Serevent Diskus 50 µg/dose Pó para inalação

Portugal - português - INFARMED (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Salmeterol
Disponível em:
Glaxo Wellcome Farmacêutica, Lda.
Código ATC:
R03AC12
DCI (Denominação Comum Internacional):
Salmeterol
Dosagem:
50 µg/dose
Forma farmacêutica:
Pó para inalação
Composição:
Salmeterol, xinafoato 72.5 µg/dose
Via de administração:
Via inalatória
Unidades em pacote:
Nebulizador - 1 unidade(s) - 60 dose(s)
Classe:
5.1.1 - Agonistas adrenérgicos beta
Tipo de prescrição:
MSRM Medicamento sujeito a receita médica
Grupo terapêutico:
N/A
Área terapêutica:
salmeterol
Indicações terapêuticas:
Duração do Tratamento: Longa Duração
Resumo do produto:
Fita termossoldada 1 unidade(s) - 60 dose(s) Comercializado Número de Registo: 8786459 CNPEM: 50147030 CHNM: 10114098 Grupo Homogéneo: N/A
Status de autorização:
Autorizado
Número de autorização:
6/34/94
Data de autorização:
1995-12-22

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

Folheto informativo: Informação para o utilizador

Serevent Diskus 50 microgramas/dose pó para inalação

Salmeterol

Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento, pois contém informação

importante para si.

- Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.

- Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro.

- Este medicamento foi receitado apenas para si. Não deve dá-lo a outros. O medicamento pode ser-lhes

prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sinais de doença.

- Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não indicados neste

folheto, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro. Ver secção 4.

O que contém este folheto:

1. O que é Serevent Diskus e para que é utilizado

2. O que precisa de saber antes de utilizar Serevent Diskus

3. Como utilizar Serevent Diskus

4. Efeitos secundários possíveis

5. Como conservar Serevent Diskus

6. Conteúdo da embalagem e outras informações

1. O que é Serevent Diskus e para que é utilizado

O Serevent Diskus contém como substância activa o salmeterol. Este é um broncodilatador de longa

duração de acção que ajuda a via respiratória a permanecer aberta, facilitando a entrada e saída de ar. O

efeito sente-se geralmente, entre 10 a 20 minutos e dura, pelo menos, 12 horas.

O médico prescreveu Serevent Diskus para prevenir problemas respiratórios que podem ser causados pela

asma. A administração regular de Serevent Diskus ajudará a prevenir crises de asma, incluindo a asma

induzida pelo exercício ou a asma nocturna.

A administração regular de Serevent Diskus ajudará também a prevenir outros problemas respiratórios

como por ex. a doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC).

Serevent Diskus impede o aparecimento de falta de ar e pieira, porém, não actua quando alguma destas

situações está instalada. Neste caso precisará de utilizar um medicamento de acção rápida para alívio, tal

como o salbutamol.

Se está a ser tratado para a asma, Serevent Diskus deverá ser sempre prescrito com um corticosteróide

inalado.

2. O que precisa de saber antes de utilizar Serevent Diskus

Não utilize Serevent Diskus se:

Tem alergia (hipersensibilidade) ao xinafoato de salmeterol ou a qualquer outro componente de Serevent

Diskus.

Advertências e precauções

Fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro antes de utilizar Serevent Diskus.

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

Se a sua asma ou respiração piorar contacte o seu médico imediatamente. Poderá sentir mais pieira, pressão

no peito ou necessidade de utilizar mais vezes a sua medicação de alívio de acção rápida. Se qualquer

destas situações acontecer, não aumente o número de actuações de Serevent Diskus. A sua situação poderá

piorar e ficar gravemente doente. Contacte o seu médico pois poderá necessitar de alterar o tratamento para

a asma.

Se lhe foi prescrito Serevent Diskus para o tratamento da asma, é importante que continue a utilizar a outra

medicação para a asma que costuma utilizar e que poderá incluir corticosteróides inalados ou orais. Deve

continuar a tomar as mesmas doses, mesmo que se sinta muito melhor a não ser que haja indicação médica

em contrário. Não pare de utilizar o seu corticosteróide inalado (ou oral) quando começar a utilizar

Serevent Diskus.

O seu médico poderá querer segui-lo regularmente, se tiver uma hiperactividade da glândula tiróide,

diabetes mellitus (Serevent Diskus poderá aumentar o seu açúcar no sangue), níveis baixos de potássio no

sangue ou doença cardíaca, incluindo batimentos cardíacos irregulares ou acelerados.

Outros medicamentos e Serevent Diskus

Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente, ou se vier a tomar

outros medicamentos, incluindo medicamentos para a asma ou qualquer medicamento não sujeito a receita

médica. Isto porque a administração de Serevent Diskus poderá não ser compatível com a de alguns

medicamentos.

Informe o seu médico, antes de utilizar Serevent Diskus, se está a ser tratado para alguma infecção fúngica

com medicamentos contendo cetoconazol ou itraconazol, ou se está a ser tratado para o VIH com ritonavir.

Estes medicamentos podem aumentar o risco de sentir efeitos secundários incluindo batimentos cardíacos

irregulares ou até piorá-los, com Serevent Diskus.

Serevent Diskus não deve ser tomado com beta-bloqueadores, salvo indicação médica em contrário. Os

beta-bloqueadores incluem o atenolol, propranolol, sotalol, que são geralmente utilizados para a

hipertensão ou outras situações cardíacas. Informe o seu médico se está a utilizar ou se lhe foi prescrito

recentemente beta-bloqueadores, uma vez que estes podem reduzir ou eliminar os efeitos do salmeterol.

Serevent Diskus pode reduzir a quantidade de potássio no sangue. Se tal acontecer poderá sentir ritmo

cardíaco irregular, fraqueza muscular ou cãibras. Este efeito é mais provável se utilizar Serevent Diskus

com medicamentos usados no tratamento da hipertensão (diuréticos) e outros medicamentos usados para

tratar problemas respiratórios, como teofilina, ou corticosteróides. O seu médico poderá mandá-lo realizar

análises ao sangue para verificar a quantidade de potássio no sangue. Deve expor quaisquer preocupações

ao seu médico.

Gravidez e amamentação

Se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar consulte o seu médico antes

de tomar este medicamento.

Condução de veículos e utilização de máquinas

Não é provável que os possíveis efeitos secundários associados a Serevent Diskus afectem a sua capacidade

de conduzir ou utilizar máquinas.

Este medicamento contém lactose. Se foi informado pelo seu médico que tem intolerância a alguns

açucares, contacte-o antes de tomar este medicamento.

3. Como utilizar Serevent Diskus

Utilize este medicamento exatamente como indicado pelo seu médico ou farmacêuttico. Fale com o seu

médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

Se está a ser tratado para a asma, Serevent Diskus deverá ser sempre prescrito com um corticosteróide

inalado.

Utilize Serevent Diskus todos os dias, até o seu médico o aconselhar a parar.

Começará a sentir o efeito de Serevent Diskus desde o primeiro dia de utilização.

Se sentir dificuldade em respirar ou se sentir pieira durante a utilização de Serevent Diskus, deve continuar

a utilizar, mas deverá consultar o seu médico o mais breve possível, pois poderá necessitar de tratamento

adicional.

Uma vez a asma controlada, o seu médico pode considerar a redução gradual da dose de Serevent Diskus

Serevent Diskus destina-se apenas a inalação.

Adultos e adolescentes com idade igual ou superior a 12 anos com asma

A dose inicial habitual é uma inalação duas vezes por dia.

Nos casos de asma mais grave, o médico poderá aumentar a dose até duas inalações duas vezes por dia.

Crianças com asma e bronquite

Em crianças com idade entre os 4 e os 12 anos, a dose habitual é uma inalação duas vezes por dia.

Serevent Diskus não é recomendado para utilização em crianças com idade inferior a 4 anos.

Adultos com doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC, incluindo bronquite e enfisema)

A dose inicial habitual é uma inalação duas vezes por dia.

Não é aplicável nesta situação a crianças e adolescentes.

Instruções para utilização

Fechado

Ao retirar o Diskus da embalagem, este encontra-se na posição de fechado.

Aberto: Um Diskus novo contém 60 doses do medicamento em pó, protegidas individualmente. Cada dose

é rigorosamente medida e protegida higienicamente. Não necessita de manutenção nem de recarga.

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

O indicador de doses no topo do Diskus indica quantas doses ainda tem. Os números de 5 a 0 aparecem a

VERMELHO indicando que restam apenas algumas doses.

O Diskus é fácil de usar. Quando for precisa uma dose, siga as 4 fases seguintes:

1. Abrir

2. Deslizar

3. Inalar

4. Fechar

Como funciona o Diskus:

Deslizando a alavanca do Diskus abre-se um pequeno orifício na peça bucal e a dose fica pronta para ser

inalada. Quando fechar o Diskus, a alavanca move-se automaticamente para trás para a posição original e

fica pronta para preparar a próxima dose quando for necessário.

1. Abrir – Como usar o Diskus

Para abrir o Diskus, segure-o com uma mão e coloque o polegar da outra mão no local de apoio respectivo.

Empurre com o polegar deslocando-o tanto quanto possível.

2. Deslizar

Segure o Diskus com a peça bucal voltada para si. Deslize a alavanca afastando-a tanto quanto possível, até

ouvir um estalido. O Diskus está agora pronto a usar. Cada vez que a alavanca é puxada para trás uma dose

fica disponível para ser inalada, conforme indicado pelo contador de doses. Não manipule a alavanca

desnecessariamente pois poderão ser libertadas doses que serão desperdiçadas.

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

3. Inalar

Antes de iniciar a inalação da dose, leia cuidadosamente esta secção até ao fim.

Segure o Diskus afastado da boca. Expire tanto quanto for confortavelmente possível. Lembre-se: nunca

expire para dentro do Diskus.

Coloque a peça bucal entre os lábios. Inspire constante e profundamente através do Diskus, não pelo nariz.

Retire o Diskus da boca.

Suspenda a respiração durante 10 segundos ou tanto quanto for confortavelmente possível.

Expire lentamente.

4. Fechar

Para fechar o Diskus coloque o polegar no apoio respectivo e deslize-o tanto quanto possível.

Quando fechar o Diskus este produz um estalido. A alavanca volta automaticamente à sua posição original

e o Diskus fica pronto para ser usado novamente.

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

Se o médico lhe prescreveu duas inalações, feche o dispositivo e repita as fases 1 a 4.

Lembre-se

Mantenha o Diskus fechado quando não estiver a utilizá-lo.

Nunca expire para dentro do Diskus.

Deslize somente a alavanca quando estiver pronto para tomar a dose.

Não exceda as doses recomendadas.

Se utilizar mais Serevent Diskus do que deveria

É importante que tome a dose recomendada pelo seu médico. Se tomou acidentalmente uma dose maior que

o recomendado, fale com o seu médico ou farmacêutico. Nessa situação, poderá notar os seus batimentos

cardíacos mais rápidos que o habitual e sentir tremor e/ou tonturas. Poderá também ter dor de cabeça,

fraqueza muscular e articulações dolorosas.

Caso se tenha esquecido de utilizar Serevent Diskus

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Se se esqueceu de utilizar o seu Serevent Diskus, tome a dose seguinte quando devida.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico ou farmacêutico.

4. Efeitos secundários possíveis

Como todos os medicamentos, este medicamento pode causar efeitos secundários, embora estes não se

manifestem em todas as pessoas.

Para reduzir a possibilidade de efeitos secundários, o seu médico irá prescrever a dose mais baixa de

Serevent Diskus para controlar a sua asma ou DPOC. Os efeitos secundários seguintes foram reportados

por pessoas a tomar Serevent Diskus:

Reações alérgicas: poderá notar um agravamento súbito da sua respiração após utilizar Serevent Diskus.

Poderá ficar com muita pieira e tosse. Poderá também sentir prurido e inchaço (normalmente da face,

lábios, língua ou garganta). Se sentir estes efeitos ou se aparecerem subitamente após utilizar Serevent

Diskus, contacte o seu médico imediatamente. As reacções alérgicas ao Serevent Diskus são muito raras

(afetam menos de 1 pessoa em cada 10.000).

Outros efeitos secundários:

Frequentes (afetam menos de 1 pessoa em cada 10)

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

Cãibras musculares

Tremor (mãos); batimentos cardíacos irregulares (palpitações); dores de cabeça. O tremor é mais provável

se estiver a tomar mais do que 50 microgramas, duas vezes ao dia. Estes efeitos secundários não duram

muito tempo e diminuem com a continuação do tratamento.

Pouco frequentes (afetam menos de 1 pessoa em 100)

Erupção cutânea.

Batimentos cardíacos muito rápidos (taquicardia). Estes são mais prováveis se estiver a tomar mais do que

50 microgramas, duas vezes por dia.

Nervosismo.

Raros (afetam menos de 1 pessoa em 1.000)

Tonturas

Insónias

Redução na quantidade de potássio no sangue (poderá sentir um batimento cardíaco irregular, fraqueza

muscular, cãibras).

Muito raros (afetam menos de 1 pessoa em 10.000)

Agravamento das dificuldades respiratórias ou pieira imediatamente após tomar Serevent Diskus. Neste

caso pare de utilizar o seu Serevent Diskus. Utilize a sua medicação de alívio de ação rápida para o ajudar a

respirar e contacte o seu médico imediatamente.

Batimentos cardíacos irregulares ou extra (arritmias). Informe o seu médico mas não pare de tomar

Serevent Diskus.

Feridas na boca ou faringite.

Náuseas.

Dor e inchaço nas articulações ou dor no peito.

Aumento do açúcar no sangue (hiperglicemia). Se tem diabetes, pode ser necessária uma monitorização

mais frequente do açúcar no sangue e possível ajuste do seu tratamento anti-diabético habitual.

Comunicação de efeitos secundários

Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não indicados neste folheto,

fale com o seu médico ou farmacêutico. Também poderá comunicar efeitos secundários diretamente ao

INFARMED, I.P. através dos contactos abaixo. Ao comunicar efeitos secundários, estará a ajudar a

fornecer mais informações sobre a segurança deste medicamento.

INFARMED, I.P.

Direção de Gestão do Risco de Medicamentos

Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53

1749-004 Lisboa

Tel: +351 21 798 73 73

Linha do Medicamento: 800222444 (gratuita)

Fax: + 351 21 798 73 97

Sítio da internet: http://extranet.infarmed.pt/page.seram.frontoffice.seramhomepage

E-mail: farmacovigilancia@infarmed.pt

5. Como conservar Serevent Diskus

Conservar a temperatura inferior a 30°C.

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Não utilize este medicamento após o prazo de validade impresso na embalagem exterior, após "VAL". O

prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico

como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.

6. Conteúdo da embalagem e outras informações

Qual a composição de Serevent Diskus

- A substância ativa é o xinafoato de salmeterol

- O outro componente é a lactose.

Qual o aspecto de Serevent Diskus e conteúdo da embalagem

Serevent Diskus apresenta-se sob a forma de pó para inalação, dispensado em dose única, contido em

alvéolos dispostos numa base moldada em PVC, coberta por folha laminada. A fita está contida num

dispositivo plástico moldado.

Cada embalagem contém um Diskus de 60 doses, acondicionado em cartonagem.

Cada dose de Serevent Diskus contém 50 microgramas de salmeterol (sob a forma de xinafoato).

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante

Titular da Autorização de Introdução no Mercado

Glaxo Wellcome Farmacêutica, Lda

Rua Dr. António Loureiro Borges, 3

Arquiparque – Miraflores

1495-131 Algés

Portugal

Tlf: 21 412 95 00

Fax: 21 412 18 57

Email: FI.PT@gsk.com

Fabricante

Glaxo Wellcome Production

23, Rue Lavoisier - Zone Industrielle nº 2

F-27000 Evreux

França

Glaxo Wellcome Operations UK, Ltd.

Priory Street

SG12 0DJ Ware - Hertfordshire

Reino Unido

Este folheto foi revisto pela última vez em

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1. NOME DO MEDICAMENTO

Serevent Diskus 50 microgramas/dose pó para inalação

2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada dose única de Serevent Diskus contém:

50 microgramas de salmeterol, sob a forma de xinafoato.

Excipiente com efeito conhecido:

Lactose - q.b.p 12,5 mg

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3. FORMA FARMACÊUTICA

Pó para inalação.

Pó para inalação, em recipiente unidose.

4. INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Indicações terapêuticas

Asma

Serevent Diskus é indicado para a terapêutica sintomática regular da obstrução

reversível das vias respiratórias em doentes com asma incluindo asma nocturna, não

controlada adequadamente com corticosteroides inalados, em conformidade com as

normas actuais de tratamento.

Serevent Diskus é também indicado para a prevenção da asma induzida pelo exercício.

Doença pulmonar obstrutiva crónica

Tratamento da doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) e bronquite crónica.

4.2 Posologia e modo de administração

Posologia

Asma e bronquite crónica:

Adultos e adolescentes (

12 anos):

Uma inalação de 50 microgramas de salmeterol duas vezes por dia.

Em doentes asmáticos com obstrução mais grave das vias aéreas poderá ser benéfico

até duas inalações de 50 microgramas de salmeterol duas vezes por dia.

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

Crianças (

4 anos):

Uma inalação de 50 microgramas de salmeterol duas vezes por dia.

Serevent Diskus não está recomendado em crianças com idade inferior a 4 anos, por

insuficiência de informação sobre segurança e eficácia.

DPOC

Adultos:

Uma inalação de 50 microgramas de salmeterol duas vezes por dia.

População pediátrica

Não existe utilização relevante de Serevent Diskus na população pediátrica na

indicação para a DPOC.

Grupos especiais de doentes:

Não é necessário ajuste da dose em doentes idosos ou em doentes com compromisso

renal. Não estão disponíveis dados sobre a utilização de Serevent Diskus em doentes

com compromisso hepático.

Modo de administração

Serevent Diskus destina-se apenas à utilização por inalação.

Serevent Diskus deve ser utilizado regularmente. O benefício completo do tratamento

só será observado após várias doses do medicamento.

Como pode haver efeitos secundários associados à sobredosagem com esta classe de

fármacos, a dose ou a frequência de administração só devem ser aumentadas por

indicação médica.

4.3 Contraindicações

Hipersensibilidade à substância activa ou a qualquer um dos excipientes mencionados

na secção 6.1.

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

O controlo da asma deve seguir um plano sequencial e a resposta do doente deve ser

monitorizada clinicamente e por testes da função pulmonar.

Serevent Diskus não deve ser utilizado (e não é suficiente) como tratamento inicial da

asma.

Serevent Diskus não substitui os corticosteróides inalados ou orais. É utilizado como

tratamento complementar.

Os doentes devem ser advertidos a não parar a terapêutica corticosteroide nem reduzi-

la sem orientação do médico mesmo que se sintam melhor com Serevent Diskus.

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

O aumento do uso de broncodilatadores de curta duração para alívio dos sintomas,

indica deterioração do controlo da asma. Nesta situação, o doente deve ser instruído a

procurar aconselhamento médico.

A técnica da inalação deve ser verificada com o doente de modo a garantir que é

correctamente executada.

Apesar de Serevent Diskus poder ser introduzido como terapêutica adicional quando os

corticosteroides inalados não controlam adequadamente os sintomas da asma, os

doentes não devem iniciar Serevent Diskus durante uma exacerbação aguda e grave da

asma, ou se têm um agravamento significativo ou uma deterioração aguda da asma.

Podem ocorrer efeitos adversos graves relacionados com a asma e exacerbações

durante o tratamento com Serevent Diskus. Deverá pedir-se aos doentes que continuem

o tratamento mas que procurem aconselhamento médico se os sintomas da asma se

mantiverem descontrolados ou piorarem após início de Serevent Diskus.

A deterioração súbita e progressiva da asma constitui um potencial risco de vida e deve

ser considerado o aumento da terapêutica corticosteroide. Nestas situações

recomenda-se a monitorização diária do débito expiratório máximo. Na terapêutica de

manutenção da asma, Serevent Diskus deve administrar-se em associação a

corticosteróides inalados ou orais. Os broncodilatadores de longa duração de ação não

devem ser o único ou principal tratamento (ver secção 4.1).

Assim que os sintomas da asma estejam controlados, poderá considerar-se reduzir

gradualmente a dose de Serevent Diskus. É importante a avaliação regular dos doentes

quando a terapêutica é reduzida. Deve ser utilizada a dose mínima efectiva de Serevent

Diskus.

Broncospasmo paradoxal

Tal como com outra terapêutica inalada, poderá ocorrer broncospasmo paradoxal com

aumento imediato de sibilos e redução do DEMI após administração. Esta situação deve

ser tratada imediatamente com um broncodilatador inalado de rápido início de ação.

Serevent deve ser interrompido imediatamente, o doente observado e, se necessário,

instituir-se terapêutica alternativa (ver secção 4.8).

Foram notificados efeitos adversos farmacológicos do tratamento com agonistas beta-2

tais como, tremor, palpitações subjetivas e cefaleias, mas tendem a ser transitórios e a

diminuir com a terapêutica regular (ver secção 4.8).

Efeitos cardiovasculares

Podem ser observados ocasionalmente efeitos cardiovasculares com fármacos

simpaticomiméticos, tais como aumentos da tensão arterial sistólica e frequência

cardíaca, especialmente com doses terapêuticas elevadas. Por esta razão, o salmeterol

deve ser utilizado com precaução em doentes com doença cardiovascular preexistente.

Tirotoxicose

Serevent Diskus deve ser administrado com precaução a doentes com tirotoxicose.

Níveis sanguíneos de glucose

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

Foram notificados casos muito raros de aumento dos níveis sanguíneos de glucose (ver

secção 4.8), pelo que se deve ter em consideração quando se prescreve este

medicamento a doentes com história de diabetes mellitus.

Hipocaliemia

A terapêutica com agonistas beta-2 poderá potencialmente causar hipocalemia grave.

Recomenda-se precaução particular na asma aguda grave, uma vez que esse efeito

pode ser potenciado pela hipoxia e pelo tratamento concomitante com derivados da

xantina, corticosteróides e diuréticos. Os níveis séricos de potássio devem ser

monitorizados nestas situações.

Efeitos respiratórios

Dados de um grande ensaio clínico (o Estudo Multicêntrico de Investigação do

Salmeterol na Asma, SMART) sugerem que os doentes Afro-Americanos possuem um

risco acrescido de efeitos graves respiratórios ou morte quando utilizam salmeterol,

comparativamente a placebo (ver secção 5.1). Não se sabe se este risco se deve à

farmacogenética ou a outros factores. Por esta razão, deve pedir-se aos doentes de

descendência Africana ou Afro-Caraibenha para continuarem o tratamento mas para

procurar aconselhamento médico se os sintomas da asma se mantiverem

descontrolados ou piorarem enquanto utilizarem Serevent Diskus.

Cetoconazol

A administração concomitante de cetoconazol por via sistémica aumenta a exposição

ao salmeterol, o que poderá levar a um aumento dos efeitos sistémicos (p.ex.

prolongamento do intervalo QTc e palpitações). Deve evitar-se o tratamento

concomitante com cetoconazol e outros inibidores potentes do CYP3A4 a menos que o

benefício ultrapasse o potencial aumento de risco de efeitos secundários sistémicos da

terapêutica com salmeterol (ver secção 4.5).

Serevent Diskus contém lactose. Doentes com problemas hereditários raros de

intolerância à galactose, deficiência de lactase ou má absorção de glucose-galactose

não devem tomar este medicamento.

4.5 Interações medicamentosas e outras formas de interação

Os bloqueadores beta-adrenérgicos podem atenuar ou antagonizar o efeito do

salmeterol. Devem evitar-se os bloqueadores beta, selectivos e não selectivos a não ser

que haja razões de força maior para a sua utilização.

A terapêutica com bloqueadores beta-2 poderá provocar hipocalemia potencialmente

grave. Recomenda-se precaução em situações de asma grave, uma vez que esse efeito

pode ser potenciado pela terapêutica concomitante com derivados de xantinas,

corticosteróides e diuréticos.

Inibidores potentes do CYP3A4

A administração concomitante de cetoconazol (400 mg via oral uma vez por dia) e

salmeterol (50 microgramas por via inalatória, duas vezes por dia), em 15 indivíduos

saudáveis, durante 7 dias, resultou num aumento significativo da exposição plasmática

ao salmeterol (a Cmáx aumentou 1,4 vezes e a AUC 15 vezes), podendo levar a um

aumento da incidência de efeitos secundários sistémicos do tratamento com salmeterol

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

(p.ex. prolongamento do intervalo QTc e palpitações), comparativamente à monoterapia

com salmeterol ou cetoconazol. (ver secção 4.4).

Não foram observados efeitos clínicos significativos na pressão arterial, frequência

cardíaca, glicemia e níveis de potássio no sangue. A administração concomitante de

cetoconazol não aumentou o tempo de semi-vida de eliminação do salmeterol ou

aumentou a acumulação de salmeterol em doses repetidas.

A administração concomitante de cetoconazol deve ser evitada, a não ser que os

benefícios sejam superiores ao potencial aumento do risco de efeitos secundários

sistémicos do tratamento com salmeterol. É possível que exista um risco de interacção

similar com outros inibidores potentes do CYP3A4 (p.ex. itraconazol, telitromicina,

ritonavir).

Inibidores moderados do CYP3A4

A administração concomitante de eritromicina (500 mg via oral três vezes por dia) e de

salmeterol (50 microgramas inalado duas vezes por dia) em 15 indivíduos saudáveis

durante 6 dias, resultou num pequeno, mas não estatisticamente significativo, aumento

da exposição ao salmeterol (1,4 vezes Cmax), A administração concomitante de

eritromicina não foi associada a nenhum efeito adverso grave.

4.6 Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez

Uma quantidade moderada de dados clínicos em mulheres grávidas (entre 300-1000

gravidezes expostas) indicam ausência de malformações ou toxicidade fetal/neonatal

com salmeterol.

Os estudos em animais não indicam efeitos prejudiciais directos ou indirectos na

toxicidade reprodutiva, com excepção de evidência de alguns efeitos prejudiciais no

feto, com doses muito elevadas (ver secção 5.3).

Como medida de precaução, é preferível evitar o uso de Serevent Diskus durante a

gravidez.

Amamentação

Os dados disponíveis sobre a farmacodinâmica/toxicologia no animal, revelaram

excreção de salmeterol no leite. O risco para o lactente não pode ser excluído.

A decisão de interromper a amamentação ou interromper/abster-se da terapêutica com

Serevent Diskus deve ter em conta o benefício da amamentação para a criança e o

benefício da terapêutica para a mulher.

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não foram estudados os efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas.

4.8 Efeitos indesejáveis

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

As reações adversas estão descritas seguidamente por classes de sistemas de órgãos

e frequência. A frequência é classificada como: muito frequentes (

1/10), frequentes

1/100,

<

1/10), pouco frequentes (

1/1.000,

<

1/100), raros (

1/10.000,

<

1/1.000), e

muito raros (

<

1/10.000), incluindo eventos isolados. Os efeitos adversos frequentes e

pouco frequentes foram retirados de dados dos ensaios clínicos. A incidência com

placebo não foi tida em conta. Os efeitos muito raros são geralmente determinados por

notificações espontâneas, pós-comercialização

Sistema de órgãos

Efeito adverso

Frequência

Doenças do sistema imunitário

Reações de hipersensibilidade com

as seguintes manifestações:

Erupção cutânea (prurido e

vermelhidão)

Reacções anafiláticas incluindo

edema, angioedema, broncospasmo

e choque anafiláctico

Pouco

frequentes

Muito raros

Doenças do metabolismo e da

nutrição

Hipocaliemia

Hiperglicemia

Raros

Muito raros

Perturbações do foro

psiquiátrico

Nervosismo

Insónias

Pouco

frequentes

Raros

Doenças do sistema nervoso

Cefaleias (ver secção 4.4)

Tremor (ver secção 4.4)

Tonturas

Frequentes

Frequentes

Raros

Cardiopatias

Palpitações (ver secção 4.4)

Taquicardia

Arritmias cardíacas (incluindo

fibrilhação auricular, taquicardia

supraventricular e extrassístoles).

Frequentes

Pouco

frequentes

Muito raros

Doenças respiratórias, torácicas

e do mediastino

Irritação orofaríngea

Broncospasmo paradoxal (ver

secção 4.4)

Muito raros

Muito raros

Doenças gastrointestinais

Náuseas

Muito raros

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

As seguintes frequências são estimadas à dose padrão de 50 microgramas duas vezes

por dia. As frequências à dose mais elevada de 100 microgramas duas vezes por dia

foram também consideradas quando apropriado.

Foram notificados efeitos secundários farmacológicos da terapêutica com agonistas

beta-2, tais como tremor, cefaleias e palpitações, que tendem a ser transitórios e a

diminuir com o tratamento regular. O tremor e taquicardia ocorrem com mais frequência

a doses superiores a 50 microgramas duas vezes por dia.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é

importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco

do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer

suspeitas de reações adversas diretamente ao INFARMED, I.P.:

INFARMED, I.P.

Direção de Gestão do Risco de Medicamentos

Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53

1749-004 Lisboa

Tel: +351 21 798 73 73

Linha do Medicamento: 800222444 (gratuita)

Fax: + 351 21 798 73 97

Sítio da internet: http://extranet.infarmed.pt/page.seram.frontoffice.seramhomepage

E-mail: farmacovigilancia@infarmed.pt

4.9 Sobredosagem

Sinais e Sintomas

Os sinais e sintomas da sobredosagem com salmeterol são os típicos da estimulação

beta-2 adrenérgica excessiva incluindo, tonturas, aumento da tensão sanguínea

sistólica, tremor, cefaleias e taquicardia.

Adicionalmente, poderá ocorrer hipocaliemia, devendo monitorizar-se os níveis séricos

de potássio. Deve considerar-se a reposição dos níveis de potássio.

Tratamento

Se ocorrer sobredosagem, o doente deve ser tratado com medidas e monitorização de

suporte apropriadas conforme o necessário.

Devem ser instituídas medidas adicionais tal como clinicamente indicado ou

recomendado pelo centro nacional de venenos, quando disponível.

5. PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

Afeções musculoesqueléticas e

dos tecidos conjuntivos

Cãibras musculares

Artralgia

Frequentes

Muito raros

Perturbações gerais e

alterações no local de

administração

Dor torácica não específica

Muito raros

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo farmacoterapêutico: 5.1.1 – Aparelho respiratório. Antiasmáticos e

broncodilatadores. Agonistas adrenérgicos beta, código ATC: R03AC12

Mecanismo de ação

O salmeterol é um agonista seletivo dos recetores beta-2 adrenérgicos de longa

duração de ação (12 horas), com uma longa cadeia lateral que se liga ao exo-sitio do

recetor.

Efeitos farmacodinâmicos

Estas propriedades farmacológicas do salmeterol conferem uma proteção mais efetiva

contra a broncoconstricção induzida pela histamina e produzem uma duração da

broncodilatação de duração superior durante pelo menos 12 horas, do que as doses

recomendadas dos agonistas beta-2 convencionais de curta duração de ação. Testes in

vitro demonstraram que o salmeterol é um inibidor potente e de longa duração, da

libertação dos mediadores dos mastócitos do pulmão humano, tais como a histamina,

os leucotrienos e a prostaglandina D2. No homem o salmeterol inibe as fases de

resposta, imediata e tardia, ao alergénio inalado; esta última persistindo durante mais

de 30 horas após uma dose única, quando o efeito do broncodilatador já não é evidente.

Uma única dose de salmeterol atenua a hipereatividade brônquica. Estas propriedades

indicam que o salmeterol não tem atividade broncodilatadora adicional, mas o completo

significado clínico não está ainda esclarecido. O mecanismo é diferente do efeito anti-

inflamatório dos corticosteróides, que não devem ser interrompidos nem reduzidos

quando o salmeterol é prescrito.

O salmeterol foi estudado no tratamento de situações associadas com a DPOC e

demonstrou melhorar os sintomas e a função pulmonar e a qualidade de vida. In vitro foi

também demonstrado que o salmeterol aumenta a frequência dos movimentos ciliares

das células epiteliais brônquicas humanas e reduz também o efeito acidiotóxico da

toxina das Pseudomonas no epitélio brônquico de doentes com fibrose quística.

Ensaios clínicos na Asma

Estudo Multicêntrico de Investigação do Salmeterol na Asma (SMART)

O SMART foi um estudo com a duração de 28 semanas, multi-cêntrico, aleatorizado,

com dupla ocultação e controlado com placebo em grupos paralelos, realizado nos

Estados Unidos, no qual 13.176 doentes foram aleatorizados com salmeterol

(50 microgramas duas vezes por dia) e 13.179 doentes com placebo, adicionalmente à

sua terapêutica habitual para a asma. Os doentes com asma entravam no estudo se

tivessem idade igual ou superior a 12 anos e se estivessem a utilizar medicação para a

asma (mas não um agonista beta-2 de longa duração de ação). Embora não requerida,

a utilização de corticosteróides inalados à entrada do estudo foi registada. O parâmetro

de avaliação primário no SMART foi o número combinado de mortes relacionadas com

problemas respiratórios e situações de risco de vida relacionadas com problemas

respiratórios.

Resultados chave do SMART: parâmetro de avaliação primário.

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

Número de acontecimentos do

parâmetro de avaliação primário

/número de doentes

Grupo de doentes

salmeterol

placebo

Risco Relativo

(intervalo de

confiança 95%)

Todos os doentes

50/13.176

36/13.179

1,40 (0,91; 2,14)

Doentes a utilizar esteróides

inalados

23/6.127

19/6.138

1,21 (0,66; 2,23)

Doentes que não utilizam

esteróides inalados

27/7.049

17/7.041

1,60 (0,87; 2,93)

Doentes Afro-Americanos

20/2.366

5/2.319

4,10 (1,54; 10,90)

(o risco a negrito é estatisticamente significativo no intervalo de confiança de 95%.)

Resultados chave do SMART com utilização de esteróides inalados no inicio:

parâmetros de avaliação secundários.

Número de

acontecimentos do

parâmetro de avaliação

secundário /número de

doentes

salmeterol

placebo

Risco Relativo

(intervalo de

confiança 95%)

Mortes relacionadas com problemas respiratórios

Doentes a utilizar esteróides

inalados

10/6.127

5/6.138

2,01 (0,69; 5,86)

Doentes que não utilizam

esteróides inalados

14/7.049

6/7.041

2,28 (0,88; 5,94)

Número combinado de mortes ou situações de risco de vida relacionadas com asma

Doentes a utilizar esteróides

inalados

16/6.127

13/6.138

1,24 (0,60; 2,58)

Doentes que não utilizam

esteróides inalados

21/7.049

9/7.041

2,39 (1,10; 5,22)

Mortes relacionadas com asma

Doentes que utilizam esteróides

inalados

4/6.127

3/6.138

1,35 (0,30; 6,04)

Doentes que não utilizam

esteróides inalados

9/7.049

0/7.041

(* = não pôde ser calculado devido à ausência de acontecimentos no grupo placebo. O

risco a negrito é estatisticamente significativo num nível de confiança de 95%. Os

parâmetros de avaliação secundários na tabela acima alcançaram significância

estatística em toda a população.) Os parâmetros de avaliação secundários do número

combinado de todas as causas de morte ou situações de risco de vida, todas as causas

de morte, ou todas as causas de hospitalização não atingiram significância estatística

em toda a população.

Ensaios clínicos na DPOC

Estudo TORCH

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

O TORCH foi um estudo com a duração de 3 anos para avaliar o efeito do tratamento

com salmeterol-propionato de fluticasona (PF) Diskus 50/500 microgramas duas vezes

por dia, Serevent Diskus 50 microgramas duas vezes por dia, propionato de fluticasona

(PF) Diskus 500 microgramas duas vezes por dia, ou placebo, sobre a mortalidade por

qualquer causa em doentes com DPOC. Doentes com DPOC, com um valor basal (pré-

broncodilatador) de VEMs <60% do previsto normal, foram aleatorizados com

medicação em dupla ocultação. Durante o estudo, foi permitido que os doentes

utilizassem a sua terapêutica habitual para a DPOC com exceção de outros

corticosteróides inalados, broncodilatadores de longa duração de acção e

corticosteróides sistémicos a longo prazo. O estado de sobrevivência aos 3 anos foi

determinado para todos os doentes, independentemente da descontinuação da

medicação do estudo. O parâmetro de avaliação primário foi a redução da mortalidade

por qualquer causa aos 3 anos para salmeterol-PF vs Placebo.

Placebo

N = 1524

Salmeterol 50

N = 1521

PF 500

N = 1534

Salmeterol-

50/500

N = 1533

Mortalidade por qualquer causa aos 3 anos

Número de mortes

(15,2%)

(13,5%)

(16,0%)

(12,6%)

Razão de risco vs

Placebo (CIs)

valor p

0,879

(0,73; 1,06)

0,180

1,060

(0,89; 1,27)

0,525

0,825

(0,68; 1,00 )

0,0521

Razão de risco

salmeterol-PF

50/500 vs

componentes (CIs)

valor p

0,932

(0,77; 1,13)

0,481

0,774

(0,64; 0,93)

0,007

1. Valor p não significativo após o ajuste para 2 análises interinas da comparação

da eficácia primária de uma análise log-rank segmentada por estado tabágico.

Houve uma tendência para a melhoria na sobrevivência dos indivíduos tratados com

salmeterol-PF comparativamente ao placebo durante três anos, contudo, não se atingiu

um nível estatístico significativo p

0,05.

A percentagem de doentes que morreram durante os 3 anos, devido a causas

relacionadas com DPOC, foi de 6,0% para o placebo, 6,1% para o Serevent Diskus,

6,9% para o PF e 4,7% para o salmeterol-PF.

A média de exacerbações moderadas a graves por ano foi significativamente reduzida

com salmeterol-PF em comparação com o tratamento com Serevent Diskus, PF e com

o placebo (taxa média de 0,85 no grupo salmeterol-PF comparativamente a 0,97 no

grupo Serevent Diskus, 0,93 no grupo PF e 1,13 no grupo placebo). Isto traduz-se numa

redução na taxa de exacerbações moderadas a graves de 25% (IC 95%: 19% a 31%;

p<0,001) comparativamente ao placebo, 12% comparativamente ao Serevent Diskus (IC

95%: 5% a 19%; p=0,002) e em 9 % comparativamente ao PF (IC 95%: 1% a 16%;

p=0,024). O Serevent Diskus e o PF reduziram significativamente as taxas de

exacerbações, comparativamente ao placebo, em 15% (IC 95%: 7% a 22%; p<0,001) e

18% (IC 95%: 11% a 24%; p <0,001) respetivamente.

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

A Qualidade de Vida Relacionada com a Saúde, avaliada pelo Questionário Respiratório

de St George (SGRQ), foi aumentada por todos os tratamentos ativos em comparação

com placebo. O aumento médio para salmeterol-PF, durante 3 anos, comparativamente

a placebo foi -3,1 unidades (IC 95%: -4,1 a -2,1; p<0,001), comparativamente ao

Serevent Diskus foi -2,2 unidades (p<0,001) e comparativamente ao PF foi -1,2

unidades (p=0,017). Uma diminuição de 4 unidades é considerada clinicamente

relevante.

A probabilidade estimada para 3 anos de desenvolver pneumonia, notificada como um

efeito adverso, foi de 12,3% para placebo, 13,3% para Serevent Diskus, 18,3% para o

PF e 19,6 % para salmeterol-PF (razão de risco para salmeterol-PF vs placebo: 1,64; IC

95%: 1,33 a 2,01; p<0,001). Não houve aumento nas mortes relacionadas com

pneumonia; as mortes ocorridas durante o tratamento, atribuídas como causa primária à

pneumonia, foram 7 para placebo, 9 para Serevent Diskus, 13 para PF e 8 para

salmeterol-PF. Não houve diferença significativa na probabilidade de fratura óssea

(5,1% para placebo, 5,1% para Serevent Diskus, 5,4% para PF e 6,3% para salmeterol-

PF; razão de risco para salmeterol-PF vs placebo: 1,22; IC 95%: 0,87 a 1,72; p=0,248).

5.2 Propriedades farmacocinéticas

O salmeterol atua localmente no pulmão e por conseguinte os níveis plasmáticos não

são indicativos dos efeitos terapêuticos. Além disso, a informação disponível sobre a

farmacocinética do salmeterol é limitada devido à dificuldade técnica de doseamento do

fármaco no plasma resultante das baixas concentrações plasmáticas (aproximadamente

iguais ou inferiores a 200 picogramas/ml) obtidas após inalação.

5.3 Dados de segurança pré-clínica

As únicas informações relevantes para a prática clínica provenientes de estudos em

animais, foram os efeitos associados a ações farmacológicas excessivas.

Nos estudos de reprodução e toxicidade com o xinafoato de salmeterol não houve

efeitos em ratos.

Em coelhos, observou-se toxicidade embrio-fetal típica dos agonistas beta-2 (fenda

palatina, abertura prematura das pálpebras, fusão esterno-vertebral e redução da taxa

de ossificação dos ossos cranianos frontais) que ocorreu a níveis de exposição

elevados (aproximadamente 20 vezes a dose humana diária máxima recomendada,

baseada na comparação das AUCs)

O xinafoato de salmeterol foi negativo, num largo espectro de estudos de

genotoxicidade.

6. INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1 Lista dos excipientes

Lactose.

6.2 Incompatibilidades

APROVADO EM

07-03-2017

INFARMED

Não aplicável.

6.3 Prazo de validade

2 anos.

6.4 Precauções especiais de conservação

Conservar a temperatura inferior a 30ºC.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

A mistura de xinafoato de salmeterol e lactose em pó é acondicionada em fita

contentora de alumínio contida num dispositivo Diskus com 60 doses.

6.6 Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Qualquer medicamento não utilizado ou resíduos devem ser eliminados de acordo com

as exigências locais.

7. TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Glaxo Wellcome Farmacêutica, Lda.

Rua Dr. António Loureiro Borges, 3

Arquiparque - Miraflores

1495 - 131 Algés

Portugal

Tlf: 21 412 95 00

Fax: 21 412 18 57

Email: FI.PT@gsk.com

8. NÚMERO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Nº de registo: 8786459 - 60 doses de pó para inalação, 50 microgramas/dose, fita

contentora com alvéolos de PVC/Alu.

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE

INTRODUÇÃO NO MERCADO

Data da primeira autorização: 22 de dezembro de 1995

Data da última renovação: 03 de agosto de 2009

10. DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação