7 (intervalo: 4 a

17), 36% dos doentes tinha CrCL <70 ml/min, 93% dos doentes tinha ECOG 0 ou 1. Os dados são

limitados sobre a população heterogénea não branca são limitados e sobre doentes com capacidade de

desempenho ECOG de 2.

Os doentes receberam ofatumumab através de perfusões intravenosas (ciclo 1: 300 mg no dia 1 e

1000 mg no dia 8; ciclos seguintes: 1000 mg no dia 1 de 28 em 28 dias). Aproximadamente 90% dos

doentes receberam 3-6 ciclos de ofatumumab e 66% completaram 6 ciclos.

O parâmetro de avaliação primário sobrevivência livre de progressão (SLP), avaliado, em ocultação,

por um comité de revisão independente (CRI) utilizando as diretrizes atualizadas do National Cancer

Institute-sponsored Working Group (NCI-WG) (2008), foi prolongado no grupo de ofatumumab mais

fludarabina-ciclofosfamida (OFA+FC) comparativamente com o grupo de fludarabina-ciclofosfamida

(FC) (28,9 meses versus 18,8 meses; HR: 0,67; IC 95%: 0,51-0,88, p=0,0032) resultando numa

melhoria de 10 meses na SLP mediana (ver Figura 2). A SLP com base na avaliação local

(investigador) foi consistente com o parâmetro de avaliação primário e resultou numa melhoria da

mediana de SLP de ~11 meses (OFA+FC 27,2 meses versus 16,8 meses para FC; HR=0,66 (IC 95%:

0,51; 0,85, p=0,0009).

----OFA + FC (N=183)

Mediana 28,94 meses

IC 95% (22,80; 35,88)

____FC (N=182)

Mediana 18,83 meses

IC 95% (14,42;25,82)

Hazard Ratio=0,67

IC 95% (0,51;0,88)

valor-p=0,0032

Number at risk at

Risk:

Figura 2

Estimativas de Kaplan-Meier da SLP na LLC recidivante

1,0

0,9

0,8

0,7

0,6

0,5

0,4

0,3

0,2

0,1

0,0

Tempo de Sobrevivência Livre de Progressão (Meses)

A taxa de resposta global (TRG) também foi avaliada por um CRI utilizando as diretrizes NCI-WG de

2008. A TRG foi maior para OFA+FC versus FC (84% versus 68%, p=0,0003). A mediana de tempo

até à terapêutica seguinte foi maior no grupo de OFA+FC versus FC (48,1 meses versus 40,1 meses;

HR: 0,73; IC 95%: 0,51-1,05). A mediana de tempo até progressão foi maior no grupo de OFA+FC

versus FC (42,1 meses versus 26,8 meses; HR: 0,63; IC 95%: 0,45-0,87).

Com uma mediana de acompanhamento de aproximadamente 34 meses, foram notificadas 67 óbitos

(37%) no grupo de OFA+FC e 69 óbitos (38%) no grupo de FC. Os resultados de sobrevivência global

revelaram um HR=0,78 (56,4 meses versus 45,8 meses para o grupo de OFA+FC versus o grupo de

FC; IC 95%: 0,56-1,09; p=0,1410).

LLC refratária

Arzerra foi administrado em monoterapia a 223 doentes com LLC refratária (estudo Hx-CD20-406). A

mediana de idades dos doentes foi de 64 anos (intervalo: 41 a 87 anos), e a maioria eram do sexo

masculino (73%) e caucasianos (96%). Os doentes receberam em média 5 tratamentos prévios,

incluindo rituximab (57%). Destes 223 doentes, 95 eram refratários à terapêutica de fludarabina e

alemtuzumab (definida como falência em atingir no mínimo uma resposta parcial à terapêutica com

fludarabina ou alemtuzumab ou progressão da doença até 6 meses após a última dose de fludarabina

ou alemtuzumab). Estavam disponíveis dados citogenéticos de base (FISH) de 209 doentes. 36 doentes

tinham cariótipo normal e foram detetadas aberrações cromossómicas em 174 doentes; dos quais,

47 doentes com depleção 17p, 73 doentes com depleção 11q, 23 doentes com trissomia 12q, e

31 doentes com depleção 13q como aberração única.

A ORR foi de 49% nos doentes refratários à fludarabina e alemtuzumab (ver Tabela 3 para um resumo

dos dados relativos à eficácia do estudo). Os doentes que receberam tratamento prévio com rituximab,

tanto em monoterapia como em associação com outros medicamentos, responderam ao tratamento

com Arzerra com uma taxa semelhante aos que não receberam tratamento prévio com rituximab.

OFA +

robabilidade de Sobreviv ência Livre de Progressão

Número em risco em

Tabela 3.

Resumo da resposta ao Arzerra em doentes com LLC refratária

Parâmetro de avaliação (primário)

Doentes refratários à

fludarabina e ao alemtuzumab

n=95

Taxa de resposta global

Indivíduos que responderam ao tratamento, n (%)

47 (49)

95,3% IC (%)

39,60

Taxa de resposta em doentes com tratamento prévio

com rituximab

Indivíduos que responderam ao tratamento, n (%)

25/56 (45)

95% IC (%)

31,59

Taxa de resposta em doentes com alterações

cromossómicas

Depleção 17p

Indivíduos que responderam ao tratamento, n (%)

10/27 (37)

95% IC

19,58

Depleção 11q

Indivíduos que responderam ao tratamento, n (%)

15/32 (47)

95% IC (%)

29,65

Sobrevivência global mediana

Meses

13,9

95% IC

9,9, 18,6

Sobrevivência sem progressão

Meses

95% IC

3,9, 6,3

Duração da resposta mediana

Meses

95% IC

3,7, 7,2

Tempo mediano até próximo tratamento de LLC

Meses

95% IC

7,2, 9,9

A resposta global foi avaliada por uma Comissão Independente de Resposta utilizando

as normas orientadoras do NCI WG de 1996 para a LLC.

Foram também demonstradas melhorias nos componentes dos critérios de resposta do NCIWG. Estes

incluem melhorias associadas com sintomas constitucionais, linfoadenopatia, organomegália, ou

citopenias (ver Tabela 4).

Tabela 4.

Resumo da melhoria clínica com a duração mínima de 2 meses em doentes

refratários com anomalias de base

Parâmetro de avaliação de eficácia ou

parâmetro hematológico

Doentes com benefícios/ Doentes com

anomalias de base (%)

Doentes refratários à fludarabina e ao

alemtuzumab

Contagem de linfócitos

Diminuição ≥50%

49/71 (69)

Normalização (≤4x10

36/71 (51)

Resolução completa de sintomas

constitucionais

21/47 (45)

Linfoadenopatia

Melhora ≥50%

51/88 (58)

Resolução completa

17/88 (19)

Esplenomegália

Melhora ≥50%

27/47 (57)

Resolução completa

23/47 (49)

Hepatomegália

Melhora ≥50%

14/24 (58)

Resolução completa

11/24 (46)

Hemoglobina inicial <11 g/dl até >11

g/dl pós inicial

12/49 (24)

Contagem inicial de plaquetas

≤100x10

/l até >100x10

/l pós inicial

19/50 (38)

Neutrófilos de base <1x10

/l até

>1,5x10

1/17 (6)

Exclui consultas a partir da data da primeira transfusão, tratamento com

eritropoetina ou tratamento com fatores de crescimento. Nos doentes sem dados de

base, os dados da última triagem foram considerados os dados de base.

A resolução completa de sintomas constitucionais (febre, suores noturnos, fadiga,

perda de peso) definida como a presença de qualquer sintoma no início, seguida da

não apresentação de sintomas.

Linfoadenopatia medida pela soma de produtos de maior diâmetro (SPD)

conforme avaliação no exame físico.

Arzerra também foi administrado a um grupo de doentes (n=112) com linfoadenopatia extensa (bulky)

(definida como no mínimo um nódulo linfático >5 cm) que eram também refratários à fludarabina. A

ORR neste grupo foi de 43% (IC 95,3%: 33, 53). A mediana da sobrevivência livre de progressão foi

5,5 meses (IC 95%: 4,6, 6,4) e a mediana da sobrevivência global foi 17,4 meses (IC 95%: 15,0, 24,0).

A taxa de resposta nos doentes com terapêutica prévia de rituximab foi 38% (IC 95%: 23, 61). Estes

doentes também demonstraram uma melhoria clínica, no que respeita aos parâmetros de eficácia e

hematológicos descritos acima, comparável à dos doentes refratários a ambos os medicamentos:

fludarabina e alemtuzumab.

Um outro grupo de doentes (n=16) intolerantes/não elegíveis para o tratamento com fludarabina e/ou

intolerantes ao alentuzumab foram tratados com Arzerra. A resposta global neste grupo foi 63% (IC

95,3%: 35, 85).

Foi realizado um estudo aberto, randomizado, em dois grupos (OMB114242) de doentes com LLC

extensa (bulky) refratária à fludarabina que falharam pelo menos 2 tratamentos anteriores (n=122)

comparando Arzerra em monoterapia (n=79) com o tratamento de escolha do médico (n=43). Não

houve diferença estatisticamente significativa no parâmetro primário de PFS avaliado pelo IRC (5,4 vs

3,6 meses, HR=0,79, p=0,27). A PFS do grupo que recebeu Arzerra em monoterapia foi comparável

aos resultados observados em Arzerra em monoterapia no estudo Hx-CD20-406.

Foi realizado um estudo (Hx-CD20-402) de determinação de dose em 33 doentes com LLC

recidivante ou refratária. A idade mediana dos doentes era 61 anos (intervalo: 27 a 82 anos), a maioria

eram do sexo masculino (58%), e eram todos caucasianos. O tratamento com Arzerra (administrado

em 4 perfusões uma vez por semana), levou a uma taxa de resposta objetiva de 50% no grupo de dose

mais elevada (1ª dose: 500 mg; 2ª, 3ª e 4ª dose: 2.000 mg) e incluiu 12 remissões parciais e uma

remissão nodular parcial. No grupo de dose mais elevada, a mediana de tempo de progressão foi de

15,6 semanas (95% IC: 1522,6) na análise completa da população, e de 23 semanas (IC: 20,31) nos

indivíduos que responderam ao tratamento. A duração da resposta foi de 16 semanas (IC:13-19) e o

tempo para o tratamento seguinte de LLC foi de 52,4 semanas (IC: 36,9 – não estimado).

População pediátrica

A Agência Europeia de Medicamentos dispensou a obrigação de submissão dos resultados dos estudos

com Arzerra em todos os sub-grupos da população pediátrica na leucemia linfocítica crónica (ver

secção 4.2 para informação sobre utilização pediátrica).

5.2

Propriedades farmacocinéticas

No geral, a farmacocinética do ofatumumab foi consistente em todas as indicações, quer administrado

em monoterapia ou em associação com fludarabina e ciclofosfamida ou clorambucilo. O ofatumumab

teve uma farmacocinética não linear relacionada com a diminuição da sua depuração ao longo do

tempo.

Absorção

Arzerra é administrado por perfusão intravenosa; assim, a absorção não é aplicável.

Distribuição

O ofatumumab tem um pequeno volume de distribuição, com um valor médio de Vss entre 1,7 a 8,1 l,

em todos os estudos, níveis de dose e número de perfusões.

Biotransformação

O ofatumumab é uma proteína cuja via metabólica esperada é a degradação em pequenos péptidos e

animoácidos individuais por enzimas proteólicas ubiquitárias. Não foram realizados estudos clássicos

de metabolização.

Eliminação

O ofatumumab é eliminado por duas vias: uma via independente do alvo como outras moléculas IgG e

uma via mediada pelo alvo que está relacionada com a ligação às células B. Houve uma depleção

rápida e substancial de células B CD20

após a primeira perfusão de ofatumumab, levando a uma

redução do número de células CD20

disponíveis para a ligação com o anticorpo em perfusões

seguintes. Como resultado, os valores de depuração do ofatumumab foram inferiores e os valores de t

foram significativamente mais elevados após as últimas perfusões do que após a perfusão inicial;

durante as perfusões semanais repetidas, os valores de AUC e C

de ofatumumab aumentaram mais

do que a acumulação esperada, com base nos dados da primeira perfusão.

Os principais parâmetros farmacocinéticos do ofatumumab em monoterapia ou em associação estão

resumidos na Tabela 5.

Tabela 5

Parâmetros farmacocicéticos do ofatumumab (média geométrica)

População (tratamento)

Esquema

posológico

Ciclo

máx

(µg/ml)

(µg,h/ml)

(ml/h)

(dias)

LLC refratária

(ofatumumab)

perfusão

(300 mg)

Ciclo 1

61,4

2000 mg:

8 infusões

semanais

seguidas de

4 perfusões

mensais

dose

166000

12,1

11,5

Doentes sem tratamento

prévio

(ofatumumab +

clorambucilo)

perfusão

(300 mg)

Ciclo 1

51,8

2620

perfusões

mensais

de1000 mg

Ciclo 4

65100

15,4

18,5

LLC recidivante

(ofatumumab + FC)

1ª perfusão

(300 mg)

Ciclo 1

61,4

3560

1000 mg no

8º dia do

ciclo 1

seguido de

perfusões

mensais de

1000 mg

Ciclo 4

89100

11,2

19,9

) Ciclo para o qual os parâmetros farmacocinéticos são apresentados nesta tabela.

máx

: concentração máxima de ofatumumab no final da perfusão, AUC: exposição ao ofatumumab

durante um período de dosagem, CL: depuração do ofatumumab após doses múltiplas, T

: tempo de

semi-vida

Números arredondados para três algarismos significativos

Populações especiais

Idosos (65 anos de idade)

A idade não foi um fator significativo para a farmacocinética do ofatumumab numa análise da

farmacocinética populacional num estudo cruzado com doentes de idades compreendidas entre os 21 e

os 87 anos.

População pediátrica

Não existem dados sobre a farmacocinética em doentes pediátrico

Género

Numa análise populacional de um estudo cruzado, o género tem um efeito modesto (12%) no volume

de distribuição centraldo ofatumumab, com valores de AUC e C

mais elevados em doentes do sexo

feminino (48% dos doentes nesta análise eram do sexo masculino e 52% do sexo feminino); estes

efeitos não são considerados clinicamente relevantes e não se recomenda um ajuste da dose.

Compromisso renal

O valor inicial da depuração da creatinina não foi considerado um fator significativo na

farmacocinética do ofatumumab numa análise populacional de um estudo cruzado em doentes com

valores de depuração da creatinina com intervalos entre 26 e 287 ml/min. Não é recomendado o ajuste

da dose no compromisso renal ligeiro a moderado (depuração plasmática da creatinina >30 ml/min).

ExistemOs dados de farmacocinética em doentes com compromisso renal grave (depuração plasmática

da creatinina <30 ml/min) são limitados.

Afeção hepática

Não foram realizados estudos formais para avaliar o efeito da afeção hepática. As moléculas IgG1

como o ofatumumab são catabolizadas por enzimas proteolíticas ubiquitárias, que não são restritas do

tecido hepático; assim, alterações na função hepática não são suscetíveis de ter qualquer efeito na

eliminação do ofatumumab.

5.3

Dados de segurança pré-clínica

Os dados não clínicos não revelam riscos especiais para o ser humano.

A administração intravenosa e subcutânea em macacos resultou numa depleção esperada de tecido

linfoide periférico e contagem de células B, sem resultado toxicológico associado. Como previsto, foi

observada uma diminuição na resposta imune humoral de IgG à hemocianina de keyhole limpet, mas

não houve efeitos nas respostas de hipersensibilidade retardada. Em alguns animais, ocorreu um

aumento da destruição de glóbulos vermelhos, presumidamente como resultado dos anticorpos

antifármaco de macaco que revestiam os glóbulos vermelhos. Um correspondente aumento nas

contagem de reticulócitos observado nesses macacos foi indicativo de uma resposta regenerativa da

medula óssea.

A administração intravenosa de ofatumumab a macacas cynomolgus grávidas, numa dose de

100 mg/kg uma vez por semana nos dias 20 a 50 de gestação, não demostrou toxicidade materna ou

fetal ou teratogenicidade. No final da organogenese (dia 48 de gestação), a exposição ao ofatumumab

(AUC

) correspondeu de 0,46 a 3,6 vezes a exposição humana, após a oitava perfusão da dose

máxima recomendada para o ser humano (MRHD) de 2000 mg. No dia 100 de gestação, a depleção de

células B relacionada com a atividade farmacológica de ofatumumab, foi observada no sangue do

cordão umbilical fetal e em tecidos esplénicos fetais. O peso do baço diminuiu aproximadamente 15%

no grupo de dose mais baixa e aproximadamente 30% no grupo de dose mais elevada,

comparativamente com os valores de controlo. Não foram realizados estudos de desenvolvimento pré-

e pós-natal. A recuperação pós-natal não foi, portanto, demostrada.

Como o ofatumumab é um anticorpo monoclonal, não foram realizados estudos de genotoxicidade e

carcinogenicidade.

6.

INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1.

Lista dos excipientes

Arginina

Acetato de sódio (E262)

Cloreto de sódio

Polissorbato 80 (E433)

Edetato dissódico (E386)

Ácido clorídrico (E507) (para ajuste do pH)

Água para preparações injetáveis

6.2

Incompatibilidades

Este medicamento não deve ser misturado com outros medicamentos, exceto os mencionados na

secção 6.6.

6.3

Prazo de validade

Frasco para injetáveis

3 anos.

Solução para perfusão diluída

Foi demostrada estabilidade química e física, após abertura, até 48 horas à temperatura ambiente

(menos de 25ºC).

Do ponto de vista microbiológico, o medicamento deve ser utilizado imediatamente. Se não for

utilizado imediatamente, os tempos e as condições de armazenamento antes da utilização são da

responsabilidade do utilizador e normalmente não devem ser superiores a 24 horas a 2-8ºC, exceto se a

reconstituição/diluição tiver ocorrido em condições controladas e assépticas validadas.

6.4

Precauções especiais de conservação

Conservar e transportar refrigerado (2ºC-8ºC).

Não congelar.

Manter o frasco para injetáveis dentro da embalagem exterior para proteger da luz.

Condições de conservação após diluição do medicamento, ver secção 6.3.

6.5

Natureza e conteúdo do recipiente

Arzerra 100 mg concentrado para solução para perfusão

Frasco para injetáveis de vidro transparente Tipo I com rolha de borracha bromobutílica e selo de

segurança de alumínio, contendo 5 ml de concentrado para solução para perfusão.

Arzerra está disponível em embalagens de 3 frascos para injetáveis.

Arzerra 1000 mg concentrado para solução para perfusão

Frasco para injetáveis de vidro transparente Tipo I com rolha de borracha bromobutílica e selo de

segurança de alumínio, contendo 50 ml de concentrado para solução para perfusão.

Arzerra está disponível em embalagens de 1 frasco para injetáveis.

6.6

Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Diluição

Arzerra concentrado para solução para perfusão não contém conservantes; assim a diluição deve ser

efetuada sob condições assépticas. A solução para perfusão diluída deve ser utilizada até 24 horas após

preparação. Qualquer solução remanescente não utilizada após esse tempo, deve ser eliminada.

Antes de diluir Arzerra

Verifique o concentrado de Arzerra quanto à presença de partículas e coloração antes da diluição. O

ofatumumab deve ser uma solução incolor a amarela pálida. Não utilize o concentrado de Arzerra se

houver coloração.

Não agite o frasco para injetáveis de ofatumumab nesta inspeção.

Como diluir a solução para perfusão

O concentrado de Arzerra deve ser diluído em solução para injetáveis de cloreto de sódio 9 mg/ml

(0,9%) antes da administração, usando uma técnica asséptica.

Arzerra 100 mg concentrado para solução para perfusão

Dose de 300 mg: utilize 3 frascos para injetáveis (15 ml no total, 5 ml por frasco)

Retirar e eliminar 15 ml de um saco de 1000 ml de cloreto de sódio 9 mg/ml (0,9%) para

injetáveis;

Retirar 5 ml de ofatumumab de cada um dos 3 frascos e injetar no saco de 1000 ml;

Não agitar; misturar a solução diluída por inversão suave.

Arzerra 1000 mg concentrado para solução para perfusão

Dose de 1000 mg: utilize 1 frasco para injetáveis (50 ml no total, 50 ml por frasco)

Retirar e eliminar 50 ml de um saco de 1000 ml de cloreto de sódio 9 mg/ml (0,9%) para

injetáveis;

Retirar 50 ml de ofatumumab do frasco e injetar no saco de 1000 ml;

Não agitar; misturar a solução diluída por inversão suave.

Dose de 2000 mg: utilize 2 frascos para injetáveis (100 ml no total, 50 ml por frasco)

Retirar e eliminar 100 ml de um saco de 1000 ml de cloreto de sódio 9 mg/ml (0,9%) para

injetáveis;

Retirar 50 ml de ofatumumab de cada um dos 2 frascos e injetar no saco de 1000 ml;

Não agitar; misturar a solução diluída por inversão suave.

Como administrar a solução diluída

Arzerra não deve ser administrada por injeção intravenosa rápida ou bólus. Administrar utilizando

uma bomba de perfusão intravenosa.

A perfusão deve estar completa até 24 horas após a preparação. Rejeitar qualquer solução não utilizada

após esse período.

Arzerra não deve ser administrada como perfusão, nem deve ser misturado com outros medicamentos

ou soluções intravenosas. Lave a via de administração (linha) com solução para injetáveis de cloreto

de sódio 9 mg/ml (0,9%) antes e após a administração de ofatumumab.

LLC sem tratamento prévio e LLC recidivante

Para a primeira perfusão, administrar durante 4,5 horas (ver secção 4,2), através de uma linha

periférica ou cateter de longa duração, de acordo com o esquema seguinte:

Se a primeira perfusão foi concluída sem reações adversas graves, as perfusões seguintes (2-13) de

1000 mg devem ser administradas durante 4 horas (ver secção 4.2) através de uma linha periférica ou

cateter de longa duração, de acordo com o esquema seguinte. Se forem observadas quaisquer reações

adversas relacionadas com a perfusão, as perfusões devem ser interrompidas e reiniciadas quando a

condição do doente for estável (ver secção 4.2 para mais informação).

Esquema perfusão

Tempo após início da perfusão

(minutos)

Perfusão 1

Perfusões seguintes*

Velocidade de perfusão

(ml/hora)

Velocidade de perfusão

(ml/hora)

0-30

31-60

61-90

91-120

121-150

151-180

180+

*Se a perfusão anterior foi concluída sem RAM graves relacionadas com a perfusão. Se forem

observadas quaisquer RAM relacionadas com a perfusão, a perfusão deve ser interrompida e reiniciada

quando a condição do doente for estável (ver secção 4.2 do RCM).

LLC refratária

Para a primeira e segunda perfusão, administrar durante mais de 6,5 horas (ver secção 4.2), através de

uma veia periférica ou de um cateter, de acordo com o esquema seguinte:

Se a segunda perfusão foi concluída sem uma reação adversa grave, as restantes perfusões (3-12)

devem ser administradas durante 4 horas (ver secção 4.2), através de uma veia periférica ou de um

cateter, de acordo com o esquema seguinte. Se forem observadas quaisquer reações adversas

relacionadas com a perfusão, as perfusões devem ser interrompidas e reiniciadas quando a condição do

doente for estável (ver secção 4.2 para mais informação).

Esquema perfusão

Tempo após início da perfusão

(minutos)

Perfusões 1 e2

Perfusões 3* e 4

Velocidade de perfusão

(ml/hora)

Velocidade de perfusão

(ml/hora)

0-30

31-60

61-90

91-120

121+

*Se a segunda perfusão for concluída sem RAM graves relacionadas com a perfusão. Se forem

observadas quaisquer RAM relacionadas com a perfusão, a perfusão deve ser interrompida e reiniciada

quando a condição do doente for estável (ver secção 4.2).

No caso de se observar qualquer reação adversa, a velocidade de perfusão deve ser diminuida (ver

secção 4.2).

Eliminação

Qualquer medicamento não utilizado ou resíduos devem ser eliminados de acordo com as exigências

locais.

7.

TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Novartis Europharm Limited

Frimley Business Park

Camberley GU16 7SR

Reino Unido

8.

NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Arzerra 100 mg concentrado para solução para perfusão

EU/1/10/625/001

Arzerra 1000 mg concentrado para solução para perfusão

EU/1/10/625/003

9.

DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE

INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 19 de abril de 2010

Data da última renovação: 17 de fevereiro de 2015

10.

DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Está disponível informação pormenorizada sobre este medicamento no sítio da internet da Agência

Europeia de Medicamentos:http://www.ema.europa.eu/.

Leia o documento completo

30 Churchill Place

Canary Wharf

London E14 5EU

United Kingdom

An agency of the European Union

Telephone

+44 (0)20 3660 6000

Facsimile

+44 (0)20 3660 5555

Send a question via our website

www.ema.europa.eu/contact

© European Medicines Agency, 2017. Reproduction is authorised provided the source is acknowledged.

EMA/524799/2017

EMEA/H/C/001131

Resumo do EPAR destinado ao público

Arzerra

ofatumumab

Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao Arzerra. O seu objetivo

é explicar o modo como a Agência avaliou o medicamento a fim de recomendar a sua autorização na

UE, bem como as suas condições de utilização. Não tem por finalidade fornecer conselhos práticos

sobre a utilização do Arzerra.

Para obter informações práticas sobre a utilização do Arzerra, os doentes devem ler o Folheto

Informativo ou contactar o seu médico ou farmacêutico.

O que é o Arzerra e para que é utilizado?

O Arzerra é um medicamento contra o cancro utilizado no tratamento de adultos com leucemia

linfocítica crónica (LLC), um cancro de um tipo de glóbulos brancos denominados linfócitos. É utilizado:

em doentes não anteriormente tratados que não possam receber tratamento com fludarabina;

nestes doentes, é utilizado em associação com clorambucilo ou bendamustina (outros

medicamentos contra o cancro);

em doentes que não responderam a tratamentos anteriores com fludarabina e alemtuzumab

(doença refratária a estes medicamentos);

em doentes em que a doença reapareceu após um tratamento anterior (doença em recidiva).

Nestes doentes, o Arzerra é utilizado em associação com ciclofosfamida.

O Arzerra contém a substância ativa ofatumumab.

Dado o número de doentes afetados por LLC ser reduzido, a doença é considerada rara, pelo que o

Arzerra foi designado medicamento órfão (medicamento utilizado em doenças raras) em 7 de

novembro de 2008.

Arzerra

EMA/524799/2017

Página 2/4

Como se utiliza o Arzerra?

O Arzerra só pode ser obtido mediante receita médica e deve ser administrado sob a supervisão de um

médico experiente no tratamento do cancro e num ambiente com disponibilidade imediata de meios de

ressuscitação.

O Arzerra está disponível na forma de concentrado para preparação de uma solução para perfusão

(administração gota a gota numa veia). É administrado mediante a utilização de uma bomba de

perfusão. O esquema posológico depende de os doentes terem sido tratados anteriormente ou não e

de terem doença em recidiva ou não.

Antes de cada perfusão, o doente recebe medicamentos, tais como um corticosteroide, um anti-

histamínico e paracetamol, para ajudar a prevenir as reações da perfusão (erupção cutânea, febre,

reações alérgicas e dificuldade em respirar). Para reduzir o risco de ocorrência destas reações, as

perfusões são iniciadas lentamente (em particular quando é iniciado o primeiro tratamento) e a um

ritmo mais rápido cada 30 minutos se não ocorrerem reações. Em caso de ocorrência de reações, o

tratamento é interrompido e pode ser reiniciado a um ritmo mais lento após o doente recuperar, ou

interrompido de forma permanente em caso de reação alérgica grave. Para mais informações sobre a

utilização do Arzerra, consulte o Resumo das Características do Medicamento (também parte do EPAR).

Como funciona o Arzerra?

A substância ativa do Arzerra, o ofatumumab, é um anticorpo monoclonal. Um anticorpo monoclonal é

um anticorpo (um tipo de proteína) que foi concebido para reconhecer e ligar-se a uma estrutura

específica (chamada antigénio) que se encontra em determinadas células do organismo. O

ofatumumab foi concebido para se ligar a uma proteína denominada CD20, que está presente na

superfície dos linfócitos, incluindo os linfócitos cancerosos observados na LLC. Ao ligar-se à proteína

CD20, o ofatumumab estimula o sistema imunitário a atacar as células cancerosas, o que ajuda a

controlar a doença.

Quais os benefícios demonstrados pelo Arzerra durante os estudos?

Doentes não anteriormente tratados para a LLC

Num estudo que incluiu 447 doentes não anteriormente tratados que não podiam receber tratamento à

base de fludarabina, o tratamento com o Arzerra associado a clorambucil foi comparado com o

tratamento com clorambucil em monoterapia (medicamento único). Neste estudo, o Arzerra associado

a clorambucil foi eficaz no aumento da sobrevida livre de progressão (tempo de sobrevida sem

agravamento da doença), com os doentes a viver uma média de 22,4 meses sem agravamento da

doença, comparativamente a 13,1 meses nos doentes que receberam o clorambucil em monoterapia.

LLC refratária

O Arzerra foi analisado num estudo principal que incluiu 223 doentes com LLC que não respondeu a

tratamento anterior. Em 95 destes doentes, a doença não tinha respondido ao tratamento tanto com

fludarabina como com alemtuzumab, e em 112 o tratamento com fludarabina tinha falhado, mas os

doentes não tinham recebido tratamento com alemtuzumab por este não ser adequado. Os restantes

16 doentes não se incluíam em nenhum dos grupos. O Arzerra não foi comparado com nenhum outro

tratamento neste estudo. O principal parâmetro de eficácia foi o número de doentes que respondeu ao

tratamento. A resposta ao tratamento foi avaliada pela análise dos sintomas, do número de linfócitos

no sangue, dos resultados de análises de sangue e da medula óssea e da dimensão dos nódulos

linfáticos, do fígado e do baço. Nos doentes que não tinham respondido a tratamento anterior tando

Arzerra

EMA/524799/2017

Página 3/4

com fludarabina como com alemtuzumab, 49 % (47 em 95) responderam ao tratamento com o

Arzerra. A taxa de resposta foi ligeiramente mais baixa nos doentes em que o tratamento com

fludarabina tinha falhado e nos doentes para os quais o tratamento com alemtuzumab não era

adequado (43 %).

LLC em recidiva

Num estudo principal que incluiu 365 doentes com LLC em recidiva, o tratamento com o Arzerra em

associação com fludarabina e ciclofosfamida foi comparado com o tratamento com fludarabina ou

ciclofosfamida em monoterapia. O Arzerra em associação com fludarabina e ciclofosfamida foi eficaz no

aumento da sobrevida livre de progressão, com os doentes a viverem uma média de 28,9 meses sem

agravamento da doença, em comparação com 18,8 meses nos doentes a quem a fludarabina e a

ciclofosfamida foram administradas em monoterapia.

Quais são os riscos associados ao Arzerra?

Os efeitos secundários mais frequentes associados ao Arzerra (observados em mais de 1 doente em

cada 10) são infeção do trato respiratório inferior (infeção dos pulmões, como pneumonia), infeção do

trato respiratório superior (infeções do nariz e da garganta), neutropenia (contagens baixas de

neutrófilos, um tipo de glóbulos brancos), anemia (contagens baixas de glóbulos vermelhos no sangue),

náuseas (sensação de enjoo), febre, erupção cutânea, dispneia (dificuldade em respirar), tosse, diarreia

e cansaço.

Para a lista completa dos efeitos secundários e das restrições de utilização relativos ao Arzerra,

consulte o Folheto Informativo.

Por que foi aprovado o Arzerra?

A Agência Europeia de Medicamentos concluiu que os benefícios do medicamento são superiores aos

seus riscos e recomendou a concessão de uma autorização de introdução no mercado para o

medicamento. A Agência constatou que o Arzerra foi eficaz no tratamento de doentes com LLC (doentes

não tratados anteriormente, doentes que não tinham respondido a tratamentos anteriores com

fludarabina e alemtuzumab e doentes em recidiva após tratamento anterior). A Agência constatou

igualmente que os doentes com LLC que não respondeu a um tratamento anterior têm opções de

tratamento limitadas.

Foi inicialmente concedida ao Arzerra uma autorização condicional. Isto significa que se aguardavam

mais dados sobre este medicamento. Dado a empresa ter apresentado a informação adicional

necessária, a autorização passou de condicional a plena.

Que medidas estão a ser adotadas para garantir a utilização segura e eficaz

do Arzerra?

No Resumo das Características do Medicamento e no Folheto Informativo foram incluídas

recomendações e precauções a observar pelos profissionais de saúde e pelos doentes para a utilização

segura e eficaz do Arzerra.

Outras informações sobre o Arzerra

Em 19 de abril de 2010, a Comissão Europeia concedeu uma Autorização de Introdução no Mercado

condicional, válida para toda a União Europeia, para o medicamento Arzerra. Em 24 de abril de 2015, a

Autorização passou a Autorização plena.

Arzerra

EMA/524799/2017

Página 4/4

O EPAR completo relativo ao Arzerra pode ser consultado no sítio Internet da Agência

em: ema.europa.eu/Find medicine/Human medicines/European Public Assessment Reports

. Para mais

informações sobre o tratamento com o Arzerra, leia o Folheto Informativo (também parte do EPAR).

O resumo do parecer emitido pelo Comité dos Medicamentos Órfãos para o Arzerra pode ser

consultado no sítio Internet da Agência em: ema.europa.eu/Find medicine/Human medicines/Rare

disease designations.

Este resumo foi atualizado pela última vez em 08-2017.

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação