Valaciclovir Mithridatum 250 mg Comprimido revestido por película

Portugal - português - INFARMED (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Valaciclovir
Disponível em:
Mithridatum, Ltd.
Código ATC:
J05AB11
DCI (Denominação Comum Internacional):
Valaciclovir
Dosagem:
250 mg
Forma farmacêutica:
Comprimido revestido por película
Composição:
Valaciclovir, cloridrato 305.85 mg
Via de administração:
Via oral
Unidades em pacote:
Blister - 10 unidade(s)
Tipo de prescrição:
MSRM
Grupo terapêutico:
1.3.2 Outros antivíricos
Área terapêutica:
valaciclovir
Resumo do produto:
5173604 - Blister 10 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 30 Mese(s)Temperatura: inferior a 30°C - Não comercializado - 10015673 - ; 5173612 - Blister 20 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 30 Mese(s)Temperatura: inferior a 30°C - Não comercializado - 10015673 - ; 5173620 - Blister 21 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 30 Mese(s)Temperatura: inferior a 30°C - Não comercializado - 10015673 - ; 5173638 - Blister 24 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 30 Mese(s)Temperatura: inferior a 30°C - Não comercializado - 10015673 - ; 5173646 - Blister 30 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 30 Mese(s)Temperatura: inferior a 30°C - Não comercializado - 10015673 - ; 5173653 - Blister 42 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 30 Mese(s)Temperatura: inferior a 30°C - Não comercializado - 10015673 - ; 5173661 - Blister 60 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 30 Mese(s)Temperatura: inferior a 30°C - Não comercializado - 10015673 -
Status de autorização:
Revogado (13 de Março de 2012)
Número de autorização:
AT/H/0183/001/DC
Data de autorização:
2009-01-27

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Valaciclovir Mithridatum 250 mg comprimidos revestidos por película

Valaciclovir Mithridatum 500 mg comprimidos revestidos por película

Valaciclovir Mithridatum 1000 mg comprimidos revestidos por película

Valaciclovir

Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento

Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.

Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode

ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários

não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

Neste folheto:

1. O que é Valaciclovir Mithridatum e para que é utilizado

2. Antes de tomar Valaciclovir Mithridatum

3. Como tomar Valaciclovir Mithridatum

4. Efeitos secundários possíveis

5. Como conservar Valaciclovir Mithridatum

6. Outras informações

1. O que é Valaciclovir Mithridatum e para que é utilizado

Valaciclovir Mithridatum é um medicamento antiviral.

É utilizado nas seguintes situações:

em doentes acima dos 50 anos de idade para tratar as lesões herpéticas,

para tratamento de infecções do vírus Herpes simplex genital (VHS),

para prevenção (supressão) das infecções recorrentes por Herpes simplex genital (VHS)

em doentes que tenham pelo menos 6 recorrências por ano,

para prevenção de infecções e doenças por citomegalovírus (CMV) após o transplante de

órgãos.

2. Antes de tomar Valaciclovir Mithridatum

Não tome Valaciclovir Mithridatum

alergia

(hipersensibilidade)

valaciclovir,

aciclovir

qualquer

outro

componente do Valaciclovir Mithridatum.

Tome especial cuidado com Valaciclovir Mithridatum

Se tem problemas renais ou é idoso, o seu médico pode necessitar de ajustar a dose

habitual. Informe o seu médico se tiver problemas renais.

Informe o seu médico se tiver problemas hepáticos.

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

Valaciclovir Mithridatum não cura o herpes genital. Não elimina completamente o risco

do seu parceiro sexual ficar contaminado. Deve praticar sexo seguro, em particular

utilizar o preservativo, mesmo durante o tratamento com valaciclovir.

Ao tomar Valaciclovir Mithridatum com outros medicamentos

Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente

outros

medicamentos,

especialmente

medicamentos

para

problemas

estômago

relacionados com o ácido (por exemplo, cimetidina), gota (por exemplo, probenecide), ou

imunossupressores (por exemplo, micofenolato de mofetilo, ciclosporina, tacrolímus),

incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Ao tomar Valaciclovir Mithridatum com alimentos e bebidas

Deve assegurar-se que bebe água suficiente durante o seu tratamento com valaciclovir, de

modo a evitar ficar desidratado, especialmente se é idoso.

Gravidez e aleitamento

Não pode tomar este medicamento sem aconselhamento do seu médico, se estiver

grávida.

Se descobrir que está grávida durante o tratamento, consulte o seu médico, dado que

apenas o seu médico pode avaliar se deve ou não continuar o seu tratamento.

Não deve amamentar durante o tratamento com valaciclovir.

Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.

Condução de veículos e utilização de máquinas

Valaciclovir Mithridatum não tem influência ou tem uma influência insignificante na

capacidade de conduzir e utilizar máquinas. Um dos efeitos secundários do Valaciclovir

Mithridatum pode ser as tonturas, se sofre deste efeito contacte o seu médico antes de

concuzir e utilizar máquinas.

3. Como tomar Valaciclovir Mithridatum

Tomar Valaciclovir Mithridatum sempre de acordo com as indicações do médico. Fale

com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

Os comprimidos devem ser tomados pela boca com uma grande quantidade de água.

Adultos:

Na prevenção da dor causadas por Herpes zoster (zona)

A dose habitual é de quatro comprimidos de 250 mg (1000 mg) ou dois comprimidos de

500 mg (1000 mg) ou um comprimido de 1000 mg 3 vezes ao dia durante sete dias. Deve

começar a tomar Valaciclovir Mithridatum não mais que até 3 dias após o aparecimento

dos primeiros sintomas.

Para o tratamento de uma primeira infecção de vírus Herpes simplex genital (VHS)

A dose habitual é de dois comprimidos de 250 mg (500 mg) ou um comprimido de 500

mg duas vezes ao dia durante 10 dias. Deve começar a tomar Valaciclovir Mithridatum

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

assim que possível no início do ataque, preferencialmente aquando dos primeiros sinais

de desenvolvimento da infecção ou da erupção cutânea.

Nota:

Apenas para a dosagem de 1000 mg: Para esta indicação estão disponíveis comprimidos

de 250 mg e 500 mg

Para o tratamento de infecções recorrentes de Herpes simplex genital (VHS)

A dose habitual é de quatro comprimidos de 250 mg (1000 mg) ou dois comprimidos de

(1000

comprimido

1000

durante

dias.

comprimidos podem ser tomados juntos ou separados, por exemplo, dois comprimidos de

250 mg (500 mg) ou um comprimido de 500 mg de manha e à noite dois comprimidos de

250 mg (500 mg) ou um comprimido de 500 mg. Deve começar a tomar Valaciclovir

Mithridatum assim que possível no início do ataque, preferencialmente aquando dos

primeiros sinais de desenvolvimento da infecção ou da erupção cutânea.

Para prevenção de infecções recorrentes de vírus de Herpes simplex genital (VHS)

A dose habitual é de dois comprimidos de 250 mg (500 mg), ou um comprimido de 500

mg por dia. O comprimido pode ser tomado inteiro ou dividido em

metades, por

exemplo, um comprimido de 250 mg de manha e outro comprimido de 250 mg à noite. O

valor do tratamento é para ser reavaliado após 6 a 12 meses.

Nota:

Apenas para a dosagem de 1000 mg: Para esta indicação estão disponíveis comprimidos

de 250 mg e 500 mg

Para prevenção de infecções e doenças de citomegalovírus (CMV)

A dose habitual é de oito comprimidos de 250 mg (2000 mg), ou quatro comprimidos de

500 mg (2000 mg), ou dois comprimidos de 1000 mg (2000 mg) quatro vezes ao dia,

durante 90 dias. O tratamento deve ser iniciado assim que possível após o transplante do

órgão.

Adolescentes acima de 12 anos de idade

Para prevenção de infecções e doenças de citomegalovírus (CMV)

A dose habitual é de oito comprimidos de 250 mg (2000 mg), ou quatro comprimidos de

500 mg (2000 mg) ou dois comprimidos de 1000 mg (2000 mg) quatro vezes ao dia,

normalmente durante 90 dias. O tratamento deve ser iniciado assim que possível após o

transplante do órgão.

Crianças abaixo dos 12 anos de idade

Valaciclovir Mithridatum não é recomendado para a utilização em crianças com menos

de 12 anos devido a dados insuficientes de segurança e eficácia.

Se tem insuficiência da função renal

Se tem insuficiência renal a dose será ajustada pelo seu médico.

Se sentir que o efeito de Valaciclovir Mithridatum é demasiado forte ou demasiado fraco,

contacte o seu médico ou farmacêutico.

Se tomar mais Valaciclovir Mithridatum do que deveria

Informe o seu médico. Pode experimentar náuseas e/ ou vómitos (sensação e/ ou ficar

doente), dores de cabeça ou confusão.

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

Caso se tenha esquecido de tomar Valaciclovir Mithridatum

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Se parar de tomar Valaciclovir Mithridatum

Deve tomar Valaciclovir Mithridatum durante o tempo que o seu médico lhe indicou.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico

ou farmacêutico.

4. Efeitos secundários possíveis

Como todos os medicamentos, Valaciclovir Mithridatum pode causar efeitos secundários,

no entanto estes não se manifestam em todas as pessoas.

Muito frequentes: afecta mais de 1 utilizador em 10

Frequentes: afecta 1 a 10 utilizadores em 100

Pouco frequentes: afecta 1 a 10 utilizadores em 1000

Raros: afecta 1 a 10 utilizadores em 10.000

Muito raros: afecta menos de 1 utilizador em 10.000

Desconhecido: a frequência não pode ser calculado a partir dos dados disponíveis.

Se experimentar qualquer um dos efeitos seguintes, contacte imediatamente o seu médico

ou o hospital local:

Dificuldade repentina em respirar, falar e engolir; inchaço dos lábios, face ou pescoço;

tonturas extremas ou colapso; comichão, aparecimento de erupção cutânea. Isto pode ser

uma reacção alérgica grave a qual foi notificada muito raramente.

experimentar

qualquer

efeitos

seguintes,

contacte

imediatamente

médico:

Infecções frequentes e/ou graves (especialmente dores de garganta);

Febre inexplicável;

Úlceras na boca ou na garganta;

Hemorragias ou nódoas negras não habituais ou inexplicáveis;

Borbulhas pequenas vermelhas na pele e/ ou na boca;

Estes podem ser perturbações sanguíneas (redução de células brancas sanguíneas que

protegem contra infecções; plaquetas reduzidas que ajudam o sangue a não formar

coágulos), as quais têm sido notificadas muito raramente.

Se experimentar qualquer um dos efeitos seguintes, contacte o seu médico assim que

possível:

Perturbações de estômago tais como sensação de doença, vómitos, diarreia e dor de

estômago;

Dores de cabeça;

Erupção cutânea (a qual pode também ocorrer após exposição à luz UV por exemplo

banhos de sol ou utilização de solários).

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

Os seguintes efeitos secundários também têm sido notificados:

Frequentes:

Náuseas*;

Dores de cabeça.

Pouco frequentes:

Dificuldade em respirar (dispneia);

Erupção cutânea muitas vezes causada por luz solar.

Raros:

Tonturas;

Confusão;

Alucinações;

Estado mental alterado;

Consciência reduzida;

Sonolência;

Desconforto abdominal;

Vómitos;

Diarreia;

Comichão;

Insuficiência da função renal.

Muito raros:

Diminuição anormal do número de células sanguíneas brancas (leucopenia)*;

Aumento de hemorragias e diminuição da capacidade de coagulação (trombocitopenia)*;

Reacção alérgica grave (anafilaxia)*;

Agitação;

Distorção do contacto com a realidade (sintomas psicóticos);

Movimentos involuntários ou tremores em qualquer parte do corpo (tremor);

Perda de coordenação (ataxia);

Problemas na fala, pronuncia não clara (disartria);

Ataques, convulsões;

Perturbação no cérebro (encefalopatia);

Coma;

Aumento reversível dos testes da função hepática;

Picadas;

Inchaço dos lábios, olhos ou língua (angioedema)*;

Insuficiência renal repentina/grave

*Ver o início de 4. Efeitos secundários possíveis, para informação importante.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários

não mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

5. Como conservar Valaciclovir Mithridatum

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não utilize Valaciclovir Mithridatum após o prazo de validade impresso no rótulo,

embalagem exterior ou frasco, após VAL. O prazo de validade corresponde ao último dia

do mês indicado.

Não conservar acima de 30

Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico.

Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita.

Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente.

6. Outras informações

Qual a composição de Valaciclovir Mithridatum

A substância activa é o valaciclovir. Cada comprimido contém 250 mg, 500 mg ou 1000

mg de valaciclovir (como cloridrato de valaciclovir mono-hidratado).

Os outros componentes são:

núcleo do comprimido: celulose microcristalina, povidona, estearato de magnésio

revestimento

comprimido

(Opadry

White

Y-5-7068):

hipromelose,

hidroxipropilcelulose, dióxido de titânio (E171), macrogol 400.

Qual o aspecto de Valaciclovir Mithridatum e conteúdo da embalagem

Valaciclovir Mithridatum comprimidos são ovais, de cor branca, biconvexos e revestidos

por película com os seguintes tamanhos e marcações:

Comprimidos de 250 mg: 13,8 x 6,9 mm com VC1 gravado numa das faces

Comprimidos de 500 mg: 17,6 x 8,8 mm com VC2 gravado numa das faces

Comprimidos de 1000 mg: 22,0 x 11,0 mm com VC3 gravado numa das faces

Blister PVC/Alumínio

Tamanho das apresentações (blisteres): 10, 20, 21, 24, 30, 42, 60 comprimidos revestidos

por película.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante

Titular da Autorização de Introdução no Mercado

MITHRIDATUM Limited

5th Floor, 86 Jermyn Street

LONDON SW1Y 6AW

Reino Unido

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

Fabricante

Actavis hf.

Reykjavíkurvegur 76

IS-220 Hafnarfjörður

Islândia

Este medicamento encontra-se autorizado nos Estados Membros do Espaço Económico

Europeu (EEE) sob as seguintes denominações:

Áustria : Valaciclovir Mithridatum 250mg, 500mg, 1000mg, film-coated tablets

Itália : Valaciclovir Mithridatum 250mg, 500mg, 1g, Compressi rivestiti con film

Portugal : Valaciclovir Mithridatum 250 mg, 500 mg, 1000 mg, comprimidos revestidos

por película

Este folheto foi aprovado pela última vez em

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1. NOME DO MEDICAMENTO

Valaciclovir Mithridatum 250 mg comprimidos revestidos por película

Valaciclovir Mithridatum 500 mg comprimidos revestidos por película

Valaciclovir Mithridatum 1000 mg comprimidos revestidos por película

2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada comprimido revestido por película contém 250 mg, 500 mg ou 1000 mg de

valaciclovir (como cloridrato de valaciclovir mono-hidratado).

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. FORMA FARMACÊUTICA

Comprimido revestido por película

Comprimidos de 250 mg: comprimidos ovais, de cor branca, biconvexos, revestidos por

película, de 13,8 x 6,9 mm, com VC1 gravado numa das faces

Comprimidos de 500 mg: comprimidos ovais, de cor branca, biconvexos, revestidos por

película, de 17,6 x 8,8 mm, com VC2 gravado numa das faces

Comprimidos de 1000 mg: comprimidos ovais, de cor branca, biconvexos, revestidos por

película, de 22,0 x 11,0 mm, com VC3 gravado numa das faces

4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Indicações terapêuticas

Em doentes imunodeprimidos:

- Tratamento do herpes zoster em doentes com idade superior a 50 anos: o valaciclovir

reduz a duração da infecção grave e, consequentemente, a percentagem de doentes com

dor associada ao herpes zoster.

valaciclovir

está

indicado

para

tratamento

infecções

genitais

iniciais

recidivantes por

herpes simplex.

- O valaciclovir está indicado para a prevenção de infecções genitais recidivantes por

herpes simplex em doentes com pelo menos 6 recidivas ao ano.

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

O valaciclovir está indicado para a profilaxia da infecção e doença por citomegalovírus

(CMV), sobretudo após transplante renal, salvo após transplante pulmonar.

4.2 Posologia e modo de administração

Via de administração

Via oral

comprimido

deve

engolido

quantidade

suficiente

líquido

(por

exemplo, um copo de água). O comprimido pode ser tomado com ou sem alimentos.

Adultos

Infecções por herpes zoster

Prevenção da dor associada ao herpes zoster:

1000 mg de valaciclovir 3 vezes por dia durante 7 dias.

O tratamento deve ser iniciado logo que possível após o início da infecção, no período de

72 horas do surgimento das lesões cutâneas.

Infecções por herpes simplex

Tratamento das infecções genitais por herpes simplex em doentes imunodeprimidos:

500 mg duas vezes por dia durante 10 dias no caso do episódio inicial.

1000 mg por dia em uma ou duas doses divididas durante 5 dias no caso dos episódios

recidivantes.

O tratamento deve ser iniciado logo que possível no decurso da infecção, de preferência

na fase prodrómica ou quando as lesões começam a surgir.

Supressão das infecções genitais recidivantes por herpes simplex:

500 mg por dia em uma ou duas doses divididas

(Obtiveram-se melhores resultados dividindo a dose diária em duas doses, ou seja,

administrando 250 mg duas vezes por dia, quando a administração de uma dose única de

500 mg por dia falhou ou se as recidivas eram frequentes ou extremamente sintomáticas.)

Para esta indicação, a necessidade de tratamento deve ser reavaliada após 6 a 12 meses.

Adultos e adolescentes com idade igual e superior a 12 anos

Infecções por citomegalovírus

Profilaxia das infecções e doenças causadas por citomegalovírus (CMV):

2000 mg de valaciclovir 4 vezes por dia

O tratamento deve ser iniciado logo que possível após o transplante de órgãos.

A dose de valaciclovir deve ser adaptada de acordo com a depuração da creatinina

(consultar segunda tabela abaixo).

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

A duração do tratamento é, geralmente, de 90 dias, ainda que possa ser necessário um

tratamento mais longo nos doentes de alto risco.

Idosos

Não é necessário modificar a dose excepto se a função renal for substancialmente

afectada (consultar Insuficiência renal abaixo). Deve manter-se uma hidratação adequada.

Insuficiência renal

Prevenção da dor associada ao herpes zoster, supressão e tratamento das infecções

genitais por herpes simplex:

A dose deve ser ajustada de acordo com as seguintes recomendações:

Depuração

creatinina

ml/min

Herpes zoster

Herpes simplex

Tratamento

Profilaxia

imunocompetentes

imunodeprimido

> 50 ml/min

1000 mg 3 vezes ao

dia (Dose normal)

500mg duas

vezes ao dia

(Dose

normal)

500mg uma vez ao

dia (Dose normal)

500mg duas vez

normal)

>30-50 ml/min

1000

duas

vezes ao dia

500mg duas

vezes ao dia

(Dose

normal)

500mg uma vez ao

dia (Dose normal)

500mg duas vez

normal)

10-30 ml/min

1000mg

ao dia

500mg uma

vez ao dia

250mg uma vez ao

500mg

ao dia

< 10ml/min

500mg uma vez ao

500mg uma

vez ao dia

250mg uma vez ao

500mg

ao dia

Os doentes submetidos a hemodiálise devem receber a mesma dose que os doentes com

depuração

creatinina

<10

ml/min.

dias

diálise,

dose

deve

administrada após a diálise.

Profilaxia das infecções e doenças causadas por citomegalovírus (CMV)

A posologia deve ser ajustada de acordo com a depuração da creatinina, que deve ser

avaliada

frequência,

sobretudo

períodos

função

renal

muda

rapidamente, ou seja, imediatamente após um transplante ou enxerto.

Depuração da creatinina (ml/min)

Posologia

50 — < 75

1500 mg 4 vezes por dia

25 — < 50

1500 mg 3 vezes por dia

10 — < 25

1500 mg duas vezes por dia

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

< 10

1500 mg uma vez por dia

Nos doentes submetidos a hemodiálise, a dose deve ser administrada após a realização da

hemodiálise.

Insuficiência hepática

Não é necessário modificar a dose nos doentes com cirrose ligeira ou moderada (função

sintética hepática preservada).

Os dados farmacocinéticos nos doentes com cirrose avançada (função sintética hepática

insuficiente e indícios de shunt porto-sistémico) não apontam para a necessidade de

ajuste de dose. Contudo, a experiência clínica é limitada.

Para as doses mais altas recomendadas para a prevenção de infecções e doenças causadas

pelo CMV, ver secção 4.4.

Crianças com idade inferior a 12 anos

O valaciclovir não é recomendado para uso em crianças com idade inferior a 12 anos

devido a dados insuficientes em termos de segurança e eficácia.

4.3 Contra-indicações

Hipersensibilidade ao valaciclovir, aciclovir ou a qualquer um dos excipientes.

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

Estado de hidratação:

Devem ser tomadas precauções para assegurar a ingestão adequada de líquidos nos

doentes em risco de desidratação, especialmente os idosos.

Uso na insuficiência renal e em idosos

A dose deve ser adaptada de acordo com a depuração da creatinina (ver secção 4.2). Os

idosos e os doentes com antecedentes de insuficiência renal estão também em maior risco

de desenvolvimento de perturbações neurológicas (ver secção 4.8). No caso da ocorrência

de perturbações neurológicas, o tratamento deve ser suspenso. Após a sua retoma, a

posologia deve ser reduzida.

Insuficiência hepática ou transplante de fígado

Não existem dados disponíveis sobre o uso de doses altas (8 g por dia) em doentes com

insuficiência hepática.

Consequentemente,

devem

tomadas

precauções

administrar

doses

altas

valaciclovir a estes doentes.

Uso no herpes genital

A terapêutica com o valaciclovir reduz o risco de transmissão do herpes genital. Não cura

o herpes genital nem elimina definitivamente o risco de transmissão. Além da terapêutica

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

com o valaciclovir, recomenda-se que os doentes adoptem práticas de sexo seguro

(sobretudo o uso de preservativos).

4.5 Interacções medicamentosas e outras formas de interacção

associação

valaciclovir

medicamentos

nefrotóxicos,

sobretudo

imunossupressores como ciclosporina, tacrolímus, micofenolato de mofetil, deve ser

tomada em linha de conta, sobretudo no caso de insuficiência renal, implicando uma

monitorização

regular.

Isto

aplica-se

também

aminoglicosídeos,

organoplatinas,

meios de contraste iodados, metotrexato, pentamidina e foscarneto.

O aciclovir é eliminado primariamente sob forma inalterada na urina através de secreção

tubular

activa.

Quaisquer

medicamentos

administrados

concomitantemente

competem com este mecanismo pela eliminação (por exemplo, cimetidina, probenecide

ou micofenolato de mofetil) podem aumentar as concentrações plasmáticas do aciclovir

após a administração do valaciclovir. Nos doentes a receberem o valaciclovir de dose alta

(8 g/dia) para a profilaxia do CMV, são necessárias precauções durante a administração

concomitante com estes tipos de medicamentos.

Contudo, após 1 g de valaciclovir, não é necessário ajuste posológico com esta dose de 1

g devido ao índice terapêutico amplo do aciclovir. Os medicamentos alternativos, que não

interagem com outras substâncias excretadas primariamente através dos rins, podem ser

considerados para o controlo da produção excessiva de ácido gástrico e terapêutica

redutora de uratos aquando da administração de valaciclovir de dose alta.

4.6 Gravidez e aleitamento

Gravidez

Os dados relativos a um grande número de gravidezes expostas não revelam quaisquer

efeitos adversos do aciclovir, o metabolito activo do valaciclovir, sobre a gravidez ou a

saúde

feto/recém-nascido.

Contudo,

apenas

estudos

epidemiológicos

permitirão

comprovar a ausência de efeitos nocivos do agente na gravidez. Estudos em animais não

revelaram toxicidade reprodutiva numa única espécie com doses altas (ver secção 5.3)

valaciclovir

não

deverá

utilizado

durante

gravidez,

menos

seja

claramente necessário.

Não existem dados que justifiquem o uso a longo prazo do valaciclovir no herpes

recidivante em mulheres grávidas, especialmente no final da gravidez.

Aleitamento

O aciclovir, o principal metabolito do valaciclovir, é excretado no leite materno (ver

secção 5.2).

No caso de ser necessário um tratamento sistémico da mãe devido a uma infecção grave,

o aleitamento deve ser suspenso por causa do risco de infecção. Caso contrário, deve

optar-se pelo tratamento local para poder continuar o aleitamento.

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

O valaciclovir não tem influência ou tem uma influência insignificante na capacidade de

conduzir e utilizar máquinas.

4.8 Efeitos indesejáveis

As reacções adversas são enumeradas abaixo por classes de sistemas de órgãos segundo a

base de dados MedDRA e por frequência.

As categorias de frequência utilizadas são:

Muito frequentes (

1/10)

Frequentes (

1 / 100 a < 1 em 10),

Pouco frequentes (

1 / 1000 a < 1 em 100),

Raros (

1/ 10.000 a < 1 em 1000),

Muito raros (< 1/10.000), desconhecido (não pode ser calculado a partir dos dados

disponíveis).

Doenças do sangue e do sistema linfático

Muito raros: Trombocitopenia, leucopenia/neutropenia (notificada sobretudo nos doentes

imunodeprimidos).

Doenças do sistema imunitário

Muito raros: Anafilaxia.

Perturbações do foro psiquiátrico

Raros: Confusão, alucinações, alteração da consciência.

Muito raros: Agitação, sintomas psicóticos.

Doenças do sistema nervoso

Frequentes: Cefaleias

Raros: Tonturas, sonolência, diminuição da consciência

Muito raros: Tremores, ataxia, disartria, convulsões, encefalopatia e coma.

eventos

supramencionados

são

habitualmente

observados

doentes

insuficiência renal a receberem doses superiores às recomendadas ou em doentes com

outros factores de predisposição (sobretudo os idosos, ver secção 4.4). Estas perturbações

neurológicas são frequentes nos receptores de transplantes a receberem doses elevadas do

valaciclovir (8g diários) para a profilaxia de infecções e doenças causadas pelo CMV.

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino

Pouco frequentes: Dispneia.

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

Doenças gastrointestinais

Frequentes: Náuseas

Raros: Mal-estar abdominal, vómitos, diarreia.

Afecções hepatobiliares

Muito raros: Aumentos reversíveis nos níveis séricos das enzimas hepáticas e bilirrubina.

Estes são ocasionalmente descritos como hepatite.

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneas

Pouco frequentes: Erupção cutânea, incluindo fotossensibilidade.

Raros: Prurido.

Muito raros: Urticária, angioedema.

Doenças renais e urinárias

Raros: Insuficiência renal.

Muito raros: Aumento da ureia e creatinina no sangue, insuficiência renal aguda, por

vezes com precipitação de cristais no lúmen do túbulo, sobretudo nos idosos ou em

doentes com insuficiência renal quando as doses utilizadas excedem as recomendadas.

Obtiveram-se

relatos

insuficiência

renal,

anemia

hemolítica

microangiopática

trombocitopenia (por vezes em combinação) em doentes gravemente imunodeprimidos,

sobretudo naqueles com doença avançada pelo VIH, a receberem doses altas (8 g

diariamente) do valaciclovir por períodos prolongados em ensaios clínicos. Estes achados

foram observados em doentes não tratados com o valaciclovir que têm as mesmas

doenças subjacentes ou concomitantes.

4.9 Sobredosagem

O valaciclovir é rápida e totalmente metabolizado em aciclovir.

A administração intravenosa de uma dose alta do aciclovir (80 mg/kg) corresponde a uma

dose de valaciclovir de cerca de 15 g.

Sintomas

Foram notificados poucos casos de sobredosagem com o valaciclovir.

A administração oral de doses de aciclovir até 20 g não levou ao surgimento de eventos

adversos.

A administração oral acidental e repetida de doses altas de aciclovir ao longo de vários

dias causou perturbações gastrointestinais (náuseas e vómitos) e neurológicas (dores de

cabeça e confusão).

A administração intravenosa de uma dose elevada do aciclovir levou a um aumento dos

níveis de creatinina sérica com insuficiência renal secundária à precipitação de cristais no

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

lúmen do túbulo. Foram descritas perturbações neurológicas (confusão, alucinações,

agitação, epilepsia e coma) na sequência de uma sobredosagem intravenosa.

Constatou-se

doses

não-adaptadas

função

renal

doentes

insuficiência

renal

levou

estado

consciência

alterado,

confusão

alucinações ao coma.

Tratamento

Os doentes devem ser monitorizados de perto para a ocorrência de sinais de toxicidade. A

hemodiálise reforça significativamente a eliminação do aciclovir do sangue e pode,

consequentemente,

considerada

opção

controlo

eventualidade

sobredosagem sintomática.

5. PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo

farmacoterapêutico:

Nucleósidos

nucleótidos,

excluindo

inibidores

transcriptase reversa.

Código ATC: J05AB11

O valaciclovir é o éster de L-valina do aciclovir, o antivírico activo. É rápida e totalmente

metabolizado em aciclovir por uma hidrolase.

O aciclovir é um inibidor específico dos vírus herpéticos com actividade in vitro contra

os vírus herpes simplex (HSV) de tipo 1 e de tipo 2, vírus varicela zoster (VZV),

citomegalovírus (CMV), vírus de Epstein-Barr (EBV) e vírus herpético humano 6 (HHV-

O aciclovir inibe a síntese do ADN do vírus herpético após a sua fosforilação para a

forma activa trifosfatada. A primeira etapa da fosforilação implica a actividade de uma

enzima específica do vírus. No caso do HSV, VZV e EBV, esta enzima é a timidina

cinase (TK) vírica, que só está presente nas células infectadas pelo vírus. A selectividade

é mantida no CMV com a fosforilação, pelo menos em parte, sendo mediada pelo produto

do gene da fosfotransferase do UL97.

O processo de fosforilação é completado (conversão do monofosfato em bifosfato e

trifosfato) pelas cinases celulares. O trifosfato de aciclovir inibe de forma competitiva a

ADN polimerase viral e a incorporação deste análogo de nucleósido obriga à terminação

da cadeia suspendendo a síntese do ADN e bloqueando assim a replicação viral.

Esta selectividade dupla garante que o aciclovir não interfere com o metabolismo das

células saudáveis. A monitorização exaustiva de isolados clínicos de doentes a receberem

a terapêutica ou a profilaxia do aciclovir revelou que o vírus com sensibilidade reduzida

ao aciclovir é extremamente raro no indivíduo imunodeprimido, só sendo encontrado

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

com pouca frequência em indivíduos gravemente imunodeprimidos, como, por exemplo,

receptores de transplantes de medula óssea, doentes submetidos a quimioterapia por

doença maligna e pessoas infectadas com o vírus da imunodeficiência humana (VIH).

A resistência deve-se, normalmente, a um fenótipo deficiente em timidina cinase, o que

resulta num vírus que se encontra profundamente enfraquecido no hospedeiro natural.

Com pouca frequência, a sensibilidade reduzida ao aciclovir foi descrita como um

resultado de alterações subtis da timidina cinase do vírus ou da ADN polimerase. A

virulência destas variantes assemelha-se à dos vírus de tipo selvagem.

5.2 Propriedades farmacocinéticas

Após a administração oral, o valaciclovir é devidamente absorvido e rápida e quase

totalmente metabolizado em aciclovir por um efeito marcado de primeira passagem, que

é basicamente hepático. Após a administração de doses únicas de 250 mg e 2000 mg, as

concentrações máximas de aciclovir obtidas correspondem a 10 e 37 mcmol/l (2,2 a 8,3

µg/ml)

são

alcançadas

aproximadamente

horas

após

administração.

biodisponibilidade do aciclovir a partir do valaciclovir é de 54%; não é afectada pela

ingestão

alimentos.

concentrações

plasmáticas

máximas

valaciclovir

correspondem apenas a 4% das do aciclovir. O valaciclovir não é detectado no período de

3 horas da administração. Os perfis plasmáticos do valaciclovir e do aciclovir são

semelhantes após administrações únicas e múltiplas.

A ligação do aciclovir e valaciclovir às proteínas plasmáticas é extremamente baixa

(cerca de 15%). O aciclovir distribui-se rapidamente em todos os tecidos, sobretudo

fígado, rins, músculos e pulmões. Também se espalha pelas secreções vaginais, líquido

cefalo-raquidiano e líquido vesicular herpético.

Em doentes com função renal normal, a semi-vida de eliminação do aciclovir após doses

únicas e repetidas é de cerca de 3 horas. Em doentes com doença renal de fase final, a

semi-vida

média

eliminação

aciclovir

após

administração

valaciclovir

corresponde aproximadamente a 14 horas. Menos de 1% da dose administrada do

valaciclovir é recuperado na urina sob a forma de fármaco inalterado. O valaciclovir é

primariamente

eliminado

forma

aciclovir

respectivo

metabolito,

9-(carboximetoximetil)-guanina, na urina.

Em idosos, doentes cirróticos e seropositivos, o perfil farmacocinético do aciclovir após a

administração

valaciclovir

não

significativamente

diferente.

doentes

insuficiência renal grave não submetidos a diálise, a concentração máxima do aciclovir

corresponde aproximadamente ao dobro e a sua semi-vida de eliminação sofre um

aumento por um factor de 5. Em receptores de transplantes de órgãos tratados com 2000

mg de valaciclovir 4 vezes por dia, as concentrações plasmáticas máximas do aciclovir

são semelhantes ou superiores às obtidas em voluntários saudáveis a receberem a mesma

dose. As áreas debaixo da curva são substancialmente superiores. No final da gravidez, a

área debaixo da curva da concentração plasmática do aciclovir versus tempo para 1000

mg do valaciclovir é cerca de duas vezes mais alta do que após a administração de 1200

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

mg/dia do aciclovir. A gravidez não modifica as características farmacocinéticas do

valaciclovir.

Com uma dosagem materna de valaciclovir de 500 mg duas vezes por dia, a quantidade

da substância excretada no leite materno exporá um lactente a uma dose diária oral de

aciclovir de cerca de 0,61 mg/kg/dia. A semi-vida de eliminação do aciclovir do leite

materno foi semelhante à observada no soro. O valaciclovir inalterado não foi detectado

no soro ou leite materno nem na urina do lactente.

5.3 Dados de segurança pré-clínica

Mutagenicidade:

Os resultados dos testes de mutagenicidade in vitro e in vivo indicam ser improvável que

o valaciclovir constitua um risco genético para os seres humanos.

Carcinogenicidade:

O valaciclovir não foi carcinogénico em bioensaios realizados em ratinhos e ratos.

Teratogenicidade:

O valaciclovir não foi teratogénico em ratos ou coelhos.

Fertilidade:

O valaciclovir não afectou a fertilidade em ratos machos ou fêmeas por via oral.

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1 Lista dos excipientes

Núcleo do comprimido

Celulose microcristalina

Povidona

Estearato de magnésio

Revestimento do comprimido

Opadry White Y-5-7068:

Hipromelose

Hidroxipropilcelulose

Dióxido de titânio (E171)

Macrogol 400

6.2 Incompatibilidades

Não aplicável.

6.3 Prazo de validade

APROVADO EM

27-01-2009

INFARMED

30 meses

6.4 Precauções especiais de conservação

Não conservar acima de 30

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

Blister de PVC/Alumínio.

Tamanho das apresentações (blisteres): 10, 20, 21, 24, 30, 42, 60 comprimidos revestidos

por película.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6 Precauções especiais de eliminação

Não existem requisitos especiais.

Os produtos não utilizados ou os resíduos devem ser eliminados de acordo com as

exigências locais.

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

MITHRIDATUM Limited

5th Floor, 86 Jermyn Street

LONDON SW1Y 6AW

Reino Unido

8. NÚMERO (S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE

INTRODUÇÃO NO MERCADO

10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação