Xeomin 50 U Pó para solução injetável

Portugal - português - INFARMED (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Toxina botulínica A
Disponível em:
Merz Pharmaceuticals GmbH
Código ATC:
M03AX01
DCI (Denominação Comum Internacional):
Botulinum toxin type A
Dosagem:
50 U
Forma farmacêutica:
Pó para solução injetável
Composição:
Toxina botulínica A 50 U
Via de administração:
Via intramuscular; Via intraglandular
Unidades em pacote:
Frasco para injectáveis - 1 unidade(s)
Tipo de prescrição:
MSRM
Grupo terapêutico:
2.3.2 Ação periférica
Área terapêutica:
botulinum toxin
Resumo do produto:
5392378 - Frasco para injetáveis 1 unidade(s) - Tipo de embalagem: ReconstituídaPrazo de validade: 24 Hora(s)Temperatura: de 2 a 8°CCondições: Condições assépticas controladas e validadasTipo de embalagem: ReconstituídaPrazo de validade: Condições: Uso imediatoTipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 3 Ano(s)Temperatura: inferior a 25°C - Não comercializado - 10130896 - 50179551 ; 5392410 - Frasco para injetáveis 3 unidade(s) - Tipo de embalagem: ReconstituídaPrazo de validade: 24 Hora(s)Temperatura: de 2 a 8°CCondições: Condições assépticas controladas e validadasTipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 3 Ano(s)Temperatura: inferior a 25°CTipo de embalagem: ReconstituídaPrazo de validade: Condições: Uso imediato - Não comercializado - 10130896 - 50179578 ; 5392428 - Frasco para injetáveis 6 unidade(s) - Tipo de embalagem: ReconstituídaPrazo de validade: 24 Hora(s)Temperatura: de 2 a 8°CCondições: Condições assépticas controladas e validadasTipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 3 Ano(s)Temperatura: inferior a 25°CTipo de embalagem: ReconstituídaPrazo de validade: Condições: Uso imediato - Não comercializado - 10130896 - 50179586 ; 5392402 - Frasco para injetáveis 2 unidade(s) - Tipo de embalagem: ReconstituídaPrazo de validade: Condições: Uso imediatoTipo de embalagem: ReconstituídaPrazo de validade: 24 Hora(s)Temperatura: de 2 a 8°CCondições: Condições assépticas controladas e validadasTipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 3 Ano(s)Temperatura: inferior a 25°C - Não comercializado - 10130896 - 50179560
Status de autorização:
Autorizado
Número de autorização:
DE/H/0722/002/DC
Data de autorização:
2011-06-15

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Folheto Informativo: Informação para o utilizador

Xeomin 50 unidades pó para solução injetável

Xeomin 100 unidades pó para solução injetável

Xeomin 200 unidades pó para solução injetável

Neurotoxina

tipo

Clostridium

botulinum

(150 kD),

proteínas

complexantes

Leia com atenção todo este folheto antes receber este medicamento, pois contém

informação importante para si.

- Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.

- Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro.

- Se tiver quaisquer efeitos indesejáveis, incluindo possíveis efeitos indesejáveis não

indicados neste folheto, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro. Ver

secção 4.

O que contém este folheto:

1. O que é Xeomin e para que é utilizado

2. O que precisa de saber antes de utilizar Xeomin

3. Como utilizar Xeomin

4. Efeitos indesejáveis possíveis

5. Como conservar Xeomin

6. Conteúdo da embalagem e outras informações

1. O que é Xeomin e para que é utilizado

Xeomin é um medicamento que contém como substância ativa a Neurotoxina

Botulínica do tipo A que relaxa os músculos injetados ou diminui o fluxo salivar no

respetivo local de administração.

Xeomin é utilizado em adultos no tratamento das seguintes situações:

- espasmo das pálpebras (blefarospasmo)

- torção do pescoço (torcicolo espasmódico)

- tensão muscular aumentada/rigidez muscular não controlada nos ombros, braços

ou mãos (espasticidade dos membros superiores)

- hípersalivação crónica (sialorreia) devido a alterações neurológicas

2. O que precisa de saber antes de utilizar Xeomin

Não utilize Xeomin

- se tem alergia à neurotoxina botulínica do tipo A ou a qualquer outro componente

deste medicamento (indicados na secção 6)

- se sofre de doença generalizada da atividade muscular (por exemplo, miastenia

gravis, síndroma de Lambert-Eaton)

- se tem uma infeção ou inflamação no local proposto de injeção.

Advertências e precauções

Podem ocorrer efeitos indesejáveis de injeções mal posicionadas de neurotoxina

botulínica do tipo A que temporariamente paralisam grupos musculares adjacentes.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Têm

sido

relatados

muito

raramente

efeitos

indesejáveis

podem

estar

relacionados com a difusão da toxina para locais distantes do local de injeção

resultando em sintomas consistentes com os efeitos da toxina botulínica do tipo A

(por exemplo fraqueza muscular excessiva, dificuldades em engolir ou deglutição

acidental de alimentos ou bebidas para as vias áreas (engasgamento)). Doentes que

recebem as doses recomendadas podem experimentar fraqueza muscular excessiva.

Se a dose é demasiada alta ou as injeções são demasiado frequentes, o risco de

formação de anticorpos pode aumentar. A formação de anticorpos pode causar

falência do tratamento com toxina botulínica do tipo A, independente do motivo para

a sua utilização.

Fale com o seu médico ou farmacêutico antes de utilizar Xeomin:

- se sofre de qualquer tipo de doença hemorrágica

- se está a tomar substâncias que impedem que o sangue coagule (por exemplo

cumarina, heparina, ácido acetilsalicílico, clopidogrel)

- se sofre de fraqueza pronunciada ou volume muscular diminuído nos músculos

onde vai ser administrada a injeção

- se sofre de esclerose lateral amiotrófica (ELA) que pode levar à diminuição

generalizada do músculo.

- se sofre de qualquer outra doença que perturbe a interação entre os nervos e o

músculo esquelético (disfunção neuromuscular periférica)

- se tem ou teve no passado dificuldades em engolir

- se sofre ou sofreu de convulsões

- se já teve no passado, problemas com injeções de toxina Botulínica do tipo A

- se está à espera de ser operado(a).

Contacte o seu médico e procure aconselhamento médico imediatamente se sentir

algum dos seguintes sintomas:

- dificuldade em respirar, engolir ou falar

- urticária (erupção da pele com comichão), inchaço incluindo inchaço do rosto ou

garganta, respiração sibilante (assobios), sentir que vai desmaiar e dificuldade em

respirar (sintomas possíveis nas reações alérgicas graves)

Injeções repetidas de Xeomin

Se tem injeções repetidas de Xeomin, o efeito pode aumentar ou diminuir. Os

possíveis motivos para tal são:

- o seu médico pode seguir diferentes procedimentos aquando da preparação da

solução para injeção

- intervalos de tratamento diferentes

- injeções noutro músculo

- eficácia marginalmente variável da substância ativa de Xeomin

- sem resposta/falha terapêutica durante o tratamento.

Espasmo das pálpebras (blefarospasmo)

Fale com o seu médico antes de utilizar Xeomin se:

- foi sujeito anteriormente a uma cirurgia ao olhos. O seu médico tomará todas as

precauções adicionais necessárias.

- estiver em risco de desenvolver uma doença chamada glaucoma de ângulo estreito.

Esta

doença

pode

provocar

aumento

pressão

intraocular,

levando

deterioração do nervo ótico. O seu médico saberá se apresenta esse risco.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Durante o tratamento, podem ocorrer pequenas manchas hemorrágicas nos tecidos

moles da pálpebra. O seu médico pode limitar esse risco aplicando pressão suave

imediata no local da injeção.

Após a administração de uma injeção de Xeomin no seu músculo ocular poderá

ocorrer uma diminuição do pestanejo. Este facto pode levar a uma exposição

prolongada da parte frontal transparente do seu olho (córnea). Esta exposição

poderá levar a lesões superficiais e a inflamação (ulceração córnea).

Torção do pescoço (torcicolo espasmódico)

Após a injeção poderá desenvolver dificuldade, ligeira a grave, em engolir. Este facto

pode levar a problemas em respirar e a um risco acrescido de inalar substâncias

estranhas ou fluidos. A presença de substâncias estranhas nos seus pulmões pode

levar a inflamação ou infeção (pneumonia). O seu médico providenciará tratamento

médico especial se necessário (por exemplo, sob a forma de alimentação artificial).

A dificuldade em engolir pode persistir durante duas a três semanas após a injeção,

mas é conhecido o caso de um doente em que a duração foi até aos cinco meses.

Se esteve num estado inativo durante um longo período de tempo, qualquer

atividade deve ser iniciada de modo gradual, depois da injeção de Xeomin.

Tensão muscular aumentada/rigidez muscular não controlada nos ombros, braços ou

mãos (espasticidade dos membros superiores)

Xeomin pode ser utilizado para tratar o aumento da tensão muscular/rigidez

muscular não controlada em zonas dos seus membros superiores, como por exemplo

os seus ombros, cotovelo, antebraço ou mão. Xeomin é eficaz em combinação com

os métodos de tratamento usuais. Xeomin deve ser utilizado conjuntamente com

estes métodos.

É pouco provável que este medicamento melhore a extensão de movimentos de uma

articulação cujos músculos circundantes perderam a capacidade de distensão.

Se esteve num estado inativo durante um longo período de tempo, qualquer

atividade deve ser iniciada de modo gradual, depois da injeção de Xeomin.

Hipersalivação crónica (sialorreia)

Alguns medicamentos (por exemplo clozapina, aripiprazole, piridostigmina) podem

desencadear uma produção excessiva de saliva. Em primeiro lugar, a possibilidade

de substituição, redução ou mesmo suspensão desta medicação, que está a induzir a

produção excessiva de saliva, devem ser consideradas antes de se utilizar Xeomin

como tratamento da hipersalivação. A utilização de Xeomin para reduzir salivação

excessiva induzida por medicamentos, não foi investigada.

Se ocorrerem casos de “boca seca” em associação à administração de Xeomin o seu

médico deverá considerar uma redução da dose.

Quando o seu fluxo de saliva é reduzido por Xeomin, podem ocorrer problemas de

saúde oral tais como cáries dentárias ou agravamento de outras situações já

existentes. Fale com o seu dentista quando iniciar o tratamento de hipersalivação

crónica com Xeomin. O seu dentista pode decidir tomar medidas para prevenção de

cáries, se necessário.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Crianças e adolescentes

Este medicamento não deve ser dado a crianças e adolescentes com idades

compreendidas entre os 0-17 anos de idade porque o uso de Xeomin em crianças e

adolescentes não foi ainda estudado, não se recomendando o seu uso.

Outros medicamentos e Xeomin

Informe

médico

farmacêutico

estiver

tomar,

tiver

tomado

recentemente ou se vier a tomar outros medicamentos.

O efeito de Xeomin pode ser aumentado:

medicamentos

utilizados

para

tratamento

certas

doenças

infeciosas

(espectinomicina

antibióticos

aminoglicosídicos

(por

exemplo:

neomicina,

canamicina, tobramicina))

- por outros medicamentos que relaxam os músculos (por exemplo relaxantes

musculares do tipo tubocurarina). Tais medicamentos são utilizados, por exemplo, na

anestesia geral. Antes de ser submetido a uma cirurgia, comunique ao anestesista se

tem recebido Xeomin.

quando

utilizado

tratamento

hipersalivação

crónica:

outros

medicamentos que por si só reduzem o fluxo de saliva (por exemplo anticolinérgicos

como atropina, glicopirrónio ou escopolamina) ou por irradiação terapêutica à cabeça

e pescoço, incluindo glândulas salivares. Comunique ao seu médico se está receber

radioterapia ou se está planeada radioterapia.

Nestes casos, Xeomin deve ser utilizado cuidadosamente.

O efeito de Xeomin pode ser reduzido por certos medicamentos para a malária e

reumatismo (conhecidos como aminoquinolinas)

Gravidez, amamentação e fertilidade

Se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar,

consulte o seu médico ou farmacêutico antes de lhe ser administrado medicamento.

Xeomin não deve ser utilizado durante a gravidez, a não ser que o seu médico decida

que é necessário e o benefício potencial do tratamento justifica o possível risco no

feto.

Não se recomenda Xeomin em mulheres que estão a amamentar.

Condução de veículos e utilização de máquinas

Não deve conduzir ou realizar atividades potencialmente perigosas se ocorrer queda

das pálpebras, fraqueza (astenia), fraqueza muscular, tonturas ou alterações visuais.

Se tiver dúvidas fale com o seu médico.

3. Como utilizar Xeomin

Xeomin

deverá

apenas

administrado

médicos

conhecimento

especializado adequado no tratamento com neurotoxina botulínica do tipo A.

A posologia ótima, frequência e o número de locais de injeção serão escolhidos pelo

seu médico em função do seu caso individual. Os resultados do tratamento inicial

com Xeomin devem ser avaliados e podem levar a um ajuste de dose até que o

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

efeito terapêutico desejado seja alcançado. Os intervalos de tratamento serão

determinados pelo seu médico com base na sua necessidade clinica atual.

Informe o seu médico se tiver a impressão de que o efeito de Xeomin é demasiado

forte ou demasiado fraco. Nos casos em que o efeito terapêutico não seja evidente,

deverão ser consideradas outras alternativas terapêuticas.

Espasmo das pálpebras (blefarospasmo)

dose

inicial

recomendada

até

25 unidades

olho,

dose

total

recomendada nas sessões de tratamento de seguimento é de até 100 unidades por

sessão.

Normalmente, o início do efeito é observado num período de quatro dias após a

injeção. O efeito de cada tratamento dura geralmente cerca de 3 a 4 meses.

Contudo, pode ter uma duração significativamente mais longa ou mais curta. O

tratamento pode ser repetido se necessário.

Geralmente, não existe benefício adicional em tratar com uma frequência superior a

intervalos de três meses.

Torção do pescoço (torcicolo espasmódico)

A dose recomendada por local de injeção é de até 50 unidades, e a dose máxima

para a primeira sessão de tratamento é de 200 unidades. Doses até 300 unidades

podem ser administradas pelo seu médico em sessões subsequentes dependendo da

resposta. Normalmente, o início do efeito é observado num período de sete dias após

a injeção. O efeito de cada tratamento dura geralmente cerca de 3 a 4 meses.

Contudo, pode ter uma duração significativamente mais longa ou mais curta.

Não são recomendados intervalos de tratamento inferiores a 10 semanas.

Tensão muscular aumentada/rigidez muscular não controlada nos ombros, braços ou

mãos (espasticidade dos membros superiores)

A dose recomendada pode ir até às 500 unidades por sessão de tratamento e não

devem ser administradas mais de 250 unidades nos músculos dos ombros. Os

doentes relataram o início de ação 4 dias após o tratamento. A melhoria do tónus

muscular foi percecionada em 4 semanas. Normalmente, o efeito do tratamento

prolonga-se por 12 semanas. Contudo, pode ter uma duração significativamente

mais longa ou mais curta. O período entre sessões de tratamento deverá ser de pelo

menos 12 semanas.

Hipersalivação (sialorreia)

A dose recomendada é de 100 unidades por sessão de tratamento. Esta dose

máxima não deve ser excedida. O período entre sessões de tratamento deve ser de

pelo menos 16 semanas.

Modo de administração

Xeomin dissolvido está indicado para ser injetado no músculo (via intramuscular) e

glândulas

salivares

(via

intraglandular).

Relativamente

localização

glândulas salivares, ambos testes anatómicos ou ultrassons são possíveis, no

entanto, o ultrassom deverá ser o método escolhido por motivos de eficácia.

(consultar a informação disponível para profissionais de saúde no final do folheto).

Se lhe for dado mais Xeomin do que deveria

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Sintomas de sobredosagem

Os sintomas de sobredosagem não se manifestam imediatamente após a injeção e

podem incluir fraqueza generalizada, queda da pálpebra, visão dupla, dificuldade em

respirar, dificuldade na fala, e paralisia dos músculos respiratórios ou dificuldades em

engolir que podem resultar em pneumonia.

Medidas a tomar no caso de sobredosagem

No caso de sentir sintomas de sobredosagem, contacte imediatamente os serviços

médicos de urgência ou peça aos seus familiares que o façam para poder ser

admitido no hospital. Pode haver necessidade de supervisão médica e de ventilação

assistida durante vários dias.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu

médico, farmacêutico ou enfermeiro.

4. Efeitos indesejáveis possíveis

Como todos os medicamentos, este medicamento pode causar efeitos indesejáveis,

embora estes não se manifestam em todas as pessoas.

Geralmente, os efeitos indesejáveis são observados durante a primeira semana após

o tratamento e são de natureza transitória. Estes efeitos indesejáveis podem estar

relacionados

medicamento,

técnica

injeção

ambos.

efeitos

indesejáveis podem estar limitados à zona que circunda o local de injeção (por

exemplo, fraqueza muscular localizada, dor local, inflamação, sensação de picadas

agulhas

(parestesia),

sensação

toque

reduzida

(hipoestesia),

sensação

dolorosa, inchaço (generalizado), inchaço do tecido mole (edema), vermelhidão da

pele

(eritema),

comichão,

infeção

localizada,

hematoma,

hemorragia

hematoma).

A injeção da agulha pode causar dor. Esta dor ou a ansiedade provocada por agulhas

pode resultar em desmaio, náusea, zumbidos nos ouvidos (acufenos) ou em pressão

arterial baixa.

Efeitos indesejáveis tais como fraqueza muscular excessiva ou dificuldades em

engolir podem ser causadas pelo relaxamento de músculos distantes do local de

injeção de Xeomin. Dificuldades em engolir podem causar inalação de partículas

estranhas resultando em inflamação pulmonar e em alguns casos, a morte.

Pode ocorrer reação alérgica com Xeomin. Foram raramente relatadas reações

alérgicas graves e/ ou imediatas (anafilaxia) ou reações alérgicas no soro do doente

(doença do soro), causando por exemplo dificuldades em respirar (dispneia), alergia

(urticária) ou inchaço do tecido mole (edema). Algumas destas reações têm sido

observadas após a utilização convencional do complexo da toxina botulínica do tipo

A. Estas reações ocorreram quando a toxina foi administrada isoladamente ou em

associação com outros medicamentos conhecidos por causar reações semelhantes.

Uma reação alérgica pode causar qualquer um dos seguintes sintomas:

- dificuldade em respirar, engolir ou falar devido ao inchaço da face, lábios, boca ou

garganta

- inchaço das mãos, pés ou tornozelos

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Caso tenha observado qualquer um destes efeitos indesejáveis, por favor informe

imediatamente o seu médico ou peça ajuda a familiares para o fazer e dirija-se a

uma unidade de serviços de urgência hospitalar mais próxima.

Espasmo das pálpebras (blefarospasmo)

Os seguintes efeitos indesejáveis foram observados com Xeomin:

Muito frequentes (pode afetar mais de 1 em 10 pessoas):

Queda das pálpebras (ptose), olhos secos

Frequentes (pode afetar até 1 em 10 pessoas):

Visão turva, alteração da visão, visão dupla (diplopia), aumento da lacrimação, boca

seca, dificuldade em engolir (disfagia), dor de cabeça, dor no local de injeção,

cansaço, fraqueza muscular, fraqueza dos músculos da face (paresia facial).

Pouco frequentes (pode afetar até 1 em 100 pessoas)

Erupção na pele (erupção cutânea).

Torção do pescoço (torcicolo espasmódico)

Os seguintes efeitos indesejáveis foram observados com Xeomin:

Muito frequentes (pode afetar mais de 1 em 10 pessoas):

Dificuldade em engolir (disfagia)

Frequentes (pode afetar até 1 em 10 pessoas):

Dor de pescoço, fraqueza muscular, dor músculo-esquelética (mialgia), rigidez

músculo-esquelética, espasmos musculares, dor de cabeça, tonturas, dor no local de

injeção, fraqueza (astenia), boca seca, náusea, aumento da sudação (hiperidrose),

infeção do trato respiratório superior, sensação de desmaio (pré síncope).

Pouco frequentes (pode afetar até 1 em 100 pessoas):

Alterações na fala (disfonia), dificuldade em respirar (dispneia), erupção na pele

(erupção cutânea).

O tratamento da torção do pescoço pode causar dificuldade em engolir com graus

variáveis de intensidade. Este facto pode levar à inalação de matérias estranhas, o

que pode exigir intervenção médica. A dificuldade em engolir pode persistir durante

duas a três semanas após a injeção, mas foi comunicado um caso com uma duração

de cinco meses. A dificuldade em engolir parece ser dependente da dose.

Tensão muscular aumentada/rigidez muscular não controlada nos ombros, braços ou

mãos (espasticidade dos membros superiores)

Os seguintes efeitos indesejáveis foram observados com Xeomin:

Frequentes (pode afetar até 1 em 10 pessoas):

Boca seca.

Pouco frequentes (pode afetar até 1 em 100 pessoas)

Dor de cabeça, diminuição da sensação ao toque (hipoestesia), fraqueza muscular,

extremidades,

fraqueza

(astenia),

músculo-esquelética

(mialgia),

dificuldades em engolir (disfagia), náusea.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Desconhecido (não pode ser estimado a partir dos dados disponíveis)

Dor no local da injeção

indesejáveisHipersalivação crónica (sialorreia)

Os seguintes efeitos indesejáveis foram observados com Xeomin:

Frequentes (pode afetar até 1 em 10 pessoas):

Boca seca, dificuldades em engolir (disfagia), sensação de picadas (parestesia)

Pouco Frequentes (pode afetar até 1 em 100 pessoas):

Saliva espessa, alterações no discurso, alteração no paladar (disguesia).

Casos persistentes de boca seca (>110 dias) de intensidade severa têm sido

reportados, o que pode resultar em outras complicações tais como inflamação da

gengiva (gengivite), dificuldades em engolir e cáries.

Experiência pós-comercialização

Têm sido notificados sintomas semelhantes à gripe e reações de hipersensibilidade

como o inchaço, inchaço dos tecidos moles (edema, também distante do local de

injeção), vermelhidão, comichão, erupções na pele (locais e generalizadas) e falta de

Comunicação de efeitos indesejáveis

Se tiver quaisquer efeitos indesejáveis, incluindo possíveis efeitos indesejáveis não

indicados neste folheto, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro.

Também poderá comunicar efeitos indesejáveis diretamente ao INFARMED, I.P. Ao

comunicar efeitos indesejáveis, estará a ajudar a fornecer mais informações sobre a

segurança deste medicamento.

Sítio da internet:

http://www.infarmed.pt/web/infarmed/submissaoram

(preferencialmente)

ou através dos seguintes contactos:

Direção de Gestão do Risco de Medicamentos

Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53

1749-004 Lisboa

Tel: +351 21 798 73 73

Linha do Medicamento: 800222444 (gratuita)

E-mail:

farmacovigilancia@infarmed.pt

5. Como conservar Xeomin

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não utilize este medicamento após o prazo de validade impresso na embalagem

exterior e no rótulo do frasco para injetáveis a seguir a “VAL”. O prazo de validade

corresponde ao último dia do mês indicado.

Frasco para injetáveis antes da primeira abertura: Não conservar acima de 25°C.

Solução reconstituída: A estabilidade física e química em uso foi demonstrada

durante 24 horas entre 2ºC a 8ºC.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Do ponto de vista microbiológico, o produto deve ser utilizado imediatamente. Se

não for utilizado imediatamente, as condições e os tempos de conservação em uso

anteriores à utilização são da responsabilidade do utilizador e não devem ser

superiores a 24 horas entre 2 ºC a 8 ºC, a menos que a reconstituição tenha sido

efetuada em condições de assepsia controladas e validadas.

O seu médico não deverá utilizar Xeomin se a solução tiver um aspeto turvo ou

contiver partículas visíveis.

Para instruções sobre a eliminação, veja por favor a informação destinada aos

profissionais de saúde no final deste folheto.

6. Conteúdo da embalagem e outras informações

Qual a composição de Xeomin

A substância ativa é a neurotoxina do tipo A de Clostridium botulinum (150 kD), sem

proteínas complexantes.

Xeomin 50 unidades pó para solução injetável

Um frasco para injetáveis contém 50 unidades de neurotoxina do tipo A de

Clostridium Botulinum (150 kD), sem proteínas complexantes*.

Xeomin 100 unidades pó para solução injetável

Um frasco para injetáveis contém 100 unidades de neurotoxina do tipo A de

Clostridium Botulinum (150 kD), sem proteínas complexantes*.

Xeomin 200 unidades pó para solução injetável

Um frasco para injetáveis contém 200 unidades de neurotoxina do tipo A de

Clostridium Botulinum (150 kD), sem proteínas complexantes*.

* Neurotoxina botulínica do tipo A purificada a partir de culturas de Clostridium

Botulinum (estirpe de Hall)

Os outros componentes são albumina humana e sacarose.

Qual o aspeto de Xeomin e conteúdo da embalagem

Xeomin apresenta-se como um pó para solução injetável. O pó é branco.

A reconstituição do pó resulta numa solução límpida e incolor.

Xeomin 50 unidades pó para solução injetável: Embalagens com 1, 2, 3 ou 6 frascos

para injetáveis.

Xeomin 100 unidades pó para solução injetável: Embalagens com 1, 2, 3, 4 ou 6

frascos para injetáveis.

Xeomin 200 unidades pó para solução injetável: Embalagens com 1, 2, 3, 4 ou 6

frascos para injetáveis.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado

Merz Pharmaceuticals GmbH

Eckenheimer Landstraße 100

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

60318 Frankfurt/Main

Alemanha

Fabricante

Merz Pharma GmbH & Co. KGaA

Eckenheimer Landstraße 100

60318 Frankfurt/Main

Caixa Postal 11 13 53

60048 Frankfurt/Main

Alemanha

Telefone: +49-69/15 03-1

Fax: +49-69/15 03-200

Este

medicamento

encontra-se

autorizado

Estados

Membros

Espaço

Económico Europeu (EEE) sob as seguintes denominações:

Xeomin: Áustria, Bulgária, Chipre, Croácia, República Checa, Dinamarca, Estónia,

Alemanha, Grécia, Finlândia, França, Hungria, Islândia, Irlanda, Itália, Letónia,

Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Noruega, Polónia, Portugal,

Roménia, República Eslovaca, Eslovénia, Espanha, Suécia, Reino Unido

XEOMEEN: Bélgica

Este folheto foi revisto pela última vez em

A informação que se segue destina-se apenas aos profissionais de saúde:

Instruções para a reconstituição da solução para injetáveis:

Xeomin é reconstituído antes da utilização com solução de cloreto de sódio a

9 mg/ml (0,9%), para preparações injetáveis.

Xeomin deve ser aplicado apenas para as indicações propostas e para tratar um

doente numa sessão.

É uma boa prática reconstituir o conteúdo do frasco para injetáveis e preparar a

seringa sobre toalhas de papel revestidas por plástico para recolher quaisquer

derrames. Aspira-se para a seringa a quantidade apropriada de solução de cloreto de

sódio (ver tabela de diluição). Recomenda-se para reconstituição uma agulha curta

com bisel de 20-27 G. Após introdução vertical da agulha, através da rolha de

borracha, o solvente é injetado cuidadosamente no frasco para injetáveis, de forma a

evitar a formação de espuma. Elimine o frasco para injetáveis se o vácuo não aspirar

o solvente para o seu interior. Retirar a seringa do frasco para injetáveis e misturar

Xeomin com o solvente agitando e invertendo/rodando cuidadosamente o frasco para

injetáveis-

não

agitar

vigorosamente.

necessário,

agulha

utilizada

para

reconstituição deve permanecer no frasco para injetáveis e a quantidade de solvente

necessária deve ser retirada com uma nova agulha estéril adequada para injeção.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Xeomin reconstituído é uma solução límpida e incolor.

Xeomin não pode ser utilizado se a solução reconstituída (preparada como acima

indicado) tiver um aspeto turvo, ou contiver flocos ou partículas.

Deve

utilizado

cuidadosamente

volume

correto

solvente

para

apresentação escolhida para prevenir sobredosagem acidental. Se estiverem a ser

utilizados diferentes tamanhos de frascos para injetáveis de Xeomin como parte do

procedimento de uma injeção, deverá ter-se cuidado para utilizar a quantidade

correta de solvente aquando da reconstituição de um número particular de unidades

por 0,1 ml. A quantidade de solvente varia entre Xeomin 50 unidades, Xeomin 100

unidades

Xeomin

unidades.

Cada

seringa

deverá

rotulada

conformidade.

As concentrações possíveis para Xeomin 50, 100 e 200 unidades estão indicadas na

tabela seguinte:

Dose

resultante

unidades

0,1 ml

Solvente adicionado

(solução

cloreto

sódio

9 mg/ml

(0,9 %)

para

preparações injetáveis)

Frasco

para

injetáveis

unidades

Frasco

para

injetáveis com 100

unidades

Frasco

para

injetáveis com 200

unidades

20 unidades

0,25 ml

0,5 ml

1 ml

10 unidades

0,5 ml

1 ml

2 ml

8 unidades

0,625 ml

1,25 ml

2,5 ml

5 unidades

1 ml

2 ml

4 ml

4 unidades

1,25 ml

2,5 ml

5 ml

2,5 unidades

2 ml

4 ml

Não aplicável

2 unidades

2,5 ml

5 ml

Não aplicável

1,25 unidades

4 ml

Não aplicável

Não aplicável

Instruções para eliminação

Toda a solução injetável que tiver sido conservada durante mais de 24 horas, assim

como toda a solução injetável não utilizada devem ser eliminadas.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Procedimento a seguir para uma eliminação segura dos frascos para injetáveis,

seringas e materiais utilizados

Quaisquer frascos para injetáveis não utilizados, solução remanescente no frasco

para injetáveis e/ou seringas devem ser autoclavados. Alternativamente, o Xeomin

remanescente pode ser inativado adicionando uma das seguintes soluções: etanol

70%,

isopropanol

50%,

0,1%

(detergente

aniónico),

solução

diluída

hidróxido de sódio (NaOH 0,1N) ou uma solução diluída de hipoclorito de sódio (de

pelo menos 0,1% NaOCl).

Após inativação os frascos para injetáveis, seringas e materiais utilizados não devem

ser esvaziados e devem ser eliminados em recipientes adequados de acordo com as

exigências locais.

Recomendações caso ocorra algum incidente durante o manuseamento de Toxina

Botulínica do tipo A

- Qualquer derrame de produto deve ser limpo: utilizando material absorvente

impregnado com qualquer uma das soluções acima listadas no caso de ser pó, ou

com material absorvente e seco no caso de produto já reconstituído.

superfícies

contaminadas

devem

lavadas

material

absorvente

impregnado com qualquer uma das soluções acima mencionadas, e seguidamente

devem ser secas.

- Se o frasco para injetáveis estiver quebrado, proceder da forma acima descrita

recolhendo cuidadosamente os pedaços de vidro partido e limpando o produto,

evitando quaisquer cortes na pele.

produto

entrar

contato

pele,

enxaguar

área

afetada

abundantemente com água.

- Se o produto entrar nos olhos, lavar abundantemente com água ou com uma

solução de lavagem oftálmica.

- Se o produto entrar em contato com uma ferida, com pele lesada ou cortada, lavar

abundantemente com água e seguir o procedimento clínico tendo em consideração a

dose injetada.

Estas instruções de manuseamento e eliminação devem ser rigorosamente seguidas.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO

1. NOME DO MEDICAMENTO

Xeomin 50 unidades pó para solução injetável

Xeomin 100 unidades pó para solução injetável

Xeomin 200 unidades pó para solução injetável

2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Xeomin 50 unidades pó para solução injetável

Um frasco para injetáveis contém 50 unidades de neurotoxina do tipo A de

Clostridium botulinum (150 kD), sem proteínas complexantes*.

Xeomin 100 unidades pó para solução injetável

Um frasco para injetáveis contém 100 unidades de neurotoxina do tipo A de

Clostridium botulinum (150 kD), sem proteínas complexantes*.

Xeomin 200 unidades pó para solução injetável

Um frasco para injetáveis contém 200 unidades de neurotoxina do tipo A de

Clostridium botulinum (150 kD), sem proteínas complexantes*.

* Neurotoxina botulínica do tipo A, purificada a partir de culturas de Clostridium

botulinum (estirpe de Hall)

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. FORMA FARMACÊUTICA

Pó para solução injetável

Pó branco

4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Indicações terapêuticas

Xeomin está indicado para o tratamento sintomático do blefarospasmo, da distonia

cervical

tipo

predominantemente

rotacional

(torcicolo

espasmódico),

espasticidade dos membros superiores e sialorreia crónica devido a alterações

neurológicas em adultos.

4.2 Posologia e modo de administração

Devido a diferenças unitárias no doseamento da potência, as doses unitárias para

Xeomin não são permutáveis com as de outras preparações de toxina botulínica do

tipo A.

Para informação detalhada sobre estudos clínicos comparativos entre o Xeomin e o

complexo convencional de neurotoxina botulínica do tipo A (900 kD), ver secção 5.1.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Xeomin só pode ser administrado por médicos com as qualificações adequadas e com

experiência necessária na administração de toxina botulínica do tipo A.

A dose ótima, frequência e o número de locais de injeção devem ser escolhidos pelo

médico em função do caso individual de cada doente. Deve efetuar-se a titulação da

dose.

Não devem ser excedidas as doses unitárias recomendadas de Xeomin.

Posologia

Blefarospasmo

A dose inicial recomendada é de 1,25 a 2,5 unidades por local de injeção. A dose

inicial não deve exceder 25 unidades por olho. A dose total não deve exceder

100 unidades de 12 em 12 semanas. Os intervalos de tratamento devem ser

determinados com base na necessidade clínica atual do doente.

O tempo médio para o início do efeito é observado num período de quatro dias após

a injeção. O efeito do tratamento com Xeomin dura, geralmente, cerca de 3 a 4

meses. Contudo, pode ter uma duração significativamente mais longa ou mais curta.

O tratamento pode ser repetido se necessário.

Nas sessões de repetição do tratamento, a dose pode ser aumentada até ao dobro se

a resposta ao tratamento inicial for considerada insuficiente. Contudo, parece que

não se obtém qualquer benefício adicional com a injeção de mais de 5,0 unidades

por local.

Torcicolo espasmódico

No tratamento do torcicolo espasmódico com Xeomin, a posologia deve ser adaptada

a cada doente em particular, baseando-se na posição da cabeça e do pescoço do

doente, localização possível da dor, hipertrofia muscular, peso corporal do doente e

resposta à injeção.

Não devem ser administradas mais de 200 unidades no primeiro ciclo de tratamento

sendo feitos ajustes nos ciclos subsequentes dependendo da resposta. Não deve ser

excedida uma dose total de 300 unidades em qualquer uma das sessões. Não se

deve administrar mais do que 50 unidades num único local de injeção.

O tempo médio para o início do efeito é observado num período de sete dias após a

injeção. O efeito do tratamento com Xeomin dura, geralmente, cerca de 3 a 4

meses. Contudo, pode ter uma duração significativamente mais longa ou mais curta.

Não são recomendados intervalos de tratamento inferiores a 10 semanas. Os

intervalos de tratamento devem ser determinados com base na necessidade clínica

atual do doente.

Espasticidade dos membros superiores

A dose exata e o número de locais de injeção deverão ser adaptados a cada doente

em particular com base no tamanho, número e localização dos músculos a tratar, da

gravidade da espasticidade e da presença de fraqueza muscular localizada.

Doses de tratamento recomendadas por músculo:

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Padrão Clínico

Músculo

Unidades

(intervalo)

Nº de locais de injeção

por músculo

Pulso fletido

Flexor carpi radialis

25-100

Flexor carpi ulnaris

20-100

Punho cerrado

Flexor digitorum superficialis

25-100

Flexor digitorum profundus

25-100

Cotovelo fletido

Brachioradialis

25-100

Bíceps

50-200

Brachialis

25-100

Pronação do antebraço

Pronator quadratus

10-50

Pronator teres

25-75

Polegar na palma

Flexor pollicis longus

10-50

Adductor pollicis

5-30

Flexor pollicis brevis / Opponens pollicis

5-30

Ombro com rotação interna/extensão/ adução

Deltoideus, pars clavicularis

20-150

Latissimus dorsi

25-150

Pectoralis major

20-200

Subscapularis

15-100

Teres major

20-100

A dose total máxima para o tratamento da espasticidade dos membros superiores

não deve exceder as 500 unidades por sessão de tratamento, e não devem ser

administradas mais de 250 unidades nos músculos do ombro.

Os doentes relataram o início de ação 4 dias após o tratamento. O efeito máximo,

referido como uma melhoria do tónus muscular, foi percecionado em 4 semanas.

Normalmente, o efeito do tratamento prolonga-se por 12 semanas. Contudo, pode

ter uma duração significativamente mais longa ou mais curta. O tratamento de

repetição não deve ser geralmente mais frequente do que de 12 semanas em 12

semanas. Os intervalos de tratamento devem ser determinados com base na

necessidade clínica atual do doente.

Sialorreia crónica

Deve ser utilizada solução reconstituída a uma concentração de 5 unidades/ 0,1 ml.

Xeomin é injetado nas glândulas parótidas e submandibulares em ambos os lados

(quatro injeções no total por tratamento). A dose é dividida numa razão de 3:2 entre

as glândulas parótidas e submandibular da seguinte forma:

Glândulas

Unidades

Volume

Glândulas parótidas

30 por lado

0,6 ml por injeção

Glândulas submandibulares

20 por lado

0,4 ml por injeção

O local de injeção deve ser próximo do centro da glândula.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

A dose recomendada por sessão de tratamento é de 100 unidades. Esta dose

máxima não deve ser excedida.

Os intervalos de tratamento devem ser determinados com base na necessidade

clínica atual de cada doente.

Não se recomenda a repetição do tratamento com maior frequência do que cada 16

semanas.

Todas as indicações

Se o tratamento não fizer efeito ao fim de um mês depois da primeira injeção,

devem tomar-se as seguintes medidas:

- Verificação clínica do efeito da neurotoxina no músculo injetado: por exemplo, por

exame electromiográfico em instalações especializadas

- Análise das causas de não resposta, por exemplo, mau isolamento dos músculos a

injetar, dose insuficiente, má técnica de injeção, contractura fixa, antagonista muito

fraco, possível desenvolvimento de anticorpos

- Reavaliação do tratamento com neurotoxina botulínica do tipo A como terapêutica

adequada

- Se não ocorrerem reações adversas durante o primeiro tratamento, pode efetuar-

se um ciclo adicional de tratamento nas seguintes condições: 1) ajuste da dose

tendo em consideração a análise do último insucesso terapêutico, 2) localização dos

músculos envolvidos por meio de técnicas tais como controlo eletromiográfico, 3)

cumprimento do intervalo mínimo recomendado entre o tratamento inicial e de

repetição.

População pediátrica

A segurança e eficácia de Xeomin em crianças e adolescentes entre os 0-17 anos de

idade não foram ainda estabelecidas, pelo que, até que haja mais dados disponíveis,

Xeomin não é recomendado na população pediátrica.

Modo de administração

Todas as indicações

Para instruções sobre a reconstituição do medicamento antes da administração, ver

secção 6.6. Após reconstituição, Xeomin deve ser usado para uma única injeção num

único doente.

Xeomin está indicado para via intramuscular e intraglandular (glândula salivar).

Blefarospasmo

Após reconstituição, a solução de Xeomin é injetada utilizando uma agulha estéril

apropriada (por exemplo, de calibre 27-30 gauge / 0,30-0,40 mm de diâmetro/ 12,5

mm de comprimento). Não é necessário controlo eletromiográfico. Recomenda-se

um volume de injeção aproximado de 0,05 a 0,1 ml.

Xeomin é injetado no músculo orbicular interno e no orbicular externo da pálpebra

superior e no músculo orbicular externo da pálpebra inferior. Também se podem

injetar outros locais na região das sobrancelhas, no músculo orbicular externo e na

região facial superior, se os espasmos aqui localizados interferirem com a visão.

Torcicolo espasmódico

Utiliza-se uma agulha estéril apropriada (por exemplo, de calibre 25-30 gauge/ 0,30-

0,50 mm de diâmetro/ 37 mm de comprimento) para injeções nos músculos

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

superficiais e pode utilizar-se, por exemplo, uma agulha de calibre 22 gauge /

0,70 mm de diâmetro/75 mm de comprimento para injeções na musculatura mais

profunda. Recomenda-se um volume de injeção aproximado de 0,1 a 0,5 ml por local

de injeção.

tratamento

torcicolo

espasmódico,

injeta-se

Xeomin

músculos

esternocleidomastóideo, elevador da omoplata, escalenos, esplénio da cabeça e/ou

no músculo trapézio. Esta lista não é completa dado que qualquer um dos músculos

responsáveis pelo controlo da posição da cabeça pode estar envolvido e, portanto,

exige tratamento. Se surgirem dificuldades no isolamento de músculos individuais,

injeções

devem

efetuadas

utilizando

técnicas

tais

como

controlo

eletromiográfico ou ultrassons. A massa muscular e o grau de hipertrofia ou de

atrofia são fatores que devem ser considerados quando se seleciona a dose

apropriada.

Vários locais de injeção permitem que Xeomin cubra de forma mais uniforme as

zonas de inervação do músculo distónico e são especialmente úteis nos músculos

maiores. O número ótimo de locais de injeção depende do tamanho do músculo que

vai ser quimicamente desnervado.

O esternocleidomastoideu não deve ser injetado bilateralmente porque existe um

risco

acrescido

reações

adversas

particular

disfagia)

quando

são

administradas neste músculo injeções bilaterais ou doses superiores a 100 U.

Espasticidade dos membros superiores

Xeomin reconstituído é injetado utilizando uma agulha estéril apropriada (por

exemplo, de calibre 26 gauge / 0,45 mm de diâmetro / 37 mm de comprimento,

para músculos superficiais, e uma agulha mais comprida, por exemplo, de calibre 22

gauge / 0,7 mm de diâmetro / 75 mm de comprimento, para musculatura mais

profunda).

Recomenda-se a localização dos músculos envolvidos através de técnicas tais como

controlo

eletromiográfico

ultrassons

caso

qualquer

dificuldade

isolamento de músculos individuais. Locais de injeção múltiplos podem permitir que

o Xeomin tenha um contacto mais uniforme com as áreas de inervação dos

músculos, o que é especialmente útil quando são injetados músculos maiores.

Sialorreia crónica

Após reconstituição, a solução de Xeomin é injetada intraglandularmente usando

agulha

estéril

adequada

(por

exemplo

27-30

gauge/

0,30-0,40

diâmetro/ 12,5 mm de comprimento). Para localização das glândulas salivares

envolvidas, ambas as ténicas anatómicas ou ultrassons são possíveis, embora o

método por ultrassons deva ser preferido, dado poder resultar num melhor resultado

terapêutico (ver secção 5.1).

4.3 Contraindicações

Hipersensibilidade

substância

ativa

qualquer

excipientes

mencionados na secção 6.1.

- Doenças generalizadas da atividade muscular (por exemplo, miastenia grave,

síndroma de Lambert-Eaton).

- Infeção ou inflamação no local de injeção proposto.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

Antes de administrar Xeomin, o médico deve familiarizar-se ele/ ela próprio(a) com a

anatomia do doente e com quaisquer alterações da anatomia devido a intervenções

cirúrgicas anteriores.

Deve ser tomada precaução para assegurar que Xeomin não é injetado num vaso

sanguíneo. Xeomin

Xeomin deve ser usado com precaução:

- se existir qualquer tipo de doenças hemorrágicas

doentes

estejam

receber

terapêutica

anticoagulante

outras

substâncias que possam ter efeito anticoagulante.

XeominXeomin

Os efeitos clínicos da neurotoxina botulínica do tipo A podem aumentar ou diminuir

após injeções repetidas. As causas possíveis de alterações do efeito clínico são

técnicas de reconstituição diferentes, os intervalos de injeção escolhidos, os locais de

injeção

atividade

marginalmente

variável

toxina

resultante

procedimento de teste biológico utilizado ou de não resposta secundária.

Difusão local e distante do efeito da toxina

Podem ocorrer efeitos indesejáveis de injeções mal posicionadas de neurotoxina

botulínica do tipo A que temporariamente paralisam grupos musculares adjacentes.

Doses elevadas podem causar paralisia nos músculos distantes do local de injeção.

Têm sido relatados efeitos indesejáveis que podem estar relacionados com a difusão

de neurotoxina botulínica do tipo A para locais distantes do local de injeção (ver

secção 4.8). Alguns destes efeitos podem constituir risco de vida e têm sido

reportados casos de morte, associada em alguns casos a disfagia, pneumonia e/ ou

debilidade significativa.

Doentes tratados com doses terapêuticas podem sentir fraqueza muscular excessiva.

Os doentes ou prestadores de cuidados deverão ser aconselhados a procurar

cuidados médicos imediatos se ocorrerem perturbações da deglutição, da fala ou

respiratórias.

Disfagia também tem sido notificada após injeção em locais que não a musculatura

cervical.

Alterações neuromusculares pré-existentes

Os doentes com perturbações neuromusculares podem apresentar risco acrescido de

fraqueza muscular excessiva, particularmente quando tratados por via intramuscular.

Nestes

doentes,

neurotoxina

botulínica

tipo

deverá

utilizada

supervisão

especialista

somente

benefício

tratamento

considerado superior ao risco.

Geralmente, os doentes com historial de aspiração ou disfagia deverão ser tratados

com precaução. Extrema precaução deve ser tomada aquando do tratamento destes

doentes para distonia cervical.

Xeomin deve ser utilizado com precaução:

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

- em doentes com esclerose lateral amiotrófica

- em doentes com outras doenças que causem disfunção neuromuscular periférica

- em músculos alvo que apresentam fraqueza ou atrofia pronunciadas.

Reações de hipersensibilidade

Têm sido notificadas reações de hipersensibilidade com produtos com neurotoxina

botulínica do tipo A. Se ocorrerem reações de hipersensibilidade grave (por exemplo

reações anafiláticas) e/ ou reações de hipersensibilidade imediata, deve ser instituída

terapêutica clínica adequada.

Formação de anticorpos

Doses muito frequentes podem aumentar o risco de formação de anticorpos, que

pode resultar na falência do tratamento (ver secção 4.2).

O potencial para formação de anticorpos pode ser minimizado pela injeção da dose

mínima eficaz em intervalos maiores entre injeções de acordo com o indicado

clinicamente.

Precauções especificas de indicações

Blefarospasmo

Injeções próximas do músculo elevador palpebral superior devem ser evitadas para

reduzir a ocorrência de ptose. Diplopia pode desenvolver-se em resultado da difusão

da neurotoxina botulínica do tipo A no oblíquo inferior. Evitar dar injeções na região

interna da pálpebra inferior pode reduzir esta reação adversa.

Devido ao efeito anticolinérgico da neurotoxina botulínica do tipo A, Xeomin deve ser

utilizado com precaução em doentes em risco de desenvolvimento de glaucoma de

ângulo estreito.

A fim de prevenir o ectrópio, devem evitar-se injeções na região da pálpebra inferior,

sendo necessário tratar vigorosamente qualquer defeito epitelial. Para este fim, pode

ser necessário utilizar um colírio protetor, pomadas, lentes de contacto moles

protetoras

oclusão

olho

compressa

outros

meios

semelhantes.

A diminuição do pestanejo após injeção de Xeomin no músculo orbicular pode causar

exposição

córnea,

defeitos

epiteliais

persistentes

ulceração

corneana,

especialmente em doentes com distúrbios nos nervos cranianos (nervo facial). Deve

efetuar-se um exame cuidadoso da sensibilidade corneana em doentes submetidos

previamente a cirurgias oculares.

Nos tecidos moles da pálpebra ocorrem facilmente equimoses. A pressão suave

imediata no local da injeção pode limitar este risco.

Torcicolo espasmódico

Xeomin deve ser injetado com precaução aquando da injeção em locais perto de

estruturas sensititivas tais como a artéria carótida, ápices pulmonares e esófago.

Doentes previamente acinéticos ou sedentários, devem ser relembrados de retomar

gradualmente as suas atividades após a injeção de Xeomin.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Os doentes devem ser informados de que as injeções de Xeomin para o tratamento

do torcicolo espasmódico podem causar disfagia ligeira a grave, com o risco de

aspiração e dispneia. Pode ser necessária intervenção médica (por exemplo, sob a

forma de um tubo de alimentação gástrica) (ver também secção 4.8). A limitação da

dose injetada no músculo esternocleidomastoideu para menos de 100 unidades pode

diminuir a ocorrência de disfagia. Os doentes com menor massa muscular a nível do

pescoço

doentes

necessitam

injeções

bilaterais

músculo

esternocleidomastoideu correm um maior risco de disfagia. A ocorrência de disfagia é

atribuída à disseminação do efeito farmacológico de Xeomin em resultado da difusão

da neurotoxina na musculatura esofágica.

Espasticidade dos membros superiores Xeomin deve ser injetado com precaução

aquando da injeção em locais perto de estruturas sensitivas tais como a artéria

carótida, ápices pulmonares e esófago.

Doentes previamente acinéticos ou sedentários, devem ser relembrados de retomar

gradualmente as suas atividades após a injeção de Xeomin.

Como tratamento focal da espasticidade, Xeomin tem sido estudado em associação

com os regimes de tratamento habituais, e não está indicado como substituto destas

modalidades de tratamento. Não é provável que Xeomin seja eficaz na melhoria de

movimentos de uma articulação afetada por uma contractura fixa.

Aparecimento de convulsões novas ou recorrentes têm sido notificadas, tipicamente

doentes

estão

predispostos

experimentar

estes

efeitos.

Não

estabelecida a relação exata entre estes efeitos e a injeção de toxina botulínica.

Sialorreia crónica

Em casos de sialorreia induzida por medicação (por exemplo, por aripiprazole,

clozapina, piridostigmina) antes de mais, deve ser considerada a possibilidade de

substituição, redução ou mesmo a suspensão desta medicação, antes de utilizar

Xeomin no tratamento de sialorreia.

Não foram investigadas a eficácia e segurança de Xeomin em doentes com sialorreia

induzida por medicação.

Em casos de desenvolvimento de "boca seca" em associação com a administração de

Xeomin, deverá considerar-se a redução de dose.

Recomenda-se uma consulta de medicina dentária no início do tratamento. O médico

dentista deve ser informado acerca do tratamento de sialorreia com Xeomin para lhe

ser possível decidir sobre as medidas apropriadas na profilaxia de cáries.

4.5 Interações medicamentosas e outras formas de interação

Não foram realizados estudos de interação.

Teoricamente, o efeito da neurotoxina botulínica pode ser potenciado por antibióticos

aminoglicosídicos ou por outros medicamentos que interferem com a transmissão

neuromuscular, por exemplo, miorrelaxantes do tipo tubocurarina.

Portanto,

utilização concomitante

de Xeomin

aminoglicosídeos

ou com

espectinomicina exige precauções especiais. Os miorrelaxantes periféricos devem ser

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

utilizados com precaução, se necessário reduzindo a dose inicial do miorrelaxante ou

utilizando uma substância de ação intermédia, tal como o vecurónio ou o atracúrio,

em vez de substâncias com efeitos de longa duração.

Adicionalmente, quando usado no tratamento de sialorreia crónica, irradiação à

cabeça

pescoço

incluindo

glândulas

salivares

e/ou

co-administração

anticolinergicos (por exemplo atropina, glicopirrónio, escopolamina) pode aumentar

o efeito da toxina. O tratamento de sialorreia com Xeomin durante a radioterapia não

é recomenrdado.

As 4-aminoquinoleínas podem diminuir o efeito de Xeomin.

4.6 Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez

Não existem dados adequados sobre a utilização da neurotoxina botulínica do tipo A

em mulheres grávidas. Os estudos em animais revelaram toxicidade reprodutiva (ver

secção 5.3). Desconhece-se o risco potencial para o ser humano. Portanto, Xeomin

não deve ser utilizado durante a gravidez, a menos que tal seja claramente

necessário e caso o benefício potencial justifique o risco.

Amamentação

Desconhece-se se a neurotoxina botulínica do tipo A é excretada no leite materno.

Portanto, Xeomin não deve ser utilizado durante o aleitamento.

Fertilidade

Não existem dados clínicos sobre a utilização da neurotoxina botulínica do tipo A.

Não foram detetados efeitos adversos sobre a fertilidade masculina ou feminina em

coelhos (ver secção 5.3).

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Xeomin tem uma influência reduzida ou moderada sobre a capacidade de conduzir e

utilizar máquinas. Doentes devem ser aconselhados que se acontecer astenia,

fraqueza muscular, tonturas, alterações da visão ou queda das pálpebras, devem

evitar a condução ou realizar outras atividades potencialmente perigosas.

4.8 Efeitos indesejáveis

Geralmente,

observam-se

efeitos

indesejáveis

primeira

semana

após

tratamento que são de natureza temporária. Os efeitos indesejáveis podem estar

relacionados com a substância ativa, procedimento de injeção ou ambos.

Efeitos indesejáveis independentemente da indicação

Efeitos indesejáveis relacionados com a aplicação

localizada,

inflamação,

parastesia,

hipostesia,

sensação

dolorosa,

inchaço/edema, eritema, prurido, infeção localizada, hematoma, hemorragia e/ou

equimoses podem estar relacionados com a injeção.

relacionada

agulha

e/ou

ansiedade

podem

resultar

respostas

vasovagais,

incluindo

hipotensão

sintomática

transitória,

náuseas,

acufenos

síncope.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Efeitos indesejáveis de substâncias da classe da toxina botulínica do tipo A

Fraqueza muscular localizada é um dos efeitos farmacológicos esperados para toxina

botulínica do tipo A.

Difusão da toxina

Muito raramente, têm sido relatados efeitos indesejáveis relativos à difusão da toxina

a localizações distantes do local de administração que resultam em sintomas

consistentes com os efeitos da toxina botulínica do tipo A (fraqueza muscular

excessiva, disfagia e pneumonia por aspiração resultando, nalguns casos, em morte)

(ver secção 4.4).

Reações de hipersensibilidade

Reações graves e/ou imediatas de hipersensibilidade foram raramente notificadas,

incluindo anafilaxia, doença do soro, urticária, edema dos tecidos moles e dispneia.

Algumas destas reações foram notificadas após a utilização isolada do complexo de

toxina botulínica do tipo A convencional, ou em combinação com outros agentes

conhecidos por causar reações semelhantes.

Efeitos indesejáveis com base em experiência clinica

Com base em informações sobre a experiência clínica, a frequência de reações

adversas

indicações

individuais

indicada

seguir.

categorias

frequências são definidas como se segue: muito frequentes (≥1/10); frequentes

(≥1/100 a <1/10); pouco frequentes (≥1/1.000 a <1/100); raros (≥1/10.000 a

<1/1.000); muito raros (<1/10.000); desconhecido (não pode ser calculado a partir

dos dados disponíveis).

Blefarospasmo

Foram notificadas as seguintes reações adversas com Xeomin:

Doenças do sistema nervoso

Frequentes:

Cefaleias, parestesia facial

Afeções oculares

Muito Frequentes:

Ptose das pálpebras, olhos secos

Frequentes:

Visão

Turva,

Distúrbios

Visuais,

Diplopia,

Aumento

Lacrimação

Doenças gastrointestinais

Frequentes:

Boca seca, disfagia

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos

Pouco Frequentes:

Erupção cutânea

Afeções musculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos

Frequentes:

Fraqueza muscular

Perturbações gerais e alterações no local de administração

Frequentes:

Dor no Local de Injeção, Fatiga

Torcicolo espasmódico

O controlo de torcicolo espasmódico pode causar disfagia com graus variáveis de

severidade com o potencial para aspiração que pode requerer intervenção médica. A

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

disfagia pode persistir durante duas a três semanas após injeção, mas foi reportada

em um caso persistir durante cinco meses.

Foram notificadas as seguintes reações adversas com Xeomin:

Infeções e infestações

Frequentes:

Infeção do Trato Respiratório Superior.

Doenças do sistema nervoso

Frequentes:

Cefaleias, Pré-síncope, Tonturas

Pouco frequentes:

Alteração no Discurso

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino

Pouco frequentes:

Disfonia, dispneia

Doenças gastrointestinais

Muito Frequentes:

Disfagia

Frequentes:

Boca seca, náusea

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos

Frequentes:

Hiperidrose

Pouco frequentes:

Erupção cutânea

Afeções músculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos

Frequentes:

pescoço,

fraqueza

muscular,

mialgia,

espasmos

musculares, rigidez músculo-esquelética

Perturbações gerais e alterações no local de administração

Frequentes:

Dor no local de injeção, astenia

Espasticidade dos membros superiores

Foram notificadas as seguintes reações adversas com Xeomin:

Doenças do sistema nervoso

Pouco Frequentes:

Cefaleia, hipostesia

Doenças gastrointestinais

Frequentes:

Boca seca

Pouco Frequentes:

Disfagia, náusea

Afeções musculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos

Pouco Frequentes:

Fraqueza muscular, dor nas extremidades, mialgia

Perturbações gerais e alterações no local de administração

Pouco frequentes:

Astenia

Desconhecido:

Dor no local da injeção

Sialorreia crónica

Foram notificadas as seguintes reações adversas com Xeomin:

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Doenças do sistema nervoso

Frequentes:

Parestesia

Pouco frequentes:

Alterações no discurso

Doenças gastrointestinais

Frequentes:

Boca seca, disfagia

Pouco frequentes:

Alteração na saliva (espessamento), disguesia

Casos persistentes de boca seca (>110 dias) de intensidade severa foram reportados

o que pode causar complicações adicionais como gengitivite, disfagia e cáries.

Experiência Pós-comercialização

Foram notificados sintomas semelhantes aos da gripe e reações de hipersensibilidade

como inchaço, edema (também distante do local de injeção), eritema, prurido,

erupção cutânea (local e generalizada) e falta de ar.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é

importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-

risco do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer

suspeitas de reações adversas diretamente ao INFARMED,I.P.:

Sítio da internet: http://www.infarmed.pt/web/infarmed/submissaoram

(preferencialmente)

ou através dos seguintes contactos:

Direção de Gestão do Risco de Medicamentos

Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53

1749-004 Lisboa

Tel: +351 21 798 73 73

Linha do Medicamento: 800222444 (gratuita)

E-mail: farmacovigilancia@infarmed.pt

4.9 Sobredosagem

Ver na secção 4.4 informação relativa aos riscos associados com a difusão local e

distante do efeito da toxina.

Sintomas de sobredosagem

Doses maiores de neurotoxina botulínica do tipo A podem causar uma paralisia

neuromuscular pronunciada, afastada do local de injeção, com uma variedade de

sintomas. Os sintomas podem consistir em fraqueza generalizada, ptose, diplopia,

dificuldade na respiração, dificuldade na fala, paralisia dos músculos respiratórios ou

dificuldades em engolir que podem resultar em pneumonia por aspiração.

Medidas a tomar no caso de sobredosagem

Em caso de sobredosagem, o doente deve ser monitorizado clinicamente para

sintomas de excessiva fraqueza muscular ou paralisia dos músculos. Pode ser

necessário tratamento sintomático. Poderá ser necessário suporte respiratório se

ocorrer paralisia dos músculos respiratórios.

5. PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo

farmacoterapêutico:

2.3.2.

Ação

periférica

Relaxante

Muscular,

medicamento de ação periférica, Código ATC: M03AX01

A neurotoxina botulínica do tipo A bloqueia a transmissão colinérgica na junção

neuromuscular inibindo a libertação de acetilcolina. As terminações nervosas da

junção neuromuscular deixam de responder aos impulsos nervosos, impedindo a

secreção

neurotransmissor

placas

motoras

(desenervação

química).

recuperação da transmissão de impulsos é restabelecida através da formação de

novas terminações nervosas e reconexão com as placas motoras.

Mecanismo de ação

O mecanismo de ação através do qual a neurotoxina botulínica do tipo A exerce os

seus efeitos nas terminações nervosas colinérgicas pode ser descrito por um

processo sequencial de quatro fases que inclui os seguintes passos:

- Ligação: a cadeia pesada da neurotoxina botulínica do tipo A liga-se com

seletividade e afinidade excecionalmente elevadas aos recetores localizados apenas

nas terminações colinérgicas.

- Internalização: constrição da membrana da terminação nervosa e absorção da

toxina para dentro da terminação nervosa (endocitose).

- Translocação: o segmento amino-terminal da cadeia pesada da neurotoxina forma

um poro na membrana das vesículas, a ligação de dissulfeto é clivada e a cadeia leve

da neurotoxina passa através dos poros para o citosol.

- Efeito: após a libertação da cadeia leve, é clivada muito especificamente a

proteína-alvo (SNAP 25) que é essencial para a libertação da acetilcolina.

A recuperação completa da função motora/transmissão de impulso após a injeção

intramuscular ocorre normalmente num período de 3 a 4 meses, à medida que as

terminações nervosas crescem e se tornam a ligar à placa motora.

Resultados dos estudos clínicos

A equivalência terapêutica do Xeomin em comparação com o produto comparador

Botox contendo o complexo de toxina botulínica do tipo A, (onaboltulinumtoxina A,

900 kD), foi demonstrada em dois estudos de Fase III comparativos em dose única.

Um em doentes com blefarospasmo (estudo MRZ 60201-0003, n=300) e outro em

doentes com distonia cervical (estudo MRZ 60201-0013, n=463). Os resultados dos

estudos também sugerem que o Xeomin e o seu comparador têm um perfil de

eficácia e segurança similar em doentes com blefarospasmo ou distonia cervical,

quando utilizado com uma taxa de conversão de dosagem de 1:1 (ver seção 4.2.).

Blefarospasmo

Xeomin

sido

estudado

estudo

clínico,

multicêntrico,

fase

III,

aleatorizado, duplamente cego, controlado por placebo num total de 109 doentes

blefarospasmo.

Doentes

tiveram

diagnóstico

clinico

blefrospasmo

essencial benigno, com valor basal da escala de pontuação de gravidade de Jankovic

de ≥2 e uma resposta terapêutica estável satisfatória a administrações prévias de

medicamento comparador (onabotulinumtoxinA).

Os doentes foram aleatorizados (2:1) para receber uma administração única de

Xeomin (n=75) ou placebo (n=34) numa dose que foi semelhante (+/-10%) às duas

injeções de Botox mais recentes antes da entrada no estudo. A dose mais elevada

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

permitida neste estudo foi de 50 unidades por olho; a dose média de Xeomin foi de

32 unidades por olho.

O resultado de eficácia primária foi a alteração na pontuação na escala de gravidade

de Jankovik do valor basal para o pós injeção na semana 6, na população a ser

tratada, com valores em falta substituídos pelo valor mais recente do doente (ultima

observação feita previamente). Na população a ser tratada, a diferença entre o

grupo tratado com Xeomin e o grupo placebo, na alteração da pontuação na escala

de gravidade de Jankovic do valor basal para a semana 6 foi -1,0 (95% IC -1,4; -

0,5) pontos e estatisticamente significativa (p< 0,001).

Os doentes devem continuar com o período de extensão se for necessária uma nova

injeção. Os doentes receberam até cinco injeções de Xeomin com um intervalo

mínimo entre duas injeções de pelo menos de seis semanas (duração total do estudo

de 48-69 semanas e uma dose máxima de 50 unidades por olho). Durante todo o

estudo, os intervalos médios de injeção nos indivíduos tratados com NT 201

variaram entre 10,14 (1º intervalo) e 12,00 semanas (2º ao 5º intervalo).

Torcicolo espasmódico

Xeomin tem sido estudado num estudo clínico de fase III, aleatorizado, duplamente

cego, controlado por placebo multicêntrico envolvendo um total de 233 doentes com

distonia cervical. Os doentes tiveram um diagnóstico clinico de distonia cervical

predominantemente rotacional com uma pontuação basal total de ≥ 20 na escala de

avaliação

Torcicolo

Espasmódico

Toronto

Western.

doentes

foram

aleatorizados

(1:1:1)

para

receber

administração

única

Xeomin

unidades (n=81), Xeomin 120 unidades (n=78), ou placebo (n=74). O número e

locais de injeção foram determinados pelo Investigador.

A variável de eficácia primária foi a alteração média na LS da pontuação basal até à

semana 4 após injeção na escala de avaliação do torcicolo espasmódico de Toronto

Western, na população a ser tratada, com valores em falta substituídos pelos valores

basais do doente (modelo estatístico completo). A alteração na pontuação total da

escala de avaliação do Torcicolo Espasmódico de Toronto Western do valor basal até

à semana 4 foi significativamente superior nos grupos NT 201, comparativamente à

alteração no grupo de placebo (p<0,001 ao longo de todos os modelos estatísticos).

Estas diferenças foram também clinicamente significativas: por exemplo -9,0 pontos

para 240 unidades versus placebo, e -7,5 pontos para 120 unidades versus placebo

no modelo estatístico completo.

Os doentes podiam continuar com o período de extensão se fosse necessária nova

injeção. Os doentes receberam até cinco injeções de 120 unidades ou 240 unidades

de Xeomin com um intervalo mínimo entre duas injeções de pelo menos seis

semanas (duração total do estudo de 48-69 semanas). Durante todo o estudo, os

intervalos médios de injeção nos indivíduos tratados com NT 201 variaram entre

10,00 (1º intervalo) e 13,14 semanas (3º e 6º intervalo).

Espasticidade dos membros superiores

estudo

piloto

(duplamente

cego,

controlado

placebo,

multicêntrico)

realizado em doentes com espasticidade dos membros superiores após AVC, 148

doentes foram aleatorizados para receberem Xeomin (n=73) ou Placebo (n=75) de

acordo com as recomendações de dose para o início do tratamento, presentes na

secção 4.2 do RCM. A dose cumulativa até 6 tratamentos repetidos foi, em média, de

1333 unidades (máximo de 2395 unidades) durante um período de exposição até 89

semanas.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Como determinado para os parâmetros de eficácia primários (taxas de resposta dos

flexores do punho de acordo com a escala Ashworth na semana 4, resposta definida

como melhoria de pelo menos 1 ponto nos 5 pontos da escala Ashworth), doentes

tratados com Xeomin (taxa de resposta: 68,5%) tinham uma probabilidade 3,97

vezes maior de resposta comparativamente aos doentes tratados com placebo (taxa

de resposta: 37,3%; 95% IC: 1,90 a 8,30; p<0,001, população a ser tratada)

Este estudo de dose fixa não foi desenhado de forma a diferenciar os doentes

masculinos dos femininos, contudo numa análise post-hoc as taxas de resposta

foram superiores em doentes femininos (89,3%) comparativamente a doentes

masculinos (55,6%), sendo a diferença apenas estatisticamente significativa para as

mulheres. Todavia, as taxas de resposta em doentes masculinos, medidas através da

escala de Ashworth após 4 semanas, em doentes tratados com Xeomin foram

consistentemente maiores em todos os grupos musculares tratados, comparado com

o placebo.

As taxas de resposta foram semelhantes nos homens comparativamente às mulheres

no período de extensão aberto do estudo (foi possível a flexibilidade de dose neste

período

ensaio),

doentes

foram

incluídos

foram

administrados até 5 ciclos de injeções, assim como no estudo cego observacional

(número EudraCT 2006-0030036-30) em que a eficácia e segurança do Xeomin

foram avaliadas em 2 diluições diferentes e em 192 doentes com espasticidade dos

membros superiores de diferente etiologia.

Outro ensaio clínico de fase III, de dupla ocultação e controlado com placebo,

envolveu um total de 317 doentes, não tratados, com espasticidade do membro

superior durante pelo menos três meses pós-AVC. Durante o período principal (PP),

uma dose total fixa de Xeomin (400 unidades) foi administrada por via intramuscular

ao padrão clínico de alvo primário definido, escolhido entre os padrões de cotovelo

fletido, o pulso fletido ou punho fechado e outros grupos musculares afetados (n =

210). A análise confirmatória das variáveis de eficácia primária e co-primária na

semana 4 pós-injeção demonstrou melhorias estatisticamente significativas na taxa

de resposta na escala de Ashworth, ou mudanças a partir da linha de base na escala

de Ashworth e da Impressão Global do Investigador da Alteração.

296 doentes tratados completaram o PP e participaram do primeiro ciclo de Extensão

Aberta (OLEX). Durante o Período de Extensão, os doentes receberam até três

injeções. Cada ciclo OLEX consistiu em uma única sessão de tratamento (400

unidades de dose total de Xeomin, distribuídas de forma flexível entre todos os

músculos afetados), seguido de um período de observação de 12 semanas. A

duração total do estudo foi de 48 semanas.

O tratamento dos músculos dos ombros foi investigado num estudo de fase III

aberto,

incluiu

doentes

necessidade

clínica

tratamento

espasticidade combinada dos membros superiores e inferiores. O protocolo de estudo

permitiu a administração de doses até 600 unidades de Xeomin no membro superior.

Este estudo mostrou uma relação positiva entre o aumento de doses de Xeomin e a

melhoria da condição do doente como avaliada pela Escala de Ashworth e outras

variáveis de eficácia sem comprometer a segurança do doente ou da tolerabilidade

do Xeomin.

Sialorreia crónica

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

O estudo clinico piloto duplamente cego, controlado com placebo, de fase III foi

conduzido num total de 184 doentes com sialorreia durante pelo menos durante três

meses em resultado de doença de Parkinson, parkinsonismo atipico, enfarte ou lesão

cerebral traumática. Durante o período principal (PP) a dose fixa total de Xeomin

(100 ou 75 unidades) ou placebo foi administrada intraglandularmente a uma taxa

de dose definida de 3:2 nas glândulas parótidas e submandibular, respectivamente.

uSFR (g/min)

GICS (pontuação)

Tratament

Tempo

observ

ações

média

(erro

padrão da média)

observaç

ões

LS média (erro padrão

da média)

Placebo

Semana 4

-0,04 (0,033)

0,67 (0,186)

unidades

Semana 4

-0,13 (0,026)

1,25 (0,144)

unidades

Semana 8

-0,13 (0,026)

1,30 (0,148)

unidades

Semana 12

-0,12 (0,026)

1,21 (0,152)

unidades

Semana 16

-0,11 (0,027)

0,93 (0,152)

uSFR: Taxa de fluxo salivar não estimulado; GICS: Escala de Impressão de Alteração

Global; LS: Média da diferença do basal

Na semana 4, pelo menos 1 ponto de melhoria do GICS (parâmetro co-primário) foi

observado

em 73%

doentes tratados

unidades

Xeomin em

comparação com 44% dos doentes no grupo placebo. A análise confirmatória de

ambas as variáveis de eficácia co-primárias (uSFR e GICS na semana 4 pós-injeção)

demonstrou melhorias estatisticamente significativas do grupo de tratamento com

100 unidades em comparação com o placebo. Melhorias nos parâmetros de eficácia

nas semanas 8 e 12 pós-injeção podiam ser observadas e foram mantidas até o

último ponto de observação do PP na semana 16. As variáveis de eficácia co-

primárias na semana 4 demonstraram resultados superiores para o método de

ultrassons em comparação com os métodos anatómicos para aplicação guiada (uSFR

valor p 0,019 vs 0,099 e GICS 0,003 vs 0,171).

173 doentes tratados completaram o PP e entraram no Período de Extensão (PE). O

PE consistiu em três ciclos de dose cega, cada um com uma única sessão de

tratamento (100 ou 75 unidades de dose total de Xeomin, com a mesma razão de

dose que no PP) seguido por um período de observação de 16 semanas. 151 doentes

completaram

resultados

confirmaram

observações

mostrando os benefícios do tratamento contínuo com 100 unidades de Xeomin.

População pediátrica

Agência Europeia

Medicamento

dispensou

obrigação

submeter

resultados dos estudos com Xeomin:

- em todos os subconjuntos da população pediátrica no tratamento de distonia e em

crianças e bebés dos 0 aos 24 meses no tratamento da espasticidade muscular

- na população pediátrica desde o nascimento até menos de 2 anos e postergou essa

obrigação para doentes com idade entre os 2 anos e os 18 anos de idade para o

tratamento de sialorreia crónica.

Consulte a seção 4.2 para obter informações sobre uso pediátrico.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

5.2 Propriedades farmacocinéticas

Características gerais da substância ativa

Não se realizaram estudos clássicos de cinética e distribuição com a neurotoxina

botulínica do tipo A visto que a substância ativa é administrada em quantidades

muito pequenas (picogramas por injeção) e se liga rapidamente e irreversivelmente

às terminações nervosas colinérgicas.

A toxina botulínica do tipo A nativa é um complexo de peso molecular elevado que,

além

neurotoxina

(150 kD),

contém

outras

proteínas

não

tóxicas,

como

hemaglutininas e não hemaglutininas. Ao contrário das preparações convencionais

contendo complexo neurotoxina botulínica de tipo A, Xeomin contém neurotoxina

purificada (150 kD) porque não contém proteínas complexantes, pelo que apresenta

um baixo teor de proteínas estranhas. O teor de proteínas estranhas administrado é

considerado como um dos fatores que contribui para o insucesso da terapêutica

secundária.

Demonstrou-se que a neurotoxina botulínica do tipo A sofre transporte axonal

retrógrado

após

injeção

intramuscular.

Contudo,

não

observou

doses

terapeuticamente relevantes a passagem transsináptica retrógrada da neurotoxina

botulínica do tipo A no sistema nervoso central.

A neurotoxina botulínica do tipo A ligada a recetores é endocitada, a nível das

terminações nervosas antes de atingir o seu alvo (SNAP 25) e é depois degradada

intracelularmente. As moléculas livres circulantes de neurotoxina botulínica do tipo A

não

ligaram

recetores

pré-sinápticos

terminações

nervosas

colinérgicas são fagocitadas ou pinocitadas e degradadas como qualquer outra

proteína livre circulante.

Distribuição da substância ativa em doentes

Não se realizaram estudos farmacocinéticos no ser humano com Xeomin pelas razões

acima descritas.

5.3 Dados de segurança pré-clínica

Com base em estudos convencionais de segurança farmacológica cardiovascular e

intestinal, dados não clínicos revelam não existir qualquer risco particular para seres

humanos.

Os resultados dos estudos de toxicidade de dose repetida na toxicidade sistémica do

Xeomin

após

injeção

intramuscular

animais

estavam

maioritariamente

relacionados com a sua ação farmacodinâmica, i.e. atonia, paresia e atrofia do

músculo injetado.

Similarmente, o peso da glândula salivar submandibular injetada foi reduzido em

todos os níveis de dose e a atrofia acinar da glândula salivar foi observada na dose

mais elevada de 40 unidades/ kg após quatro injeções repetidas de Xeomin em

intervalos de 8 semanas em ratos.

Não surgiram evidências de intolerabilidade local. Estudos de toxicidade reprodutiva

com o Xeomin, também não demonstraram quaisquer efeitos adversos na fertilidade

feminina ou masculina em coelhos, nem efeitos diretos no desenvolvimento embrio-

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

fetal ou pré e pós-natal em ratos e/ou coelhos. No entanto, a administração de

Xeomin em intervalos diários, semanais ou em cada duas semanas nos estudos de

embriotoxicidade em níveis de doses apresentaram uma redução do peso corporal

materno, aumentou o número de abortos em coelhos e um ligeiro decréscimo do

peso corporal fetal em ratos. Não se pode presumir nestes estudos que a exposição

sistémica

contínua

mães

durante

fase

sensível

(desconhecida)

organogénese constitua necessariamente um pré-requisito para a indução de efeitos

teratogénicos.

Em conformidade, as margens de segurança com respeito à terapêutica clínica foram

geralmente baixas em termos de elevadas doses clínicas.

Não se realizaram estudos de genotoxicidade ou carcinogenecidade com Xeomin.

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1 Lista dos excipientes

Albumina humana

Sacarose

6.2 Incompatibilidades

Este medicamento não deve ser misturado com outros medicamentos, exceto os

mencionados na secção 6.6.

6.3 Prazo de validade

Xeomin 50 unidades pó para solução injetável: 3 anos

Xeomin 100 unidades pó para solução injetável: 4 anos

Xeomin 200 unidades pó para solução injetável: 3 anos

Solução reconstituída

A estabilidade física e química em uso foi demonstrada durante 24 horas entre 2°C a

8°C.

Do ponto de vista microbiológico, o produto deve ser utilizado imediatamente. Se

não for utilizado imediatamente, as condições e os tempos de conservação em uso

anteriores à utilização são da responsabilidade do utilizador e não devem ser

superiores a 24 horas entre 2 ºC a 8 ºC, a menos que a reconstituição tenha sido

efetuada em condições de assepsia controladas e validadas.

6.4 Precauções especiais de conservação

Não conservar acima de 25°C.

Para condições de conservação após a reconstituição do medicamento, ver secção

6.3.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Frasco para injetáveis (vidro tipo 1) com rolha de borracha (bromobutilo) e com

cápsula inviolável (alumínio).

Xeomin 50 unidades pó para solução injetável: Embalagens de 1, 2, 3 ou 6 frascos

para injetáveis, cada um contendo 50 unidades.

Xeomin 100 unidades pó para solução injetável: Embalagens de 1, 2, 3, 4 ou 6

frascos para injetáveis, cada um contendo 100 unidades.

Xeomin 200 unidades pó para solução injetável: Embalagens de 1, 2, 3, 4 ou 6

frascos para injetáveis, cada um contendo 200 unidades.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6 Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Reconstituição

Xeomin é reconstituído antes da utilização com solução de cloreto de sódio a

9 mg/ml (0,9%), para preparações injetáveis. A reconstituição e diluição devem ser

feitas de acordo com as normas das boas práticas clinicas particularmente no que

respeita a assepsia.

É uma boa prática reconstituir o conteúdo do frasco para injetáveis e preparar a

seringa sobre toalhas de papel revestidas por plástico para recolher quaisquer

derrames. Aspira-se para a seringa a quantidade apropriada de solução de cloreto de

sódio (ver tabela de diluição). Recomenda-se para reconstituição uma agulha curta

com bisel de 20-27 gauge. Após introdução vertical da agulha, através da rolha de

borracha, o solvente é injetado cuidadosamente no frasco para injetáveis, de forma a

evitar a formação de espuma. O frasco para injetáveis deve ser eliminado se o vácuo

não aspirar o solvente para o seu interior. A seringa deve ser retirada do frasco para

injetáveis e Xeomin deve ser misturado com o solvente agitando e invertendo e

rondando cuidadosamente o frasco para injetáveis- a solução não deve ser agitada

vigorosamente.

necessário,

agulha

utilizada

para

reconstituição

deve

permanecer no frasco para injetáveis e a quantidade de solvente necessária deve ser

retirada com uma nova agulha estéril adequada para injeção.

Xeomin reconstituído é uma solução límpida e incolor.

Xeomin não pode ser utilizado se a solução reconstituída tiver um aspeto turvo, ou

contiver flocos ou partículas.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

Deve

utilizado

cuidadosamente

volume

correto

solvente

para

apresentação escolhida para prevenir sobredosagem acidental. Se estiverem a ser

utilizados diferentes tamanhos de frascos para injetáveis de Xeomin como parte do

procedimento de uma injeção, deverá ter-se cuidado para utilizar a quantidade

correta de solvente aquando da reconstituição de um número particular de unidades

por 0,1 ml. A quantidade de solvente varia entre Xeomin 50 unidades, Xeomin 100

unidades

Xeomin

unidades.

Cada

seringa

deverá

rotulada

conformidade.

As concentrações possíveis para Xeomin 50, 100 e 200 unidades estão indicadas na

tabela seguinte:

Dose

resultante

(em unidades

por 0,1 ml)

Solvente adicionado

(solução de cloreto de sódio a 9 mg/ml (0,9 %) para preparações

injetáveis)

Frasco

para

injetáveis

unidades

Frasco

para

injetáveis

unidades

Frasco para injetáveis

com 200 unidades

20 unidades

0,25 ml

0,5 ml

1 ml

10 unidades

0,5 ml

1 ml

2 ml

8 unidades

0,625 ml

1,25 ml

2,5 ml

5 unidades

1 ml

2 ml

4 ml

4 unidades

1,25 ml

2,5 ml

5 ml

2,5 unidades

2 ml

4 ml

Não aplicável

2 unidades

2,5 ml

5 ml

Não aplicável

1,25 unidades

4 ml

Não aplicável

Não aplicável

Toda a solução injetável que tiver sido conservada durante mais de 24 horas, assim

como toda a solução injetável não utilizada devem ser eliminadas.

Procedimento a seguir para uma eliminação segura dos frascos para injetáveis,

seringas e materiais utilizados

Quaisquer frascos para injetáveis não utilizados, solução remanescente no frasco

para injetáveis e/ou seringas devem ser autoclavados. Alternativamente, o Xeomin

remanescente pode ser inativado adicionando uma das seguintes soluções: etanol

70%,

isopropanol

50%,

0,1%

(detergente

aniónico),

solução

diluída

hidróxido de sódio (NaOH 0,1N) ou uma solução diluída de hipoclorito de sódio (de

pelo menos 0,1% NaOCl).

Após inativação os frascos para injetáveis, seringas e materiais utilizados não devem

ser esvaziados e devem ser eliminados em recipientes adequados de acordo com as

exigências locais.

Recomendações caso ocorra algum incidente durante o manuseamento de Toxina

Botulínica do tipo A

- Qualquer derrame de produto deve ser limpo: utilizando material absorvente

impregnado com qualquer uma das soluções acima listadas no caso de ser pó, ou

com material absorvente e seco no caso de produto já reconstituído.

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

superfícies

contaminadas

devem

lavadas

material

absorvente

impregnado com qualquer uma das soluções acima mencionadas, e seguidamente

devem ser secas.

- Se o frasco para injetáveis estiver quebrado, deve-se proceder da forma acima

descrita recolhendo cuidadosamente os pedaços de vidro partido e limpando o

produto, evitando quaisquer cortes na pele.

- Se o produto entrar em contato com a pele, a área afetada deve ser enxaguada

abundantemente com água.

- Se o produto entrar nos olhos, deve-se lavar abundantemente os olhos com água

ou com uma solução de lavagem oftálmica.

- Se o produto entrar em contato com uma ferida, com pele lesada ou cortada, a

pele deve ser lavada abundantemente com água. Deve ser adotado o procedimento

clínico apropriado tendo em consideração a dose injetada.

Estas instruções de manuseamento e eliminação devem ser rigorosamente seguidas.

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Merz Pharmaceuticals GmbH

Eckenheimer Landstraße 100

60318 Frankfurt/Main

Alemanha

Telefone: +49-69/15 03-1

Fax: +49-69/15 03-200

8. NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Xeomin 50 unidades pó para solução injetável

Nº de registo: 5392378 - 1 frasco para injetáveis

Nº de registo: 5392402 - 2 frascos para injetáveis

Nº de registo: 5392410 - 3 frascos para injetáveis

Nº de registo: 5392428 - 6 frascos para injetáveis

Xeomin 100 unidades pó para solução injetável

Nº de registo: 5065461 - 1 frasco para injetáveis

Nº de registo: 5065479 - 2 frascos para injetáveis

Nº de registo: 5065503 - 3 frascos para injetáveis

Nº de registo: 5392279 - 4 frascos para injetáveis

Nº de registo: 5065511 - 6 frascos para injetáveis

Nº de registo: 5065529 - 6 frascos para injetáveis

Xeomin 200 unidades pó para solução injetável

Nº de registo: 5682661 - 1 frasco para injetáveis

Nº de registo: 5682679 - 2 frascos para injetáveis

Nº de registo: 5682703 - 3 frascos para injetáveis

Nº de registo: 5682711 - 4 frascos para injetáveis

Nº de registo: 5682737 - 6 frascos para injetáveis

Nº de registo: 5682729 - 6 frascos para injetáveis

APROVADO EM

26-07-2019

INFARMED

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE

INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização:

Xeomin 50 unidades pó para solução injetável: 15 de Junho de 2011

Xeomin 100 unidades pó para solução injetável: 21de Novembro de 2007

Xeomin 200 unidades pó para solução injetável: 02de Junho de 2016

Data da última renovação:

Xeomin 50 unidades pó para solução injetável: 15 de novembro de 2016

Xeomin 100 unidades pó para solução injetável: 15 de novembro de 2016

10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação