Marfloquin 80 mg comprimidos para cães

Portugal - português - DGAV (Direção Geral de Alimentação e Veterinária)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Marbofloxacina 80.0 mg
Disponível em:
KRKA
Código ATC:
QJ01MA93
DCI (Denominação Comum Internacional):
Marbofloxacina
Forma farmacêutica:
Comprimido
Via de administração:
Via oral
Tipo de prescrição:
MSRMV - Medicamento Sujeito a Receita Médico-Veterinária
Grupo terapêutico:
Caninos
Área terapêutica:
Marbofloxacina
Resumo do produto:
Intervalo de Segurança: não aplicável -; ; Blister(s) - 12 unidade(s) 631/03/12DFVPT Autorizado Sim; Blister(s) - 72 unidade(s) 631/03/12DFVPT Autorizado Sim
Número de autorização:
631/03/12DFVPT

Leia o documento completo

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 1 de 16

ANEXO I

RESUMO DAS CARATERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

Marfloquin 80 mg comprimidos para cães.

2.

COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada comprimido contém:

Substância ativa:

Marbofloxacina………………80 mg

Excipientes:

Para a lista completa de excipientes, ver secção 6.1

3.

FORMA FARMACÊUTICA

Comprimidos.

Comprimidos marmoreados de cor clara amarela acastanhada, em forma de cápsula, biconvexos, com

manchas pretas e brancas e rasurados nos dois lados.

Os comprimidos podem ser divididos em metades.

4.

INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1.

Espécie(s)-alvo

Caninos (Cães).

4.2

Indicações de utilização, especificando as espécies-alvo

Tratamento

cães

infeções

provocadas

estirpes

microrganismos

sensíveis

marbofloxacina:

- Infeções da pele e dos tecidos moles (intertrigo, impetigo, foliculite, furunculose, celulite);

- Infeções do trato urinário (ITU) associadas ou não a prostatites ou epididimites;

- Infeções do trato respiratório.

4.3

Contraindicações

Não administrar a cães com menos de 12 meses de idade, ou com menos de 18 meses de idade para as

raças de cães excecionalmente grandes com um longo período de crescimento, como os Great Danes,

Briard, Bernese, Bouvier e Mastiffs.

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 2 de 16

Não administrar a gatos. Para o tratamento desta espécie estão disponíveis os comprimidos de 5 mg.

Não

administrar

caso

hipersensibilidade

conhecida

marbofloxacina,

outras

(fluoro)quinolonas ou a algum dos excipientes do medicamento veterinário.

Não administrar em casos de resistência às quinolonas, porque existe resistência cruzada (quase)

completa com outras fluoroquinolonas.

4.4

Advertências especiais para cada espécie–alvo

Um pH urinário baixo pode ter um efeito inibitório da atividade da marbofloxacina. A piodermatite

surge secundariamente a uma doença subjacente; como tal, é aconselhável determinar a causa

subjacente e tratar o animal de acordo com a mesma.

4.5

Precauções especiais de utilização

Precauções especiais para utilização em animais

Doses

elevadas

algumas

fluoroquinolonas

podem

potencial

epileptógenico.

marbofloxacina deve ser administrada com prudência a cães com historial clínico de epilepsia.

Contudo, a administração da dose terapêutica recomendada não desencadeia efeitos secundários

graves em cães. Demonstrou-se que as fluoroquinolonas induzem a erosão da cartilagem articular nos

cães jovens, pelo que nestes animais a dose a administrar deve ser calculada cuidadosamente. Na taxa

de dose recomendada, não foram encontradas lesões das articulações em estudos clínicos.

Durante a administração do medicamento veterinário, deverão ser tomadas em consideração as

normas antimicrobianas locais e oficiais. As fluoroquinolonas devem ser reservadas para o tratamento

de situações clínicas que tenham respondido mal, ou se espere que respondam mal a outras classes de

antimicrobianos. Sempre que possível, a administração das fluoroquinolonas deve ser baseada em

testes de sensibilidade. A administração deste medicamento veterinário fora das indicações do

RCMV pode aumentar a prevalência da resistência bacteriana às (fluoro)quinolonas e reduzir a

eficácia do tratamento com outras quinolonas devido ao potencial para resistência cruzada.

Precauções especiais que devem ser tomadas pela pessoa que administra o medicamento aos

animais

As pessoas com hipersensibilidade conhecida às (fluoro)quinolonas devem evitar o contacto com este

medicamento veterinário.

Em caso de ingestão acidental consultar imediatamente um médico e mostrar-lhe o rótulo e/ou o

folheto informativo do medicamento veterinário.

Lavar as mãos após a administração.

4.6

Reações adversas (frequência e gravidade)

Podem ocorrer muito raramente efeitos secundários moderados como vómito, amolecimento das

fezes,

alterações

sede

aumento

transitório

atividade.

Estes

sinais

desaparecem

espontaneamente após o tratamento e não é necessária a interrupção do tratamento.

A frequência dos eventos adversos é definida utilizando a seguinte convenção:

- muito frequente (mais de 1 em 10 animais tratados apresentando evento(s) adverso(s));

- frequente (mais de 1 mas menos de 10 animais em 100 animais tratados);

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 3 de 16

- pouco frequente (mais de 1 mas menos de 10 animais em 1.000 animais tratados);

- raro (mais de 1 mas menos de 10 animais em 10.000 animais tratados);

- muito raro (menos de 1 animal em 10.000 animais tratados, incluindo relatos isolados).

4.7

Utilização durante a gestação e lactação

Os estudos realizados em animais de laboratório (rato, coelho) não revelaram embriotoxicidade,

teratogenicidade e maternotoxicidade com a dose terapêutica da marbofloxacina.

A segurança da marbofloxacina não foi determinada em gatas e cadelas gestantes ou lactantes.

Administrar

animais

gestantes

lactantes

apenas

conformidade

avaliação

benefício/risco realizada pelo veterinário responsável

4.8

Interações medicamentosas e outras formas de interação

As fluoroquinolonas interatuam com catiões administrados por via oral (Alumínio, Cálcio, Magnésio,

Ferro). Nestes casos, a biodisponibilidade da marbofloxacina pode estar reduzida. A administração

concomitante de produtos à base de teofilina pode conduzir à inibição da eliminação da teofilina.

4.9

Posologia e via de administração

Para administração oral.

A dose recomendada é de 2 mg/kg /dia (1 comprimido por 40 kg por dia) numa única dose diária.

Quando

necessário,

administração

combinação

comprimidos,

inteiros

metades,

diferentes dosagens (5 mg, 20 mg ou 80 mg) permite uma dosagem exata.

De forma a garantir a dosagem correta, o peso corporal deve ser determinado da forma mais exata

possível para evitar a subdosagem.

Duração do tratamento:

- nas infeções da pele e dos tecidos moles, a duração do tratamento é de pelo menos 5 dias, podendo

prolongar-se até 40 dias;

- nas infeções do trato urinário, a duração do tratamento é de pelo menos 10 dias, podendo

prolongar-se até 28 dias;

- nas infeções respiratórias, a duração do tratamento é de pelo menos 7 dias, podendo prolongar-se

até 21 dias.

Peso corporal do animal

(kg)

Número de comprimidos

(Dosagens de 80 mg+20 mg )

Dosagem Aprox.

(mg/kg)

17 – 20

2.0 – 2.4

>20 – 25

0.5 + 0.5

2.0 – 2.5

>25 – 30

0.5 + 1

2.0 – 2.4

>30 – 40

2.0 – 2.7

>40 – 50

1 + 1

2.0 – 2.5

>50

≤2.4

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 4 de 16

4.10

Sobredosagem (sintomas, procedimentos de emergência), (se necessário)

A sobredosagem pode provocar sinais de alterações neurológicas graves que devem ser tratadas

sintomaticamente.

4.11

Intervalo de segurança

Não aplicável.

5.

PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

Grupo farmacoterapêutico: Antibacterianos para uso sistémico, Fluoroquinolonas.

Código ATCVet: QJ01MA93.

5.1

Propriedades farmacodinâmicas

A marbofloxacina é um antimicrobiano sintético com atividade bactericida, pertencente ao grupo das

fluoroquinolonas que atua através da inibição da ADN girase e da topoisomerase IV. Apresenta

atividade bactericida contra um largo espectro de bactérias Gram positivas (incluindo Streptococci e

em particular Staphylococci,) e bactérias Gram negativas (Escherichia coli, Citrobacter freundii,

Proteus

spp.,

Klebsiella

spp.,

Shigella

spp.,

Pasteurella

spp.,

Pseudomonas

spp.,), bem como

Mycoplasma spp.

Um segundo relatório escrito com dados sobre suscetibilidade microbiana, cujas fontes incluíam dois

inquéritos europeus de campo, cada um envolvendo centenas de microrganismos caninos e felinos

suscetíveis à marbofloxacina, foi publicado em 2014.

Microrganismo

(µg/ml)

Staphylococcus intermedius

0,25

Escherichia coli

0,03

Pasteurella multocida

0,03

Pseudomonas aeruginosa

0,50

Os pontos de rutura suscetíveis foram determinados como ≤1 µg/ml para estirpes sensíveis, 2 µg/ml

para intermédias e ≥4 µg/ml para estirpes bacterianas resistentes.

A marbofloxacina não é ativa contra as infeções causadas por anaeróbios, leveduras ou fungos.

Casos de resistência podem ser observados em Streptococcus.

A resistência às fluoroquinolonas ocorre por mutação cromossómica através de três mecanismos:

diminuição da permeabilidade da parede bacteriana, expressão da bomba de efluxo ou mutação das

enzimas responsáveis pela ligação molecular.

5.2.

Propriedades farmacocinéticas

A marbofloxacina é rapidamente absorvida após a administração oral a cães da dose recomendada de

2 mg/kg, atingindo em 2 horas as concentrações séricas máximas de 1,5 µg/ml.

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 5 de 16

A sua biodisponibilidade aproxima-se de 100 %.

A marbofloxacina liga-se de forma ténue às proteínas plasmáticas (menos de 10 %), apresenta uma

elevada distribuição, e na maior parte dos tecidos (fígado, rim, pele, pulmão, bexiga, trato digestivo)

alcança uma concentração superior à concentração plasmática.

A marbofloxacina é lentamente eliminada (t½β = 14 h em cães), principalmente sob a forma ativa

através da urina (2/3) e fezes (1/3).

6.

INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1

Lista de excipientes

Lactose monoidratada

Povidona (K90)

Fermento em pó

Aromatizante de carne

Crospovidona

Óleo de rícino hidrogenado

Sílica, Anidro Coloidal

Estearato de magnésio.

6.2

Incompatibilidades

Não aplicável.

6.3

Prazo de validade

Prazo de validade do medicamento veterinário tal como embalado para venda: 3 anos.

Prazo de validade de meio comprimido: 5 dias.

6.4.

Precauções especiais de conservação

Conservar na embalagem de origem para proteger da luz.

A conservação deste medicamento veterinário não requer condições especiais de temperatura.

6.5

Natureza e composição do acondicionamento primário

Blister

cloreto

polivinil-alumínio-poliamida

orientada/folha

alumínio

formada

frio

contendo 6 comprimidos.

Embalagens de 12 comprimidos e de 72 comprimidos com folheto informativo.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6

Precauções especiais para a eliminação de medicamento veterinários não utilizados ou de

desperdícios derivados da utilização desses medicamentos

O medicamento veterinário não utilizado ou os seus desperdícios devem ser eliminados de acordo

com a legislação em vigor.

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 6 de 16

7.

TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

KRKA, d.d., Novo mesto

Šmarješka cesta 6

8501 Novo mesto

Eslovénia

8.

NÚMERO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

631/03/12DFVPT.

9.

DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO

15 de dezembro de 2012 / 26 de fevereiro de 2018.

10.

DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Fevereiro de 2018.

PROIBIÇÃO DE VENDA, FORNECIMENTO E/OU UTILIZAÇÃO

Não aplicável.

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 7 de 16

ANEXO III

ROTULAGEM E FOLHETO INFORMATIVO

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 8 de 16

A. ROTULAGEM

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 9 de 16

INDICAÇÕES A INCLUIR NO ACONDICIONAMENTO SECUNDÁRIO

EMBALAGEM

1.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

Marfloquin 80 mg comprimidos para cães.

Marbofloxacina

2.

DESCRIÇÃO DAS SUBSTÂNCIAS ATIVAS

Cada comprimido contém:

Substância ativa:

Marbofloxacina…………80 mg

3.

FORMA FARMACÊUTICA

Comprimidos.

Os comprimidos podem ser divididos em metades.

4.

DIMENSÃO DA EMBALAGEM

12 comprimidos

72 comprimidos

5.

ESPÉCIES-ALVO

Caninos (Cães).

6.

INDICAÇÕES

7.

MODO E VIA (S) DE ADMINISTRAÇÃO

Antes de utilizar, leia o folheto informativo.

Administração oral.

8.

INTERVALO DE SEGURANÇA

9.

PRECAUÇÕES ESPECIAIS, SE NECESSÁRIO

Antes de utilizar, leia o folheto informativo.

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 10 de 16

10.

PRAZO DE VALIDADE

VAL:

Prazo de validade das metades dos comprimidos: 5 dias.

11.

CONDIÇÕES ESPECIAIS DE CONSERVAÇÃO

Conservar

embalagem

origem

para

proteger

luz.

conservação

deste

medicamento

veterinário não requer condições especiais de temperatura.

12.

PRECAUÇÕES ESPECIAIS DE ELIMINAÇÃO DO MEDICAMENTO NÃO

UTILIZADO OU DOS SEUS DESPERDÍCIOS, SE FOR CASO DISSO

Eliminação: leia o folheto informativo.

13.

MENÇÃO “EXCLUSIVAMENTE PARA USO VETERINÁRIO” E CONDIÇÕES OU

RESTRIÇÕES RELATIVAS AO FORNECIMENTO E À UTILIZAÇÃO, se for caso disso

USO VETERINÁRIO

Exclusivamente para uso veterinário – medicamento veterinário sujeito a receita médico-veterinária.

14.

MENÇÃO “MANTER FORA DA VISTA E DO ALCANCE DAS CRIANÇAS”

Manter fora da vista e do alcance das crianças.

15.

NOME E ENDEREÇO DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO

MERCADO

KRKA, d.d., Novo mesto

Šmarješka cesta 6

8501 Novo mesto

Eslovénia

Representante:

VIRBAC DE PORTUGAL LABORATÓRIOS LDA – Beloura Office Park – Edifício 13 – Piso 1 –

Escritório 3 – 2710 693 Sintra - Portugal

16.

NÚMERO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

631/03/12DFVPT

17.

NÚMERO DO LOTE DE FABRICO

Lot:

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 11 de 16

INDICAÇÕES MÍNIMAS A INCLUIR EM BLISTERS OU TIRAS

Blister

1.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

Marfloquin 80 mg comprimidos para cães.

Marbofloxacina

2.

NOME DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

KRKA

3.

PRAZO DE VALIDADE

VAL:

4.

NÚMERO DO LOTE

Lot:

5.

MENÇÃO “EXCLUSIVAMENTE PARA USO VETERINÁRIO”

Exclusivamente para uso veterinário.

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 12 de 16

B. FOLHETO INFORMATIVO

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 13 de 16

FOLHETO INFORMATIVO PARA:

Marfloquin 80 mg comprimidos para cães

1.

NOME E ENDEREÇO DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO

MERCADO E DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE FABRICO RESPONSÁVEL

PELA LIBERTAÇÃO DO LOTE, SE FOREM DIFERENTES

Titular da autorização de introdução no mercado e fabricante:

KRKA, d.d., Novo mesto

Šmarješka cesta 6

8501 Novo mesto

Eslovénia

Representante:

VIRBAC DE PORTUGAL LABORATÓRIOS LDA – Beloura Office Park – Edifício 13 – Piso 1 –

Escritório 3 – 2710 693 Sintra - Portugal

2.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

Marfloquin 80 mg comprimidos para cães.

Marbofloxacina.

3.

DESCRIÇÃO DA(S) SUBSTÂNCIA(S) ATIVA(S) E OUTRA(S) SUBSTÂNCIA(S)

Cada comprimido contém 80 mg de marbofloxacina.

Comprimidos marmoreados de cor clara amarela acastanhada, em forma de cápsula, biconvexos,

com manchas pretas e brancas e ranhurados nos dois lados.

Os comprimidos podem ser divididos em metades.

4.

INDICAÇÕES

Tratamento

cães

infeções

provocadas

estirpes

microrganismos

sensíveis

marbofloxacina:

- Infeções da pele e dos tecidos moles (intertrigo, impetigo, foliculite, furunculose, celulite);

- Infeções do trato urinário (ITU) associadas ou não a prostatites ou epididimites;

- Infeções do trato respiratório.

5.

CONTRAINDICAÇÕES

Não administrar a cães com menos de 12 meses de idade, ou com menos de 18 meses de idade para

as raças de cães excecionalmente grandes com um longo período de crescimento, como os Great

Danes, Briard, Bernese, Bouvier e Mastiffs.

Não administrar a gatos. Para o tratamento desta espécie estão disponíveis os comprimidos de 5mg.

Não

administrar

caso

hipersensibilidade

conhecida

marbofloxacina,

outras

(fluoro)quinolonas, ou a algum dos excipientes do medicamento veterinário.

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 14 de 16

Não administrar em casos de resistência às quinolonas, porque existe resistência cruzada (quase)

completa com outras fluoroquinolonas.

6.

REAÇÕES ADVERSAS

Podem ocorrer muito raramente efeitos secundários

moderados como vómito, amolecimento das

fezes,

alterações

sede

aumento

transitório

atividade.

Estes

sinais

desaparecem

espontaneamente após o tratamento e não é necessária a interrupção do tratamento.

A frequência dos eventos adversos é definida utilizando a seguinte convenção:

- muito frequente (mais de 1 em 10 animais tratados apresentando evento(s) adverso(s));

- frequente (mais de 1 mas menos de 10 animais em 100 animais tratados);

- pouco frequente (mais de 1 mas menos de 10 animais em 1.000 animais tratados);

- raro (mais de 1 mas menos de 10 animais em 10.000 animais tratados);

- muito raro (menos de 1 animal em 10.000 animais tratados, incluindo relatos isolados).

Caso detete quaisquer efeitos secundários, mesmo aqueles não listados neste folheto informativo, ou

se lhe parecer que o medicamento veterinário não fez efeito, informe o seu médico veterinário.

7.

ESPÉCIE(S) ALVO

Caninos (Cães).

8.

DOSAGEM EM FUNÇÃO DA ESPÉCIE, VIA(S) E MODO DE ADMINISTRAÇÃO

Para administração oral.

A dose recomendada é de 2 mg/kg /dia (1 comprimido por 40 kg por dia) numa única dose diária.

Quando

necessário,

administração

combinação

comprimidos,

inteiros

metades,

diferentes dosagens (5 mg, 20 mg ou 80 mg) permite uma dosagem exata.

Peso corporal do animal

(kg)

Número de comprimidos

(dosagens de 80 mg + 20 mg)

Dosagem Aprox. (mg/kg)

17 - 20

2,0 – 2,4

> 20 – 25

0,5 + 0,5

2,0 – 2,5

> 25 – 30

0,5 + 1

2,0 – 2,4

> 30 – 40

2,0 – 2,7

> 40 – 50

1 + 1

2,0 – 2,5

> 50

≤2,4

De forma a garantir a dosagem correta, o peso corporal deve ser determinado da forma mais

exata possível para evitar a subdosagem.

Duração do tratamento:

- nas infeções da pele e dos tecidos moles, a duração do tratamento é de pelo menos 5 dias,

podendo prolongar-se até 40 dias;

- nas infeções do trato urinário, a duração do tratamento é de pelo menos 10 dias, podendo

prolongar-se até 28 dias;

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 15 de 16

- nas infeções respiratórias, a duração do tratamento é de pelo menos 7 dias, podendo prolongar-se

até 21 dias.

9.

INSTRUÇÕES COM VISTA A UMA UTILIZAÇÃO CORRECTA

Nenhumas.

10.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Não aplicável.

11.

PRECAUÇÕES ESPECIAIS DE CONSERVAÇÃO

Manter fora da vista e do alcance das crianças.

Conservar na embalagem de origem para proteger da luz.

A conservação deste medicamento veterinário não requer condições especiais de temperatura. Não

administrar depois de expirado o prazo de validade indicado na embalagem, após VAL.

Prazo de validade de meio comprimido: 5 dias.

12.

ADVERTÊNCIA(S) ESPECIAL(ESPECIAIS)

Doses

elevadas

algumas

fluoroquinolonas

podem

potencial

epileptógenico.

marbofloxacina deve ser usada com prudência em cães com historial clínico de epilepsia. Contudo, a

administração da dose terapêutica recomendada não desencadeia efeitos secundários graves em cães.

Demonstrou-se que as fluoroquinolonas induzem a erosão da cartilagem articular nos cães

jovens, pelo que nestes animais a dose a administrar deve ser calculada cuidadosamente. Na

taxa de dose recomendada, não foram encontradas lesões das articulações em estudos clínicos .

urinário

baixo

pode

efeito

inibitório

atividade

marbofloxacina.

piodermatite surge secundariamente a uma doença subjacente; como tal, é aconselhável determinar a

causa subjacente e tratar o animal de acordo com a mesma.

Durante a utilização do medicamento veterinário deverão ser tomadas em consideração as normas

antimicrobianas locais e oficiais. As fluoroquinolonas devem ser reservadas para o tratamento de

situações clínicas que tenham respondido mal ou se espere que respondam mal a outras classes de

antimicrobianos.

Sempre

possível,

administração

fluoroquinolonas

deve

baseada

testes

sensibilidade.

administração

deste

medicamento

veterinário

fora

indicações

RCMV

pode aumentar a prevalência da resistência bacteriana às (fluoro)quinolonas e reduzir a eficácia do

tratamento com outras quinolonas devido ao potencial para resistência cruzada.

Os estudos realizados em animais de laboratório (rato, coelho) não revelaram embriotoxicidade,

teratogenicidade e maternotoxicidade com a dose terapêutica da marbofloxacina.

A segurança da marbofloxacina não foi determinada em gatas e cadelas gestantes ou lactantes.

Administrar

animais

gestantes

lactantes

apenas

conformidade

avaliação

benefício/risco realizada pelo veterinário responsável.

As fluoroquinolonas interatuam com catiões administrados por via oral (Alumínio, Cálcio, Magnésio,

Ferro). Nestes casos, a biodisponibilidade da marbofloxacina pode estar reduzida. A administração

simultânea de teofilina pode conduzir à inibição da eliminação desta substância.

Direção Geral de Alimentação e Veterinária – DGAMV

Última revisão do texto em fevereiro de 2018

Página 16 de 16

A sobredosagem pode provocar sinais de alterações neurológicas graves que devem ser tratadas

sintomaticamente.

Advertências para o utilizador

As pessoas com hipersensibilidade conhecida às (fluoro)quinolonas devem evitar o contacto com

este medicamento veterinário.

Em caso de ingestão acidental consultar imediatamente um médico e mostrar-lhe o rótulo e/ou

o folheto informativo do medicamento veterinário.

Lavar as mãos após a administração.

13.

PRECAUÇÕES

ESPECIAIS

DE

ELIMINAÇÃO

DO

MEDICAMENTO

NÃO

UTILIZADO OU DOS SEUS DESPERDÍCIOS, SE FOR CASO DISSO

O medicamento veterinário não utilizado ou os seus desperdícios devem ser eliminados de acordo

com a legislação em vigor.

Pergunte

médico

veterinário

como

deve

eliminar

medicamentos

não

são

necessários.

Estas medidas ajudam a proteger o meio ambiente.

14.

DATA DA ÚLTIMA APROVAÇÃO DO FOLHETO INFORMATIVO

Fevereiro de 2018.

15.

OUTRAS INFORMAÇÕES

Blister

cloreto

polivinil-alumínio-poliamida

orientada/folha

alumínio

formada

frio

contendo 10 comprimidos.

Embalagens de 12 comprimidos e de 72 comprimidos com folheto informativo.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

Para quaisquer informações sobre este medicamento veterinário, queira contactar o representante

local do titular da Autorização de Introdução no Mercado.

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação