Topiramato Teva 100 mg Comprimido revestido por película

Portugal - português - INFARMED (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Topiramato
Disponível em:
Teva Pharma - Produtos Farmacêuticos, Lda.
Código ATC:
N03AX11
DCI (Denominação Comum Internacional):
Topiramate
Dosagem:
100 mg
Forma farmacêutica:
Comprimido revestido por película
Composição:
Topiramato 100 mg
Via de administração:
Via oral
Unidades em pacote:
Blister - 20 unidade(s)
Tipo de prescrição:
MSRM
Grupo terapêutico:
2.6 Antiepilépticos e anticonvulsivantes
Área terapêutica:
topiramate
Resumo do produto:
5108535 - Blister 20 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 3 Ano(s)Temperatura: inferior a 30°CCondições: Conservar ao abrigo da humidade. - Não comercializado - 10052294 - 50016610 ; 5108543 - Blister 60 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 3 Ano(s)Temperatura: inferior a 30°CCondições: Conservar ao abrigo da humidade. - Temporariamente indisponível - 10052294 - 50016628 ; 5108550 - Frasco 60 unidade(s) - Tipo de embalagem: FechadaPrazo de validade: 3 Ano(s)Temperatura: inferior a 30°CCondições: Conservar ao abrigo da humidade. - Não comercializado - 10052294 - 50016628
Status de autorização:
Autorizado
Número de autorização:
NO/H/136/03/MR
Data de autorização:
2008-04-30

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Topiramato Teva 25 mg comprimidos revestidos por película

Topiramato Teva 50 mg comprimidos revestidos por película

Topiramato Teva 100 mg comprimidos revestidos por película

Topiramato Teva 200 mg comprimidos revestido por película

Topiramato

Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento.

- Conserve este folheto. Pode ter necessidade de reler.

- Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.

- Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento pode ser-lhes

prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.

- Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundários não

mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

Neste folheto:

1. O que é Topiramato Teva e para que é utilizado

2. Antes de tomar Topiramato Teva

3. Como tomar Topiramato Teva

4. Efeitos secundários possíveis

5. Como conservar Topiramato Teva

6. Outras Informações

1. O QUE É O TOPIRAMATO TEVA E PARA QUE É UTILIZADO

Topiramato pertence a um grupo de medicamentos usados para tratar a epilepsia.

Topiramato afecta compostos químicos localizados no cérebro que estão envolvidos no envio de

sinais para as células nervosas.

Epilepsia:

Topiramato Teva pode ser usado para o tratamento de epilepsia, incluindo epilepsia primária

generalizada e epilepsia parcial generalizada com ou sem generalização secundária.

Topiramato Teva pode ser usado isoladamente ou combinado com outros medicamentos anti-

epilépticos no tratamento de adultos e adolescentes com idade superior a 12 anos.

Enxaqueca:

Topiramato Teva pode ser usado para tratar enxaquecas recorrentes frequentemente em adultos.

Não está indicado no tratamento de ataques individuais de enxaqueca

2. ANTES DE TOMAR TOPIRAMATO TEVA

Não tome Topiramato Teva

- se for alérgico (hipersensível) ao topiramato, 200mg: laca vermelho allura AC ou a qualquer um

dos excipientes do Topiramato Teva (ver secção 6, Outras informações)

- se estiver grávida, se pensa que pode estar grávida ou se está em idade fértil e não está a usar

nenhum método contraceptivo eficaz.

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Tome especial cuidado com Topiramato Teva

Deve informar o seu médico se alguma das situações a seguir mencionadas for a sua:

- se o seu médico lhe receitou topiramato para a epilepsia e está grávida, a planear uma gravidez

ou a amamentar – ver secção “Gravidez e aleitamento” para mais informação.

- Se tem ou teve doença renal ou do fígado.

- Se teve pedra no rim ou há histórico da sua existência na sua família. Se for o caso, deve beber

muitos líquidos e evitar comidas gordas com baixo teor de hidratos de carbono pois estes podem

aumentar o risco de vir a ter pedra no rim.

- Se sofrer de falta de visão (miopia) e/ou dores nos olhos. Contacte imediatamente o seu médico

pois este medicamento, numa minoria de doentes, pode causar glaucoma súbito.

- Se sentir alterações de humor, se se sentir deprimido ou tiver pensamentos suicidas, contacte

imediatamente o seu médico.

Um pequeno número de pessoas que iniciaram tratamento com antiepilépticos como topiramato

teve pensamentos de auto-agressão e suicídio. Se a qualquer momento tiver estes pensamentos

deve contactar imediatamente o seu médico.

Pode perder peso (ou não ganhar peso) enquanto toma topiramato. É normal que o seu médico

siga regularmente o seu peso ou o do seu filho e, se necessário, a aconselhe a mudar a sua dieta.

Por vezes o resultado das análises ao sangue mostram um ligeiro aumento da acidez causado pela

redução dos níveis de bicarbonato no sangue dos doentes que estão a tomar topiramato.

O médico fará a monotorização destes valores e ajustará, se necessário, a dose de topiramato a

tomar.

O tratamento com topiramato pode reduzir a transpiração e provocar um aumento da temperatura

corporal especialmente durante a prática de exercício ou se a temperatura ambiente for elevada.

Esta situação é mais comum nas crianças. É importante beber muita água enquanto está a tomar

este medicamento para evitar ou reduzir qualquer efeito secundário relacionado com o aumento

da temperatura do corpo.

Tomar Topiramato Teva com outros medicamentos

Informe o seu médico se estiver a tomar algum dos medicamentos a seguir mencionados pois eles

podem interagir com este medicamento.

O seu médico pode precisar de ajustar a dose de topiramato ou do outro medicamento:

- fenitoína ou carbamazepina (para a epilepsia), pois podem reduzir o efeito do topiramato e o

topiramato pode aumentar o efeito da fenitoína.

- digoxina (para o ataque cardíaco), pois o topiramato pode reduzir o seu efeito

- hidroclorotiazida (para a tensão alta), pois esta pode aumentar o efeito do topiramato

- metformina (para a diabetes), pois esta pode alterar a eficácia do topiramato

- pioglitazona (para a diabetes), pois o topiramato pode reduzir o seu efeito

- amitriptilina (para a depressão), pois o topiramato pode aumentar o seu efeito

- haloperidol (para doenças mentais), pois o topiramato pode aumentar o seu efeito

- diltiazem ( para a tensão alta), pois o topiramato pode reduzir o seu efeito e pode ser necessário

aumentar o efeito do topiramato

- glibenclamida (para a diabetes), pois o topiramato pode reduzir o seu efeito

- lítio (para a depressão), pois o topiramato pode alterar o seu efeito.

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Por favor informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente

outros medicamentos, incluindo medicamentos sem receita médica.

Tomar topiramato e contraceptivos orais

Se está a tomar, ou planeia começar a tomar um contraceptivo hormonal (“pílula”), é importante

falar sobre este assunto com o seu médico pois:

- topiramato pode reduzir a eficácia da “pílula”. Deve informar o seu médico logo que possível se

notar alterações no período menstrual, tais como interrupção da hemorragia ou perdas de sangue.

A doente pode querer considerar outra forma de contracepção.

- é preferível escolher um contraceptivo oral continuo (sem a semana de paragem).

Tomar Topiramato Teva com alimentos e bebida

Recomenda-se

não

ingerir álcool

enquanto

está a tomar Topiramato Teva pois

este pode

aumentar o risco dos efeitos secundários.

É importante beber bastante água enquanto está a tomar Topiramato Teva, principalmente se está

a fazer exercício físico ou se o tempo estiver quente.

Gravidez e aleitamento

Epilepsia:

Se planeia engravidar ou se ficar grávida enquanto estiver a tomar este medicamento, deve

contactar o seu médico o mais rapidamente possível. É possível continuar a tomar o topiramato

durante a gravidez para que a sua epilepsia se mantenha controlada. O seu médico precisará de

rever o seu tratamento e monitorizar os seus níveis de topiramato antes, durante e depois da

gravidez.

Não deve amamentar enquanto está a tomar o topiramato sem ter discutido previamente o assunto

com o seu médico.

Enxaqueca:

Se está grávida, pensa que pode estar grávida ou se está em idade fértil e não está a usar nenhum

método contraceptivo eficaz não deve tomar topiramato para prevenir enxaquecas.

Não deve amamentar enquanto está a tomar topiramato sem ter falado previamente com o seu

médico.

Fale com o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.

Condução de veículos e utilização de máquinas

Este medicamento pode fazê-lo sentir-se tonto ou sonolento e afectar a sua concentração e

atenção. Deve falar com o seu médico antes de conduzir ou usar máquinas.

Informações importantes sobre alguns componentes do Topiramato Teva

Este medicamento contém lactose. Se foi informado pelo seu médico que tem alguma intolerância

a alguns açúcares, contacte-o antes de tomar este medicamento.

200mg: este medicamento contém laca vermelho allura AC e pode causar reacções alérgicas.

3. COMO TOMAR TOPIRAMATO TEVA

Tome sempre os comprimidos de acordo com as instruções do médico. Fale com o seu médico ou

farmacêutico se tiver dúvidas.

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Para

doses

não

praticáveis

dosagem,

estão

disponíveis

outras

dosagens

deste

medicamento.

Epilepsia

Adultos e adolescentes (com 12 anos ou mais):

Se está apenas a tomar o topiramato para controlar a sua epilepsia, a dose habitual é de 100 mg

por dia. Pode ser tomado 100 mg de uma vez ou 50 mg duas vezes por dia. O seu médico pode

aumentar ou reduzir a dose diária dependendo da sua epilepsia estar ou não controlada.

Se está a tomar topiramato juntamente com outros medicamentos anti-epilépticos, a dose habitual

de topiramato é de 100-200 mg duas vezes por dia. No entanto o seu médico pode prescrever uma

dose superior ou inferior.

Quando tomar Topiramato Teva pela primeira vez, o seu médico irá prescrever uma dose muito

mais baixa e irá aumenta-la lentamente com intervalos, habitualmente, de uma a duas semanas.

Deve seguir sempre cuidadosamente as instruções do seu médico e contactá-lo sempre que tenha

alguma dúvida.

Topiramato Teva não está recomendado para crianças com idade inferior a 12 anos.

Enxaqueca

A dose habitual no tratamento da enxaqueca é de 50 mg de topiramato duas vezes por dia. No

entanto, o seu médico pode prescrever uma dose inferior. Deve seguir as instruções do médico.

Quando tomar topiramato pela primeira vez o seu médico irá prescrever uma dose bastante

inferior e irá aumentá-la lentamente, habitualmente com intervalos de uma semana.

O seu tratamento será normalmente revisto cada 6 meses.

Este medicamento não é recomendado para a prevenção de enxaquecas em adolescentes e

crianças com idade inferior a 16 anos.

Geral

Se sofre ou o seu filho sofre de uma doença no fígado ou nos rins o seu médico pode prescrever

uma dose mais baixa.

Se faz ou se o seu filho faz hemodiálise, o seu médico pode aumentar a dose de topiramato nos

dias da hemodiálise. Se tiver alguma dúvida contacte o seu médico e siga sempre cuidadosamente

as suas instruções.

Método de administração

Os comprimidos devem ser tomados com um copo de água. Não os esmague. Os comprimidos

são habitualmente tomados duas vezes por dia (por ex. de manhã e à noite) e podem ser tomados

antes, durante ou depois das refeições.

Se tomar mais Topiramato Teva do que deveria

Pode sentir-se tonto, agitado, deprimido ou sonolento e ter dor de cabeça, visão turva ou dupla,

discurso com articulação incorrecta, problemas de coordenação ou dores de estômago. Deve

contactar o seu médico imediatamente ou dirigir-se ao centro de traumatologia mais próximo.

Leve consigo este folheto e os comprimidos restantes para mostrar ao médico.

Caso se tenha esquecido de tomar Topiramato Teva

Assim que se lembrar, tome a dose esquecida. Se se está a aproximar a hora da próxima dose, não

tome a dose esquecida e tome apenas a dose habitual à hora habitual. Não tome uma dose a

dobrar para compensar a dose que se esqueceu de tomar.

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Se parar de tomar TopiramatoTeva

Pode ter mais ataques ou agravamentos repentinos das enxaquecas. É importante continuar a

tomar os comprimidos até o seu médico lhe dizer para parar. Se o seu médico decidir parar com o

tratamento com topiramato, irá fazê-lo gradualmente durante um período de algumas semanas. É

importante seguir as instruções do médico.

Se tiver mais alguma questão sobre a utilização deste medicamento pergunte ao seu médico ou

farmacêutico.

4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS

Como todos os medicamentos, Topiramato Teva pode causar efeitos secundários, no entanto estes

não se manifestam em todas as pessoas.

Se tiver erupções na pele, comichão, borbulhas ou outros efeitos na pele, olhos, boca ou órgãos

genitais, ou se tiver febre, deve parar de tomar os comprimidos e contactar imediatamente o seu

médico.

Os doentes que tomam topiramato podem ter pensamentos que os levam a magoar-se a si próprios

ou pensamentos suicidas. Se alguma vez tiver estes pensamentos, contacte o seu médico ou dirija-

se imediatamente ao hospital.

Foram reportados os seguintes efeitos secundários:

Muito frequentes (provavelmente afectam mais do que 1 em cada 10 pessoas):

- tonturas

- cansaço

- nervosismo

- dores de cabeça

- náuseas (sentir-se enjoado)

- perda de peso

- confusão

- depressão

- anorexia

- problemas de memória e lentidão de pensamentos

- problemas de concentração

- ansiedade

- formigueiro e picadas

- problemas na linguagem

- ataxia (dificuldade em controlar os músculos)

- visão dupla ou irregular

Frequentes ( provavelmente afectam menos de 1 em 10 doentes):

- dores nos ossos

- reacções alérgicas

- insónia (dificuldade em dormir)

- acidez metabólica (aumento da acidez no corpo)

- hemorragia da pele (púrpura)

- redução de algumas células sanguíneas (leocopenia, anemia e trombocitopenia)

- hemorragia do nariz

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

- apatia

- falta de energia

- mudanças de humor incluindo sentimentos de euforia

- agitação ou agressividade

- problemas de coordenação

- dificuldade com os pensamentos

- perda de apetite sexual

- mudança de pensamentos

- dores de estômago

- obstipação

- queda de cabelo

- incontinência

- pedra nos rins (pode aparecer sangue na urina, dor nas costas ou na zona genital)

- Calafrios (tremor)

- deslocação anormal

- movimento involuntário dos olhos (nistagmo)

- alterações no paladar

- interrupção do ciclo menstrual

- impotência

Pouco frequentes ( provavelmente afectam menos de 1 em cada 100 pessoas):

- alterações da personalidade (mudança de pensamentos, sentimentos e comportamentos)

- alucinações

- dificuldades respiratórias

- diarreia

- vómitos

- boca seca

- comichão

- inflamação do couro cabeludo

- torpor

- redução da mobilidade (hipoquinesia).

Raros (provavelmente afectam menos do que 1 em cada 1000 pessoas):

- neutropenia (redução de neutrófilos – tipo de glóbulos brancos)

- glaucoma (aumento da pressão intraocular)

- miopia aguda

- dor nos olhos

- aumento das enzimas do fígado.

Raramente, ocorreram perturbações súbitas da visão e/ou dor e vermelhidão nos olhos, quer em

adultos quer em crianças, habitualmente durante o primeiro mês após o início do tratamento com

topiramato. Isto pode indicar um aumento da pressão ocular (glaucoma). Se tiver algum sintoma

nos olhos, principalmente nas primeiras semanas de tratamento, deve informar imediatamente o

seu médico. Se o seu médico achar que a sua pressão ocular aumentou, ele/ela irá aconselhá-lo

como parar de tomar topiramato e pode indicar-lhe algum tratamento específico para os olhos.

Pode precisar também de voltar ao seu especialista para garantir que a epilepsia se mantém

controlada.

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Pode ter uma redução significativa e continua de peso enquanto estiver a tomar topiramato. É

portanto normal que o seu médico controle regularmente o seu peso ou o do seu filho e que, se

necessário, aconselhe uma alteração na dieta.

Análises ao sangue mostraram, por vezes, um pequeno aumento na acidez. Se necessário, o seu

médico fará a monitorização destes valores e poderá ajustar a dose de topiramato a tomar.

Foi reportado, muito raramente, hepatite e insuficiência hepática assim como convulsões depois

de ter sido retirado o topiramato.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar efeitos secundários não mencionados

neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

5. COMO CONSERVAR TOPIRAMATO TEVA

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não tomar Topiramato Teva após expirar o prazo de validade indicado na embalagem (após

Exp:). O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Não conservar acima de 30ºC. Os comprimidos devem ser conservados na embalagem de origem

de modo a ficarem protegidos da humidade.

Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao

seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas

ajudarão a proteger o ambiente.

6. OUTRAS INFORMAÇÕES

Qual a composição do Topiramato Teva

A substância activa é topiramato.

25 mg: cada comprimido revestido por película contém 25 mg de topiramato

50 mg: cada comprimido revestido por película contém 50 mg de topiramato

100 mg: cada comprimido revestido por película contém 100 mg de topiramato

200 mg: cada comprimido revestido por película contém 200 mg de topiramato

outros

componentes

são:

lactose

monohidratada,

amido

pré-gelificado,

celulose

microcristalina, glicolato de amido sódico (tipo A), sílica anidra coloidal, estearato de magnésio,

dióxido de titânio (E 171).

25 mg: macrogol 4000, polidextrose e hipromelose

50 mg: macrogol 3350, álcool polivinílico, talco e óxido de ferro amarelo (E 172)

100 mg: macrogol 4000, polidextrose, hipromelose, óxido de ferro amarelo (E 172), óxido de

ferro preto (E 172)

200 mg: macrogol 4000, polidextrose, hipromelose, óxido de ferro vermelho (E 172), laca

vermelho allura AC (E 129) e laca de índigo carmim (E 132)

Qual o aspecto do Topiramato Teva e conteúdo da embalagem

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Comprimidos revestidos por película

25 mg: comprimido revestido por película, em forma de cápsula, branco a esbranquiçado,

gravado com “T25” numa das faces, sendo a outra face plana.

50 mg: comprimido revestido por película em forma de cápsula, amarelo claro, gravado com “T”

e “50” em ambos os lados da ranhura numa das faces e plano na outra face.

O comprimido pode ser dividido em duas partes iguais.

100 mg: comprimido revestido por película em forma de cápsula, amarelo, gravado com “T” e

“100” em ambos os lados da ranhura numa das faces e plano na outra face.

O comprimido pode ser dividido em duas partes iguais.

200 mg: comprimido revestido por película em forma de cápsula, em salmão, gravado com “T” e

“200” em ambos os lados da ranhura numa das faces e plano na outra face.

O comprimido pode ser dividido em duas partes iguais.

Embalagens:

Topiramato Teva 25 mg comprimidos revestidos por película

Blisters: 10, 20, 28, 30, 50, 56, 60, 100 e 120 comprimidos revestidos por película.

Frascos: 60 comprimidos revestidos por película

Topiramato Teva 50 mg, 100 mg, 200 mg comprimidos revestidos por película

Blisters: 10, 20, 28, 30, 50, 56, 60, 100, 120 e 200 comprimidos revestidos por película.

Frascos: 60 comprimidos revestidos por película

É possível que não estejam comercializadas todas as apresentações.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricantes:

Titular da Autorização de Introdução no Mercado:

Teva Pharma – Produtos Farmacêuticos, Lda.

Lagoas Park, Edifício 1, Piso 3

2740-264 Porto Salvo

Fabricantes

TEVA UK Ltd

Brampton Road, Hampden Park, Eastbourne

East Sussex, BN22 9AG

England

Pharmachemie B.V.

Swensweg 5, Postbus 552

2003 RN Haaarlem

The Netherlands

TEVA Santé SA

Rue Bellocier, 89107 Sens

Headquarters address: Immeuble Palatin 1, 1Cour du Triangle

92936 Paris La Défense Cedex

France

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

TEVA Pharmaceutical Works Private Limited Company

Pallagi út 13, 4042 Debrecen

Hungary

Este medicamento está autorizado nos estados membros da UE com os seguintes nomes:

Áustria:

Topiramat Teva 25, 50, 100, 200,300 & 400 mg Filmtabletten

Bélgica:

Topiramate TEVA 25, 50, 100, 200,300 & 400 mg filmomhulde tabletten

Bulgária:

Topiramate Teva 25, 50, 100,200,300 & 400 mg

Филмирани

таблетки

Rep.Checa:

Topiramat – Teva 25, 50 & 100 mg

Alemanha:

Topiramat – TEVA 25, 50,100 & 200 mg Filmtabletten

Dinamarca:

Topiramat Teva 25, 50,100 & 200 mg filmovertrukne tabletter

Estónia:

Topiramate Teva

Grécia:

Topiramate Teva 25, 50,100,200,300 & 400 mg

επικαλυµµένα

µε

λεπτό

υµένιο

δισκία

Finlândia:

Topiramat Teva 25, 50, 100, 200,300 & 400 mg tabletti, kalvopããllysteinen

França:

Topiramate TEVA 25,50,100 & 200 mg, comprimé pelliculé

Hungria:

Topiramat - Teva 25,50,100,200,300 & 400 mg filmtabletta

Irlanda:

Topiramate Teva 25,50,100,200,300 & 400 mg Film-coated Tablets

Itália:

Topiramato Teva 25,50,100 & 200 mg compresse rivestite con film

Lituânia:

Topiramate Teva 25,50,100 & 200 mg plèvele dengtos tabletés

Luxemburgo:

Topiramate TEVA 25,50,100,200,300 & 400 mg comprimés pelliculés

Letónia:

Topiramate Teva

Malta:

Topiramate Teva 25, 50 & 100 mg Film-coated Tablets

Holanda:

Topiramaat 25, 50, 100, 200, 300 & 400 mg PCH, filmomhulde tabletten

Noruega:

Topiramat Teva 25, 50, 100, 200, 300 & 400 mg Tabletter, filmdrasjert

Polónia:

RAMATOP

Portugal:

Topiramato Teva

Roménia:

Topiramate Teva 25,50,100 & 200 mg, comprimate filmate

Suécia:

Topiramat Teva 25, 50, 100,200,300 & 400 mg filmdragerad tablett

Eslovénia:

Topiramat Teva 25, 50, 100 & 200 mg filmsko obložene tablete

Eslováquia:

Topiramat - Teva 25,50,100 & 200 mg filmom obalené tablety

Reino Unido:

Topiramate 25, 50, 100, 20

Este folheto foi aprovado pela última vez em:

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1. NOME DO MEDICAMENTO

Topiramato Teva 25 mg comprimidos revestidos por película

Topiramato Teva 50 mg comprimidos revestidos por película

Topiramato Teva 100 mg comprimidos revestidos por película

Topiramato Teva 200 mg comprimidos revestidos por película

2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada comprimido revestido por película contém 25 mg, 50 mg, 100 mg, 200 mg,

300 mg e 400 mg de topiramato.

Excipientes

25 mg: cada comprimido revestido por película contém 28,5 mg de lactose.

50 mg: cada comprimido revestido por película contém 21,14 mg de lactose.

100 mg: cada comprimido revestido por película contém 42,28 mg de lactose.

200 mg: cada comprimido revestido por película contém 84,55 mg de lactose e

0,060 mg de laca vermelho allura AC (E 129)

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. FORMA FARMACÊUTICA

Comprimido revestido por película

comprimido

revestido

película,

forma

cápsula,

branco

esbranquiçado, gravado com “T25” numa das faces, sendo a outra face plana.

50 mg: comprimido revestido por película em forma de cápsula, amarelo claro,

gravado com “T” e “50” em ambos os lados da ranhura numa das faces e plano na

outra face. O comprimido pode ser dividido em duas partes iguais.

100 mg: comprimido revestido por película em forma de cápsula, amarelo, gravado

com “T” e “100” em ambos os lados da ranhura numa das faces e plano na outra

face. O comprimido pode ser dividido em duas partes iguais.

200 mg: comprimido revestido por película em forma de cápsula, cor salmão,

gravado com “T” e “200” em ambos os lados da ranhura numa das faces e plano na

outra face. O comprimido pode ser dividido em duas partes iguais.

4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Indicações terapêuticas

Adultos e adolescentes com idade igual ou superior a 12 anos: este medicamento

está indicado como terapêutica adjuvante para doentes com epilepsia, com crises

parciais e/ou crises generalizadas tónico-clónicas.

Adultos e adolescentes com idade igual ou superior a 12 anos:

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Em monoterapia em doentes com epilepsia, com crises epilépticas parciais e/ou

crises generalizadas tónico-clónicas.

Adultos: Tratamento de segunda linha para a profilaxia da enxaqueca (não é

adequado para o tratamento agudo da enxaqueca).

4.2 Posologia e modo de administração

Para um controlo ideal da crise, tanto em adultos como em adolescentes com idade

igual ou superior a 12 anos, recomenda-se que a terapêutica seja iniciada com uma

dose baixa seguida de um ajuste posológico, até ser alcançada uma dose eficaz, para

evitar reacções adversas resultantes da dependência à dose.

Não

necessário

monitorizar

concentrações

plasmáticas

para

optimizar

terapêutica com topiramato. Para doses não praticáveis com uma dosagem estão

disponíveis outras dosagens deste medicamento ou outras formas farmacêuticas.

Modo de administração

Os comprimidos não devem ser esmagados devido ao seu sabor amargo. O

topiramato pode ser tomado com ou sem alimentos com uma quantidade suficiente

de líquido.

Monoterapia para adultos e adolescentes com idade igual ou superior a 12 anos

O ajuste posológico deve ser iniciado com 25 mg, administrados à noite, durante a

1ª semana. A posologia deve ser aumentada com intervalos de tempo de 1-2

semanas, com incrementos de 25 mg a 50 mg/dia, administrados em duas tomas

diárias. Se o doente não tolerar este regime, podem ser efectuados incrementos

menores ou intervalos maiores entre cada aumento de dose. A posologia deve ser

efectuada de acordo com o resultado clínico.

A dosagem inicial recomendada em monoterapia com topiramato, em adultos, é de

100 mg/dia e a dosagem máxima recomendada diária é de 400 mg.

Quando

suspende

administração

simultânea

anti-epilépticos

para

conseguir a monoterapia com topiramato, deverão ser considerados os efeitos que

poderão ocorrer no controlo das crises. A menos que aspectos relativos à segurança

exijam

interrupção

abrupta

anti-epilépticos

administrados

concomitantemente,

recomenda-se

redução

gradual

quinzenal

aproximadamente

terço

medicamento

anti-epiléptico

administrado

simultâneo.

Quando se suspendem medicamentos indutores enzimáticos, os níveis de topiramato

aumentam. Se for clinicamente indicado, pode ser necessária uma diminuição na

posologia do topiramato.

Estas recomendações posológicas aplicam-se a todos os adultos, incluindo idosos, na

ausência de doença renal subjacente (ver secção 4.4).

Terapêutica adjuvante para adultos e adolescentes com idade igual ou superior a 12

anos

ajuste

posológico

deve

iniciado

topiramato

administrado à noite, durante a 1ªsemana. A dose diária total deve, depois, ser

aumentada com incrementos de 25 mg a 50 mg em intervalos de tempo de 1-2

semanas, administrados em duas tomas diárias. Se o doente não tolerar este

regime, podem ser efectuados incrementos menores ou intervalos maiores entre

cada aumento de dose. A posologia deve ser efectuada de acordo com o resultado

clínico. A dose mínima eficaz estabelecida em estudos clínicos como terapêutica

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

adjuvante foi de 200 mg por dia. Esta dose foi, assim, considerada como sendo a

dose mínima eficaz. A dose diária normal é de 200 mg a 400 mg, administrada em

duas tomas. Alguns doentes conseguem a eficácia máxima com uma única dose

diária. Alguns doentes poderão necessitar de uma dose máxima diária de 800 mg.

Terapêutica para a enxaqueca em adultos

O ajuste posológico deve ser iniciado com 25 mg administrado à noite durante a 1ª

semana. A dose deve, depois, ser aumentada com incrementos de 25 mg/dia

administrados com intervalos de uma semana. Se o doente não tolerar o regime,

podem ser efectuados intervalos maiores entre cada ajuste posológico.

dose

diária

recomendada

topiramato

como

tratamento

profiláctico

enxaqueca é de 100 mg/dia, administrada em duas tomas. Alguns doentes podem

sentir melhorias com uma dose diária de 50 mg/dia. Não foram demonstradas

melhorias adicionais com a administração de doses superiores a 100 mg/dia. A dose

e os seus ajustes devem ser efectuados de acordo com o resultado clínico. Não

existem dados relativos à eficácia e segurança para um período superior a seis

meses no tratamento profilático da enxaqueca.

Doentes com insuficiência hepática e/ou renal

Para os doentes com disfunção renal moderada (clearance da creatinina entre 30-69

ml/min) e grave (clearance da creatinina <30 ml/min), recomenda-se que se inicie a

administração com metade da dose diária normal e um ajuste com passos mais

pequenos e a um ritmo menor do que o habitual. Tal como sucede com todos os

doentes, o esquema posológico deve ser feito com base nos resultados clínicos,

sabendo que poderá demorar mais tempo para alcançar o estado estacionário após

cada ajuste posológico em doentes com insuficiência renal. Em doentes com

insuficiência renal moderada ou grave, poderão passar 10 a 15 dias até serem

atingidas as concentrações plasmáticas no estado estacionário, comparativamente

aos 4 a 8 dias observados em doentes com função renal normal.

Em doentes com insuficiência hepática, o topiramato deve ser administrado com

precaução, uma vez que a cleareance do topiramato pode ser reduzida.

Doentes em hemodiálise

Uma vez que Topiramato Teva é removido do plasma por hemodiálise, deve ser

administrada, nos dias de hemodiálise, uma dose suplementar de Topiramato Teva,

igual a aproximadamente metade da dose diária. A dose suplementar deve ser

administrada em doses repartidas, no início e no final da hemodiálise. A dose

suplementar pode ser diferente, com base nas características do método de diálise e

do equipamento utilizado. Tal como sucede com os outros doentes, a posologia deve

ser estabelecida pelos resultados clínicos (ex. controlo das crises, prevenção de

efeitos secundários).

Interrupção

Os medicamentos anti-epilépticos, como o topiramato, devem ser gradualmente

interrompidos para minimizar o potencial aumento da frequência das crises. Em

ensaios clínicos, as doses foram reduzidas para 50-100 mg/dia com intervalos de 1

semana. Em alguns doentes, a redução da dose foi mais rápida sem registo de

complicações.

4.3 Contra-indicações

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Hipersensibilidade ao topiramato, à laca vermelho allura AC (E 129) dos comprimidos

de 200 mg, ou a qualquer outro excipiente.

Tratamento para profilaxia da enxaqueca: na gravidez ou em mulheres em idade

fértil,

quando

não

utilizam

método

contraceptivo

eficaz.

gravidez,

ocorrência de crises produz um risco significativo para a mãe e para a criança. A

prevenção de crises com topiramato, indicado para esse efeito, aumenta, por

conseguinte, o risco de malformações. No entanto, a prevenção de crises de

enxaqueca não aumenta este risco. Assim, o uso de topiramato, com indicação para

a profilaxia da enxaqueca, não é recomendado durante a gravidez nem para

mulheres em idade fértil, quando não utilizam um método contraceptivo eficaz (ver

secção 4.6).

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

Insuficiência renal

A via renal é a principal via de eliminação do topiramato e dos seus metabolitos.

Recomenda-se precaução para os doentes com insuficiência renal moderada ou

grave. Poderá ocorrer uma acumulação devido à eliminação reduzida, podendo ser

necessário mais tempo do que o normal para se atingir o estado estacionário (ver

secção 4.2).

Crianças

Existe informação limitada relativamente à administração do medicamento em

crianças com idade inferior a 12 anos.

Hidratação

É muito importante que haja uma adequada hidratação durante o tratamento com

Topiramato Teva. A hidratação pode reduzir o risco de nefrolitíase (ver abaixo). O

tratamento com Topiramato Teva pode reduzir o suor, principalmente nos doentes

pediátricos. Actividades como o exercício físico ou a exposição a temperaturas

elevadas durante a administração do Topiramato Teva podem aumentar o risco de

efeitos adversos relacionados com o calor.

Nefrolitíase

Existe um risco adicional de formação de cálculos renais e de ocorrência de sinais e

sintomas como a cólica renal, dor renal, ou dor abdominal, especialmente em

doentes com predisposição para nefrolitíase. Os factores de risco para nefrolitíase

incluem a formação prévia de cálculos, antecedentes familiares de nefrolitíase e

hipercalciúria. Nenhum destes factores de risco permite prever de forma fidedigna a

formação de cálculos durante o tratamento com topiramato. O topiramato, quando

usado comcomitantemente com outros medicamentos associados à nefrolitíase

(acetazolamida, triamtereno, vitamina C> 2 g/dia) podem aumentar o risco de

nefrolitíase. Durante o uso de topiramato, medicamentos como estes e as dietas

cetogénicas devem ser evitadas uma vez que poderão criar um ambiente fisiológico

que aumenta o risco de formação de cálculos renais.

Função hepática reduzida

Em doentes com alteração da função hepática, recomenda-se a precaução na

administração de Topiramato Teva pois a cleareance deste medicamento pode ser

reduzida.

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Miopia aguda e glaucoma de ângulo fechado secundário

Foram registados casos de miopia aguda e glaucoma de ângulo fechado secundário

em doentes tratados com Topiramato Teva (ver também secção 4.8). O tratamento

inclui a suspensão imediata do Topiramato Teva, de acordo com a opinião do médico

e medidas adequadas para reduzir a pressão intraocular.

Acidose metabólica

A acidose metabólica hiperclorémica (isto é, redução do bicarbonato sérico abaixo

dos níveis normais de referência, na ausência de uma alcalose respiratória), está

associada ao tratamento com topiramato. Esta redução do bicarbonato sérico deve-

se ao efeito inibidor do topiramato na anidrase carbónica renal. Geralmente, a

redução de bicarbonato ocorre no início do tratamento podendo, no entanto, ocorrer

em qualquer altura do tratamento. Estas reduções de bicarbonato ocorrem com

frequência, mas são geralmente ligeiras a moderadas (com reduções médias de 4

mmol/L para doses de 100 mg/dia ou superiores, em adultos, e de aproximadamente

6 mg/Kg por dia, em doentes pediátricos). Os doentes, raras vezes, apresentaram

reduções para valores inferiores a 10 mmol/L. Condições clínicas ou terapêuticas que

predisponham para a acidose, (tais como doenças renais, alterações respiratórias

graves,

estados

epilépticos,

diarreia,

cirurgia,

dieta

cetogénica

certos

medicamentos),

podem

efeito

aditivo

resultados

redução

bicarbonato provocados pelo topiramato.

A acidose metabólica crónica aumenta o risco de formação de cálculos renais.

A acidose metabólica crónica pode causar, em doentes pediátricos, osteomalácia

(raquitismo) e pode reduzir as taxas de crescimento. O efeito do topiramato no

crescimento

sequelas

ósseas

não

sistematicamente

estudado

populações pediátricas ou adultas. Recomenda-se uma análise dos níveis séricos de

bicarbonato durante a terapêutica com topiramato, especialmente em doentes com

condições ou terapêuticas que predispõem a acidose metabólica. Se a acidose

metabólica se desenvolver e persistir, deve ser tida em consideração a redução da

dose ou a interrupção do tratamento com topiramato (usando uma diminuição

gradual da dose).

Perturbações de humor/depressão

Durante o tratamento com topiramato, foi observado um aumento da incidência de

perturbações do humor (incluindo agressão), de reacções psicóticas e depressão (ver

secção 4.8). Os doentes devem ser monitorizados no que se refere a sinais de

depressão e, se necessário, conduzidos a um tratamento adequado.

Suicídio

Foram notificados casos de ideação e comportamento suicida em doentes tratados

com medicamentos antiepilépticos, em várias indicações terapêuticas. Uma meta-

análise de ensaios aleatorizados de medicamentos antiepilépticos, contra placebo,

mostrou também um pequeno aumento do risco de ideação e comportamento

suicida. Não é ainda conhecido o mecanismo que explica este risco e os dados

disponíveis não excluem a possibilidade de um aumento do risco para o topiramato.

Os doentes devem ser monitorizados quanto aos sinais de ideação e comportamento

suicida, devendo ser considerada a necessidade de tratamento adequado. Os

doentes (e os prestadores de cuidados com os doentes) devem ser aconselhados a

contactar o médico assim que surjam sinais de ideação e comportamento suicida.

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Profilaxia da enxaqueca em adultos

Os doentes que estão a receber tratamento prolongado com topiramato para a

profilaxia da enxaqueca devem ser regularmente pesados e monitorizados na

contínua perda de peso. Caso ocorra uma perda de peso clinicamente significativa,

deve considerar-se a suspensão do medicamento.

Perda de peso

Foi observada, em ensaios clínicos com topiramato, perda de peso ou a ausência de

aumento de peso em crianças na fase de crescimento. Recomenda-se que o seu peso

seja monitorizado durante o tratamento com topiramato. Deve ser considerada a

administração de um suplemento alimentar em doentes com perda de peso durante

esta terapêutica.

Excipientes

Este medicamento contém lactose. Doentes com problemas hereditários raros de

intolerância à galactose, deficiência de lactase de Lapp ou malabsorção de glucose-

galactose não devem tomar este medicamento.

200 mg: este medicamento contém laca vermelho allura AC (E 129) e pode causar

reacções alérgicas.

4.5 Interacções medicamentosas e outras formas de interacção

Efeitos de topiramato sobre os outros medicamentos anti-epilépticos

A associação de topiramato à carbamazepina, ao ácido valpróico ou à lamotrigina

produz pouco ou nenhum efeito sobre as concentrações plasmáticas no estado

estacionário. Em doentes ocasionais, o tratamento com topiramato e fenitoína pode

provocar uma elevação das concentrações plasmáticas desta. Consequentemente,

em qualquer doente que apresente sinais ou sintomas de toxicidade, deve proceder-

se à monitorização das concentrações plasmáticas da fenitoína.

Efeitos dos outros medicamentos anti-epilépticos sobre o topiramato

Durante o tratamento simultâneo com a fenitoína ou com a carbamazepina, as

concentrações plasmáticas de topiramato diminuíram, provavelmente devido ao

metabolismo

induzido.

associação

interrupção

fenitoína

carbamazepina à terapêutica com topiramato requer um ajustamento posológico

deste último. Estes ajustes posológicos devem ser efectuados por avaliação do efeito

clínico.

A associação ou interrupção do ácido valpróico ou da lamotrigina não produz

alterações clinicamente significativas nas concentrações plasmáticas do topiramato.

Foram registados poucos casos de encefalopatia com ou sem hiperamoniémia para

doentes tratados com topiramato e a tomar simultaneamente valproato ou outros

fármacos anti-epilépticos.

Outras interações medicamentosas

Digoxina:

A AUC para uma dose única de digoxina diminuiu para 12% devido à administração

concomitante de topiramato Quando os doentes são tratados simultaneamente com

digoxina e topiramato, a digoxina sérica deve ser cuidadosamente monitorizada. A

digoxina sérica deve também ser monitorizada após a interrupção do topiramato.

Contraceptivos:

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Num estudo de interacção farmacocinética, em voluntários saudáveis, a monoterapia

com doses de topiramato de 50 mg/dia a 200 mg/ dia não afectou a exposição (AUC)

combinação

contraceptivos

orais

noretindrona

etinilestradiol). No entanto, noutro estudo, a exposição de etinilestradiol diminuiu de

forma significativa, para doses de 200, 400 e 800 mg/dia de topiramato (18%, 21%

respectivamente),

quando

administrado

como

terapêutica

adjuvante

doentes a tomar ácido valpróico, enquanto a exposição a noretindrona não foi

afectada. O significado clínico das alterações observadas não é conhecido. A

possibilidade de diminuição da eficácia do contraceptivo oral e do aumento da

interrupção da hemorragia devem ser tidas em consideração para doentes a tomar

contraceptivos contendo estrogénio combinados com topiramato. Deve recomendar-

se aos doentes que tomam contraceptivos contendo estrogénio que comuniquem ao

médico quaisquer alterações que ocorram nos seus padrões hemorrágicos.

Hidroclorotiazida (HCTZ):

HCTZ

aumenta

exposição

topiramato

aproximadamente

30%.

significado clínico desta alteração não é conhecido, mas a adição de HCTZ ao

tratamento com topiramato pode exigir um ajuste da dose de topiramato. A

farmacocinética da HCTZ não foi significativamente influenciada com a administração

concomitante de topiramato. Resultados clínicos laboratoriais indicam uma redução

do potássio sérico após a administração de topiramato ou de HCTZ, que era maior

quando a HCTZ e o topiramato eram administrados concomitantemente.

Metformina

Foi realizado um estudo de interacção em voluntários saudáveis para avaliar a

farmacocinética no estado estacionário da metformina 500 mg administrada duas

vezes ao dia e do topiramato administrado duas vezes ao dia, no plasma, quando a

metformina e o topiramato eram administrados em simultâneo. Os resultados deste

estudo indicam que a média de Cmáx e a média da AUC 0-12h da metformina

aumentavam em 18% e 25% respectivamente, enquanto que a média da CL/F

reduzia

quando

metformina

topiramato

eram

administrados

simultaneamente. O significado clínico do efeito do topiramato na farmacocinética da

metformina não é claro. A clearance plasmática do topiramato oral parece ser

reduzida quando administrada com a metformina. Desconhece-se a extensão do

efeito na clearance. O significado clínico do efeito da metformina na farmacocinética

do topiramato não é claro. Quando o topiramato é associado ou retirado em doentes

a receberem tratamento com metformina deverá haver precaução em relação à

monitorização de rotina para o controlo adequado do estado da diabetes.

Interacções com álcool

Os efeitos no sistema nervoso central podem aumentar com a administração

concomitante

álcool.

Não

recomenda

administração

concomitante

topiramato com álcool ou com outros depressores do SNC.

Pioglitazona

A farmacocinética no estado estacionário do topiramato não foi significativamente

influenciada pela administração concomitante da pioglitazona. O topiramato causa

uma redução de 15% na exposição da pioglitazona e na exposição do hidroxi-

metabolito

activo

(embora

menos

potente)

ceto-metabolito

activo

pioglitazona em 16% e 60%, respectivamente. Desconhece-se o significado clínico

destes resultados. Quando o topiramato é associado ou retirado à pioglitazona, ou

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

vice-versa, deve dar-se especial atenção à monitorização de rotina dos doentes para

um adequado controlo do estado da diabetes.

Diltiazem

Doses de 150 mg/dia de topiramato reduziu a exposição do diltiazem e do metabolito

desacetil diltiazem em 25% e 18% respectivamente, mas não altera a exposição do

metabolito N-dimetil diltiazem. O efeito do topiramato pode ser mais significativo

para doses mais elevadas. O tratamento com o diltiazem aumentou a exposição do

topiramato em 20%. O efeito do diltiazem pode ser maior quando o topiramato é

administrado simultaneamente com outros medicamentos anti-epilépticos.

Glibenclamida

O tratamento simultâneo com topiramato, com ajuste posológico gradual durante 5

semanas e mantido a 150 mg/dia durante uma semana, resultou numa redução de

25% na AUC24 da glibenclamida e numa ligeira diminuição na exposição sistémica

metabolitos

activos

4-trans-hidroxi-glibenclamida

(M1)

3-cis-hidroxi-

glibenclamida (M2). Deve considerar-se o facto de que o efeito do topiramato é mais

acentuado para doses elevadas. A farmacocinética em estado estacionário do

topiramato não foi afectada pela administração concomitante da glibenclamida.

Quando o topiramato é associado à terapêutica com glibenclamida, ou vice-versa,

deve dar-se especial atenção à monitorização de rotina dos doentes para um

adequado controlo do estado da diabetes.

Lítio

Foi observada, em voluntários saudáveis, uma redução (de 18% da AUC) na

exposição sistémica de lítio durante a administração concomitante de topiramato 200

mg/dia. Em doentes com doença bipolar, a farmacocinética do lítio não foi afectada

durante o tratamento com topiramato 200 mg/dia. No entanto, foi observado um

aumento (de 26% da AUC), após o tratamento com topiramato em doses até 600

mg/dia. Os níveis de lítio devem ser monitorizados quando co-administrados com

topiramato.

Estudos de interacção farmacocinética adicionais

O topiramato não altera a exposição à amitriptilina. No entanto, o topiramato

aumenta a exposição do metabolito activo da amitriptilina, a nortriptilina, em 20%.

Desconhece-se a importância clínica deste facto. O topiramato não altera a exposição

ao haloperidol. No entanto, o topiramato aumenta a exposição do metabolito activo

reduzido do haloperidol em 31%. Desconhece-se a importância clínica deste facto.

Não existem interacções farmacocinéticas entre o topiramato e o propranolol, a

dihidroergotamina ou o pizotifeno. O topiramato não afecta a farmacocinética do

sumatriptano (oral ou subcutâneo).

Potenciais interacções não estudadas

O topiramato inibe a enzima CYP2C19 e pode influenciar outras substâncias activas

são

metabolizadas

através

desta

enzima,

como

diazepam,

imipramina,

moclobemida, proguanil e omeprazol. No entanto, isto não foi estudado.

A ingestão simultânea de inibidores da anidrase carbónica (ex. sultiame, zonisamida)

topiramato

não

avaliada

estudos

clínicos.

combinação

destas

substâncias pode aumentar os efeitos adversos devido à inibição da anidrase

carbónica.

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

4.6 Gravidez e aleitamento

Gravidez

Foi observado um aumento da frequência de malformações (malformações das

extremidades

distais

crânio-faciais,

insuficiência

cardíaca),

posterior

administração de determinados anti-epilépticos, durante o primeiro trimestre da

gravidez.

O tratamento combinado aumenta o risco do aparecimento de malformações e por

isso é importante, sempre que possível, utilizar a monoterapia.

demonstrado

topiramato

produz

efeitos

teratogénicos

animais

estudados (ratinhos, ratos e coelhos). Em ratos, o topiramato atravessa a barreira

placentária.

Todas as mulheres em idade fértil ou com possibilidade de engravidar deverão

receber aconselhamento médico especializado. Recomenda-se que as mulheres em

idade fértil utilizem contraceptivos adequados. A necessidade de tratamento com

medicamentos anti-epilépticos deverá ser reavaliado sempre que a mulher pretender

engravidar.

Epilepsia

Não existem estudos sobre a utilização de Topiramato Teva na mulher grávida. No

entanto, Topiramato Teva só deverá ser utilizado durante a gravidez se os potenciais

benefícios compensarem o potencial risco.

experiência

pós-comercialização,

foram

relatados

casos

hipospadia

crianças do sexo masculino expostas in utero ao topiramato, tanto em monoterapia

como associado a outros medicamentos anti-epilépticos. Não foi estabelecida uma

relação causal com o topiramato. Se, no entanto, a profilaxia da crise for fraca ou

descontinuada, poderá causar um risco considerável tanto para a mãe como para o

feto,

provavelmente

mais

grave

risco

malformação.

Consequentemente, durante a gravidez, só deverá prescrever-se tratamento com

medicamentos anti-epilépticos, tendo em conta o que foi anteriormente referido.

Profilaxia da enxaqueca

Tratamento para a profilaxia da enxaqueca: o topiramato está contra-indicado em

caso de gravidez ou em mulheres em idade fértil, quando não é utilizado um método

de contracepção eficaz (ver secção 4.3).

Aleitamento

No Homem, o topiramato é excretado no leite materno. Observações limitadas

sugerem uma relação leite/plasma de 1:1. Tendo em conta os potenciais efeitos

adversos para as crianças, não se recomenda a amamentação caso a mãe tenha de

fazer uma terapêutica continuada.

4.7 Efeitos sobre a capacidade de condução de veículos e utilização de máquinas

Topiramato Teva tem uma influência significativa sobre a capacidade de condução de

veículos e de utilização de máquinas.

Topiramato Teva actua sobre o Sistema Nervoso Central e pode provocar sonolência,

tonturas ou outros sintomas relacionados, podendo, assim, reduzir a atenção exigida

nas actividades motoras.

4.8 Efeitos indesejáveis

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Muito frequentes

(> 1/10)

Frequentes

(> 1/100 a <1/10);

Pouco frequentes

(> 1/1.000 a 1/100);

Raros

(>1/10.000 a 1/1.000);

Muito raros

(< 1/10.000)

Não conhecidos

(não podem ser avaliados a partir dos dados disponíveis).

O perfil de efeitos indesejáveis do Topiramato Teva baseia-se em dados de estudos

clínicos a partir de 1.800 indivíduos.

Classes

de sistemas

de orgãos

Muito

frequentes

Frequentes

Pouco

frequentes

Raros

Doenças

sangue

sistema

linfático

Anemia,

hemorragia nasal,

Púrpura,

leucopenia,

trombocitopenia

Neutropenia

Doenças

sistema

nervoso

Ataxia,

parestesia,

alterações

discurso,

afasia

Tremor, problemas

coordenação,

alterações

forma

andar,

nistagmus,

alteração

paladar

Hipoquinesia,

torpor

Miopia aguda e

glaucoma

ângulo fechado

secundário, dor

ocular

Afecções

oculares

Diplopia,

perturbações

visuais

Miopia

Doenças

respiratórias,

torácicas e do

mediastino

Dispneia

Doenças

gastro-

intestinais

Obstipação,

abdominal

Diarreia,

vómitos e boca

seca

Doenças renais

e urinárias

Incontinência

urinária,

nefrolitíase

Afecções

tecidos

cutâneos

subcutâneos

Alopécia

Foliculite

prurido

Doenças

metabolismo e

da nutrição

Redução

peso corporal

Acidose metabólica

Perturbações

gerais

e alterações no

local

administração

Tonturas,

fadiga,

sonolência,

nervosismo,

cabeça,

musculo-

esquelética,

reacções alérgicas,

insónia

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

náuseas

Afecções

hepatobiliares

Aumento

enzimas

hepáticas

Doenças

órgãos genitais

e da mama

Perturbações

menstruais,

impotência

Perturbações

foro

psiquiátrico

Problemas

memória,

anorexia,

confusão

lentidão

psicomotora,

depressão,

problemas

concentração,

ansiedade.

Apatia,

astenia,

euforia,

instabilidade

emocional,

agitação,

problemas

cognitivos, redução

da líbido, reacções

agressivas, psicose

sintomas

psicóticos

Alucinações,

alterações da

personalidade,

pensamentos

suicida,

tentativas

suicídio

Em doentes tratados com topiramato enquanto terapêutica associada, foi registado 1

caso de reacção tromboembólica em cada 100 doentes. A maioria destes recebeu

tratamento durante mais de 6 meses e tinham mais de um factor de risco. Não foi

estabelecida qualquer relação com o topiramato.

Uma vez que o Topiramato Teva foi muito frequentemente co-administrado com

outros medicamentos anti-epilépticos, é difícil determinar que medicamentos estão

associados às reacções adversas.

Qualitativamente, os tipos de reacções adversas observados em monoterapia eram

geralmente similares aos observados durante a terapêutica adjuvante. À excepção

da parestesia e fadiga, estas reacções adversas foram registadas em monoterapia

com taxas de incidência semelhante ou mais baixa. Em ensaios clínicos de dupla

ocultação, as reacções que ocorreram numa incidência maior ou igual a 10% em

doentes adultos tratados com Topiramato Teva incluíram parestesia, dor de cabeça,

fadiga, tonturas, sonolência, perda de peso, náuseas e anorexia.

Nos ensaios pós-comercialização, foram registados casos raros de aumento das

enzimas

hepáticas,

acidose

metabólica

registos

isolados

hepatite

insuficiência hepática em doentes tratados com topiramato, bem como convulsões

após a retirada do topiramato (mesmo em doentes sem antecedentes de epilepsia).

Dados de estudos clínicos indicam que o topiramato foi associado a uma diminuição

média de 4 mmol/l no nível de bicarbonato sérico (ver também secção 4.4). Foi

raramente registada oligohidrose com o tratamento com topiramato, acompanhada

por vezes por sintomas de febre e rubor. A maioria destes casos verificou-se em

crianças. Foram registadas, com pouca frequência, reacções relacionadas com o

suicídio (ver secção 4.4).

Foram igualmente registados casos isolados de bolhas na pele e mucosas (incluindo

eritema multiforme, pênfigo, Síndrome de Stevens-Johnson e necrólise epidérmica

tóxica).

maioria

destes

casos

ocorreu

doentes

tomavam

outros

medicamentos, também associadas com o aparecimento de bolhas na pele e

mucosas

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

Verificaram-se registos raros de miopia aguda e de glaucoma de ângulo fechado

secundário em doentes tratados com topiramato (ver secção 4.4). Os sintomas

incluem um agravamento acentuado da perda da acuidade visual e/ ou dor ocular

durante um mês após o início da terapêutica com topiramato. Foram afectados tanto

doentes pediátricos como adultos.

experiência

pós-comercialização,

foram

recebidos

registos

muito

raros

cegueira temporária. No entanto, não foi estabelecida qualquer relação causal com o

tratamento.

Em ensaios clínicos de dupla ocultação para a enxaqueca, a incidência dos efeitos

secundários relacionados com a dose era, de um modo geral, mais baixa do que em

ensaios clínicos para a epilepsia, uma vez que as doses mais baixas eram usadas nos

ensaios clínicos para a enxaqueca.

4.9 Sobredosagem

Sinais e sintomas

Foram registados casos de sobredosagem com topiramato. Os sinais e sintomas

incluíram sonolência, dor de cabeça, perturbações da fala, visão turva, diplopia,

défice intelectual, letargia, coordenação anormal, torpor, hipotensão, dor abdominal,

agitação, tonturas e convulsões. As consequências clínicas não foram graves na

maioria dos casos, mas foram registadas mortes após sobredosagem com terapia

múltipla envolvendo topiramato.

A sobredosagem com topiramato pode causar acidose metabólica grave (ver secção

4.4). Um doente que ingeriu uma dose calculada entre 96g e 110 g de topiramato foi

em coma para o hospital, situação que durou 20-24 horas, seguido de recuperação

total após 3-4 dias.

Tratamento

Deve ser efectuado um tratamento de suporte apropriado. Deve remover-se a

substância activa não absorvida do tracto gastrointestinal com lavagem ou com

carvão

activado,

considerado

necessário

perspectiva

clínica.

hemodiálise demonstrou constituir um meio eficaz para a remoção do topiramato do

organismo. O doente deve ser bem hidratado.

5. PROPRIEDADES FARMACODINÂMICAS

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: 2.6- anti-epilépticos e anti-convulsionantes

Código ATC: N03A X11

O topiramato é classificado como um monosacarido sulfamato substituído. Foram

identificadas três propriedades farmacológicas do topiramato que podem contribuir

para o seu efeito anti-convulsivante. O topiramato reduz a frequência dos potenciais

acção

são

gerados

quando

neurónios

são

submetidos

despolarização prolongada, indicativa do bloqueio dependente do estado dos canais

de sódio sensíveis à voltagem.

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

O topiramato aumenta a actividade dos GABA através de alguns tipos de receptores

GABA. O topiramato antagoniza ligeiramente a actividade excitante do receptor

glutamato, subtipo kainato/AMPA mas não tem efeito aparente na actividade de N-

metil-D-aspartato

(NMDA)

receptores

subtipo

NMDA.

Além

disto,

topiramato inibe algumas isoenzimas da anidrase carbónica. Este efeito não constitui

um dos principais componentes da actividade anti-epiléptica do topiramato.

A eficácia do topiramato na profilaxia da enxaqueca foi avaliada em dois ensaios

clínicos paralelos, multicêntricos, randomizados, de dupla ocultação controlados por

placebo.

resultados

combinados

ensaios

avaliaram

doses

topiramato de 50 mg (N=233), 100 mg (N=244) e 200 mg (N=228) por dia,

demonstraram uma redução média percentual, para o endpoint da eficácia primário,

taxa

média

mensal

período

enxaqueca,

35%,

respectivamente, comparada aos 21% para o grupo do placebo (N=229). As doses

de 100 mg e 200 mg/dia de topiramato foram estatisticamente superiores ao

placebo, enquanto que as diferenças para a dose de 50 mg/dia, comparada com o

placebo, não foram estatisticamente significativas. 27% dos doentes que tomaram

100 mg/dia de topiramato atingiram, pelo menos, uma redução de 75% na

frequência da enxaqueca (11% de placebo), enquanto 52% atingiram, pelo menos,

uma redução de 50% ( 23% de placebo).

Num terceiro ensaio clínico paralelo, multicêntrico, randomizado e de dupla ocultação

foi demonstrado que a frequência mensal dos períodos da enxaqueca (endpoint

primário) diminuiu em -0,8 períodos/mês quando comparados com o período base a

utilizar placebo. A redução sob o efeito da utilização de 100 mg de topiramato por

dia foi de – 1,6 períodos/mês, e sob o efeito da utilização de 200 mg de topiramato

por dia foi de -1.1 períodos/dia. Estas diferenças não foram estatisticamente

significativas.

Num estudo suplementar, a partir da análise de eficácia primária, não foram

encontradas diferenças estatisticamente significativas entre o topiramato 200 mg e o

placebo (alteração na taxa mensal dos episódios de enxaqueca versus linha de base.

5.2 Propriedades farmacocinéticas

Absorção

O topiramato é rapidamente absorvido. Após a administração oral de 400 mg,

atinge-se

Cmáx

após

aproximadamente

horas.

topiramato

farmacocinética linear com um aumento da concentração plasmática proporcional à

dose para o intervalo testado entre 200 mg-800 mg/dia.

Não existem dados para a administração intravenosa. Com base na radioactividade

recuperada na urina, a extensão média da absorção de uma dose de 100 mg de 14C-

topiramato foi de pelo menos 81%. Com base em dados retirados a partir da urina, a

biodisponibilidade pode ser estimada em aproximadamente 50%. A ingestão de

alimentos sobre o topiramato não tem um efeito clinicamente significativo. A

variabilidade na cinética é de 25-35%. A concentração plasmática máxima (Cmáx)

em voluntários saudáveis após doses múltiplas de 100 mg duas vezes ao dia é de

aproximadamente 7 µg/ml.

Distribuição

O volume médio aparente de distribuição foi avaliado em 0,55 – 0,8 l/kg. Detectou-

se um efeito do sexo no volume de distribuição, com valores para o sexo feminino de

aproximadamente 50% dos valores para o sexo masculino. Existe uma ligação do

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

topiramato aos eritrócitos, mas a ligação está provavelmente saturada entre 3-10

µg/ml. A taxa de ligação do topiramato às proteínas plasmáticas é de 13 a 17%. Não

existem dados sobre a distribuição no líquido cérebro-espinal.

Metabolismo

topiramato

moderadamente

metabolizado

(aproximadamente

20%)

voluntários saudáveis. Após a administração simultânea de medicamentos anti-

epilépticos com conhecidos efeitos de indutores de enzimas, o metabolismo pode

aumentar até 50%. Foram isolados seis metabolitos, caracterizados e identificados a

partir do plasma, urina e fezes de seres humanos.

Eliminação

A clearance renal é de aproximadamente 18 ml/min. Isto está muito abaixo do

esperado, o que indica uma re-absorção tubular do topiramato. Em geral, a

clearance plasmática é de aproximadamente 20 a 30 ml/min, após a administração

oral. A via mais importante de eliminação para o topiramato e os seus metabolitos

são os rins.

Após a administração de doses múltiplas de 50 mg e de 100 mg de topiramato duas

vezes ao dia, a semi-vida média de eliminação foi de aproximadamente 21 horas. Os

doentes com uma função renal normal podem necessitar de 4-8 dias para atingirem

concentrações plasmáticas em estado estacionário, enquanto que os doentes com

insuficiência renal moderada a grave podem precisar de 10-15 dias de tratamento. A

clearance

plasmática

renal

topiramato

são

reduzidas

doentes

insuficiência renal.

Grupos de doentes especiais

Insuficiência renal:

Em comparação com a função renal normal (clearance da creatinina > 70 ml/min), a

clearance do topiramato foi 42% mais baixo em doentes com insuficiência renal

moderada (clearance da creatinina 30-60 ml/min) e 54% mais baixo em doentes

com insuficiência renal grave

(clearance da creatinina <30 ml/min). Em alguns doentes com insuficiência renal

grave, a redução na cleareance pode ser maior. No geral, recomenda-se metade da

dose habitual aos doentes com insuficiência renal moderada ou grave.

Insuficiência hepática:

A cleareance plasmática do topiramato é reduzida em 20-30% nos doentes com

insuficiência hepática moderada a grave.

Idosos:

A cleareance plasmática do topiramato em doentes idosos, na ausência de doença

renal subjacente, mantém-se inalterada.

Crianças:

A farmacocinética do topiramato nas crianças, tal como nos adultos que recebem

terapêutica

adjuvante,

linear,

clearance

independente

dose

concentrações plasmáticas no estado estacionário aumentando proporcionalmente à

dose. No entanto, as crianças têm uma clearance maior e uma semi-vida de

eliminação

mais

curta.

Consequentemente,

crianças,

concentrações

plasmáticas de topiramato para a mesma dose em mg/kg deve ser mais baixa

comparativamente aos adultos. Como nos adultos, os medicamentos anti-epilépticos

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

indutores das enzimas hepáticas diminuem as concentrações plasmáticas no estado

estacionário.

5.3 Dados de segurança pré-clínica

Em estudos de toxicidade, foi identificada a toxicidade induzida pelo topiramato,

sendo os orgãos-alvo o estômago, os rins, a bexiga e o sangue (anemia). A

toxicidade foi evidente em animais para exposições sistémicas, que eram as

esperadas nos doentes que tomaram as doses recomendadas. Desconhece-se a

importância clínica destes resultados, embora não possa ser excluída.

Estudos de toxicidade reprodutiva demonstraram que o topiramato era teratogénico

animais

estudados

(ratinhos,

ratos

coelhos),

para

níveis

exposição

sistémica abaixo das esperadas nos doentes que tomaram as doses recomendadas.

Desconhece-se o risco humano, embora não possa ser excluído.

Foi demonstrado in vitro um bloqueio moderado dos canais de cálcio, podendo levar

ao risco de prolongamento do intervalo QT, para doses elevadas e em doentes com

outros factores arritmogénicos.

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1 Lista de excipientes

Núcleo:

Lactose monohidratada

Amido milho pré-gelificado

Celulose microcristalina

Glicolato de amido sódico (tipo A)

Sílica anidra coloidal

Estearato de magnésio

Revestimento:

Dióxido de titânio (E171)

25 mg:

Macrogol 4000

Polidextrose

Hipromelose

50 mg:

Macrogol 3350

Álcool polivinílico

Talco

Óxido de ferro amarelo (E172)

100 mg:

Macrogol 4000

Polidextrose

Hipromelose

Óxido de ferro amarelo (E172)

Óxido de ferro preto (E172)

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

200 mg:

Macrogol 4000

Polidextrose

Hipromelose

Óxido de ferro vermelho (E172)

Laca vermelho allura AC (E 129)

Laca índigo carmim (E132)

6.2 Incompatibilidades

Não aplicável

6.3 Prazo de validade

3 anos (comprimidos de 25, 50, 100, 200 mg)

6.4 Precauções especiais de conservação

Não conservar acima de 30º.

Os comprimidos devem ser conservados na embalagem de origem de modo a

ficarem protegidos da humidade.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

Blisters: OPA/Al/PVC-Blisters de alumínio

Frascos: brancos de polietileno de alta densidade com tampas de polipropileno

brancas com fecho resistente às crianças e com silicagel como agente exsicante.

Embalagens:

25 mg

Blisters: 10, 20, 28, 30, 50, 56, 60, 100 e 120 comprimidos revestidos por película.

Frascos: 60 comprimidos revestidos por película

50 mg

Blisters: 10, 20, 28, 30, 50, 56, 60, 100, 120 e 200 comprimidos revestidos por

película.

Frascos: 60 comprimidos revestidos por película

100 mg

Blisters: 10, 20, 28, 30, 50, 56, 60, 100, 120 e 200 comprimidos revestidos por

película.

Frascos: 60 comprimidos revestidos por película

200 mg

Blisters: 10, 20, 28, 30, 50, 56, 60, 100, 120 e 200 comprimidos revestidos por

película.

Frascos: 60 comprimidos revestidos por película

É possível que não estejam comercializadas todas as apresentações.

APROVADO EM

27-12-2010

INFARMED

6.6 Precauções especiais de eliminação

Não existem requisitos especiais.

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Teva Pharma – Produtos Farmacêuticos, Lda.

Lagoas Park, Edifício 1, Piso 3

2740-264 Porto Salvo

8. NÚMERO(S) DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Topiramato Teva 25 mg comprimidos revestidos por película

5108451 – 20 comprimidos (blister)

5108469 – 60 comprimidos (blister)

5108477 - 60 comprimidos (frasco)

Topiramato Teva 50 mg comprimidos revestidos por película

5108501 – 20 comprimidos (blister)

5108519 – 60 comprimidos (blister)

5108527 - 60 comprimidos (frasco)

Topiramato Teva 100 mg comprimidos revestidos por película

5108535 – 20 comprimidos (blister)

5108543 – 60 comprimidos (blister)

5108550 - 60 comprimidos (frasco)

Topiramato Teva 200 mg comprimidos revestidos por película

5108568 – 20 comprimidos (blister)

5108576 – 60 comprimidos (blister)

5108600 - 60 comprimidos (frasco)

DATA

PRIMEIRA

AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO

AUTORIZAÇÃO

INTRODUÇÃO NO MERCADO

30-04-2008

10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação