Rompun 20 mg/ml solução injetável para bovinos, cavalos, cães e gatos.

Portugal - português - DGAV (Direção Geral de Alimentação e Veterinária)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Xilazina 20.0 mg/ml
Disponível em:
Bayer Portugal, Lda.
Código ATC:
QN05CM92
DCI (Denominação Comum Internacional):
Xylazine
Forma farmacêutica:
Solução injetável
Via de administração:
Via intramuscular; Via subcutânea; Via intravenosa
Tipo de prescrição:
MSRMV - Medicamento Sujeito a Receita Médico-Veterinária
Grupo terapêutico:
Bovinos, Caninos, Equinos, Felinos
Área terapêutica:
Xilazina
Resumo do produto:
Intervalo de Segurança: Carne e Vísceras (bovinos) - 1 dia; Leite (bovinos) - 0 dias; Carne e Vísceras (equinos) - Não é permitida a administração a equinos destinados ao consumo humano. O equino deve ter sido declarado como não destinado ao consumo humano, de acordo com a legislação nacional relativa ao passaporte de equinos.; não aplicável - Cães e gatos; ; Frasco(s) - 1 unidade(s) - 25 ml 440/01/12NFVPT Autorizado Sim
Número de autorização:
440/01/12NFVPT

Leia o documento completo

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 1 de 24

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 2 de 24

1.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

Rompun 20 mg/ml solução injetável para bovinos, cavalos, cães e gatos.

2.

COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada ml contém:

Substância activa

Cloridrato de xilazina

23,32 mg

(equivalente a 20 mg de xilazina base)

Excipientes

Metil-4-hidroxibenzoato (E218)

1,5 mg

Para a lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3.

FORMA FARMACÊUTICA

Solução injectável.

Solução límpida, incolor.

4.

INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1

Espécie(s)-alvo

Bovinos, cavalos, cães e gatos.

4.2

Indicações de utilização, especificando as espécies-alvo

Sedativo com algumas propriedades analgésicas e relaxantes musculares para bovinos, cavalos, cães e

gatos.

Todos os casos em que a sedação é necessária, incluindo:

Maneio de animais pouco domesticados/excitados/agressivos (p.ex. transporte).

Exames médicos, tal como raio-x, remoção de pensos, exame dos tetos, pénis e cavidade oral.

Pré-medicação para cirurgias superficiais menores, procedimentos com manipulação dolorosa e

anestesia local ou regional.

4.3

Contra-indicações

Não administrar nas fases tardias de gestação, excepto no parto. Como a segurança da utilização de

xilazina durante a organogénese não foi totalmente demonstrada, utilizar com precaução durante o

primeiro mês de gestação.

Não administrar a animais com insuficiência renal, hepática ou cardíaca severa

Não administrar em caso de hipersensibilidade à substância activa ou a qualquer um dos excipientes

Devido ao efeito emético por vezes produzido em cães e gatos, não administrar em complicações

mecânicas do tracto digestivo, p. ex. obstrução do esófago, torção gástrica ou hérnia.

4.4

Advertências especiais <para cada espécie-alvo>

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 3 de 24

Aplicável a todas as espécies

Caso seja expectável a utilização de doses elevadas, o animal deverá ser sujeito a um jejum prévio

durante algumas horas.

Durante o período em que o medicamento veterinário atinge o seu pico de acção o reflexo de

deglutição é reduzido.

Os animais sedados devem permanecer sob observação até recuperarem.

Os animais sedados devem ser isolados.

Em caso de depressão respiratória, a compressão manual do tórax é geralmente suficiente para

restaurar a respiração normal. Devem ser adoptadas as devidas precauções assépticas.

Bovinos

O timpanismo deve ser prevenido em bovinos deitados através do decúbito esterno-abdominal.

Para intervenções que impliquem decúbito lateral ou dorsal, a cabeça e o pescoço devem manter-se

numa posição mais baixa para prevenir a aspiração do conteúdo ruminal.

Manter

animais

decúbito

sonolentos

ambiente

pouca

luz.

caso

sobredosagem acidental que origine depressão respiratória, recomendam-se duches de água fria e

respiração artificial.

Após a administração dos níveis de dosagem 3 e 4, é provável que os bovinos se mantenham

sonolentos durante algumas horas, pelo que devem ser mantidos afastados da luz.

Cavalos

Após injecção intravenosa em cavalos, poderá observar-se uma subida e descida transitórias da

pressão arterial.

Devem ser sempre acauteladas as, precauções habituais no maneio dos cavalos, mesmo quando

administrada a dose máxima preconizada do medicamento.

Cães e gatos

Em cães e gatos com o estômago cheio ocorrem vómitos antes da sedação completa. O efeito emético

é reduzido se os animais forem sujeitos a um jejum de 6 a 24 horas.

A pré-medicação com atropina em gatos e cães pode reduzir a salivação e os efeitos de bradicardia.

4.5

Precauções especiais de utilização

Precauções especiais para utilização em animais

Utilizar com precaução em animais de idade avançada ou debilitados que possam ser afectados

adversamente por alterações cardiovasculares profundas.

O medicamento veterinário deve ser utilizado com prudência em caso de doença pulmonar.

Devem ser tomadas precauções especiais em animais com compromisso renal e da função hepática, e

em animais com diabetes mellitus.

Quando são administradas doses elevadas o animal deve estar em jejum algumas horas de

antecedência.

Deve-se notar que o reflexo de deglutição é reduzido durante o período em que a acção do

medicamento está no seu pico.

Os animais sedados devem permanecer sob observação até atingirem o seu estado normal.

Segregar animais sedados.

Em caso de insuficiência respiratória a compressão manual do tórax é geralmente suficiente para

restabelecer a respiração normal.

As precauções assépticas devem ser observadas.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 4 de 24

Evitar

extravasão

quando

administra

medicamento

veterinário

intravenosa

Não se recomenda a administração de xilazina em gatos com obstrução urinária. No entanto, se

administrado a estes animais, após avaliação de risco/benefício pelo médico veterinário deve ter-se em

conta que a xilazina é um depressor do sistema cardiovascular e respiratório e pode aumentar o

volume de urina excretada (com a possibilidade de distensão ou ruptura da bexiga) e a probabilidade

de ocorrência de náuseas.

Precauções especiais que devem ser tomadas pela pessoa que administra o medicamento aos

animais

Utilize com prudência de modo a evitar a auto-injecção acidental.

Para evitar a auto-injecção acidental, um dos procedimentos a seguir devem ser adoptadas. Ou usar

duas agulhas estéreis, uma para encher a seringa e uma para injectar o paciente, ou quando a dose

necessária tenha sido retirada do frasco retirar imediatamente a agulha da seringa e inserir a agulha no

local de injecção e só depois conectar a seringa à agulha. As agulhas usadas devem ser depositadas de

forma segura e em recipiente fechado.

Em caso de ingestão ou auto-injecção acidental, dirija-se imediatamente a um médico e mostre-lhe

o folheto informativo, mas NÃO CONDUZA dado que podem ocorrer alterações na tensão arterial

e sedação.

Evite o contacto com a pele, olhos e mucosas.

Caso haja contacto directo com o medicamento, lave de imediato a pele exposta, com água

abundante.

Remova o vestuário contaminado que esteja em contacto directo com a pele.

Em caso de contacto acidental do medicamento com os olhos, lave abundantemente com água doce.

Caso ocorram sintomas, dirija-se a um médico.

As mulheres grávidas que manuseiem o medicamento, devem fazê-lo com muita prudência para

evitar

auto-injecção,

dado

podem

ocorrer

contracções

uterinas

redução

pressão

sanguínea fetal, após exposição sistémica acidental.

Informação para os médicos: A xilazina é um agonista dos receptores adrenérgicos alfa2 a qual,

após absorção, pode desencadear os seguintes efeitos clínicos: sedação dependente da dose,

depressão respiratória, bradicardia, hipotensão, boca seca, hiperglicémia e arritmias ventriculares.

Os sintomas respiratórios e hemodinâmicos devem ser tratados sintomaticamente.

4.6

Reacções adversas (frequência e gravidade)

Bovinos e cavalos

Aumento da motilidade uterina

Regurgitação

Timpanismo

Depressão cardiopulmonar

Cães e gatos

Depressão cardiopulmonar

Vómitos

4.7

Utilização durante a gestação, a lactação e a postura de ovos

Como a segurança da utilização de xilazina durante a organogénese não foi totalmente demonstrada,

utilizar com precaução durante o primeiro mês de gestação.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 5 de 24

Não administrar durante o último trimestre da gestação, uma vez que pode conduzir ao aumento da

pressão e motilidade uterina. Estes efeitos podem ser prevenidos pela administração simultânea de

agentes tocolíticos. Neste caso, a administração de xilazina é possível.

A xilazina pode ser administrada no parto.

4.8

Interacções medicamentosas e outras formas de interacção

Não é recomendada a administração concomitante de estimulantes dos receptores adrenérgicos.

reportado

administração intravenosa concomitante de sulfonamidas potenciadas com

agonistas alfa-2 provoca arritmias cardíacas, que podem ser fatais. Apesar de nenhum destes efeitos

terem sido reportados com Rompun, recomenda-se que a administração intravenosa de medicamentos

que contenham Trimetoprim /Sulfonamida não seja efectuada quando os cavalos tenham sido sedados

com xilazina.

A associação de Rompun com morfina (e outros opiáceos) ou com outros depressores do SNC conduz

a interacções medicamentosas e normalmente aumenta o grau de sedação. Os efeitos de Rompun

podem ser antagonizados pela administração de antagonistas alfa-2, podendo ser, assim, revertidos os

efeitos não desejados, a sedação ou tratada uma sobredosagem acidental, se necessário.

4.9

Posologia e via de administração

Bovinos

Rompun é administrado por injecção intramuscular. O intervalo de dose é de 0,05-0,3 mg/kg de peso

corporal (0,25-1,5 ml por 100 kg), de acordo com o grau de sedação requerido. Animais muito

excitados podem ter necessidade de doses mais elevadas que não excedam os 0,3 mg/kg (Nível de

Dose 4).

Dose

mg/kg

mg/50 kg

ml/50 kg

0,05

0,12

0,10

0,25

0,20

0,50

0,30

0,75

Dose 1

Sedação

ligeira

diminuição

tónus

muscular.

Mantém-se

capacidade

permanecer de pé.

Dose 2

Sedação, acentuada diminuição do tónus muscular e alguma analgesia. Habitualmente, o

animal mantém-se de pé, mas pode colocar-se em decúbito.

Dose 3

Sedação profunda, maior diminuição do tónus muscular e um grau de analgesia. O animal

coloca-se em decúbito.

Dose 4

Sedação muito profunda, uma profunda diminuição do tónus muscular e um grau de

analgesia. O animal coloca-se em decúbito.

animais

não

devem ser incomodados até

o medicamento

veterinário

faça

total efeito.

Geralmente, os primeiros efeitos são observados nos primeiros 5 minutos após a administração da

injecção e o efeito máximo é produzido 10 minutos mais tarde. Não há qualquer agitação ou excitação

durante a indução ou a recuperação.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 6 de 24

Se não se atingir o nível de sedação desejado, é improvável que a repetição da mesma dose se revele

mais

eficaz.

recomendado

aguardar

recuperação

completa

subsequente

repetição

procedimento com uma dose superior após 24 horas.

Quando se procede a qualquer tratamento cirúrgico recorrendo à xilazina, deve aplicar-se uma

anestesia local adicional.

Cavalos

Administrar por injecção intravenosa lenta, demorando a administração um a dois minutos. A

dosagem é de 0,6-1 mg/kg de peso corporal (3-5 ml/100 kg de peso corporal) dependendo do nível de

sedação requerido e a resposta do animal. Cavalos nervosos ou altamente excitáveis necessitam

habitualmente de uma dose superior. A experiência demonstrou que os cavalos mais velhos e os que

se submeteram a esforços maiores antes do tratamento respondem mais prontamente a Rompun.

Dependendo da dosagem, obtém-se uma sedação ligeira a profunda com analgesia individualmente

variável. O cavalo não fica em decúbito.

Os animais não devem ser incomodados até que o medicamento veterinário faça total efeito. Isto

ocorre geralmente nos 5 minutos após a injecção intravenosa e dura aproximadamente 20 minutos.

Se o nível requerido de sedação não for atingido, é improvável que a repetição da dose seja mais

eficaz. É recomendado aguardar pela recuperação completa, repetindo o procedimento 24 horas

depois com uma dose superior.

Para operações e procedimentos dolorosos, deve usar-se adicionalmente anestesia local ou regional.

Rompun também pode ser administrado aos cavalos como pré-medicação para cirurgias nos animais

em decúbito que recorram ao hidrato de cloral, barbitúricos, quetamina ou halotano.

Gatos

Administrar por via intramuscular ou subcutânea numa dose de 3 mg/kg de peso corporal (0,15

ml/kg). O efeito é adequado para procedimentos que não estão associados com qualquer grau de dor

considerável. A pré-medicação com atropina é vantajosa.

Quando administrada em conjunto com quetamina, a pré-medicação de xilazina elimina a rigidez

muscular durante a anestesia e mantém a sedação durante o período de recuperação.

A anestesia com barbitúricos não deve ser induzida até que a sedação atinja o seu pico, ou seja, cerca

de 20 minutos após a administração de Rompun. Nestas condições, a dose de barbitúricos é reduzida a

cerca de metade.

Cães

Administrar por injecção intramuscular numa dose de 1-3 mg/kg de peso corporal (0,05-0,15 ml/kg).

Podem ser utilizadas outras vias de administração, mas o efeito é menos previsível. Uma boa sedação

é normalmente atingida no limite inferior do intervalo da dose acima descrito, mas animais nervosos

ou agressivos requerem uma dose superior. O efeito é adequado para procedimentos que não estão

associados a qualquer grau de dor considerável.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 7 de 24

Para procedimentos dolorosos, deve administrar-se em combinação com um anestésico local. A pré-

medicação com atropina pode ser vantajosa.

Quando utilizada como medicação pré-anestésica, a xilazina reduz a dose necessária no caso dos

barbitúricos a cerca de metade. A xilazina também pode ser utilizada como pré-medicação para a

anestesia induzida com quetamina.

Outras informações aplicáveis a todas as espécies

Os analépticos reduzem o período ou o nível da sedação.

A limitada informação disponível sugere que os bloqueadores alfa-2, como o atipamezole, podem ser

eficazes na reversão da sedação e outros efeitos fisiológicos do fármaco.

A hiperglicémia transitória ocorre com frequência após a sedação com xilazina.

4.10

Sobredosagem (sintomas, procedimentos de emergência, antídotos), (se necessário)

Bovinos, cavalos, cães, gatos

A sobredosagem conduz a arritmia, hipotensão, depressão grave cardiopulmonar e do SNC.

Os analépticos reduzem o período ou o nível da sedação. Os bloqueadores dos receptores adrenérgicos

alfa-2, como o atipamezole, podem ser eficazes na reversão da sedação e outros efeitos fisiológicos do

Rompun.

4.11

Intervalos de segurança

Bovinos:

Carne e vísceras:

1 dia.

Leite:

Zero dias.

Cavalos:

Não é permitida a administração a equinos destinados ao consumo humano.

O equino deve ter sido declarado como não destinado ao consumo humano, de acordo

com a legislação nacional relativa ao passaporte de equinos.

5.

PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

Grupo farmacoterapêutico: Sistema nervoso, hipnóticos e sedativos

Código ATCvet:

QN05 CM92

5.1

Propriedades farmacodinâmicas

A xilazina é um derivado da tiazina com propriedades sedante, hipnótica, anestésica local, hipotensora

e relaxante da musculatura esquelética.

É um potente agonista sintético dos receptores alfa-2 adrenérgicos. A activação dos adrenoreceptores

alfa-2 induz uma diminuição na formação e libertação da noradrenalina no sistema nervoso central. A

inibição do tónus simpático produzida conduz a um modelo de resposta farmacológica que inclui

sedação, analgesia, bradicardia, hipertensão seguida de hipotensão e hipotermia.

A xilazina produz relaxamento muscular por inibição da transmissão intraneural dos impulsos no

SNC.

Em bovinos, o efeito desejado é plenamente conseguido entre 5 e 15 minutos após a injecção. O início

do efeito manifesta-se pelo descair da cabeça e da pálpebra superior, salivação, lábio inferior descaído

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 8 de 24

e diminuição do movimento das orelhas; a doses elevadas os animais deitam-se e entram num estado

sonolento.

Com doses altas a tranquilização dura várias horas. O efeito analgésico ou anestésico é suficiente para

realizar intervenções dolorosas durante 30 a 40 minutos. Em equinos, a maioria das vezes, após

injecção endovenosa, o efeito desejado é alcançado após 5 minutos. O início do efeito manifesta-se

pelo descair da cabeça e da pálpebra superior, lábio inferior descaído, diminuição do movimento das

orelhas assim como prolapso parcial do pénis. O efeito máximo do fármaco pode durar de 20 a 30

minutos, diminuindo rapidamente nos seguintes 30 a 60 minutos. O efeito analgésico ou anestésico no

equino é limitado, manifestando-se de forma diferente em cada indivíduo.

Em cães, os efeitos manifestam-se mais rapidamente após administração endovenosa (3 a 5 minutos).

Quando o medicamento é administrado por via intramuscular ou subcutânea, estes manifestam-se 5 a

10 minutos mais tarde. Logo, em gatos e cães após a injecção intramuscular, a acção inicia-se 10 a 15

minutos depois. Em cães e gatos o efeito sedante ou de sonolência é dependente da dose e geralmente

dura 1 a 2 horas. Assim, a duração do efeito depende da dose (até 2mg de xilazina/kg) e varia de

acordo com a via de administração: aproximadamente 30 minutos (doses baixas, administração

endovenosa) a 240 minutos (doses altas, administração intramuscular ou subcutânea).

Em cães e gatos o efeito analgésico dura unicamente 15-30 minutos. É marcado a nível da cabeça,

pescoço e corpo mas é mínimo nas extremidades.

5.2

Propriedades farmacocinéticas

Após

administração

endovenosa

bovinos,

cavalos

cães

comprovou-se

curvas

concentração

plasmática

longo

tempo

ajustam-se

forma

adequada

modelo

bicompartimental

aberto, enquanto

após

administração

intramuscular o modelo

eleito para

descrever a evolução dos níveis plasmáticos é o monocompartimental.

O processo de absorção é rápido pela via intramuscular, situando-se a semi-vida de absorção entre 2,8

(cavalo)

(cão)

minutos.

absorção

após

administração

subcutânea

mais

lenta.

Após

administração

intramuscular,

intervalo

doses

recomendado,

alcançaram-se

valores

concentração plasmática máxima (Cmax) de 0,167 μg/ml no cavalo a 0,432 μg/ml no cão. Após

injecção intramuscular a concentração plasmática máxima é alcançada (Tmax) aos 12-14 minutos. A

fracção de dose absorvida (F) encontra-se entre os 50-90% (cão) e 40-48% (cavalo).

Após a administração endovenosa ou intramuscular da dose recomendada às espécies alvo (bovinos,

equinos e cães), a xilazina distribui-se rápida e extensamente, com uma semi-vida da fase α de 1-6

minutos, e um valor para o volume de distribuição em função da área elevado: de 1,9 l/kg de peso

corporal em bovinos a 2,5 l/kg (cavalo e cão).

A xilazina é metabolizada quase completamente no fígado, originando até 10 metabolitos (bovino) tais

como

2-(4’-hidroxi-2’,6’-dimetilfenilamina)-5,6-dihidro-4H-1,3-tiazina,

2-(3’hidroxi-

2’,6’-

dimetilfenilamina)-5,6-dihidro-4H-1,3-tiazina,

2-(2’,6’-dimetilfenilamina)-4-oxo-5,6-dihidro-

1,3-

tiazina, detectados em bovinos e equinos. Em geral os metabolitos da xilazina provêm da hidroxilação

do anel fenil e posterior conjugação com o ácido glucorónico, e da oxidação e abertura do anel tiazina.

A rápida eliminação do fármaco está relacionada com a sua ampla metabolização em lugar de uma

rápida excreção renal. A semivida da fase β, após administração endovenosa nas doses recomendadas,

varia de 30 a 50 minutos no cão e cavalo, respectivamente. A xilazina é excretada principalmente na

urina, fundamentalmente sob a forma de metabolitos.

A recuperação completa após administração de xilazina varia com a dose administrada. Ocorre

geralmente após 2-3 horas no cavalo e 2-4 horas no cão e gato, quando se administram as doses

recomendadas.

6.

INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 9 de 24

6.1

Lista de excipientes

Metil-4-hidroxibenzoato

Cloreto de sódio

Carbonato de sódio

Água para preparações injectáveis

6.2

Incompatibilidades

Na ausência de estudos de compatibilidade, este medicamento veterinário não deve ser misturado com

outros.

6.3

Prazo de validade

Prazo de validade do medicamento veterinário tal como embalado para venda: 3 anos.

Prazo de validade após a primeira abertura do acondicionamento primário: 28 dias.

6.4

Precauções especiais de conservação

Conservar a temperatura inferior a 25ºC.

Não congelar.

6.5

Natureza e composição do acondicionamento primário

Caixa de cartão contendo frasco de vidro incolor de 25 ml, com rolha de cloributilo siliconizada e

cápsula de alumínio.

6.6

Precauções especiais para a eliminação de medicamentos veterinários não utilizados ou de

desperdícios derivados da utilização desses medicamentos

O medicamento veterinário não utilizado ou os seus desperdícios devem ser eliminados de acordo com a

legislação em vigor.

7.

TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Bayer Portugal, Lda.

Rua Quinta do Pinheiro,5

2794-003 Carnaxide

8.

NÚMERO(S) DE REGISTO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Nº de registo: 440/01/12NFVPT

9.

DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO

21 de Junho de 1978 / 20 de Novembro 2017

10.

DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 10 de 24

Novembro 2017

PROIBIÇÃO DE VENDA, FORNECIMENTO E/OU UTILIZAÇÃO

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 11 de 24

ROTULAGEM E FOLHETO INFORMATIVO

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 12 de 24

A. ROTULAGEM

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 13 de 24

INDICAÇÕES A INCLUIR NO ACONDICIONAMENTO SECUNDÁRIO

{ caixa cartão contendo frasco de 25 ml }

1.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

Rompun 20 mg/ml solução injetável para bovinos, cavalos, cães e gatos.

2.

DESCRIÇÃO DAS SUBSTÂNCIAS ACTIVAS E OUTRAS SUBSTÂNCIAS

Cada ml contém:

Substância activa

Xilazina (na forma de cloridrato)

20 mg

Excipientes

Metil-4-hidroxibenzoato (E218)

1,5 mg

3.

FORMA FARMACÊUTICA

Solução injectável

4.

DIMENSÃO DA EMBALAGEM

25 ml

5.

ESPÉCIES-ALVO

Bovinos, cavalos, cães e gatos.

6.

INDICAÇÃO (INDICAÇÕES)

Sedativo com algumas propriedades analgésicas e relaxantes musculares para bovinos, cavalos, cães e

gatos.

7.

MODO E VIA(S) DE ADMINISTRAÇÃO

Antes de utilizar, leia o folheto informativo.

Bovinos e cães: via intramuscular.

Cavalos: via intravenosa lenta.

Gatos: via intramuscular ou subcutânea

8.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Intervalo de segurança:

Bovinos:

Carne e vísceras:

1 dia.

Leite:

Zero dias.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 14 de 24

Cavalos: Não é permitida a administração a equinos destinados ao consumo humano. O equino deve

ter sido declarado como não destinado ao consumo humano, de acordo com a legislação nacional

relativa ao passaporte de equinos.

9.

ADVERTÊNCIA(S) ESPECIAL (ESPECIAIS), SE NECESSÁRIO

Antes de utilizar, leia o folheto informativo.

10.

PRAZO DE VALIDADE

VAL {mês/ano}

Depois da primeira abertura da embalagem, utilizar dentro de 28 dias.

11.

CONDIÇÕES ESPECIAIS DE CONSERVAÇÃO

Conservar a temperatura inferior a 25ºC.

Não congelar.

12.

PRECAUÇÕES ESPECIAIS DE ELIMINAÇÃO DO MEDICAMENTO NÃO

UTILIZADO OU DOS SEUS DESPERDÍCIOS, SE FOR CASO DISSO

O medicamento veterinário não utilizado ou os seus desperdícios devem ser eliminados de acordo com a

legislação em vigor.

13.

MENÇÃO “EXCLUSIVAMENTE PARA USO VETERINÁRIO” E CONDIÇÕES OU

RESTRIÇÕES RELATIVAS AO FORNECIMENTO E À UTILIZAÇÃO, se for caso

disso

USO VETERINÁRIO

Medicamento veterinário sujeito a receita médico veterinária.

14.

MENÇÃO “MANTER FORA DO ALCANCE E DA VISTA DAS CRIANÇAS”

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

15.

NOME E ENDEREÇO DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO

MERCADO

Bayer Portugal, Lda.

Rua Quinta do Pinheiro,5

2794-003 Carnaxide

16.

NÚMERO(S) DE REGISTO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 15 de 24

440/01/12NFVPT

17.

NÚMERO DO LOTE DE FABRICO

Lote {número}

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 16 de 24

INDICAÇÕES MÍNIMAS A INCLUIR EM PEQUENAS UNIDADES DE

ACONDICIONAMENTO PRIMÁRIO

{rotulo frasco de 25 ml}

1.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

Rompun 20 mg/ml solução injetável para bovinos, cavalos, cães e gatos.

2.

COMPOSIÇÃO QUANTITATIVA DA(S) SUBSTÂNCIA(S) ACTIVA(S)

Cada ml contém: Cloridrato de xilazina 23,32 mg (equivalente a 20 mg de xilazina base)

3.

CONTEÚDO EM PESO, VOLUME OU NÚMERO DE DOSES

25 ml

4.

VIA(S) DE ADMINISTRAÇÃO

Bovinos e cães: via intramuscular.

Cavalos: via intravenosa lenta.

Gatos: via intramuscular ou subcutânea

5.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Intervalo de segurança:

Bovinos:

Carne e vísceras:

1 dia.

Leite:

Zero dias.

Cavalos: Não é permitida a administração a equinos destinados ao consumo humano. O equino deve

ter sido declarado como não destinado ao consumo humano, de acordo com a legislação nacional

relativa ao passaporte de equinos

6.

NÚMERO DO LOTE

Lote {número}

7.

PRAZO DE VALIDADE

VAL {MM/AAAA}>

Depois da primeira abertura da embalagem, utilizar dentro de 28 dias

8.

MENÇÃO “EXCLUSIVAMENTE PARA USO VETERINÁRIO”

Exclusivamente para uso veterinário.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 17 de 24

B. FOLHETO INFORMATIVO

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 18 de 24

FOLHETO INFORMATIVO

Rompun 20 mg/ml solução injetável para bovinos, cavalos, cães e gatos.

1.

NOME E ENDEREÇO DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO

MERCADO E DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE FABRICO RESPONSÁVEL

PELA LIBERTAÇÃO DO LOTE

Titular da autorização de introdução no mercado:

Bayer Portugal, Lda.

Rua Quinta do Pinheiro, 5

2794-003 Carnaxide

Titular da autorização de fabrico responsável pela libertação de lote:

KVP Pharma und Veterinaerprodukte GmBH

Projensdorfer Strasse, 324 - Kiel

Alemanha

2.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

Rompun 20 mg/ml solução injetável para bovinos, cavalos, cães e gatos.

3.

DESCRIÇÃO DA SUBSTÂNCIA ACTIVA E OUTRAS SUBSTÂNCIAS

Cada ml contém:

Substância activa

Cloridrato de xilazina

23,32 mg

(equivalente a 20 mg de xilazina base)

Excipientes

Metil-4-hidroxibenzoato (E218)

1,5 mg

4.

INDICAÇÕES

Sedativo com algumas propriedades analgésicas e relaxantes musculares para bovinos, cavalos, cães e

gatos.

Todos os casos em que a sedação é necessária, incluindo:

Maneio de animais pouco domesticados/excitados/agressivos (p.ex. transporte).

Exames médicos, tal como raio-x, remoção de pensos, exame dos tetos, pénis e cavidade oral.

Pré-medicação para cirurgias superficiais menores, procedimentos com manipulação dolorosa e

anestesia local ou regional.

5.

CONTRA-INDICAÇÕES

Não administrar nas fases tardias de gestação, excepto no parto. Como a segurança da utilização de

xilazina durante a organogénese não foi totalmente demonstrada, utilizar com precaução durante o

primeiro mês de gestação.

Não administrar a animais com insuficiência renal, hepática ou cardíaca severa

Não administrar em caso de hipersensibilidade à substância activa ou a qualquer um dos excipientes

Devido ao efeito emético por vezes produzido em cães e gatos, não administrar em complicações

mecânicas do tracto digestivo, p. ex. obstrução do esófago, torção gástrica ou hérnia.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 19 de 24

6.

REACÇÕES ADVERSAS

Bovinos e cavalos

Aumento da motilidade uterina

Regurgitação

Timpanismo

Depressão cardiopulmonar

Cães e gatos

Depressão cardiopulmonar

Vómitos

Caso detecte efeitos graves ou outros efeitos não mencionados neste folheto, informe o médico

veterinário.

7.

ESPÉCIES-ALVO

Bovinos, cavalos, cães e gatos.

8.

DOSAGEM EM FUNÇÃO DA ESPÉCIE, VIAS E MODO DE ADMINISTRAÇÃO

Bovinos

Rompun é administrado por injecção intramuscular. O intervalo de dose é de 0,05-0,3 mg/kg de peso

corporal (0,25-1,5 ml por 100 kg), de acordo com o grau de sedação requerido. Animais muito

excitados podem ter necessidade de doses mais elevadas que não excedam os 0,3 mg/kg (Nível de

Dose 4).

Dose

mg/kg

mg/50 kg

ml/50 kg

0,05

0,12

0,10

0,25

0,20

0,50

0,30

0,75

Dose 1

Sedação

ligeira

diminuição

tónus

muscular.

Mantém-se

capacidade

permanecer de pé.

Dose 2

Sedação, acentuada diminuição do tónus muscular e alguma analgesia. Habitualmente, o

animal mantém-se de pé, mas pode colocar-se em decúbito.

Dose 3

Sedação profunda, maior diminuição do tónus muscular e um grau de analgesia. O animal

coloca-se em decúbito.

Dose 4

Sedação muito profunda, uma profunda diminuição do tónus muscular e um grau de

analgesia. O animal coloca-se em decúbito.

animais

não

devem ser incomodados até

o medicamento

veterinário

faça

total efeito.

Geralmente, os primeiros efeitos são observados nos primeiros 5 minutos após a administração da

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 20 de 24

injecção e o efeito máximo é produzido 10 minutos mais tarde. Não há qualquer agitação ou excitação

durante a indução ou a recuperação.

Se não se atingir o nível de sedação desejado, é improvável que a repetição da mesma dose se revele

mais

eficaz.

recomendado

aguardar

recuperação

completa

subsequente

repetição

procedimento com uma dose superior após 24 horas.

Quando se procede a qualquer tratamento cirúrgico recorrendo à xilazina, deve aplicar-se uma

anestesia local adicional.

Cavalos

Administrar por injecção intravenosa lenta, demorando a administração um a dois minutos. A

dosagem é de 0,6-1 mg/kg de peso corporal (3-5 ml/100 kg de peso corporal) dependendo do nível de

sedação requerido e a resposta do animal. Cavalos nervosos ou altamente excitáveis necessitam

habitualmente de uma dose superior. A experiência demonstrou que os cavalos mais velhos e os que

se submeteram a esforços maiores antes do tratamento respondem mais prontamente a Rompun.

Dependendo da dosagem, obtém-se uma sedação ligeira a profunda com analgesia individualmente

variável. O cavalo não fica em decúbito.

Os animais não devem ser incomodados até que o medicamento veterinário faça total efeito. Isto

ocorre geralmente nos 5 minutos após a injecção intravenosa e dura aproximadamente 20 minutos.

Se o nível requerido de sedação não for atingido, é improvável que a repetição da dose seja mais

eficaz. É recomendado aguardar pela recuperação completa, repetindo o procedimento 24 horas

depois com uma dose superior.

Para operações e procedimentos dolorosos, deve usar-se adicionalmente anestesia local ou regional.

Rompun também pode ser administrado aos cavalos como pré-medicação para cirurgias nos animais

em decúbito que recorram ao hidrato de cloral, barbitúricos, quetamina ou halotano.

Gatos

Administrar por via intramuscular ou subcutânea numa dose de 3 mg/kg de peso corporal (0,15

ml/kg). O efeito é adequado para procedimentos que não estão associados com qualquer grau de dor

considerável. A pré-medicação com atropina é vantajosa.

Quando administrada em conjunto com quetamina, a pré-medicação de xilazina elimina a rigidez

muscular durante a anestesia e mantém a sedação durante o período de recuperação.

A anestesia com barbitúricos não deve ser induzida até que a sedação atinja o seu pico, ou seja, cerca

de 20 minutos após a administração de Rompun. Nestas condições, a dose de barbitúricos é reduzida a

cerca de metade.

Cães

Administrar por injecção intramuscular numa dose de 1-3 mg/kg de peso corporal (0,05-0,15 ml/kg).

Podem ser utilizadas outras vias de administração, mas o efeito é menos previsível. Uma boa sedação

é normalmente atingida no limite inferior do intervalo da dose acima descrito, mas animais nervosos

ou agressivos requerem uma dose superior. O efeito é adequado para procedimentos que não estão

associados a qualquer grau de dor considerável.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 21 de 24

Para procedimentos dolorosos, deve administrar-se em combinação com um anestésico local. A pré-

medicação com atropina pode ser vantajosa.

Quando utilizada como medicação pré-anestésica, a xilazina reduz a dose necessária no caso dos

barbitúricos a cerca de metade. A xilazina também pode ser utilizada como pré-medicação para a

anestesia induzida com quetamina.

Outras informações aplicáveis a todas as espécies

Os analépticos reduzem o período ou o nível da sedação.

A limitada informação disponível sugere que os bloqueadores alfa-2, como o atipamezole, podem ser

eficazes na reversão da sedação e outros efeitos fisiológicos do fármaco.

A hiperglicémia transitória ocorre com frequência após a sedação com xilazina.

9.

INSTRUÇÕES COM VISTA A UMA UTILIZAÇÃO CORRECTA

Ver s.f.f. secção “Dosagem em função da espécie, vias e modo de administração.”

10.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Bovinos:

Carne e vísceras:

1 dia.

Leite:

Zero dias.

Cavalos:

Não é permitida a administração a equinos destinados ao consumo humano.

O equino deve ter sido declarado como não destinado ao consumo humano, de acordo

com a legislação nacional relativa ao passaporte de equinos.

11.

PRECAUÇÕES ESPECIAIS DE CONSERVAÇÃO

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Conservar a temperatura inferior a 25ºC.

Não congelar.

Não utilizar depois de expirado o prazo de validade indicado no rótulo.

Prazo de validade após a primeira abertura do recipiente: 28 dias.

12.

ADVERTÊNCIAS ESPECIAIS

Aplicável a todas as espécies

Caso seja expectável a utilização de doses elevadas, o animal deverá ser sujeito a um jejum prévio

durante algumas horas.

Durante o período em que o medicamento veterinário atinge o seu pico de acção o reflexo de

deglutição é reduzido.

Os animais sedados devem permanecer sob observação até recuperarem.

Os animais sedados devem ser isolados.

Em caso de depressão respiratória, a compressão manual do tórax é geralmente suficiente para

restaurar a respiração normal. Devem ser adoptadas as devidas precauções assépticas.

Bovinos

O timpanismo deve ser prevenido em bovinos deitados através do decúbito esterno-abdominal.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 22 de 24

Para intervenções que impliquem decúbito lateral ou dorsal, a cabeça e o pescoço devem manter-se

numa posição mais baixa para prevenir a aspiração do conteúdo ruminal.

Manter

animais

decúbito

sonolentos

ambiente

pouca

luz.

caso

sobredosagem acidental que origine depressão respiratória, recomendam-se duches de água fria e

respiração artificial.

Após a administração dos níveis de dosagem 3 e 4, é provável que os bovinos se mantenham

sonolentos durante algumas horas, pelo que devem ser mantidos afastados da luz.

Cavalos

Após injecção intravenosa em cavalos, poderá observar-se uma subida e descida transitórias da

pressão arterial.

Devem ser sempre acauteladas as, precauções habituais no maneio dos cavalos, mesmo quando

administrada a dose máxima preconizada do medicamento.

Cães e gatos

Em cães e gatos com o estômago cheio ocorrem vómitos antes da sedação completa. O efeito emético

é reduzido se os animais forem sujeitos a um jejum de 6 a 24 horas.

A pré-medicação com atropina em gatos e cães pode reduzir a salivação e os efeitos de bradicardia.

Precauções especiais para utilização em animais

Utilizar com precaução em animais de idade avançada ou debilitados que possam ser afectados

adversamente por alterações cardiovasculares profundas.

O medicamento veterinário deve ser utilizado com prudência em caso de doença pulmonar.

Devem ser tomadas precauções especiais em animais com compromisso renal e da função hepática, e

em animais com diabetes mellitus.

Quando

são

administradas

doses

elevadas

animal

deve

estar

jejum

algumas

horas

antecedência.

Deve-se notar que o reflexo de deglutição é reduzido durante o período em que a acção do

medicamento está no seu pico.

Os animais sedados devem permanecer sob observação até atingirem o seu estado normal.

Segregar animais sedados.

Em caso de insuficiência respiratória a compressão manual do tórax é geralmente suficiente para

restabelecer a respiração normal.

As precauções assépticas devem ser observadas.

Evitar

extravasão

quando

administra

medicamento

veterinário

intravenosa.

Não se recomenda a administração de xilazina em gatos com obstrução urinária. No entanto, se

administrado a estes animais, após avaliação de risco/benefício pelo médico veterinário deve ter-se em

conta que a xilazina é um depressor do sistema cardiovascular e respiratório e pode aumentar o

volume de urina excretada (com a possibilidade de distensão ou ruptura da bexiga) e a probabilidade

de ocorrência de náuseas.

Aviso ao utilizador:

Utilize com prudência de modo a evitar a auto-injecção acidental.

Para evitar a auto-injecção acidental, um dos procedimentos a seguir devem ser adoptadas. Ou usar

duas agulhas estéreis, uma para encher a seringa e uma para injectar o paciente, ou quando a dose

necessária tenha sido retirada do frasco retirar imediatamente a agulha da seringa e inserir a agulha no

local de injecção e só depois conectar a seringa à agulha. As agulhas usadas devem ser depositadas de

forma segura e em recipiente fechado.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 23 de 24

Em caso de ingestão ou auto-injecção acidental, dirija-se imediatamente a um médico e mostre-lhe

o folheto informativo, mas NÃO CONDUZA dado que podem ocorrer alterações na tensão

arterial e sedação.

Evite o contacto com a pele, olhos e mucosas.

Caso haja contacto directo com o medicamento, lave de imediato a pele exposta, com água

abundante.

Remova o vestuário contaminado que esteja em contacto directo com a pele.

Em caso de contacto acidental do medicamento com os olhos, lave abundantemente com água

doce. Caso ocorram sintomas, dirija-se a um médico.

As mulheres grávidas que manuseiem o medicamento, devem fazê-lo com muita prudência para

evitar a auto-injecção, dado que podem ocorrer contracções uterinas e redução da pressão

sanguínea fetal, após exposição sistémica acidental.

Informação para os médicos: A xilazina é um agonista dos receptores adrenérgicos alfa2 a qual,

após absorção, pode desencadear os seguintes efeitos clínicos: sedação dependente da dose,

depressão respiratória, bradicardia, hipotensão, boca seca, hiperglicemia e arritmias ventriculares.

Os sintomas respiratórios e hemodinâmicos devem ser tratados sintomaticamente.

Utilização durante a gestação e a lactação

Como a segurança da utilização de xilazina durante a organogénese não foi totalmente demonstrada,

utilizar com precaução durante o primeiro mês de gestação.

Não administrar durante o último trimestre da gestação, uma vez que pode conduzir ao aumento da

pressão e motilidade uterina. Estes efeitos podem ser prevenidos pela administração simultânea de

agentes tocolíticos. Neste caso, a administração de xilazina é possível.

A xilazina pode ser administrada no parto.

Interacções medicamentosas

Não é recomendada a administração concomitante de estimulantes dos receptores adrenérgicos.

reportado

administração intravenosa concomitante de sulfonamidas potenciadas com

agonistas alfa-2 provoca arritmias cardíacas, que podem ser fatais. Apesar de nenhum destes efeitos

terem sido reportados com Rompun, recomenda-se que a administração intravenosa de medicamentos

que contenham Trimetoprim /Sulfonamida não seja efectuada quando os cavalos tenham sido sedados

com xilazina.

A associação de Rompun com morfina (e outros opiáceos) ou com outros depressores do SNC conduz

a interacções medicamentosas e normalmente aumenta o grau de sedação. Os efeitos de Rompun

podem ser antagonizados pela administração de antagonistas alfa-2, podendo ser, assim, revertidos os

efeitos não desejados, a sedação ou tratada uma sobredosagem acidental, se necessário.

Sobredosagem

Bovinos, cavalos, cães, gatos

A sobredosagem conduz a arritmia, hipotensão, depressão grave cardiopulmonar e do SNC.

Os analépticos reduzem o período ou o nível da sedação. Os bloqueadores dos receptores adrenérgicos

alfa-2, como o atipamezole, podem ser eficazes na reversão da sedação e outros efeitos fisiológicos do

Rompun.

Incompatibilidades

Na ausência de estudos de compatibilidade, este medicamento veterinário não deve ser misturado com

outros.

13.

PRECAUÇÕES ESPECIAIS DE ELIMINAÇÃO DO MEDICAMENTO NÃO

UTILIZADO OU DOS SEUS DESPERDÍCIOS, SE FOR CASO DISSO

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Novembro 2017

Página 24 de 24

O medicamento veterinário não utilizado ou os seus desperdícios devem ser eliminados de acordo com a

legislação em vigor.

14.

DATA DA ÚLTIMA APROVAÇÃO DO FOLHETO INFORMATIVO

Novembro 2017

15.

OUTRAS INFORMAÇÕES

Apresentações:

Caixa de cartão contendo frasco de vidro incolor de 25 ml, com rolha de cloributilo siliconizada e

cápsula de alumínio.

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação