Totiverme Vet 500 mg/g

Portugal - português - DGAV (Direção Geral de Alimentação e Veterinária)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Piperazina
Disponível em:
Laboratórios Atral, S.A.
Código ATC:
QP52AH01
DCI (Denominação Comum Internacional):
Piperazine
Forma farmacêutica:
Pó para administração na água de bebida
Via de administração:
Via oral
Tipo de prescrição:
MNSRMV - Medicamento Não Sujeito a Receita Médico-Veterinária
Grupo terapêutico:
Aves Exóticas/Selvagens
Área terapêutica:
Piperazina
Resumo do produto:
Intervalo de Segurança: não aplicável -; ; Embalagem(s) - 20 unidade(s) - 10 g (saquetas) 399/01/11NFSVPT Revogado Não; Embalagem(s) - 50 unidade(s) - 10 g (saquetas) 399/01/11NFSVPT Revogado Não; Frasco(s) - 1 unidade(s) - 100 g 399/01/11NFSVPT Revogado Não
Número de autorização:
399/01/11NFSVPT

Leia o documento completo

Direcção Geral de Veterinária - DSMPUV

Aprovado a 06 de Fevereiro de 2012

Página 2 de 17

1.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

TOTIVERME VET 500 mg/g, pó para solução oral para pombos, pombos-correio, aves canoras e

ornamentais

2.

COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Substâncias ativas:

Citrato de piperazina: 500 mg/g

Para a lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3.

FORMA FARMACÊUTICA

Pó para solução oral.

Pó branco.

Pó para solução oral para misturar na água de bebida.

4.

INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1

Espécies-alvo

Pombos, pombos-correio, aves canoras e ornamentais

4.2

Indicações de utilização, especificando as espécies-alvo

O medicamento veterinário está indicado para o tratamento de infeções por nemátodos sensíveis à

piperazina, incluindo: Ascaris lumbricoides, Enterobius vermiculares e Ascardia galli.

4.3

Contraindicações

Não administrar o medicamento veterinário a animais com insuficiência hepática ou renal avançadas

Não administrar o medicamento veterinário a animais com perturbações neurológicas

Não administrar o medicamento veterinário em caso de hipersensibilidade à substância ativa ou a

qualquer um dos excipientes

Não administrar a animais destinados ao consumo humano.

4.4

Advertências especiais para cada espécie-alvo

Desconhecidas.

4.5

Precauções especiais de utilização

Direcção Geral de Veterinária - DSMPUV

Aprovado a 06 de Fevereiro de 2012

Página 3 de 17

Precauções especiais para utilização em animais

Não utilizar o medicamento veterinário sem diagnóstico prévio.

Eliminar as fezes dos animais recém-tratados devido ao risco de contaminação para o homem ou

outros animais.

Precauções especiais que devem ser tomadas pela pessoa que administra o medicamento aos

animais

Em caso de ingestão acidental, consulte um médico imediatamente e mostre-lhe a caixa, o rótulo do frasco

ou a saqueta.

Evitar o contacto com a pele e com os olhos. Se o contacto ocorrer, lavar imediatamente com água.

Não comer, beber ou fumar durante a manipulação. Lavar as mãos e as zonas da pele expostas ao

medicamento veterinário depois do trabalho e antes de comer.

Manter o medicamento veterinário afastado dos alimentos, bebidas e rações.

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

4.6

Reações adversas (frequência e gravidade)

Não foram detectadas.

4.7

Utilização durante a gestação, a lactação e a postura de ovos

Não existem precauções especiais.

4.8

Interações medicamentosas e outras formas de interação

Na ausência de estudos de compatibilidade, este medicamento veterinário não deve ser misturado com

outros.

4.9

Posologia e via de administração

Posologia

Saquetas de 10g: uma saqueta de 10g para 4 litros de água (2,5g por litro), durante 24 horas

Frasco de 100g: uma colher-medida rasa por litro de água, durante 24 horas

É recomendável repetir o tratamento entre o 8.º dia e o 15.º dia após a primeira medicação de acordo

com a duração do ciclo evolutivo do parasita em causa.

A desparasitação deve ser efectuada pelo menos 2 vezes por ano, na primavera e no outono.

Modo e via de administração

O medicamento veterinário deve ser administrado na água de bebida.

Retirar a água de bebida durante a noite anterior ao tratamento. O tratamento deve ser efectuado no

início do dia, considerando que as aves deverão ingerir a totalidade da água medicada. Para tal

preparar metade da quantidade de água diariamente consumida. Após a ingestão da água medicada,

disponibilizar água de bebida à discrição.

Direcção Geral de Veterinária - DSMPUV

Aprovado a 06 de Fevereiro de 2012

Página 4 de 17

4.10

Sobredosagem (sintomas, procedimentos de emergência, antídotos), (se necessário)

Não existe perigo de sobredosagem.

4.11

Intervalo de segurança

Não aplicável.

5.

PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

Grupo farmacoterapêutico: Anti-helmínticos contra nemátodos

Código ATCvet: QP52AH01 - piperazine

5.1

Propriedades farmacodinâmicas

A piperazina exerce uma função anti-helmíntica sobre Ascaris lumbricoides bloqueando o efeito

estimulatório da acetilcolina na junção mioneural através da hiperpolarização da membrana muscular e

da supressão dos potenciais espontâneos.

As concentrações de piperazina que provocam estes efeitos inibem também a produção de sucinato

neste nemátodo intestinal.

Os vermes paralisados são expulsos pelo trato gastrintestinal pelo normal peristaltismo.

O mecanismo de ação deste fármaco sobre Enterobios vermicularis ainda não está bem estabelecido.

Nas aves, a piperazina também exerce uma função anti-helmíntica sobre Ascardia galli.

Este

composto

está

portanto

indicado

para

situações

ascaridiose,

heterakiose,

capilariose

espiroquetoses.

5.2

Propriedades farmacocinéticas

A piperazina é rapidamente absorvida a partir do trato gastrointestinal.

Uma pequena fracção do fármaco administrado é metabolizado nos tecidos e o restante passa para a

urina.

A taxa de excreção é máxima em 1-8 horas e a piperazina é totalmente eliminada em 24 horas.

6.

INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1

Lista de excipientes

Lactose

6.2

Incompatibilidades

Na ausência de estudos de compatibilidade, este medicamento veterinário não deve ser misturado com

outros.

Direcção Geral de Veterinária - DSMPUV

Aprovado a 06 de Fevereiro de 2012

Página 5 de 17

6.3

Prazo de validade

Prazo de validade do medicamento veterinário tal como embalado para venda: 36 meses

Prazo de validade do medicamento veterinário após abertura do acondicionamento primário: utilização

imediata

6.4

Precauções especiais de conservação

Conservar a temperatura inferior a 25ºC e em lugar seco.

6.5

Natureza e composição do acondicionamento primário

Embalagens de 20 e 50 saquetas de papel/alumínio/polietileno e embalagens de 1 frasco de polietileno

de alta densidade.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6

Precauções especiais para a eliminação de medicamentos veterinários não utilizados ou de

desperdícios derivados da utilização desses medicamentos

O medicamento veterinário não utilizado ou os seus desperdícios devem ser eliminados de acordo com a

legislação em vigor.

7.

TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

LABORATÓRIOS ATRAL, S. A.

Rua da Estação, n.º 42

Vala do Carregado

2600 – 726 CASTANHEIRA DO RIBATEJO – PORTUGAL

Tel.: 263 856 800

Fax: 263 855 020

E-mail: info@atralcipan.pt

8.

NÚMERO(S) DE REGISTO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

399/01/11NFSVPT

9.

DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO

06 de Fevereiro de 2012

10.

DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Direcção Geral de Veterinária - DSMPUV

Aprovado a 06 de Fevereiro de 2012

Página 6 de 17

PROIBIÇÃO DE VENDA, FORNECIMENTO E/OU UTILIZAÇÃO

Não aplicável.

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação