Ziac 2.5 mg + 6.25 mg Comprimido revestido por película

Portugal - português - INFARMED (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Bisoprolol + Hidroclorotiazida
Disponível em:
Thespis Pharmaceutical Ltd.
Código ATC:
C07BB07
DCI (Denominação Comum Internacional):
Bisoprolol + Hydrochlorothiazide
Dosagem:
2.5 mg + 6.25 mg
Forma farmacêutica:
Comprimido revestido por película
Composição:
Bisoprolol, fumarato 2.5 mg - Hidroclorotiazida 6.25 mg
Via de administração:
Via oral
Tipo de prescrição:
MSRM
Grupo terapêutico:
3.4.4.2.1 Seletivos cardíacos
Área terapêutica:
bisoprolol and thiazides
Resumo do produto:
5554936 - Blister 30 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 18 Mese(s)Temperatura: inferior a 30°C - Não comercializado - 10115182 - 50144740 ; 5554944 - Blister 90 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 18 Mese(s)Temperatura: inferior a 30°C - Não comercializado - 10115182 - 50144758
Status de autorização:
Revogado (29 de Abril de 2019)
Número de autorização:
PT/H/0693/001/DC
Data de autorização:
2013-05-21

Leia o documento completo

APROVADO EM

21-05-2013

INFARMED

Folheto informativo: informação para o utilizador

Ziac 2,5 mg + 6,25 mg comprimidos revestidos por película

Ziac 5 mg + 6,25 mg comprimidos revestidos por película

Ziac 10 mg + 6,25 mg comprimidos revestidos por película

Bisoprolol, fumarato + Hidroclorotiazida

Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento, pois

contém informação importante para si.

- Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.

- Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.

- Este medicamento foi receitado apenas para si. Não deve dá-lo a outros. O medicamento

pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sinais de doença.

- Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não

indicados neste folheto, fale com o seu médico ou farmacêutico.

O que contém este folheto:

1. O que é Ziac e para que é utilizado

2. O que precisa de saber antes de tomar Ziac

3. Como tomar Ziac

4. Efeitos secundários possíveis

5. Como conservar Ziac

6. Conteúdo da embalagem e outras informações

1. O que é ZIAC e para que é utilizado

As substâncias ativas são bisoprolol e hidroclorotiazida.

O bisoprolol pertence ao grupo de medicamentos denominados de bloqueadores beta e é

utilizado para reduzir a pressão arterial.

hidroclorotiazida

pertence

grupo

medicamentos

designado

diuréticos

tiazídicos. Esta substância também ajuda na redução da pressão arterial através do

aumento da eliminação de urina.

Está indicado no tratamento da hipertensão arterial ligeira a moderada.

2. O que precisa de saber antes de tomar ZIAC

Não tome Ziac

-se tem alergia ao bisoprolol, hidroclorotiazida, a outras tiazidas, a sulfonamidas ou a

qualquer outro componente deste medicamento (indicados na secção 6);

-se tem asma grave ou certas bronco-pneumopatias crónicas graves;

APROVADO EM

21-05-2013

INFARMED

- se tem insuficiência cardíaca aguda que não pode ser controlada com tratamento ou se

teve choque cardiogénico (doença cardíaca aguda que leva à diminuição da pressão

arterial e a insuficiência circulatória).

- se sofre de uma frequência cardíaca baixa que causa alterações, distúrbios na condução

e síndrome do sinus doente;

- se tem feocromocitoma que não está a ser atualmente tratado (tumor da glândula

suprarrenal que causa hipertensão arterial grave).

- se tem má circulação sanguínea que afeta os membros (tal como síndrome de Raynaud

que resulta numa descoloração temporária da pele e adormecimento dos dedos das mãos

e dos pés)

- se tem acidose metabólica (distúrbio do metabolismo que causa a acidificação do

sangue)

- se tem problemas renais ou hepáticos graves

- se tem baixos níveis sanguíneos de potássio que não respondem ao tratamento

- se está a tomar sultoprida (utilizada no tratamento de algumas doenças psiquiátricas)

Advertências e precauções

O tratamento não deve ser

interrompido abruptamente, especialmente se tiver uma

doença cardíaca (isquemia, angina).

Fale com o seu médico antes de tomar Ziac:

-se tem alguma doença cardíaca tal como insuficiência cardíaca, problemas de batimento

cardíaco ou angina de Prinzmetal;

- se tem problemas circulatórios menos graves que afetam os membros (especialmente se

forem causados por síndrome de Raynaud)

- se tem problemas renais ou hepáticos

- se tem feocromocitoma (tumor da glândula suprarrenal)

doença

brônquica

forma

menos

grave

(asma

bronco-pneumopatia

obstrutiva crónica)

- se tem diabetes

- se tem problemas de tiróide

- se tem psoríase

- se está em dieta restrita

Adicionalmente informe o seu médico se:

- se tem gota, Ziac aumenta o risco de gota aguda;

- se vai ser submetido(a) a uma anestesia (por ex. para uma cirurgia), Ziac pode agravar a

reação do seu organismo.

- se vai receber um tratamento dessensibilizante Ziac pode aumentar a possibilidade de

uma reação alérgica ou agravar a severidade desta reação.

- se está a amamentar ou se vai amamentar.

- se tem intenção de se expor ao sol ou a raios UV artificiais. Alguns doentes podem

apresentar erupções cutâneas após a exposição solar. Neste caso terá de proteger a sua

pele durante o tratamento com Ziac.

Exames complementares

APROVADO EM

21-05-2013

INFARMED

Hidroclorotiazida influencia o equilibrio água-sal do seu organismo. O seu médico deverá

proceder ao seu controlo regularmente. Estes exames são particularmente importantes se

apresentar outras reações de sensibilização que podem ser agravadas se houver alteração

no equilibrio hidroeletrolítico. O seu médico irá também avaliar periodicamente os seus

níveis no sangue de lípidos, ácido úrico ou glucose.

A utilização deste medicamento não está recomendada em simultâneo com lítio, usado no

tratamento de certas doenças psiquiátricas ou com medicamentos utilizados no tratamento

de hipertensão, angina peitoral ou arritmia cardíaca (tais como verapamil, diltiazem ou

bepridilo) (ver “outros medicamentos e Ziac)

Outros medicamentos e Ziac

Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar, tiver tomado recentemente ou

se vier a tomar outros medicamentos.

Não tome Ziac se está ser tratado(a) com algum dos seguintes medicamentos (ver secção

“Não tome Ziac”)

- Sultoprida usada no tratamento de algumas formas de distúrbios psiquiátricos

Ziac

não

deve

tomado

seguintes

medicamentos

menos

seja

recomendação do seu médico uma vez que geralmente não é recomendado (ver secção “

advertências e precauções”)

- alguns

medicamentos utilizados no tratamento da hipertensão, angina peitoral ou

arritmia cardíaca (tais como verapamil, diltiazem ou bepridilo) uma vez que podem

aumentar o risco de alterações no batimento cardíaco

- lítio que é utilizado no tratamento de algumas perturbações psiquiátricas.

Ziac com alimentos e bebidas

Ziac pode ser tomado com ou sem alimentos e deve ser tomado pela manhã.

Gravidez e amamentação

Se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar, consulte o

seu médico ou farmacêutico antes de tomar este medicamento.

Este medicamento não deve ser-lhe prescrito caso esteja grávida.

Este medicamento não deve ser-lhe prescrito caso esteja a amamentar.

Atletas

Os atletas deverão ser alertados para o fato de que este medicamento contém substâncias

que podem resultar numa reação positiva nos testes de controlo de anti-dopagem.

Condução de veículos e utilização de máquinas

Não foram realizados estudos que avaliem a capacidade de conduzir e utilizar máquinas.

Ziac usualmente não afeta a capacidade de conduzir e utlizar máquinas.

Contudo, a sua reação poderá ter efeito na sua concentração e reflexos. Nestes casos não

deve conduzir ou utilizar máquinas.

APROVADO EM

21-05-2013

INFARMED

3. Como tomar ZIAC

Tome este medicamento exatamente como indicado pelo seu médico. Fale com o seu

médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

A posologia inicial é 1 comprimido de 2,5 mg/ 6,25 mg de bisoprolol/ hidroclorotiazida

uma vez por dia.

No caso de resposta inadequada ao tratamento, a posologia deverá ser aumentada para 1

comprimido de 5 mg/ 6,25 mg de bisoprolol/ hidroclorotiazida uma vez por dia. Em caso

da resposta permanecer inadequada, esta dose deverá ser aumentada para 1 comprimido

de 10 mg/ 6,25 mg de bisoprolol/ hidroclorotiazida uma vez por dia.

Os comprimidos devem

ser tomados durante a

manhã com ou sem

alimentos. Os

comprimidos devem tomados com uma pequena quantidade de líquido e não devem ser

mastigados.

Não interrompa o tratamento de forma repentina.

Utilização em crianças

Devido à falta de experiência da utilização de Ziac em crianças e adolescentes com

menos de 18 anos de idade, a sua utilização não é recomendada nestes grupos etários.

Se tomar mais Ziac do que deveria

Informe imediatamente o seu médico. O seu médico irá decidir as medidas a serem

tomadas dependendo do grau de sobredosagem.

Os sintomas de sobredosagem podem ser: diminuição da pressão arterial, bradicardia,

problemas

cardíacos

agudos,

tonturas,

sonolência,

problemas

respiratórios

agudos,

hipoglicemia.

Informe imediatamente o seu médico ou farmacêutico.

Caso se tenha esquecido de tomar Ziac

No caso de se esquecer de tomar uma dose, tome-a assim que se lembrar. Tome a

próxima dose à hora usual. Em todo o caso, caso esteja próxima da hora de tomar a dose

seguinte não tome a que se esqueceu de tomar.

Não tome uma dose a dobrar para compensar um comprimido que se esqueceu de tomar.

Se parar de tomar Ziac

Não pare de forma repentina o tratamento ou altere a dose sem antes de falar com o seu

médico.

Se necessitar de parar o tratamento, tal deverá ser feito de forma gradual para evitar

efeitos secundários.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico

ou farmacêutico.

4. Efeitos secundários possíveis

APROVADO EM

21-05-2013

INFARMED

Como

todos

medicamentos,

este

medicamento

pode

causar

efeitos

secundários,

embora estes não se manifestem em todas as pessoas.

Os efeitos secundários são de seguida listados de acordo com a sua frequência:

Frequentes (

1/100 a <1/10)

- sensação de arrefecimento ou adormecimento das extremidades (dedos das mãos e pés,

ouvidos e nariz)

- cansaço, exaustão, tonturas e dor de cabeça. Estes sintomas aparecem especialmente no

início do tratamento, sendo geralmente moderados e vulgarmente desaparecem ao fim de

1-2 semanas.

- Distúrbios gastrointestinais: naúseas, vómitos, diarreia ou obstipação

Pouco Frequentes (

1/1000 a <1/100)

- fraqueza muscular, cãibras e dores articulares

- batimento cardíaco fraco ou irregular, agravamento da insuficiência cardíaca quando

passa da posição de pé para sentado

- distúrbios do sono, depressão

- doentes com asma ou antecedentes de problemas respiratórios podem ter dificuldade em

respirar.

- aumento dos níveis no sangue de creatinina ou ureia

- dores abdominais

- aumento das amilases (enzimas que intrevêm na digestão)

- distúrbio no equilíbrio hidroeletrolítico

- aumento dos níveis no sangue de lípidos, colesterol, ácido úrico ou glucose

Raros (

1/10000 a <1/1000)

- pesadelos, halucinações

- reações alérgicas do tipo com comichão, coloração avermelhada aguda da cara, erupção

cutânea, sensibilização da pele ao sol, urticária, manchas vermelhas na pele devido a

sangramento sob a pele (púrpura)

- aumento das enzimas hepáticas, deverá reparar no amarelecimento da sua pele ou dos

olhos (ictericia)

- redução do desempenho sexual

- distúrbios na audição

- rinite alérgica, redução do líquido lacrimal, distúrbios visuais

diminuição

número

glóbulos

brancos

(leucocitopenia)

plaquetas

(trombocitopenia)

Muito Raros (<1/10000)

- comichão ou vermelhidão do olho, perda de cabelo.

APROVADO EM

21-05-2013

INFARMED

- aparecimento ou agravamento de erupção cutânea anteriormente existente (psoríase),

aparecimento de placas com crosta (lúpus eritematoso cutâneo)

- dores no tórax

- diminuição relevante do número de glóbulos brancos no sangue (agranulocitose)

- inflamação do pâncreas

- perda acentuada de ácido no sangue (alcalose metabólica)

- reações alérgicas (anafilática), reações cutâneas graves com bolhas (síndrome de Lyell).

tiver

quaisquer

efeitos

secundários,

incluindo

possíveis

efeitos

secundários

não

indicados neste folheto, fale com o seu médico ou farmacêutico.

5. Como conservar ZIAC

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Se detetar quaisquer defeitos ou sinais de deterioração nos comprimidos (tais como

comprimidos quebrados), por favor informe o seu farmacêutico.

Não utilize este medicamento após o prazo de validade impresso na embalagem exterior e

blister. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao

seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas

ajudarão a proteger o ambiente.

6. Conteúdo da embalagem e outras informações

Qual a composição de Ziac

As substâncias ativas são o bisoprolol, fumarato e hidroclorotiazida.

Cada comprimido contém 2,5 mg de bisoprolol, fumarato e 6,25 mg de hidroclorotiazida

Cada comprimido contém 5 mg de bisoprolol, fumarato e 6,25 mg de hidroclorotiazida

Cada comprimido contém 10 mg de bisoprolol, fumarato e 6,25 mg de hidroclorotiazida

Os outros componentes são:

2,5 mg de bisoprolol, fumarato e 6,25 mg de hidroclorotiazida

Lactose

monohidratada,

hidrogenofosfato

cálcio

anidro,

celulose

microcristalina,

estearato de magnésio, sílica coloidal anidra, talco, crospovidona, opadry amarelo, água

purificada.

5 mg de bisoprolol, fumarato e 6,25 mg de hidroclorotiazida

Lactose

monohidratada,

hidrogenofosfato

cálcio

anidro,

celulose

microcristalina,

estearato de magnésio, sílica coloidal anidra, talco, crospovidona, opadry rosa, água

purificada.

10 mg de bisoprolol, fumarato e 6,25 mg de hidroclorotiazida

APROVADO EM

21-05-2013

INFARMED

Lactose

monohidratada,

hidrogenofosfato

cálcio

anidro,

celulose

microcristalina,

estearato de magnésio, sílica coloidal anidra, talco, crospovidona, opadry branco, água

purificada.

Qual o aspeto de Ziac e conteúdo da embalagem

Todas

dosagens

estão

disponíveis

embalgens

blister

contendo

comprimidos.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado

THESPIS PHARMACEUTICAL Ltd,

4 G. Kranidioti str.,

1065 Nicosia

Chipre

Fabricante

ROTTENDORF PHARMA

ΖΙ

Νο

2 de Proyvy- Rouvignies, 1 rue de Nungesser, 59 121 Prouvy

França

ARROW GENERIQUES

26 avenue Tony Garnier, 69007 LYON

França

DELPHARM EVREUX

5 rue Du Guesclin, 27000 Evreux

França

Este folheto foi aprovado pela última vez em

Leia o documento completo

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1. NOME DO MEDICAMENTO

Ziac 2,5 mg + 6,25 mg comprimidos revestidos por película

2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada comprimido de Ziac 2,5 mg + 6,25 mg para administração oral contém:

Bisoprolol fumarato..............................................2,5 mg

Hidroclorotiazida ...............................................6,25 mg

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. FORMA FARMACÊUTICA

Comprimido revestido por película

Comprimido revstido por película redondo e amarelo

4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Indicações terapêuticas

Tratamento da hipertensão arterial ligeira a moderada.

4.2 Posologia e modo de administração

Posologia

Para o ajuste individual da posologia, Ziac encontra-se disponível nas seguintes

dosagens:

Ziac 2,5 mg + 6,25 mg comprimidos revestidos por película

Ziac 5 mg + 6,25 mg comprimidos revestidos por película

Ziac 10 mg + 6,25 mg comprimidos revestidos por película

A posologia inicial é de um comprimido de Ziac 2,5 mg + 6,25 mg uma vez ao dia.

Em caso de resposta inadequada ao tratamento, a posologia deverá ser aumentada

para um comprimido de Ziac de 5 mg + 6,25 mg uma vez ao dia. Em caso de falta

de eficácia, esta posologia pode ser aumentada para um comprimido de Ziac 10 mg

+ 6,25 mg uma vez ao dia.

Se for considerada a descontinuação do tratamento, recomenda-se a diminuição

gradual do tratamento com bisoprolol, uma vez que a descontinuação abrupta de

bisoprolol

pode

conduzir

agravamento

agudo

condição

doente,

especialmente nos doentes com doença isquémica cardíaca.

Administração

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

Ziac comprimidos revestidos por película deve ser tomado de manhã e pode ser

tomado com alimentos. Devem ser deglutidos com liquido e não devem ser

mastigados.

Populações especiais

Compromisso renal ou hepático

Nos casos de compromisso hepático ou renal ligeiro a moderado (depuração da

creatinina > 30 ml/min), não há necessidade de se proceder ao ajuste da posologia.

População idosa

Não é necessário um ajuste da posologia (ver secção 4.4).

População pediátrica

Não existe experiência pediátrica com bisoprolol + hidroclorotiazida, pelo que não se

recomenda o seu uso em crianças e adolescentes com menos de 18 anos de idade.

4.3 Contraindicações

Ziac

está

contraindicado

doentes

hipersensibilidade

bisoprolol,

hidroclorotiazida,

outras tiazidas

sulfonamidas,

qualquer

excipientes mencionados na secção 6.1.

Este medicamento também está contraindicado nas seguintes condições:

- asma brônquica grave ou doença pulmonar obstrutiva crónica grave

- insuficiência cardíaca

- choque cardiogénico

- síndrome do sinus doente (com bloqueio sinoatrial)

- bloqueio AV de segundo ou terceiro grau sem pacemaker

- bradicardia sintomática

- feocromocitoma (exceto após tratamento com bloqueadores alfa)

- formas graves de doença arterial oclusiva periférica ou formas graves de síndroma

de Raynaud

- acidose metabólica

- coadministração com sultoprida

Relacionadas com Hidroclorotiazida

Este medicamento está contraindicado nas seguintes situações:

- compromisso renal grave (depuração de creatinina ≤ 30 ml/min)

- compromisso hepático grave

- hipocaliemia persistente

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

Advertências especiais

Relacionadas com Bisoprolol

A interrupção da terapêutica com bisoprolol não deve ser feita abruptamente, a

menos que seja claramente indicado, especialmente em doentes com doença

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

isquémica cardíaca, uma vez que pode conduzir a arritmia ventricular grave, enfarte

do miocárdio ou morte repentina.

Relacionadas com Hidroclorotiazida

Nos casos de compromisso hepático, os diuréticos tiazídicos podem originar o

aparecimento de encefalopatia hepática. Nestes casos, a administração de diuréticos

deve ser imediatamente interrompida.

O medicamento não deve ser administrado durante o aleitamento. (ver secção 4.6).

Precauções de utilização

Relacionadas com Bisoprolol

Asma brônquica e outras patologias pulmonares obstrutivas crónicas

Apenas nos casos de asma brônquica moderada ou outras patologias pulmonares

obstrutivas crónicas, podem ser administrados bloqueadores beta, selecionando um

beta-1 seletivo numa dose inicial muito baixa. Recomenda-se a realização de testes

da função respiratória antes de se iniciar o tratamento.

Recomenda-se a administração concomitante de terapêutica broncodilatadora em

doentes sintomáticos. Ocasionalmente, pode ocorrer um aumento da resistência das

vias respiratórias em doentes asmáticos, sendo por conseguinte necessário aumentar

a dose dos estimulantes β2.

Insuficiência cardíaca

Nos doentes com insuficiência cardíaca compensada, e apenas nos casos em que é

necessário, o bisoprolol pode ser administrado em doses muito baixas que podem

ser progressivamente aumentadas e apenas sob estrita vigilância médica.

Bloqueio AV de 1º grau

Devido ao efeito dromotrópico negativo dos bloqueadores beta, estes devem ser

administrados com precaução nos doentes que apresentam um bloqueio aurículo-

ventricular de primeiro grau.

Angina de Prinzmetal

Os bloqueadores beta podem aumentar o número e duração das crises em doentes

que sofrem de angina de Prinzmetal. A utilização de bloquedores beta 1 seletivos é

possível numa dosagem muito baixa e associada à administração concomitante de

um vasodilatador.

Doença Vascular Periférica

Os bloqueadores beta podem precipitar ou agravar a sintomatologia da insuficiência

arterial em doentes com doença vascular periférica. Nestes casos, recomenda-se a

administração de um bloqueador beta 1 seletivo.

Feocromocitoma

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

Em doentes com feocromocitoma, Ziac não deve ser administrado até ao bloqueio

dos recetores alfa ter ocorrido.

População idosa

Geralmente não é necessário proceder ao ajuste da posologia. Contudo, doentes

idosos

devem

monitorizados

mais

frequência

(ver

secção

equilíbrio

eletrolítico e de fluidos).

Doentes com diabetes

Como precaução, e devido ao risco de hipoglicemia, no início do tratamento deverá

efetuado

controlo

glicémico.

Sintomas

hipoglicemia,

especialmente

taquicardia, palpitações ou sudação podem ser mascarados.

Psoríase

Foram relatados casos de agravamento da doença com a utilização de bloqueadores

beta. Por este motivo, Ziac não deve ser administrado a menos que estritamente

necessário.

Reações alérgicas

Nos doentes com suscetibilidade de desencadear uma reação anafilática aguda,

independentemente da sua origem, e particularmente após a utilização de meios de

contraste com iodo (ver secção 4.5) ou durante o tratamento com imunoterapia

específica (de-sensibilidade), o tratamento com bloqueadores beta pode agravar a

reação anafilática e a resistência ao seu tratamento com adrenalinas em doses

usuais.

Anestesia geral

Em doentes submetidos a anestesia geral o beta bloqueio reduz a incidência de

arritmias e isquemia do miocárdio durante a indução e intubação e o período pós-

operatório. Atualmente é recomendada a continuação do beta bloqueio no período

peri-operatório. O médico anestesista deverá estar ciente do beta bloqueio dado o

potencial de interações com outros medicamentos, resultando em bradiarritmias,

atenuação do reflexo taquicardio e diminuição da capacidade reflexa para compensar

perdas

sangue.

considerada

descontinuação

tratamento

bloquedor beta antes da cirurgia, tal deverá ser feita gradualmente e no período de

48 horas antecedentes à anestesia.

Tireotoxicose

O bloqueio beta-adrenérgico pode mascarar os sinais clínicos de hipertiroidismo, tais

como taquicardia.

Atletas

Os atletas deverão ser alertados para o fato deste medicamento conter uma

substância que pode originar resultados positivos nos testes de controlo de anti-

dopagem.

Dieta restrita

Este medicamento deverá ser utilizado com precaução em doentes que estejam sob

uma dieta restrita.

Coadministração com verapamil, diltiazem e bepridilo

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

Esta coadministração deve ser feita apenas sob vigilância clínica especialmente em

doentes idosos e no início do tratamento.

Relacionadas com Hidroclorotiazida

Equilíbrio electrolítico e de fluidos

Durante o tratamento prolongado com bisoprolol + hidroclorotiazida, devem ser

realizadas

determinações

periódicas

eletrólitos

séricos

recomenda-se

vigilância dos doentes quanto a sinais de alterações ao equilíbrio electrolítico ou de

fluidos

(por

hiponatremia,

alcalose

hipocloremia,

hipocaliemia

hipomagnesemia) e também para controlo da creatinina e ureia, lípidos séricos

(colesterol e triglicéridos), ácido úrico e controlo glicémico.

Hiponatremia

Deverá ser controlada com o início do tratamento e em intervalos regulares. Todos

os tratamentos com diuréticos podem causar hiponatremia, em alguns casos muito

grave.

A hiponatremia de base pode ser assintomática, por isso é necessário efetuar um

controlo regular que deve ser ainda mais frequente na população em risco tal como

doentes idosos e doentes com cirrose.

Hipocaliemia

Hipocaliemia é um dos fatores de maior risco dos diuréticos tiazídicos.

O risco de ter hipocaliemia (< 3,5 mmol/l) deve ser prevenido em certas populações

de risco que são os idosos e/ou mal nutridos e/ou polimedicados, com doença

coronária e disfunção cardíaca. De fato, em alguns casos, a hipocaliemia pode

provocar arritmias ventriculares ou exacerbar a resposta do coração aos efeitos

tóxicos dos digitálicos.

Doentes com intervalo QT prolongado também podem estar em risco uma vez que a

origem

pode

congénita

iatrogénica.

Hipocaliemia

(bem

como

bradicardia)

atua

também

como

fator

causal

aparecimento

arritmias

ventriculares graves em particular torsades de pointes potencialmente fatal.

Em todos os casos é necessário um controlo de potássio mais frequente. O primeiro

controlo de potássio plasmático deve ser feito no início da semana seguinte ao início

do tratamento.

Calcemia

A excreção do cálcio está diminuída pelas tiazidas e as mesmas podem originar um

aumento ligeiro e transitório da calcemia. A hipercalcemia pode estar relacionada

hiperparatiroidismo

não

diagnosticado.

tratamento

deverá

interrompido de imediato e deve ser realizado um controlo à paratiroide.

Associação com lítio

Esta associação deverá ser evitada na presença de um diurético (ver secção 4.5).

Glicemia

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

O controlo da glicemia deve ser efetuado em doentes diabéticos, especialmente na

presença de hipocaliemia.

Ácido úrico

Hiperuricemia ou gota aguda podem estar presentes em doentes hiperuricémicos.

Nestes casos a posologia deve ser ajustada de acordo com as concentrações

plasmáticas de ácido úrico.

Funções renal e diurética

diuréticos

tiazídicos

são

eficazes

casos

função

renal

normal

ligeiramente alterada (creatinina < 25 mg/l ou 220 µmol/l para adultos).

A creatinemia deve ser ajustada de acordo com a idade e o género do doente a partir

da fórmula de Cockroft-Gault como no seguinte exemplo:

*ClCr = (140-idade) x peso/0,814x creatinemia

Onde:

- a idade é expressa em anos

- o peso é expresso em kg

- a creatinemia é expressa em µmol/l

Esta fórmula permite a determinação da depuração de creatinina para o Homem e

deve ser corrigida na determinação para Mulheres multiplicando o resultado por

0,85.

Hipovolemia seguida de perda de água e sódio causada pelo diurético, no início do

tratamento, também causa redução da filtração glomerular. Tal pode resultar num

aumento da ureia plasmática e creatinemia. Este compromisso renal é transitório e

sem quaisquer consequências para o doente com função renal normal mas pode

agravar um compromisso renal pré-existente.

Associação com antihipertensores

Recomenda-se

redução

posologia

caso

associação

outros

antihipertensores pelo menos no início.

Fotossensibilidade

Pode

ocorrer,

embora

sejam

raros,

casos

fotossensibilidade

causados

diuréticos

tiazidicos

(ver

secção

4.5).

verificar

reação

fotossensibilidade durante os tratamentos recomenda-se a sua descontinuação. Se

for considerada necessária uma nova administração, sugere-se a proteção da área

exposta ao sol ou a utilização de filtros UVA.

Atletas

Os atletas deverão ser alertados para o fato deste medicamento conter uma

substância que origina resultados positivos nos testes de controlo de anti-dopagem.

4.5 Interações medicamentosas e outras formas de interação

Relacionadas com Bisoprolol

Associações contraindicadas:

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

- Sultopride

Risco de arritmias ventriculares graves em particular torsades de pointes (ver secção

4.3)

Associações não recomendadas:

- Verapamil, diltiazem

Efeito negativo na contratilidade e condução auriculoventricular.

Esta coadministração deve ser feita apenas sob monitorização clínica especialmente

no doente idoso e no início do tratamento (ver secção 4.4.).

- Bepridilo

Efeito negativo na contratilidade e condução auriculoventricular. Adicionalmente,

risco de arritmias ventriculares graves, em particular torsades de pointes.

Esta coadministração deve ser feita apenas sob vigilância médica especialmente no

doente idoso e também no início do tratamento (ver secção 4.4).

Associações a serem feitas com precaução:

Fármacos

anti-hipertensores

ação

central

(como

exemplo

clonidina,

metildopa, moxonodina, rilmenidina)

O uso concomitante de medicamentos antihipertensores com ação central pode

reduzir ainda mais o tónus simpático central e assim conduzir a uma redução da

frequência e output cardíacos, bem como a vasodilatação.

A interrupção abrupta, especialmente se anterior à descontinuação do bloqueador

beta, pode aumentar o risco de "hipertensão rebound".

Evitar qualquer interrupção abrupta de antihipertensores de ação central.

- Propafenona, cibenzolina, flecainida

O efeito sobre o tempo de condução auriculoventricular pode ser potenciado e o

efeito inotrópico negativo pode ser aumentado.

Esta coadministração deve ser feita apenas sob vigilância médica, especialmente no

doente idoso e também no início do tratamento.

- Lidocaína

Aumento das concentrações plasmáticas máximas de lidocaína seguido de aumento

dos efeitos adversos neurológicos e cardíacos, devido à diminuição de fluxo entre os

vasos sanguíneos e o fígado, que é ainda mais evidente com bloqueadores beta e

resulta na diminuição do metabolismo hepático da lidocaína.

Esta coadministração deve ser feita sob monitorização clínica e eletrocardiográfica

(ECG). Pode ser necessário proceder ao ajuste das concentrações plasmáticas

máximas de lidocaína.

- Medicamentos antidiabéticos (insulina, sulfamidas hipoglicémicas, glinidas)

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

Todos os bloqueadores beta podem mascarar alguns sintomas de hipoglicemia,

especialmente palpitações e taquicardia. Como precaução, devido ao possível risco

de hipoglicemia, no início do tratamento deve ser efetuado um controlo glicémico.

- Outros medicamentos indutores de bradicardia (anticolinesterásicos, digitálicos,

mefloquina)

Risco de bradicardia aguda.

Deve ser feita uma monitorização clínica regular.

- Antagonistas de cálcio do tipo dihidropiridina (por ex. nifedipina, amlodipina)

O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão e não se pode excluir, em

doentes com insuficiência cardíaca, um aumento do risco de deterioração da função

de bombeamento ventricular.

- Bloqueadores beta tópicos (por exemplo gotas oftálmicas para o tratamento do

glaucoma)

Pode aumentar os efeitos sistémicos de bisoprolol.

Relacionadas com Hidroclorotiazida

Associações não recomendadas:

- Lítio

Aumento da litemia com sintomas de sobredosagem devido à diminuição da excreção

urinária do lítio. Se a associação não puder ser evitada, recomenda-se um controlo

estreito da litemia e ajuste da posologia.

Associações a serem feitas com precaução:

- Fármacos anti-inflamatórios não esteroides (AINE) (via oral), ácido acetilsalicílico

em dosagem anti-inflamatória

Insuficiência renal aguda em doentes desidratados (os AINE diminuem a filtração

glomerular pela inibição de prostaglandinas vasodilatadoras).

Os doentes devem ser rehidratados e a função renal monitorizada no início do

tratamento.

- Diuréticos poupadores de potássio (administração em associação ou não)

Esta

associação

possivelmente

útil,

não

exclui

risco

hipocaliemia

hipercaliemia. A hipercaliemia é mais frequente em doentes diabéticos ou nos casos

de compromisso renal.

Controlar a caliemia e se necessário efetuar ECG. Se possível, o tratamento deverá

ser reconsiderado.

- Hipocaliemicos (amfotericina intravenosa, costicosteróides orais, tetracosactida,

laxantes estimulantes)

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

Risco grave de hipocaliemia

Controlar a caliemia e, se necessário, corrigi-la. Tal é particularmente importante no

caso da associação com digitálicos. Será melhor utilizar laxantes não estimulantes.

- Inibidores da enzima de conversão

- Antagonistas dos recetores de angiotensina II

Risco de diminuição acentuada da tensão arterial e/ou insuficiência renal aguda, no

início do tratamento com um inibidor do enzima de conversão em doentes com

depleção de sódio preexistente (em particular em doentes com estenose arterial

renal). Uma vez que qualquer terapia diurética anterior poderáter causado uma

depleção de sódio, deve-se interromper o diurético 3 dias antes de se iniciar o

tratamento com inibidores do enzima de conversão ou antagonistas dos recetores de

angiotensina II e reintroduzi-los mais tarde se necessário, ou iniciar o tratamento

inibidores

enzima

conversão

antagonistas

recetores

angiotensina II em dose baixa e posteriomente aumentar progressivamente.

- Carbamazepina

Risco de hiponatremia sintomática.

necessário

assegurar

monitorização

clínica

biológica.

Pode

utizada

eventualmente uma classe diferente de diuréticos.

- Meios de contraste com iodo

casos

desidratação

causada

diuréticos,

existe

risco

grave

compromisso renal agudo, especialmente com doses relevantes de iodo.

Os doentes deverão ser rehidratados antes da administração.

- Resinas

Redução da absorção de hidroclorotiazida.

Deve ocorrer um período de, pelo menos, duas horas antes da administração de

resinas e deste medicamento.

- Hipourecemiantes

O seu efeito poderá ser diminuído pela coadministração de hidroclorotiazida.

- Sais de cálcio

Risco de hipercalcemia devido à diminuição da eliminação urinária.

- Ciclosporina

Risco

aumento

creatinemia

alteração

valores

plasmáticos

ciclosporina mesmo na ausência de depleção de sódio.

Relacionadas com a associação de bisoprolol e hidroclorotiazida

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

Associações a serem usadas com precaução

- Medicamentos antiarrítmicos administrados para torsades de pointes (Classe Ia-

antiarrítmicos: quinidina, hidroxiquinidina, disopiramida e Classe III: amiodarona,

sotalol, dofetilida, ibutilida)

Risco

arritmias

ventriculares

graves,

particular

torsades

pointes

evidenciadas por bradicardia e/ou hipocaliemia.

É necessário proceder a monitorização clínica juntamente com ECG.

- Medicamentos não antiarrítmicos usados para torsades de pointes (astemizole,

bepridilo, cisapride, difemanil, eritromicina intravenosa, halofantrina, lumefantrina,

metadona,

moxifloxacina,

pentamidina,

sotalol,

espiramicina

intravenosa,

esparfloxacina, terfenadina, vincamina e certos antipsicóticos pimozida, haloperidol,

benzamida)

Risco

arritmias

ventriculares

graves,

particular

torsades

pointes

evidenciadas por bradicardia e/ou hipocaliemia.

É necessário proceder a monitorização clínica juntamente com ECG.

- Glicosídeos digitálicos

A hidroclorotiazida apresenta um risco de hipocaliemia que confirma os efeitos

tóxicos de glicosídeos digitálicos. Bisoprolol apresenta um risco de bradicardia e um

efeito negativo no tempo de condução auriculoventricular. É necessário realizar uma

monitorização clínica. A caliemia deve ser monitorizada e se necessário efetuar ECG.

Associações a serem consideradas

Outros

medicamentos

antihipertensores,

tricíclicos,

fenotiazinas,

baclofeno,

amifostina

A associação com estes medicamentos, cujo efeito conhecido ou um dos seus efeitos

secundários é a diminuição da pressão arterial, pode aumentar o risco de hipotensão.

- AINE

redução

efeito

antihipertensor

através

inibição

prostaglandinas

vasodilatadoras (pirazoles AINE podem também induzir a retenção de sódio).

- Corticosteróides, tetracosactido

Diminuição do efeito antihipertensor devido à retenção de sódio.

4.6 Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

Estudos

conduzidos

animais

associação

fixa

bisaprolol

hidroclorotiazida separadamente não evidenciaram efeito teratogénico. Devido à

presença de diuréticos tiazídicos, a utilização desta associação durante a gravidez

não é recomendada.

Relacionados com Bisoprolol

Até ao momento, os resultados de estudos prospetivos comparativamente ao

placebo

realizados

certos

bloqueadores

beta

não

revelaram

quaisquer

malformações no recém-nascido. Verificou-se nos recém-nascidos de mães que

foram tratadas com bloqueadores beta, um persistência do efeito do bloqueador beta

durante

vários

dias

após

o nascimento

e pode

causar

bradicardia,

distúrbios

respiratórios ou hipoglicemia. Geralmente estes efeitos não têm consequências

clínicas. Contudo, poderá ser observada insuficiência cardíaca que pode levar à

hospitalização do doente nos cuidados intensivos para evitar sobrecarga de soluções

(risco de edema pulmonar agudo).

Relacionados com Hidroclorotiazida

Diuréticos podem induzir isquemia fetoplacentária com risco de hipotrofia fetal. Em

casos raros foi reportada trombocitopenia neonatal grave.

Amamentação

Desconhece-se se o bisaprolol é excretado no leito materno. Os diuréticos tiazídicos

são excretados no leite materno. Assim sendo, este medicamento não deve ser

administrado durante o aleitamento (ver secção 4.4).

Relacionados com Bisoprolol

O risco de hipoglicemia e bradicardia em lactentes não foi ainda avaliado.

Relacionados com Hidroclorotiazida

Os diuréticos tiazídicos podem induzir as seguintes condições:

- diminuição ou mesmo supressão de excreção de leite

- efeitos biológicos adversos (hipocaliemia)

- hemólise (no caso de deficiência de G6PD) e hipersensibilidade a sulfamidas

Fertilidade

A associação de bisoprolol e hidroclorotiazida não revelou alteração da fertilidade em

estudos realizados em animais.

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não foram realizados estudos sobre os efeitos na capacidade de conduzir e utilizar

máquinas.

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

Dependendo da reação individual do doente ao tratamento com bisoprolol +

hidroclorotiazida, não pode ser excluído o efeito na capacidade de conduzir e utilizar

máquinas.

Este facto deverá ser tido em consideração particularmente no início do tratamento

ou em caso de administração concomitante com álcool.

4.8 Efeitos indesejáveis

Os efeitos indesejáveis são a seguir listados de acordo com a sua frequência:

Frequentes (≥1/100 e <1/10),

Pouco frequentes (≥1/1.000 e <1/100),

Raros (≥1/10.000 e <1/1.000),

Muito raros (<1/10.000),

Desconhecido (não pode ser calculado a partir do dados disponíveis)

Doenças do sangue e do sistema linfático:

Raros: leucopenia, trombocitopenia

Muito raros: agranulocitose

Doenças do metabolismo e da nutrição:

Pouco frequentes: perda de apetite, hiperglicemia, hiperuricemia, alterações do

equilíbrio

eletrolítico

(principalmente

hipocaliemia

hiponatremia

também

hipomagnesemia e hipocloremia e hipercaliemia).

Muito raros: alcalose metabólica

Perturbações do foro psiquiátrico:

Pouco frequentes: depressão, perturbações do sono

Raros: pesadelos, alucinações

Doenças do sistema nervoso:

Frequentes: vertigens *, cefaleias *

Afeções oculares:

Raros: redução do fluxo lacrimal (a ter em consideração no caso do doente usar

lentes de contato), perturbações visuais

Muito raros: conjuntivite

Afeções do ouvido e do labirinto:

Raros: perturbações da audição

Cardiopatias:

Pouco

frequentes:

bradicardia,

alterações

condução

auriculoventricular,

agravamento da insuficiência cardíaca preexistente

Vasculopatias:

Frequentes: sensação de frio ou adormecimento das extremidades

Pouco frequentes: hipotensão ortostática

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino:

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

Pouco frequentes: broncospasmo em doentes com asma brônquica ou antecedentes

de patologia obstrutiva das vias respiratórias

Raros: rinite alérgica

Doenças gastrointestinais:

Frequentes:

queixas

gastrointestinais

tais

como

náuseas,

vómitos,

diarreia,

obstipação

Pouco frequentes: dores abdominais

Muito raros: pancreatite

Afeções hepatobiliares:

Raros: hepatite, icterícia

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos:

Raros: reações de hipersensibilidade tais como prurido, rubor, erupção cutânea,

fotossensibilidade, púrpura, urticária

Muito raros: alopecia, lúpus eritematoso cutâneo. Os bloqueadores beta podem

provocar ou agravar a psoríase ou induzir uma erupção cutânea idêntica à psoríase,

reações anafiláticas, necrólise epidérmica tóxica (síndrome de Lyell).

Afeções musculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos:

Pouco frequentes: fraqueza muscular, cãibras musculares

Doenças dos órgãos genitais e da mama:

Raros: perturbações da potência

Perturbações gerais e alterações no local de administração:

Frequentes: fadiga

Pouco frequentes: astenia

Muito raros: dor no peito

Exames complementares de diagnóstico:

Pouco frequentes: aumento da amilase, aumento reversível da creatinina sérica e da

ureia, aumento dos triglicéridos e do colesterol, glicosúria

Raros: aumento das enzimas hepáticas (ASAT e ALAT)

* Estes sintomas aparecem, normalmente, no início do tratamento. Geralmente são

ligeiros e costumam desaparecer ao fim de 1-2 semanas.

4.9 Sobredosagem

Sintomas

Os sinais mais frequentes que são de esperar com uma sobredosagem com

bloqueadores beta são bradicardia, hipotensão, broncospasmo, insuficiência cardíaca

aguda e hipoglicemia.

Existem poucos dados disponíveis sobre sobredosagem com o bisoprolol. Até ao

momento,

referido

reduzido

número

casos

sobredosagem

bisoprolol. Foram observados casos de bradicardia e/ou hipotensão. Todos os

doentes recuperaram.

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

Existe uma grande variabilidade interindividual na sensibilidade a uma dose única

elevada de bisoprolol e doentes com insuficiência cardíaca estão provavelmente mais

sensíveis.

O quadro clínico no caso de sobredosagem aguda ou crónica com hidroclorotiazida, é

caracterizado pela relevância da perda hidro-eletrólitica.

sinais

mais

frequentes

são

tonturas,

naúseas,

sonolência,

hipovolemia,

hipotensão, hipocaliemia.

Tratamento

geral,

caso

ocorra

sobredosagem,

terapêutica

bisoprolol

hidroclorotiazida deve ser descontinuada e recomenda-se tratamento sintomático e

de suporte.

Bradicardia: administrar atropina intravenosa. Caso a resposta não seja adequada,

podem ser administrados, com precaução, isoprenalina ou outro fármaco com

propriedades cronotrópicas positivas. Nalgumas circunstâncias, poderá mesmo ser

necessário a colocação de um pacemaker transvenoso.

Hipotensão: Devem ser administrados fluidos intravenosos e vasopressores. O

glucagon intravenoso pode ser útil.

Bloqueio

grau):

doentes

devem

cuidadosamente

monitorizados e, se apropriado, tratados com perfusão de isoprenalina ou colocação

de pacemaker transvenoso.

Agravamento da insuficiência cardíaca aguda: diuréticos i.v., fármacos inotrópicos,

fármacos vasodilatadores.

Broncospasmo: administrar terapêutica broncodilatadora, tal como isoprenalina,

fármacos β2-simpaticomiméticos e/ou aminofilina.

Hipoglicemia: administrar glicose por via intravenosa

Dados

limitados

sugerem

bisoprolol

dificilmente

dialisável.

Não

estabelecido o grau de eliminação de hidroclorotiazida através de hemodiálise.

5. PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: 3.4.4.2.1 Aparelho cardiovascular. Anti-hipertensores.

Depressores da atividade adrenérgica. Bloqueadores beta. Seletivos cardíacos.

Código ATC: C07BB07

Ensaios clínicos têm demonstrado um efeito sinérgico da ação hipertensora das duas

substâncias ativas. Foi demonstrada a eficácia na dose mais baixa: 2,5 mg + 6,25

mg para o tratamento de hipertensão ligeira a moderada.

Os efeitos farmacodinâmicos tais como hipocaliemia (hidroclorotiazida) e bradicardia,

astenia e cefaleia (bisoprolol), são dose-dependentes.

A associação das duas substâncias ativas em ¼ ou metade das doses utilizadas em

monoterapia (2,5 mg + 6,25 mg) parece diminuir estes efeitos.

Bisoprolol é um agente bloqueador adrenorecetor beta 1 altamente seletivo, sem

estimulação intrínseca e atividade estabilizadora relevante da membrana.

Tal como outros agentes bloqueadores adrenorecetores beta 1 seletivos, o modo de

ação do bisoprolol na hipertensão não está bem estabelecido, mas está bem

evidenciado que esta substância reduz significativamente os níveis plasmáticos de

renina e diminui o output cardíaco.

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

Hidroclorotiazida é um diurético tiazídico que tem uma ação antihipertensiva. A sua

ação diurética deve-se à inibição do transporte ativo de Na+ do túbulo renal para o

sangue e assim inibindo a reabsorção de Na+.

5.2 Propriedades farmacocinéticas

Relacionadas com Bisoprolol

Absorção: o Tmax varia entre 1 a 4 horas.

A biodisponibilidade é alta (88%) com muito baixo efeito de primeira passagem no

fígado e não é alterada pela ingestão de alimentos. A cinética é linear para todas as

doses entre 5 e 40 mg.

Distribuição: A ligação do bisoprolol às proteínas plasmáticas é de cerca de 30% e o

volume de distribuição é elevado (cerca de 3 l/kg).

Metabolismo: o bisoprolol é metabolisado em 40%. Os metabolitos formados são

inativos.

Eliminação: a semi-vida plasmática é de 11 horas.

As depurações renal e hepática são quase iguais e são equivalentes a metade da

dose administrada e é encontrada sob a forma inalterada na urina juntamente com

os metabolitos. A depuração total é de acerca de 15 l/h.

Relacionadas com Hidroclorotiazida

Absorção: a biodisponibilidade da hidroclorotiazida varia entre 60-80%. O Tmax

varia entre 1,5-5 horas com um valor médio de 4 horas.

Distribuição: a ligação às proteínas plasmáticas é de cerca de 40%.

Eliminação: a hidroclorotiazida não é metabolizada e é excretada quase na totalidade

sob a forma inalterada através de filtração glomerular e secreção tubular ativa. A

semi-vida plasmática é de cerca de 8 horas.

insuficiência

renal

cardíaca

depuração

renal

hidroclorotiazida

está

diminuída e a semi-vida de eliminação aumentada. Também se verifica na população

idosa um aumento da concentração plasmática máxima (Cmax).

Existe excreção na placenta e no leite materno.

5.3 Dados de segurança pré-clínica

O bisoprolol e a hidroclorotiazida não demonstraram ser prejudiciais em humanos de

acordo com os testes padrão de toxicidade pré-clínica (testes de toxicidade a longo

termo, de mutagenicidade, de genotoxicidade e de carcinogenicidade). Tal como

outros

bloqueadores

beta,

bisoprolol

elevadas

doses

demonstrou,

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

experiências animais, causar efeitos tóxicos na mãe (diminuição da ingestão de

alimentos e aumento de peso corporal) e no embrião/feto (aumento da incidência de

absorção tardia, diminuição do peso do feto à nascença, atraso no desenvolvimento

físico

até

aleitamento).

entanto,

tanto

bisoprolol

como

hidroclorotiazida não são teratogénicos. Não houve aumento na toxicidade quando

ambos os componentes foram administrados em associação.

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1 Lista dos excipientes

Lactose monohidratada, hidrogenofosfato de cálcio anidro, celulose microcristalina,

estearato de magnésio, sílica coloidal anidra, talco, crospovidona, opadry amarelo,

água purificada.

6.2 Incompatibilidades

Não aplicável.

6.3 Prazo de validade

18 meses

6.4 Precauções especiais de conservação

Não conservar acimade 30ºC.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

Blister PVC-PE-PVD / Alu com 30 comprimidos.

Blister PVC-PE-PVD / Alu com 90 comprimidos (embalagem de uso hospitalar).

6.6 Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Não existem requisitos especiais.

Qualquer medicamento não utilizado ou resíduos devem ser eliminados de acordo

com as exigências locais.

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

THESPIS PHARMACEUTICAL Ltd,

4 G. Kranidioti str.,

1065 Nicosia

Chipre

APROVADO EM

19-10-2016

INFARMED

8. NÚMEROS DE AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Nº de registo: 5554936 - 30 comprimidos revestidos por película blister de PVC-

PVDC/ Alu

Nº de registo: 5554944 - 90 comprimidos revestidos por película blister de PVC-

PVDC/ Alu

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA INTRODUÇÃO NO

MERCADO

10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação