Wilate 1000 1000 UI/10 ml + 1000 UI/10 ml Pó e solvente para solução injetável

Portugal - português - INFARMED (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Factor VIII da coagulação humana + Factor de Von Willebrand humano
Disponível em:
Octapharma - Produtos Farmacêuticos Lda.
Código ATC:
B02BD06
DCI (Denominação Comum Internacional):
Factor VIII coagulation human + Factor Von Willebrand human
Dosagem:
1000 UI/10 ml + 1000 UI/10 ml
Forma farmacêutica:
Pó e solvente para solução injetável
Composição:
Factor VIII da coagulação humana 100 U.I./ml - Factor de Von Willebrand humano 100 U.I./ml
Via de administração:
Via intravenosa
Unidades em pacote:
Frasco para injectáveis - 1 unidade(s) - 10 ml
Tipo de prescrição:
MSRM
Grupo terapêutico:
4.4.2 Hemostáticos
Área terapêutica:
von Willebrand factor and coagulation factor VIII in combination
Resumo do produto:
5433933 - Frasco para injetáveis 1 unidade(s) 10 ml - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 3 Ano(s)Temperatura: de 2 a 8°CTipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 2 Mese(s)Temperatura: inferior a 25°CTipo de embalagem: ReconstituídaPrazo de validade: 12 Hora(s)Temperatura: inferior a 25°C - Comercializado - 10106849 - 50122223
Status de autorização:
Autorizado
Número de autorização:
DE/H/0471/004/DC
Data de autorização:
2012-01-09

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Wilate 500, 500 UI de FvW + 500 UI de FVIII, pó e solvente para solução injetável

Wilate 1000, 1000 UI de FvW + 1000 UI de FVIII, pó e solvente para solução

injetável

Fator von Willebrand da coagulação humana.

Fator VIII da coagulação humana.

Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento, pois contém

informação importante para si.

- Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.

- Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.

- Este medicamento foi receitado apenas para si. Não deve dá-lo a outros. O

medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sinais de

doença.

- Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não

indicados neste folheto, fale com o seu médico ou farmacêutico.Ver secção 4.

O que contém este folheto:

1. O que é Wilate e para que é utilizado.

2. O que precisa de saber antes de utilizar Wilate.

3. Como utilizar Wilate.

4. Efeitos secundários possíveis.

5. Como conservar Wilate.

6. Conteúdo da embalagem e outras informações.

1. O QUE É WILATE E PARA QUE É UTILIZADO

O Wilate pertence ao grupo farmacoterapêutico de medicamentos designado por

fatores de coagulação e contém os fatores von Willebrand (FvW) e fator VIII da

coagulação

humana.

conjunto,

estas

duas

proteínas

estão

envolvidas

coagulação sanguínea.

Doença de von Willebrand

Wilate é usado para o tratamento e profilaxia da hemorragia em pessoas com doença

de von Willebrand (DvW) que designa um conjunto de doenças relacionadas. A VWD

(Doença de von Willebrand) é um distúrbio hemorrágico que se caracteriza por um

episódio de hemorragia mais prolongado do que o expectável.

Hemofilia A

Wilate é usado para o tratamento e profilaxia da hemorragia em pessoas com

hemofilia A. Na hemofilia A, as hemorragias podem ser mais prolongadas que o

esperado por ausência congénita de fator VIII no sangue.

2. O QUE PRECISA DE SABER ANTES DE UTILIZAR O WILATE

Não utilize Wilate

Se tem alergia (hipersensibilidade) aos von Willebrand e fatores de coagulação

sanguíneos VIII ou a qualquer outro componente deste medicamento (indicados na

secção 6).

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

Advertências e precauções

Fale com o seu médico ou farmacêutico antes de utilizar Wilate

Qualquer medicamento, como o Wilate, preparado a partir do sangue humano

(contém proteínas) e para administração numa veia (via intravenosa) pode causar

reações alérgicas. Deverá estar atento aos sinais precoces de reações alérgicas

(hipersensibilidade) incluindo: urticária, rash cutâneo, sensação de aperto torácico,

respiração ruidosa, pressão arterial baixa ou anafilaxia (quando qualquer um dos

sintomas ou todos aparecem rapidamente e de forma intensa).

Na presença de qualquer um destes sintomas, interrompa imediatamente a injeção e

consulte o seu médico.

Quando se fabricam medicamentos derivados do sangue ou do plasma humano são

tomadas medidas no sentido de prevenir a transmissão de infeções aos doentes.

Estas medidas incluem a seleção cuidada de dadores de sangue e de plasma para

assegurar que o risco de transmissão de infeções é excluído, a realização de testes

de cada dádiva e das pools plasmáticas para despiste de vírus/infeções e a inclusão

no processamento do sangue ou plasma de etapas que podem inativar ou remover

vírus. Apesar destas medidas, a possibilidade de contágio ou infeção não pode ser

totalmente excluída quando se administram medicamentos derivados do sangue ou

plasma humano. Isto aplica-se também aos agentes infecciosos de origem até ao

momento desconhecida ou outros tipos de infeções.

As medidas implementadas são consideradas eficazes para os vírus com invólucro,

como o vírus da imunodeficiência humana (VIH), o vírus da hepatite B, o vírus da

hepatite C e o vírus sem invólucro da hepatite A. Essas medidas podem ser de valor

limitado para os vírus sem invólucro como o parvovírus B19.

A infeção por parvovírus B19 pode ser grave nas mulheres grávidas (infeção fetal) e

nos doentes imunodeficientes ou com alguns tipos de anemia (por exemplo, doença

falciforme ou com taxa de destruição dos glóbulos vermelhos aumentada).

Recomenda-se, a cada administração de Wilate, o registo do nome e número de lote

do produto para manter a rastreabilidade dos lotes usados.

O seu médico pode recomendar que considere a vacinação apropriada contra a

hepatite A e B se for receber regular/repetidamente medicamentos com fator

vW/fator VIII derivados do plasma humano.

Doença de von Willebrand

Informação sobre efeitos secundários relacionados com o tratamento da Doença de

von Willebrand, ver secção 4.

Hemofilia

A formação de inibidores (anticorpos) é uma complicação conhecida que pode

ocorrer durante o tratamento com todos os medicamentos com o fator VIII. Estes

inibidores, sobretudo em concentrações elevadas, impedem o funcionamento correto

do tratamento e você ou a sua criança serão monitorizados cuidadosamente para

verificar o desenvolvimento destes inibidores. Se a sua hemorragia ou a da sua

criança

não

estiver

controlada

Wilate,

informe

médico

imediatamente.

Informação sobre efeitos secundários relacionados com o tratamento da hemofilia A,

ver secção 4.

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

Outros medicamentos e Wilate

Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a utilizar, ou tiver utilizado

recentemente, ou se vier a utilizar outros medicamentos.

Embora não sejam conhecidas interações com outros medicamentos, informe o seu

médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros

medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Não misture Wilate com outros medicamentos durante a injeção.

Gravidez, aleitamento e fertilidade

Se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar,

consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar este medicamento.

Wilate contém sódio

Este medicamento contém até 58,7 mg de sódio (principal componente de sal de

cozinha/sal de mesa) por frasco de 500 UI de FvW/500 UI FVIII, e até 117,3 mg de

sódio por frasco de 1000 UI de FvW/1000 UI FVIII. Isto equivale a 2,89% e 5,87%,

respetivamente, da ingestão diária máxima de sódio recomendada na dieta para um

adulto.

3. COMO UTILIZAR O WILATE

Wilate deve ser injetado numa veia (administração intravenosa) após reconstituição

do pó com o solvente fornecido. O tratamento deve ser iniciado sob a supervisão de

um médico.

Posologia

A dose de Wilate e a frequência do tratamento são determinadas pelo seu médico

individualmente para si. Utilizar Wilate sempre de acordo com as indicações do

médico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

Se utilizar mais Wilate do que deveria

Não são conhecidos sintomas de sobredosagem com os fatores vW ou VIII da

coagulação humana. No entanto, a dose recomendada não deve ser excedida.

Caso se tenha esquecido de utilizar Wilate

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu

médico ou farmacêutico.

4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS

Como todos os medicamentos, Wilate pode causar efeitos secundários, no entanto

estes não se manifestam em todas as pessoas.

Embora

pouco

frequentes

foram

observadas

reações

alérgicas

hipersensibilidade. Estas reações podem incluir sensação de queimadura ou picada

no local de injeção, calafrios, eritema, cefaleia, urticária, pressão arterial baixa

(hipotensão), fadiga (letargia), enjoo (náusea), agitação, aumento da frequência

cardíaca

(taquicardia),

sensação

aperto

torácico,

sensação

picadas

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

(formigueiro), vómitos, respiração ruidosa, inchaços repentinos em diversos locais do

corpo (angioedema).

Consulte o seu médico se apresentar qualquer um destes sintomas.

Interrompa

imediatamente

utilização

Wilate

apresentar

sintomas

angioedema, tais como:

Inchaço da face, língua ou garganta (faringe);

Dificuldade em engolir;

Urticária e dificuldade em respirar.

Embora pouco frequente, observou-se também febre.

tosse

também

pode

ocorrer, mas

desconhece-se

frequência

deste

efeito

secundário.

Em casos muito raros, as reações de hipersensibilidade podem progredir para reação

alérgica grave ou anafiláctica (quando um ou mais dos sintomas acima descritos se

desenvolve de forma intensa e rápida) podendo incluir choque. Em caso de choque

anafilático deve ser iniciado o tratamento de acordo com as recomendações em vigor

para o tratamento do choque.

Doença de von Willebrand

O tratamento continuado com concentrados de fator VIII com FvW para tratar a

doença de von Willebrand pode originar níveis plasmáticos excessivos de fator VIII e

aumentar o risco de problemas na circulação sanguínea (trombose).

apresenta

fatores

risco

laboratorial

clínico

conhecidos

deve

monitorizado para sinais precoces de trombose. O seu médico decidirá, de acordo

com as recomendações em vigor, se deverá iniciar prevenção (profilaxia) de

episódios trombóticos.

doença

Willebrand,

especialmente

tipo

doentes

podem

desenvolver inibidores contra o FvW (anticorpos neutralizantes). Nestes casos muito

raros a presença dos inibidores pode interromper a eficácia do Wilate.

Se a hemorragia continuar, o seu sangue deverá ser analisado para verificar se estes

inibidores estão presentes.

Os anticorpos podem aumentar o risco de reação alérgica grave (choque anafilático).

Deste modo, se tiver uma reação alérgica, a presença de inibidores deve ser

avaliada.

Se lhe tiver sido diagnosticado um inibidor, recomenda-se que contacte um médico

com experiência no tratamento de doenças da coagulação. Em doentes com elevados

níveis de inibidores pode ser benéfico, e deve ser considerado, outro tipo de

tratamento.

Hemofilia A

Para crianças não tratadas previamente com medicamentos com fator VIII, pode

ocorrer a formação de anticorpos inibidores (ver secção 2) é muito frequente (mais

de 1 em 10 doentes); no entanto, para doentes que receberam tratamento prévio

com fator VIII (mais de 150 dias de tratamento), o risco é pouco frequente (menos

de 1 em 100 doentes). Se isto acontecer, os medicamentos que você ou a sua

criança estão a tomar podem deixar de funcionar adequadamente e você ou a sua

criança podem apresentar hemorragias persistentes. Se isto acontecer, contacte o

seu médico imediatamente.

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

Os anticorpos podem aumentar o risco de reação alérgica grave (choque anafilático).

Deste modo, se tiver uma reação alérgica, a presença de inibidores deve ser

avaliada.

Pouco frequente: ocorre em 1 a 10 utilizadores em cada 1.000;

Raro: ocorre em 1 a 10 utilizadores em cada 10.000;

Muito raro: ocorre em menos de 1 em cada 10.000 utilizadores.

Não existe informação suficiente para recomendar o uso de Wilate em doentes não

previamente tratados.

A experiência no tratamento de crianças com menos de 6 anos com Wilate é

limitada.

Para

informação

sobre

segurança

viral

consultar

secção

(Advertências

precauções).

Comunicação de efeitos secundários

Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não

indicados neste folheto, fale com o seu médico, ou farmacêutico ou enfermeiro.

Também poderá comunicar efeitos secundários diretamente ao INFARMED, I.P.

através dos contactos abaixo. Ao comunicar efeitos secundários, estará a ajudar a

fornecer mais informações sobre a segurança deste medicamento.

INFARMED, I.P.

Direção de Gestão do Risco de Medicamentos

Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53

1749-004 Lisboa

Tel: +351 21 798 7373

Linha do Medicamento: 800222444 (gratuita)

Fax: + 351 21 798 73 97

Sítio da internet: http://www.infarmed.pt/web/infarmed/submissaoram

E-mail: farmacovigilancia@infarmed.pt

5. COMO CONSERVAR WILATE

Manter este medicamento fora do alcance e da vista das crianças.

Conservar no frigorífico (2ºC - 8ºC).

Não congelar.

Conservar os frascos para injetáveis na embalagem de origem para proteger da luz.

Não utilize Wilate após o prazo de validade impresso no rótulo.

O Wilate pode ser armazenado à temperatura ambiente (máx. 25ºC) durante 2

meses. Neste caso o produto perde a validade ao fim de dois meses após ter sido

pela primeira vez retirado do frigorífico. A nova data de validade deve ser registada

por si na cartonagem exterior.

O pó deve ser reconstituído imediatamente antes da injeção. A solução reconstituída

é estável durante 4 horas à temperatura ambiente. No entanto, devido ao risco de

contaminação microbiológica a solução reconstituída deve ser usada de imediato e

numa única toma. Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo

doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já

não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.

6. CONTEÚDO DA EMBALAGEM OUTRAS INFORMAÇÕES

Qual a composição de Wilate

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

- As substâncias ativas são os fatores da coagulação humana von Willebrand (FvW) e

fator VIII (FVIII).

- Os outros componentes são: cloreto de sódio, glicina, sacarose, citrato de sódio e

cloreto

cálcio.

Solvente:

água

para

preparações

injetáveis

0,1%

Polisorbato 80.

Qual o aspeto de Wilate e conteúdo da embalagem

Pó liofilizado: pó ou sólido friável de cor branca ou ligeiramente amarelada.

Solução reconstituída: transparente ou com um ligeiro brilho perlado.

O Wilate apresenta-se na forma de pó e solvente para solução injetável. Existem 2

apresentações:

Wilate 500, 500 UI de FvW e 500 UI de FVIII, pó e solvente para solução injetável,

com uma composição nominal por frasco para injetáveis de 500 UI de fator von

Willebrand e 500 UI de fator VIII da coagulação humana. Após reconstituição com 5

ml de água para preparações injetáveis com 0,1% de Polisorbato 80 (solvente), a

solução contém aproximadamente 100 UI/ml de fator von Willebrand e 100 UI/ml de

fator VIII.

Wilate 1000, 1000 UI de FvW e 1000 UI de FVIII, pó e solvente para solução

injetável, com uma composição nominal por frasco para injetáveis de 1000 UI de

fator

von Willebrand

1000 UI

fator

VIII

coagulação

humana.

Após

reconstituição com 10 ml de água para preparações injetáveis com 0.1% de

Polisorbato 80 (solvente), a solução contém aproximadamente 100 UI/ml de fator

von Willebrand e 100 UI/ml de fator VIII.

Conteúdo da embalagem:

1 Frasco para injetáveis com pó

1 Frasco para injetáveis com solvente

1 Conjunto de dispositivos médicos:

1 seringa descartável;

1 conjunto de transferência (Mix2VialTM);

1 conjunto de perfusão;

2 compressas embebidas em álcool.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante

Titular da Autorização de Introdução no Mercado:

Octapharma Produtos Farmacêuticos Lda.

Rua dos Lagares d’el Rei 21-C r/c Dto.

1700 – 268 Lisboa

Para

quaisquer

informações

sobre

este

medicamento,

queira

contactar

representante local do titular da Autorização de Introdução no Mercado.

Portugal: Tel: + 351 218160 820

Fabricante:

Octapharma Pharmazeutika Produktionsges.m.b.H.

Oberlaaerstr. 235

A-1100 Viena, Áustria

Este folheto foi aprovado pela última vez em 07/2019.

Este

medicamento

encontra-se

autorizado

Estados

Membros

Espaço

Económico Europeu (EEE) sob as seguintes denominações:

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

Alemanha,

Áustria,

Bélgica,

Bulgária,

Croácia,

Chipre,

Eslovénia,

Eslováquia,

Espanha,

Estónia,

Répública

Checa,

Hungria,

Irlanda,

Itália,

Letónia,

Lituânia,

Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Polónia, Portugal, Reino Unido, Roménia,: Wilate

500/Wilate 1000

Finlândia, Noruega, Suécia: Wilate

Dinamarca: Wilnativ

França: Eqwilate 500/ Eqwilate 1000

Instruções para o Tratamento em Casa

Por favor leia todas as instruções e siga-as cuidadosamente!

Não utilize o Wilate após o prazo de validade indicado no rótulo.

A esterilidade deve ser mantida durante todo o processo de reconstituição e

administração.

medicamento

reconstituído

deve

visualmente

inspecionado

para

detetar

possíveis partículas e uma alteração de cor antes de ser administrado.

A solução deve ser transparente ou ligeiramente opalescente. Não usar soluções

turvas ou cujo pó não tenha dissolvido completamente.

Use a solução imediatamente após a preparação para prevenir a contaminação

microbiana.

Utilize apenas o conjunto de injeção fornecido. O uso de outros dispositivos de

injeção/perfusão podem ter riscos adicionais e o tratamento ser ineficaz.

Instruções para preparar a solução de Wilate (reconstituição):

1. Não utilizar o produto diretamente do frigorífico. Permitir que o pó e o solvente

nos frascos para injetáveis fechados atinjam a temperatura ambiente;

2. Remover as cápsulas dos frascos para injetáveis do pó e do solvente e desinfetar

as tampas de borracha com uma das compressas embebidas em álcool;

3. O Mix2vialTM está representado na Fig.1. Colocar o frasco do solvente numa

superfície plana e segurar com firmeza. Segurar o Mix2vialTM na posição invertida.

Apoiar a parte azul do dispositivo Mix2vialTM no topo do frasco do solvente e

pressionar firmemente para baixo até quebrar (Fig. 2 + 3);

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

4. Colocar o fraco do pó numa superfície plana e segurar com firmeza. Segurar o

frasco

solvente

Mix2vialTM

posição

invertida.

Apoiar

parte

transparente do dispositivo Mix2vialTM no topo do frasco do pó e pressionar

firmemente para baixo até quebrar (Fig. 4). O solvente passa automaticamente para

o frasco que contém o pó;

5. Com ambos os frascos ainda unidos, rodar suavemente o frasco do pó até este

dissolver completamente.

A dissolução é completa em menos de 10 minutos à temperatura ambiente. Pode

ocorrer a formação de uma leve espuma durante a dissolução. Desenroscar o

dispositivo Mix2vialTM em duas partes (Fig. 5). A espuma desaparecerá.

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

Eliminar o frasco do solvente vazio e a parte azul do Mix2vialTM.

Instruções para injeção:

Como medida de precaução, deve-se controlar a pulsação do doente antes e durante

a injeção. Se houver um aumento marcado da pulsação, reduzir a velocidade de

perfusão ou interromper a injeção.

1. Fixar a seringa à parte transparente do Mix2vialTM. Inverter o frasco e transferir a

solução para a seringa (Fig 6).

Na seringa, a solução apresenta-se transparente ou com um ligeiro brilho perlado.

Quando a solução tiver sido transferida, segurar com firmeza o êmbolo da seringa

(mantendo-o virado para baixo) e remover a seringa do Mix2vialTM (Fig. 7).

Descarte o Mix2vialTM e o frasco vazio;

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

2. Limpar o local de injeção com uma compressa embebida em álcool;

3. Fixar a agulha de perfusão (butterfly) à seringa;

4. Introduzir a agulha na veia escolhida. Em caso de usar um garrote para melhor

visualizar a veia, este deve ser removido antes de iniciar a injeção do Wilate. O

sangue não deve fluir para a seringa devido ao risco de formação de coágulos.

Injetar de imediato a solução por via intravenosa a uma velocidade de administração

inferior a 2-3 ml/minuto.

Em caso de utilizar mais de um frasco de Wilate pode usar a mesma agulha de

perfusão e seringa. O Mix2vialTM só pode ser usado uma vez.

Todo o produto remanescente e o material utilizado devem ser eliminados de acordo

com os requisitos locais.

O Wilate não deve ser misturado ou administrado (no mesmo conjunto de perfusão)

com outros medicamentos.

Só devem ser utilizados os conjuntos de perfusão fornecidos. Caso contrário, a

eficácia do tratamento poderá ser reduzida devido à adsorção do FvW/fator VIII nas

paredes internas de alguns dispositivos.

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1. Nome do medicamento

Wilate 500, 500 UI de FvW/500 UI de FVIII, pó e solvente para solução injetável

Wilate 1000, 1000 UI de FvW/1000 UI de FVIII, pó e solvente para solução injetável

2. Composição qualitativa e quantitativa

Wilate apresenta-se na forma de pó e solvente para solução injetável. Um frasco

contém nominalmente 500 UI/1000 UI de fator von Willebrand e de fator VIII da

coagulação humana.

Após reconstituição com o solvente, 5 ml/10 ml de água para preparações injetáveis

com 0,1% de Polisorbato 80, a solução contém aproximadamente 100 UI/ml de FvW.

A atividade específica do Wilate é ≥ 67 UI FvW:RCo/mg de proteína.

A potência em fator FvW (UI) é determinada pela atividade do Cofator Ristocetina

(FvW:RCo) por referência ao “Padrão Internacional para Concentrados de Fator von

Willebrand” (OMS).

Após reconstituição com o solvente, 5 ml/10 ml de água para preparações injetáveis

com 0,1% de Polisorbato 80, a solução contém aproximadamente 100 UI/ml de fator

VIII.

A potência (UI) é determinada pelo ensaio cromogénico descrito na Farmacopeia

Europeia. A atividade específica do Wilate é ≥ 67UI fator VIII:C/mg de proteína.

Produzido a partir do plasma de dadores humanos.

Excipiente(s) com efeitos secundários conhecidos:

Wilate 500: 11,7 mg de sódio por ml de solução reconstituída (58,7 mg de sódio por

frasco).

Wilate 1000: 11,7 mg de sódio por ml de solução reconstituída (117,3 mg de sódio

por frasco).

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. Forma farmacêutica

Pó e solvente para solução injetável.

Pó liofilizado: pó ou sólido friável de cor branca ou ligeiramente amarelada.

4. Informações clínicas

4.1 Indicações terapêuticas

Doença de von Willebrand (DvW)

Tratamento e profilaxia da hemorragia ou hemorragia cirúrgica em doentes com

doença de von Willebrand (DvW) quando o tratamento com DDAVP (1-diamino-8-D-

arginina vasopressina/desmopressina) é ineficaz ou está contraindicado.

Hemofilia A

Tratamento e profilaxia da hemorragia na hemofilia A (deficiência congénita em fator

VIII).

4.2 Posologia e modo de administração

O tratamento deve ser efetuado sob a supervisão de um médico com experiência no

tratamento de distúrbios da coagulação. O conteúdo dos frascos destina-se a dose

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

unitária

pelo

deve

totalmente

administrado.

Caso

haja

conteúdo

remanescente, este deve ser eliminado de acordo com os requisitos locais.

Doença de von Willebrand

A relação entre FvW:RCo e FVIII:C é de 1:1. Geralmente, 1 UI/kg PC de FvW:RCo e

de FVIII:C aumenta a atividade plasmática normal da respetiva proteína em cerca de

1,5-2%. Habitualmente, são necessárias cerca de 20 a 50 UI de Wilate/kg PC para

atingir uma hemostase adequada. Esta dose aumentará os níveis de FvW:RCo e de

FVIII:C em aproximadamente 30 a 100%.

Uma dose inicial de 50 a 80 UI de Wilate/kg PC poderá ser necessária especialmente

em doentes com doença de von Willebrand tipo 3, em que a manutenção de um nível

plasmático adequado pode exigir doses mais elevadas do que outros tipos de doença

de von Willebrand.

População pediátrica

O Wilate não é recomendado em crianças com menos de 6 anos devido a dados

insuficientes.

Profilaxia de hemorragia em caso de cirurgia ou trauma grave:

Na profilaxia da hemorragia cirúrgica, a administração de Wilate deve ser realizada

1-2 horas antes do início do procedimento cirúrgico. Deverão atingir-se níveis de

FvW:RCo ≥ 60 UI/dl (≥ 60%) e níveis de FVIII:C ≥ 40 UI/dl (≥ 40%).

Uma dose apropriada deve ser repetida a cada 12-24 horas de tratamento. A dose e

duração do tratamento dependem da situação clínica do doente, tipo e gravidade da

hemorragia e dos níveis de FvW:RCo e de FVIII:C.

Nos doentes tratados com concentrado de FvW contendo FVIII, os níveis plasmáticos

de FVIII:C devem ser monitorizados para determinar se estão sustentadamente em

excesso, o que pode aumentar o risco de episódios trombóticos particularmente nos

doentes com fatores de risco laboratorial ou clínico conhecidos. Em caso de níveis

plasmáticos de FVIII:C excessivos deve ponderar-se a redução das doses e/ou o

aumento do intervalo entre doses ou a utilização de um concentrado de FvW com

baixo conteúdo de FVIII.

Profilaxia:

Na profilaxia prolongada de hemorragias em doentes com doença de von Willebrand

devem ser administradas doses entre 20-40 UI/kg de peso corporal, 2 a 3 vezes por

semana. Em alguns casos, como em doentes com hemorragias gastrointestinais,

podem ser necessárias doses superiores.

Hemofilia A

Monitorização do tratamento

Durante o tratamento, recomenda-se determinar adequadamente os níveis do fator

VIII para controlar a dose a administrar e a frequência de perfusões repetidas. A

resposta individual dos doentes ao tratamento com fator VIII pode variar, revelando

diferentes semividas e taxas de recuperações. A dose baseada no peso corporal pode

tornar necessário um ajuste em doentes com peso a menos ou em excesso. Em

particular

caso

grandes

cirurgias,

indispensável

proceder

monitorização precisa do tratamento através da análise da coagulação (atividade do

fator VIII no plasma).

Posologia

A dose e duração da terapia de substituição dependem da gravidade da deficiência

em fator VIII, do local e da extensão da hemorragia e da situação clínica do doente.

O número de unidades de fator VIII administradas é expresso em Unidades

Internacionais (UI) por referência ao padrão concentrado da OMS em vigor para os

concentrados de fator VIII. A atividade do fator VIII no plasma expressa-se quer em

percentagem (relativa ao plasma humano normal) ou, de preferência, em Unidades

Internacionais (relativas a um Padrão Internacional para fator VIII no plasma).

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

Uma Unidade Internacional (UI) de atividade de fator VIII equivale à quantidade de

fator VIII existente em um mililitro de plasma humano normal.

Tratamento específico:

O cálculo da dose de fator VIII necessário baseia-se na verificação empírica de que 1

Unidade International (UI) de fator VIII por kg de peso corporal aumenta a atividade

plasmática do fator VIII em 1,5 a 2%. A dose necessária é calculada pela seguinte

fórmula:

Unidades necessárias = peso corporal (kg) x Aumento de fator VIII desejado (%)

(UI/dl) x 0,5 (UI/kg)

A dose a ser administrada e a frequência da administração deve ser sempre

orientada para a eficácia clínica em cada caso individual. Nos seguintes episódios

hemorrágicos, a atividade do fator VIII:C não deve descer abaixo dos níveis de

atividade

plasmática

normal

UI/dl)

referidos

período

correspondente.

O seguinte quadro pode ser utilizado como orientação para a dosagem em episódios

de hemorragia e cirurgia:

Grau de hemorragia/Tipo de

procedimento cirúrgico

Nível

necessário

em fator VIII (%)

(UI/dl)

Frequência

tratamento

(horas)/Duração do tratamento

(dias)

Hemorragias:

Hemartrose

inicial,

hemorragia

muscular

hemorragias orais.

20 – 40

Repetir cada 12 a 24 horas. No

mínimo 1 dia, até resolução do

episódio

hemorrágico

indicado

por desaparecimento da dor ou

adequada cicatrização.

Hemartrose

hemorragia

muscular mais

extensa

hematoma.

30 – 60

Repetir a perfusão cada 12 a 24

horas durante 3 a 4 dias ou mais

até desaparecimento da dor e

resolução

incapacidade

funcional aguda.

Hemorragia grave com risco

de vida

60 – 100

Repetir a perfusão cada 8 a 24

horas até o risco de vida estar

ultrapassado.

Cirurgia:

Pequenas cirurgias incluindo

extração dentária.

30 - 60

Cada

horas,

durante

mínimo 1 dia, até cicatrização.

Grandes cirurgias.

80 - 100

(pré e pós-cirurgia)

Repetir perfusão cada 8 a 24

horas

diariamente

até

adequada cicatrização, seguidos

de pelo menos outros 7 dias de

tratamento

para

manter

atividade de fator VIII entre 30 a

60 % (UI/dl).

Profilaxia:

Na profilaxia prolongada da hemorragia em doentes com hemofilia A grave, as doses

habituais são 20 a 40 UI de fator VIII por kg de peso corporal em intervalos de 2 a 3

dias. Em alguns casos, especialmente em doentes jovens, podem ser necessários

intervalos mais curtos ou doses mais elevadas.

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

Perfusão contínua:

Antes da cirurgia, realizar um estudo farmacocinético para determinar a taxa de

depuração. A velocidade de perfusão inicial é determinada pela seguinte fórmula:

Velocidade de perfusão (UI/kg/h) = Taxa de depuração (ml/kg/h) x nível de fator

desejado no equilíbrio (UI/ml)

Após as 24 horas iniciais de perfusão contínua, determinar diariamente a taxa de

depuração a partir dos níveis de fator doseados e da velocidade de perfusão

conhecida utilizando a mesma fórmula.

População pediátrica

O Wilate não é recomendado em crianças com hemofilia A com menos de 6 anos

devido a dados insuficientes.

Modo de administração

Via intravenosa.

A velocidade de injeção ou perfusão não deve exceder os 2-3 ml por minuto.

Para instruções acerca da reconstituição do medicamento antes da administração,

ver secção 6.6.

4.3 Contraindicações

Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer dos excipientes apresentados na

secção 6.1.

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

Rastreabilidade

Para melhorar a rastreabilidade dos medicamentos biológicos, o nome e número de

lote do produto administrado devem ser registados de forma inequívoca.

Hipersensibilidade

São

possíveis

reações

hipersensibilidade

tipo

alérgico

Wilate.

medicamento contém vestígios de proteínas humanas para além de fator VIII. Se

ocorrerem sintomas de hipersensibilidade, os doentes devem ser aconselhados a

descontinuar de imediato a utilização do medicamento e a contactar o seu médico.

doentes

devem

informados

sobre

sinais

precoces

reações

hipersensibilidade incluindo urticária local ou generalizada, sensação de opressão

torácica, respiração ruidosa, hipotensão e anafilaxia.

Em caso de choque devem ser implementadas as recomendações comuns para o

tratamento do choque.

Agentes transmissíveis

A seleção de dadores, a análise das dádivas individuais e pools plasmáticas para

marcadores específicos de infeções e a inclusão no processo de fabrico de etapas de

remoção/inativação viral efetivas, constituem medidas padrão na prevenção de

infeções resultantes do uso de medicamentos derivados do sangue ou plasma

humano. No entanto, quando se administra estes medicamentos, a possibilidade de

transmissão de agentes infecciosos não pode ser completamente excluída. Isto

também se aplica aos vírus desconhecidos ou emergentes e a outros agentes

patogénicos.

As medidas tomadas são consideradas eficazes para vírus com invólucro como sejam

o vírus da imunodeficiência humana (VIH), vírus da hepatite B (VHB) e o vírus da

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

hepatite C (VHC) e para o vírus sem invólucro da hepatite A. As medidas referidas

podem ter um valor limitado contra vírus sem invólucro como seja o parvovírus B19.

A infeção por parvovírus B19 pode ser grave em mulheres grávidas (infeção fetal) e

indivíduos

imunodeficiências

eritropoiese

aumentada

(ex.

anemia

hemolítica).

Deve ser considerada a vacinação apropriada (hepatite A e B) em doentes que

recebem regular/repetidamente concentrados de FvW/fator VIII derivados do plasma

humano.

Recomenda-se que a cada administração de Wilate seja registado o nome e número

de lote do produto para manter a rastreabilidade entre o doente e o produto.

Doença de von Willebrand

Eventos tromboembolíticos

Quando se utiliza um concentrado de FvW contendo FVIII, o médico deve estar

alerta para o facto do tratamento continuado poder causar um aumento excessivo de

FVIII:C. Quando se administram estes produtos deve-se monitorizar os níveis

plasmáticos

FVIII:C

para

evitar

níveis

plasmáticos

excessivos

podem

aumentar o risco de episódios trombóticos.

Quando se administram concentrados de FvW contendo FVIII, existe o risco de

ocorrência de episódios trombóticos especialmente em doentes com fatores de risco

laboratorial

clínico

conhecidos.

Desta

forma,

doentes

risco

devem

monitorizados para sinais precoces de trombose. Deve ser instituída a profilaxia do

tromboembolismo venoso de acordo com as recomendações existentes.

Inibidores

Doentes com doença de von Willebrand, especialmente do tipo 3, podem desenvolver

anticorpos neutralizantes (inibidores) ao FvW. Se a atividade plasmática do FvW:RCo

esperada não for atingida ou se a hemorragia não for controlada com a dose

recomendada, deve despistar-se a presença de inibidores contra o FvW por ensaio

laboratorial. Em doentes com elevados níveis de inibidores, o tratamento com fator

FvW pode não ser eficaz e devem ser consideradas outras opções terapêuticas. O

tratamento destes doentes deve ser orientado por um médico com experiência no

tratamento de distúrbios da hemostase.

Hemofilia A

Inibidores

A formação de anticorpos neutralizantes (inibidores) do fator VIII é uma complicação

conhecida no tratamento dos indivíduos com hemofilia A. Estes inibidores são

geralmente

imunoglobulinas

dirigidas

contra

a atividade

procoagulante

fator VIII, as quais são quantificadas em Unidades Bethesda (UB) por ml de plasma

usando o doseamento modificado. O risco de desenvolvimento de inibidores está

correlacionado com a gravidade da doença e com a exposição ao fator VIII, sendo

este risco mais elevado nos primeiros 50 dias de exposição, mas continuam por toda

a vida, embora o risco seja pouco frequente.

A relevância clínica do desenvolvimento de inibidores depende do título do inibidor,

representando os inibidores de título baixo um menor risco de resposta clínica

insuficiente, em comparação com inibidores de título elevado.

De uma forma geral, os doentes tratados com medicamentos com fator VIII de

coagulação devem ser cuidadosamente monitorizados quanto ao desenvolvimento de

inibidores,

através

observação

clínica

adequada

e dos

testes

laboratoriais

apropriados. Se os níveis de atividade de fator VIII plasmático esperados não forem

obtidos ou se não for conseguido o controlo da hemorragia com uma dose adequada,

deve ser realizado um doseamento para determinar se o inibidor do fator VIII está

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

presente.

doentes

níveis

elevados

inibidores,

a terapêutica

fator VIII pode não ser eficaz, devendo ser consideradas outras opções terapêuticas.

A monitorização destes doentes deve ser efetuada por médicos com experiência no

tratamento de hemofilia e inibidores do fator VIII.

Eventos cardiovasculares

doentes

fatores

risco

cardiovasculares

existentes,

terapia

substituição com fator VIII pode aumentar o risco cardiovascular.

Complicações relacionadas com cateter

Quando é indicado o uso de dispositivo de acesso venoso central (DAVC), o risco de

complicações, incluindo infeções locais, bacteremia e trombose induzida por cateter,

devem ser considerados.

Este medicamento contém até 58,7 mg de sódio por frasco de 500 UI de FvW/FVIII e

até 117,3 mg de sódio por frasco de 1000 UI de FvW/FVIII, equivalente a 2,89% e

5,87%, respetivamente, da ingestão diária máxima recomendada pela OMS para um

adulto de 2 g de sódio.

População pediátrica

As advertências e precauções aplicam-se tanto a adultos como crianças.

4.5 Interações medicamentosas e outras formas de interação

Não foram relatadas interações do fator VIII de coagulação humano com outros

medicamentos.

4.6 Fertilidade, gravidez e aleitamento

Não foram realizados estudos de reprodução em animais com o FvW/fator VIII.

Doença de von Willebrand

Não existe experiência no tratamento de mulheres grávidas ou a amamentar.

O Wilate só deve ser administrado a mulheres grávidas ou a amamentar com

deficiência em FvW se claramente indicado e tendo em consideração que o parto

apresenta um risco adicional de episódios hemorrágicos.

Hemofilia A

Não existe experiência no uso de fator VIII durante a gravidez e lactação devido à

baixa ocorrência de hemofilia A em mulheres. Desta forma, o Wilate só deve ser

usado durante a gravidez e lactação se claramente indicado.

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Wilate não tem qualquer efeito na capacidade de conduzir e utilizar máquinas.

4.8 Efeitos indesejáveis

Resumo do perfil de segurança

As reações de hipersensibilidade ou alérgicas (podendo incluir angioedema, sensação

queimadura

picada

local

injeção,

tremores,

eritema,

urticária

generalizada,

eritema,

prurido,

erupção

cutânea,

cefaleia,

erupções

cutâneas,

hipotensão, letargia, náusea, agitação, taquicárdia, sensação de opressão torácica,

dispneia, formigueiro, vómitos, respiração ruidosa) foram raramente observados e

podem

alguns

casos

progredir

para

reação

anafiláctica

grave

(incluindo

choque).Doença de von Willebrand

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

Muito raramente, na doença de von Willebrand especialmente do tipo 3, os doentes

podem

desenvolver

anticorpos

neutralizantes

contra

FvW.

presença

inibidores manifesta-se uma resposta clínica insuficiente. Estes anticorpos podem

ocorrer concomitantemente com uma reação anafilática. Deste modo, doentes que

experimentem uma reação anafilática, devem ser avaliados quanto à presença de

inibidores.

Nestes casos, recomenda-se contactar um centro especializado no tratamento da

hemofilia.

Até à data, os ensaios clínicos e os estudos de pós comercialização não reportaram

nenhum caso de inibidores ao fator de von Willebrand.

Existe o risco de ocorrência de episódios trombóticos, particularmente em doentes

com fatores de risco laboratorial ou clínico conhecidos. Deve ser instituída a

profilaxia contra o tromboembolismo venoso de acordo com as recomendações em

vigor.

Nos doentes tratados com concentrados de FvW contendo FVIII, níveis plasmáticos

de FVIII:C excessivos podem aumentar o risco de episódios trombóticos.

Hemofilia A

desenvolvimento

anticorpos

neutralizantes

(inibidores)

pode

ocorrer

doentes com hemofilia A tratados com fator VIII, incluindo Wilate, ver secção 5.1. Se

ocorrerem tais inibidores, a condição irá manifestar-se como uma resposta clínica

insuficiente.

tais

casos,

recomenda-se

seja

contactado

centro

especializado em hemofilia. Para informação sobre segurança viral ver secção 4.4.

Tabela com lista das reações adversas

A seguinte tabela mostra as reações adversas observadas em estudos clínicos,

estudos

segurança

pós-autorização

outras

fontes

pós-autorização,

categorizados de acordo com as Classes de Sistema de Órgãos (SOC) segundo

MedDRA o Nível de Termos Preferidos (PT) e a frequência.

frequências

foram

avaliadas de

acordo com

seguinte

convenção: muito

frequente (≥1/10); frequente (≥1/100 a <1/10); pouco frequente (≥1/1,000 a

<1/100);

raro

(≥1/10,000

<1/1,000); muito

raro

(<1/10,000),

dados

disponíveis (não é possível avaliar uma vez que não existem dados disponíveis).

frequência,

reações

adversas

notificadas

forma

espontânea

pós-

autorização, é categorizada como desconhecida.

Classes

Sistemas

Órgãos segundo a base de

dados MedDRA (SOC)

Reação adversa

Frequência

Doenças

sistema

imunitário

Hipersensibilidade

Choque anafilático

Pouco frequente

Muito raros

Perturbações

gerais

alterações

local

administração

Febre

Dor no peito

Pouco frequente

Desconhecido

Doenças

sangue

e do

sistema linfático

Inibição do fator VIII

Inibição

fator

Willebrand

Pouco frequente (PTPs)*

Muito frequente (PUPs)*

Muito raro

Distúrbios

respiratórios,

torácicos e mediastinais

Tosse

Desconhecido

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

Distúrbios

sistema

nervoso

Tonturas

Desconhecido

Distúrbios gastrintestinais

Dores abdominais

Desconhecido

Distúrbios

tecidos

conjuntivos

musculoesqueléticos

Dores dorsais

Desconhecido

*A frequência é baseada em estudos com todos os medicamentos com fator VIII que

incluíram doentes com hemofilia A grave. PTPs = doentes tratados previamente,

PUPs = doentes não tratados previamente.

Descrição de reações adversas selecionadas

Informação sobre a descrição das reações adversas selecionadas, ver secção 4.4.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é

importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-

risco do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer

suspeitas de reações adversas diretamente ao INFARMED, I.P.:

INFARMED, I.P.

Direção de Gestão do Risco de Medicamentos

Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53

1749-004 Lisboa

Tel: +351 21 798 7373

Linha do Medicamento: 800222444 (gratuita)

Fax: + 351 21 798 73 97

Sítio da internet: http://www.infarmed.pt/web/infarmed/submissaoram

E-mail: farmacovigilancia@infarmed.pt

4.9 Sobredosagem

Não são conhecidos quaisquer sintomas de sobredosagem com os FvW e fator VIII

da coagulação humana.

Podem ocorrer episódios tromboembólicos no caso de sobredosagem elevada.

5. Propriedades farmacológicas

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo

farmacoterapêutico:

4.4.2

Sangue,

Anti-hemorrágicos,

Hemostáticos.

Associação de fator von Willebrand e fator VIII da coagulação humana.

Código ATC: B02BD06

Doença de von Willebrand

O FvW, presente no Wilate, é um constituinte normal do plasma humano e

comporta-se como o FvW endógeno.

A administração de FvW permite a correção das disfunções hemostáticas nos doentes

com deficiência de FvW a dois níveis:

O FvW restabelece a adesão plaquetária ao sub-endotélio vascular no local da lesão

vascular (uma vez que se liga em simultâneo ao sub-endotélio vascular e à

membrana da plaqueta), promovendo a hemostase primária que se traduz na

redução do tempo de hemorragia. Este efeito é imediato e depende em larga medida

do nível de polimerização da proteína.

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

promove

correção

tardia

deficiência

fator

VIII

associada.

Administrado por via intravenosa, o FvW liga-se ao fator VIII endógeno (produzido

normalmente pelo próprio doente) e, através da estabilização deste fator, evita a sua

rápida degradação.

Assim, a administração de concentrados puros de FvW (com baixo conteúdo de fator

VIII) normaliza os níveis de fator VIII:C como efeito secundário após a primeira

perfusão.

A administração intravenosa de concentrados de FvW contendo fator VIII, repõe o

nível normal de fator VIII:C imediatamente após a primeira perfusão.

Além do papel protetor da molécula de fator VIII, o FvW medeia a adesão e a

agregação plaquetária no local da lesão vascular.

Hemofilia A

O complexo de fator VIII/fator von Willebrand consiste em duas moléculas (fator VIII

e fator von Willebrand) com funções fisiológicas diferentes. Quando administradas a

um doente hemofílico o fator VIII liga-se ao fator de von Willebrand em circulação. O

fator VIII ativado funciona como cofator do fator IX ativado acelerando a conversão

do fator X em fator X ativado. O fator X ativado converte a protrombina em

trombina. Em seguida a trombina converte o fibrinogénio em fibrina e forma-se um

coágulo.

A hemofilia A é uma doença da coagulação sanguínea, hereditária caracterizada por

uma redução dos níveis de FVIII:C que origina hemorragias abundantes nas

articulações, músculos e órgãos internos quer espontâneas quer provocadas por

acidente ou trauma cirúrgico. Através da terapia de substituição, os níveis de fator

VIII plasmáticos aumentam promovendo a correção temporária do fator deficiente e

corrigindo a tendência hemorrágica.

É de notar que a taxa de hemorragia anualizada (ABR) não é comparável entre

concentrados de fator diferentes e entre estudos clínicos diferentes.

Adicionalmente ao seu papel como proteína protetora de fator VIII, o fator von

Willebrand favorece a adesão das plaquetas em feridas vasculares e tem uma função

na agregação plaquetária.

5.2 Propriedades farmacocinéticas

Doença de von Willebrand

O FvW, presente no Wilate, é um constituinte normal do plasma humano e atua

como o FvW endógeno.

seguintes

resultados

baseiam-se

meta-análise

três

estudos

farmacocinéticos com 24 doentes elegíveis com todos os tipos de doença de von

Willebrand.

Todos os tipos de DvW

DvW tipo 1

DvW Tipo 2

DvW tipo 3

Parâm

etro

Máx N

Méd

Máx N

Méd

Máx

Méd

Máx

Recup

eração

(%/UI/

AUC (0

-∞)

(%*h)

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

Legenda: AUC = área sob a curva; MRT = tempo de residência médio

Hemofilia A

O fator VIII, presente no Wilate, é um constituinte normal do plasma humano e atua

como o fator VIII endógeno. Após injeção, aproximadamente 2/3 a 3/4 do fator VIII

permanece em circulação. A atividade plasmática varia entre 80-120% da atividade

do fator VIII prevista.

A atividade do fator VIII no plasma diminui em duas fases exponenciais. Na fase

inicial

ocorre

distribuição

entre

compartimento

intravascular

outros

compartimentos (fluidos corporais) com uma semivida de eliminação plasmática de 3

a 6 horas. Na fase subsequente, mais lenta, a semivida varia entre 8 e 18 horas,

com uma média de 15 horas. Esta semivida corresponde à semivida biológica.

Os resultados seguintes foram observados num estudo clínico com 12 doentes

(ensaio cromogénico, determinação em duplicado):

Baseline

6 meses

Parâmetro

Média

Média

Recuperação

%/UI/kg

FVIII:C

2,27

1,20

FVIII:C

2,26

1,19

AUCnorm

% * h/UI/kg

FVIII:C

31,3

7,31

FVIII:C

33,8

10,9

Tempo

semivida

FVIII:C

11,2

2,85

FVIII:C

11,8

3,37

MRT (h)

FVIII:C

15,3

FVIII:C

16,3

Depuração

ml/h/kg

FVIII:C

3,37

0,86

FVIII:C

3,24

1,04

Legenda: AUC = área sob a curva; MRT = tempo médio residência; SD = desvio

padrão

5.3 Dados de segurança pré-clínica

O FvW e o FVIII presentes no Wilate são constituintes normais do plasma humano e

atuam como o FvW/FVIII endógeno.

Não são exigidos os estudos convencionais de segurança em animais de laboratório

com estes produtos por não acrescentarem informação relevante à informação clínica

disponível.

6. Informações farmacêuticas

6.1 Lista dos excipientes

Pó: cloreto de sódio, glicina, sacarose, citrato de sódio e cloreto de cálcio.

Depur

ação

(ml/h/

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

Solvente: água para preparações injetáveis com 0.1% de Polisorbato 80.

6.2 Incompatibilidades

Na ausência de estudos de compatibilidade, este medicamento não deve ser

misturado com outros medicamentos nem administrado em simultâneo com outras

preparações intravenosas no mesmo dispositivo de perfusão.

Só devem ser utilizados os conjuntos de injeção/perfusão fornecidos. Caso contrário,

a eficácia do tratamento poderá ser reduzida devido à adsorção do fator VIII/fator

von Willebrand nas paredes internas de alguns dispositivos de injeção/perfusão.

6.3 Prazo de validade

3 anos

A estabilidade da solução reconstituída é de 4 horas à temperatura ambiente (máx.

25 ºC). No entanto, para evitar o risco de contaminação microbiana, a solução

reconstituída deve ser utilizada de imediato.

6.4 Precauções especiais de conservação

Conservar no frigorífico (2 - 8 ºC). Manter os frascos para injetáveis dentro da

embalagem original para proteger da luz. Não congelar.

O produto pode ser armazenado à temperatura ambiente (máx. 25 ºC) durante 2

meses. Neste caso, o produto perde a validade ao fim de dois meses fora do

frigorífico. A nova data de validade deve ser registada pelo doente na cartonagem

exterior. A solução reconstituída deve ser administrada em toma única. Qualquer

solução remanescente deve ser descartada.

Condições de conservação do medicamento após reconstituição, ver secção 6.3.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

Apresentações:

Wilate 500, 500 UI de FvW/500 UI de FVIII

1 embalagem contém:

1 frasco para injetáveis com pó, vidro tipo I, tampa de borracha (bromobutil) e

cápsula de alumínio;

1 frasco para injetáveis com solvente (5 ml de água para preparações injetáveis com

0.1% de Polisorbato 80), vidro tipo I, tampa de borracha (clorobutil) e cápsula de

alumínio;

conjunto

dispositivos

médicos:

seringa

descartável,

conjunto

transferência (Mix2VialTM) e 1 conjunto de perfusão;

2 compressas embebidas em álcool.

Wilate 1000, 1000 UI de FvW/1000 UI de FVIII

1 embalagem contém:

1 frasco para injetáveis com pó, vidro tipo I, tampa de borracha (bromobutil) e

cápsula de alumínio;

1 frasco para injetáveis com solvente (10 ml de água para preparações injetáveis

com 0.1% de Polisorbato 80), vidro tipo I, tampa de borracha (clorobutil) e cápsula

de alumínio;

conjunto

dispositivos

médicos:

seringa

descartável,

conjunto

transferência (Mix2VialTM) e 1 conjunto de perfusão;

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

2 compressas embebidas em álcool.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6 Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Por favor leia todas as instruções e siga-as cuidadosamente!

Não utilize o Wilate após o prazo de validade indicado no rótulo.

A esterilidade deve ser mantida durante todo o processo de reconstituição e

administração.

medicamento

reconstituído

deve

visualmente

inspecionado

para

detetar

possíveis partículas e uma alteração de cor antes de ser administrado.

A solução deve ser transparente ou ligeiramente opalescente. Não usar soluções

turvas ou cujo pó não tenha dissolvido completamente.

Use a solução imediatamente após a preparação para prevenir a contaminação

microbiana.

Utilize apenas o conjunto de injeção fornecido. O uso de outros dispositivos de

injeção/perfusão podem ter riscos adicionais e o tratamento ser ineficaz.

Reconstituição:

1. Não utilizar o produto diretamente do frigorífico. Permitir que o pó e o solvente

nos frascos para injetáveis fechados atinjam a temperatura ambiente;

2. Remover as cápsulas dos frascos para injetáveis do pó e do solvente e desinfetar

as tampas de borracha com uma das compressas embebida em álcool fornecida.

3. O Mix2vialTM está representado na Fig.1. Colocar o frasco do solvente numa

superfície plana e segurar com firmeza. Segurar o Mix2vialTM na posição invertida.

Apoiar a parte azul do dispositivo Mix2vialTM no topo do frasco do solvente e

pressionar firmemente para baixo até quebrar (Fig. 2 + 3);

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

4. Colocar o fraco do pó numa superfície plana e segurar com firmeza. Segurar o

frasco

solvente

Mix2vialTM

posição

invertida.

Apoiar

parte

transparente do dispositivo Mix2vialTM no topo do frasco do pó e pressionar

firmemente para baixo até quebrar (Fig. 4). O solvente passa automaticamente para

o frasco que contém o pó;

5. Com ambos os frascos ainda agarrados, rodar suavemente o frasco do pó até este

dissolver completamente.

A dissolução é completa em menos de 10 minutos à temperatura ambiente. Pode

ocorrer a formação de uma leve espuma durante a dissolução. Desenroscar o

dispositivo Mix2vialTM em duas partes (Fig. 5). A espuma desaparecerá.

Eliminar o frasco do solvente vazio e a parte azul do Mix2vialTM.

Administração:

Como medida de precaução, deve-se controlar a pulsação do doente antes e durante

a injeção. Se ocorrer um aumento marcado da pulsação a velocidade de perfusão

deve ser diminuída ou a administração interrompida.

1. Fixar a seringa à parte transparente do Mix2vialTM. Inverter o frasco e transferir a

solução para a seringa (Fig 6).

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

Na seringa, a solução apresenta-se transparente ou com um ligeiro brilho perlado.

Quando a solução tiver sido transferida, segurar com firmeza o êmbolo da seringa

(mantendo-o virado para baixo) e remover a seringa do Mix2vialTM (Fig. 7).

Descarte o Mix2vialTM e o frasco vazio.

2. Limpar o local de injeção com uma compressa embebida em álcool;

3. Fixar a agulha de perfusão (butterfly) à seringa.

APROVADO EM

25-08-2019

INFARMED

4. Introduzir a agulha na veia escolhida. Em caso de usar um torniquete para melhor

visualizar a veia, este deve ser removido antes de iniciar a injeção do Wilate. O

sangue não deve fluir para a seringa devido ao risco de formação de coágulos.

Injetar de imediato a solução por via intravenosa a uma velocidade de administração

inferior a 2-3 ml/minuto.

Em caso utilizar mais de um frasco de Wilate pode usar a mesma agulha de perfusão

e seringa. O Mix2vialTM só pode ser usado uma vez. Todo o produto remanescente e

o material utilizado devem ser eliminados de acordo com os requisitos locais.

7. Titular da Autorização de Introdução no Mercado

Octapharma Produtos Farmacêuticos Lda.

Rua dos Lagares d’el Rei 21-C r/c Dto.

1700 – 268 Lisboa

8. NúmeroS da Autorização de Introdução no Mercado

Wilate 500 nr.: 5433925

Wilate 1000 nr.: 5433933

9. Data da primeira autorização/renovação da autorização de introdução no mercado

Data da primeira autorização: 09.01.2012

Data da última renovação: 21.12.2018

10. Data da revisão do texto

21.07.2019

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação