Kelactin 50 µg/ml

Portugal - português - DGAV (Direção Geral de Alimentação e Veterinária)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Cabergolina
Disponível em:
Kela Laboratoria N.V.
Código ATC:
QG02CB03
DCI (Denominação Comum Internacional):
Cabergolina
Forma farmacêutica:
Solução oral
Via de administração:
Via oral
Tipo de prescrição:
MSRMV - Medicamento Sujeito a Receita Médico-Veterinária
Grupo terapêutico:
Caninos; Felinos
Área terapêutica:
Cabergolina
Resumo do produto:
Intervalo de Segurança: não aplicável -; ; Frasco(s) - 1 unidade(s) - 7 ml 442/01/12DFVP Autorizado Sim; Frasco(s) - 1 unidade(s) - 15 ml 442/01/12DFVP Autorizado Sim; Frasco(s) - 1 unidade(s) - 24 ml 442/01/12DFVP Autorizado Sim
Número de autorização:
442/01/12DFVP

Leia o documento completo

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 1 de 16

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

KELACTIN 50 microgramas/ml solução oral para cães e gatos.

2.

COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

1 ml do medicamento veterinário contém:

Substância ativa

cabergolina

50 microgramas.

Para a lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3.

FORMA FARMACÊUTICA

Solução oral.

Solução oleosa, viscosa, amarela-clara.

4.

INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1

Espécie(s)-alvo

Caninos (Cães) e Felinos (Gatos).

4.2

Indicações de utilização, especificando as espécies-alvo

O medicamento veterinário está indicado para as seguintes utilizações:

-

Tratamento da falsa gestação em cadelas;

-

Supressão da lactação em cadelas e gatas.

4.3

Contraindicações

-

Não administrar a animais gestantes, uma vez que o medicamento veterinário pode provocar

aborto.

-

Não administrar com antagonistas da dopamina.

Não administrar em caso de hipersensibilidade à substância ativa ou a algum dos excipientes.

A cabergolina pode induzir hipotensão temporária nos animais tratados. Não utilizar em animais que

estejam a ser tratados simultaneamente com medicamentos para a hipotensão Não utilizar diretamente

após uma cirurgia, enquanto o animal estiver sob o efeito dos agentes anestésicos.

4.4

Advertências especiais para cada espécie-alvo

Os tratamentos de suporte adicionais devem incluir a restrição da ingestão de água e hidratos de

carbono e aumento do exercício.

4.5

Precauções especiais de utilização

i) Precauções especiais para a utilização em animais

Não aplicável.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 2 de 16

ii) Precauções especiais a adoptar pela pessoa que administra o medicamento aos animais

Lavar as mãos depois de administrar. Evitar o contato com a pele e olhos. Lavar imediatamente

quaisquer salpicos.

Mulheres com potencial reprodutivo e a amamentar não devem manusear o medicamento veterinário

ou devem usar luvas descartáveis durante a administração do medicamento veterinário.

As pessoas com hipersensibilidade conhecida à cabergolina ou qualquer outro dos componentes do

medicamento veterinário devem evitar o contacto com o medicamento veterinário.

Não deixar seringas cheias sem vigilância na presença de crianças. Em caso de ingestão acidental,

especialmente no caso de uma criança, dirija-se imediatamente a um médico e mostre-lhe o folheto

informativo ou o rótulo.

4.6

Reações adversas (frequência e gravidade)

Os efeitos adversos possíveis são:

-

sonolência;

-

anorexia;

-

vómitos.

Estes efeitos adversos são normalmente de natureza moderada e temporária.

Os vómitos normalmente ocorrem apenas depois da primeira administração. Neste caso o tratamento

não deve ser interrompido, uma vez que não tornarão a ocorrer vómitos depois das administrações

seguintes.

Em casos muito raros podem ocorrer reações alérgicas, tais como edema, urticária, dermatite e

prurido.

Em casos muito raros pode ocorrer hipotensão temporária.

casos

muito

raros

podem

ocorrer

sintomas

neurológicos,

tais

como

sonolência,

tremores

musculares, ataxia, hiperatividade e convulsões.

A frequência dos eventos adversos é definida utilizando a seguinte convenção:

- muito comum (mais de 1 em 10 animais apresentando evento(s) adverso(s) durante o decurso de

um tratamento);

- comum (mais de 1 mas menos de 10 animais em 100 animais);

- pouco frequentes (mais de 1 mas menos de 10 animais em 1.000 animais);

- raros (mais de 1 mas menos de 10 animais em 10.000 animais);

- muito rara (menos de 1 animal em 10.000 animais, incluindo relatos isolados).

4.7

Utilização durante a gestação, a lactação e a postura de ovos

-

A cabergolina tem a capacidade de provocar abortos nas fases finais da gestação e não deve ser

administrada a animais gestantes. O diagnóstico diferencial entre a gestação e falsa gestação deve ser

efetuado corretamente.

-

O medicamento veterinário encontra-se indicado para a supressão da lactação: a inibição da

secreção da prolactina causada pela cabergolina provoca um fim rápido da lactação e uma redução do

tamanho das glândulas mamárias. O medicamento veterinário não deve ser administrado a animais

lactantes exceto em caso de necessidade de supressão da lactação.

4.8

Interações medicamentosas e outras formas de interação

Uma vez que a cabergolina exerce o seu efeito terapêutico por estimulação direta dos recetores da

dopamina,

medicamento

veterinário

não

deve

administrado

concomitantemente

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 3 de 16

medicamentos que tenham atividade antagonista da dopamina (como fenotiazinas, butirofenonas,

metoclopramida), dado que estes podem reduzir os efeitos inibidores da prolactina.

Dado que a cabergolina pode induzir hipotensão temporária, o medicamento veterinário não deve ser

administrado a animais tratados concomitantemente com medicamentos hipotensores.

4.9

Posologia e via de administração

O medicamento veterinário deve ser administrado oralmente, seja diretamente na boca ou misturado

com alimentos.

A dose é 0,1 ml/kg de peso corporal (equivalente a 5 microgramas/kg de peso corporal de cabergolina)

uma vez por dia, durante 4 a 6 dias consecutivos, dependendo da gravidade do estado clínico.

Se os sinais persistirem ao fim de um único ciclo de tratamento ou se tornarem a surgir no final do

tratamento pode repetir-se o ciclo de tratamento.

O peso do animal deve ser apurado com exatidão antes da administração.

Como retirar o volume recomendado do frasco para injetáveis?

Remover a cobertura da embalagem do adaptador do frasco para injetáveis. Não remover o

adaptador do frasco para injetáveis da embalagem blister.

Fixar o adaptador ao frasco para injetáveis; utilizar a embalagem blister para segurar o adaptador.

Aplicar o adaptador no frasco para injetáveis exercendo pressão até o perfurador atravessar a rolha

e o adaptador encaixar.

Remover e eliminar a embalagem blister.

Prender a seringa ao adaptador pressionando firmemente a seringa contra o adaptador do frasco

para injetáveis a fim de evitar fugas do medicamento veterinário durante a extração da dose a

partir do frasco para injetáveis.

Retirar o medicamento veterinário do frasco para injetáveis para a seringa, mantendo o frasco

invertido.

Remover a seringa do adaptador.

O medicamento veterinário encontra-se agora pronto para ser administrado.

Recomenda-se enxaguar e secar a seringa após cada aplicação.

a. b.

f. g.

4.10

Sobredosagem (sintomas, procedimentos de emergência, antídotos), se necessário

Os dados experimentais indicam que uma única sobredosagem com cabergolina pode provocar o

aumento da probabilidade de vómitos pós-tratamento e possivelmente um aumento de hipotensão pós-

tratamento.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 4 de 16

Em caso de necessidade, devem ser postas em prática medidas gerais de apoio para remoção de

qualquer medicamento veterinário por absorver e manutenção da tensão arterial. Como antídoto, deve

ser ponderada a administração parentérica de medicamentos veterinários antagonistas da dopamina,

tais como a metoclopramida.

4.11

Intervalo(s) de segurança

Não aplicável.

5.

PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS:

Grupo farmacoterapêutico: inibidor da prolactina pertencente ao grupo dos derivados da ergolina, que

atua através de atividade agonista da dopamina.

Código ATCvet: QG02CB03.

5.1

Propriedades farmacodinâmicas

As propriedades farmacodinâmicas da cabergolina têm sido investigadas em vários sistemas in vitro e

in vivo. As conclusões mais significativas podem ser resumidas da seguinte forma:

-

A cabergolina é um potente inibidor da secreção da prolactina pela hipófise e, em consequência,

inibe os processos dependentes da secreção da prolactina, tais como a lactação.

-

mecanismo

ação

cabergolina

desenvolve-se

interação

direta

recetor

dopaminérgico D-2 nas células lactotrópicas hipofisárias; esta interação é um efeito persistente.

-

cabergolina

possui

alguma

afinidade

para

recetores

noradrenérgicos

não

afeta

metabolismo da noradrenalina ou da serotonina.

-

Quanto

outros

derivados

ergolina,

cabergolina

possui

efeitos

eméticos

potência

equivalente aos da pergolida e bromocriptina).

-

Em doses elevadas por via oral, a cabergolina provoca uma diminuição da tensão arterial.

5.2

Propriedades farmacocinéticas

Não existem dados farmacocinéticos quanto ao regime de dosagem recomendado em cães e gatos.

Os estudos farmacocinéticos em cães foram realizados com uma dose diária de 80 µg/kg de peso

corporal (16 vezes a dose recomendada). Os cães foram tratados durante 30 dias; as avaliações

farmacocinéticas foram efetuadas nos dias 1 e 28.

Absorção:

máx

= 1 hora no dia 1 e 0,5-2 horas (média de 75 minutos) no dia 28;

máx

oscilou entre 1140 e 3155 pg/ml (média de 2147 pg/ml) no dia 1 e entre 455 e 4217

pg/ml (média de 2336 pg/ml) no dia 28;

A AUC

(0-24 h)

no dia 1 oscilou entre 3896 e 10 216 pg.h.ml

(média de 7056 pg.h.ml

) e no dia

28, entre 3231 e 19 043 pg.h.ml

(média de 11 137 pg.h.ml

Eliminação:

Semivida plasmática em cães t½ no dia 1 ~ 19 horas ; t½ no dia 28 ~ 10 horas.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 5 de 16

6.

INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1

Lista de excipientes

Triglicéridos, cadeia média.

Azoto, oxigênio baixo.

6.2

Incompatibilidades

Não misturar o medicamento veterinário com uma solução aquosa (p. ex., leite).

Na ausência de estudos de compatibilidade, este medicamento veterinário não deve ser misturado com

outros medicamentos veterinários.

6.3

Prazo de validade

Prazo de validade do medicamento veterinário tal como embalado para venda: 2 anos.

Prazo de validade após a primeira abertura do acondicionamento primário: 14 dias.

6.4

Precauções especiais de conservação

Tal como embalado para venda: conservar e transportar refrigerado (2 °C-8 °C).

Após a primeira abertura: conservar a temperatura inferior a 25 °C.

Conservar na vertical.

Manter o frasco bem fechado dentro da embalagem exterior de forma a proteger da luz.

Não congelar.

6.5

Natureza e composição do acondicionamento primário

Acondicionamento primário:

Frascos para injetáveis de vidro âmbar tipo III com 15 ml de capacidade (contendo 7 ou 15 ml) ou

frascos para injetáveis de tipo II de 30 ml de capacidade (contendo 24 ml) com rolha de borracha de

bromobutilo

cinzenta

revestida,

fornecidos

adaptador

frasco

para

injetáveis

seringa

doseadora de HDPP (seringa de 1 ml com embalagens de 7 ml e seringa de 3 ml com embalagens de

15 e 24 ml).

Acondicionamento secundário:

Caixa de cartão contendo um único frasco de 7 ml, 15 ml ou 24 ml.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6

Precauções especiais para a eliminação de medicamentos veterinários não utilizados ou

de desperdícios derivados da utilização desses medicamentos

O medicamento veterinário não utilizado ou os seus desperdícios devem ser eliminados de acordo com

a legislação em vigor.

7.

TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

KELA N.V., St. Lenaartseweg 48, 2320 Hoogstraten, BÉLGICA

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 6 de 16

8.

NÚMERO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

442/01/12DFVPT.

9.

DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO

Data da primeira autorização: 23 de fevereiro de 2012.

Data da última renovação: 27 de abril de 2017.

10.

DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Abril de 2017.

PROIBIÇÃO DE VENDA, FORNECIMENTO E/OU UTILIZAÇÃO

Medicamento veterinário sujeito a receita médico veterinária.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 7 de 16

ANEXO III

ROTULAGEM E FOLHETO INFORMATIVO

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 8 de 16

A. ROTULAGEM

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 9 de 16

INDICAÇÕES A INCLUIR NO ACONDICIONAMENTO SECUNDÁRIO

CAIXA EXTERIOR

1.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

KELACTIN 50 microgramas/ml solução oral para cães e gatos

cabergolina

2.

DESCRIÇÃO DAS SUBSTÂNCIAS ACTIVAS E OUTRAS SUBSTÂNCIAS

cabergolina 50 microgramas/ml

3.

FORMA FARMACÊUTICA

Solução oral

4.

DIMENSÃO DA EMBALAGEM

7 ml

15 ml

24 ml

5.

ESPÉCIES-ALVO

Cão e gato

6.

INDICAÇÃO

Antes de utilizar, leia o folheto informativo.

7.

MODO E VIA DE ADMINISTRAÇÃO

Antes de utilizar, leia o folheto informativo.

8.

INTERVALO DE SEGURANÇA

9.

ADVERTÊNCIA(S) ESPECIAL(ESPECIAIS), SE NECESSÁRIO

Não deixar seringas cheias sem vigilância na presença de crianças.

Antes de utilizar, leia o folheto informativo.

10.

PRAZO DE VALIDADE

VAL:

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 10 de 16

Prazo de validade após a primeira abertura: 14 dias.

Depois da primeira abertura da embalagem, administrar no prazo de...

11.

CONDIÇÕES ESPECIAIS DE CONSERVAÇÃO

Tal como embalado para venda: conservar e transportar refrigerado (2°C-8 °C).

Após a primeira abertura: conservar a temperatura inferior a 25 °C.

Conservar na vertical.

Manter o frasco bem fechado dentro da embalagem exterior de forma a proteger da luz.

Não congelar.

12.

PRECAUÇÕES ESPECIAIS DE ELIMINAÇÃO DO MEDICAMENTO NÃO

UTILIZADO OU DOS SEUS DESPERDÍCIOS, SE FOR CASO DISSO

Eliminação: leia o folheto informativo.

13.

MENÇÃO “EXCLUSIVAMENTE PARA USO VETERINÁRIO” E CONDIÇÕES OU

RESTRIÇÕES RELATIVAS AO FORNECIMENTO E À UTILIZAÇÃO, se for caso

disso

Uso veterinário

Medicamento veterinário sujeito a receita médico-veterinária.

14.

MENÇÃO “MANTER FORA DA VISTA E DO ALCANCE DAS CRIANÇAS”

Manter fora da vista e do alcance das crianças.

15.

NOME E ENDEREÇO DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO

MERCADO

KELA N.V., St. Lenaartseweg 48, 2320 Hoogstraten, BÉLGICA

+32/33400411

info@kela.be

16.

NÚMERO DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

442/01/12DFVPT

17.

NÚMERO DO LOTE DE FABRICO

Lote:

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 11 de 16

INDICAÇÕES MÍNIMAS A INCLUIR EM PEQUENAS UNIDADES DE

ACONDICIONAMENTO PRIMÁRIO

RÓTULO

1.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

KELACTIN 50 microgramas/ml solução oral para cães e gatos

cabergolina

2.

COMPOSIÇÃO QUANTITATIVA DA(S) SUBSTÂNCIA(S) ACTIVA(S)

cabergolina 50 microgramas/ml

3.

CONTEÚDO EM PESO, VOLUME OU NÚMERO DE DOSES

7 ml

15 ml

24 ml

4.

VIA(S) DE ADMINISTRAÇÃO

Administração oral.

5.

INTERVALO DE SEGURANÇA

6.

NÚMERO DO LOTE

Lote:

7.

PRAZO DE VALIDADE

VAL:

8.

MENÇÃO “EXCLUSIVAMENTE PARA USO VETERINÁRIO”

Exclusivamente para uso veterinário.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 12 de 16

B. FOLHETO INFORMATIVO

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 13 de 16

FOLHETO INFORMATIVO PARA:

KELACTIN 50 microgramas/ml solução oral para cães e gatos

1.

NOME E ENDEREÇO DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO

MERCADO E DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE FABRICO RESPONSÁVEL

PELA LIBERTAÇÃO DO LOTE, SE FOREM DIFERENTES

KELA N.V.

St. Lenaartseweg 48

2320 Hoogstraten

BÉLGICA

2.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

KELACTIN 50 microgramas/ml solução oral para cães e gatos

cabergolina

3.

DESCRIÇÃO DA(S) SUBSTÂNCIA(S) ACTIVA(S) E OUTRA(S) SUBSTÂNCIA(S)

1 ml do medicamento veterinário contém:

cabergolina 50 microgramas

Solução oral.

Solução oleosa, viscosa, amarela-clara.

4.

INDICAÇÕES

O medicamento veterinário está indicado para as seguintes utilizações:

-

Tratamento da falsa gestação em cadelas;

-

Supressão da lactação em cadelas e gatas.

5.

CONTRAINDICAÇÕES

-

Não administrar a animais prenhes, uma vez que o medicamento veterinário pode provocar o

aborto.

-

Não administrar com antagonistas da dopamina.

-

Não administrar em caso de hipersensibilidade à substância ativa ou a algum dos excipientes.

A cabergolina pode induzir hipotensão temporária nos animais tratados. Não utilizar em animais que

estejam a ser tratados simultaneamente com medicamentos para a hipotensão Não utilizar diretamente

após uma cirurgia, enquanto o animal estiver sob o efeito dos agentes anestésicos.

6.

REAÇÕES ADVERSAS

Os efeitos adversos possíveis são:

-

sonolência;

-

anorexia;

-

vómitos.

Estes efeitos adversos são normalmente de natureza moderada e temporária.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 14 de 16

Os vómitos normalmente ocorrem apenas depois da primeira administração. Neste caso o tratamento

não deve ser interrompido, uma vez que não tornarão a ocorrer vómitos depois das administrações

seguintes.

Em casos muito raros podem ocorrer reações alérgicas, tais como edema, urticária, dermatite e

prurido.

Em casos muito raros pode ocorrer hipotensão temporária.

casos

muito

raros

podem

ocorrer

sintomas

neurológicos,

tais

como

sonolência,

tremores

musculares, ataxia, hiperatividade e convulsões.

A frequência dos eventos adversos é definida utilizando a seguinte convenção:

- muito comum (mais de 1 em 10 animais apresentando evento(s) adverso(s) durante o decurso de

um tratamento);

- comum (mais de 1 mas menos de 10 animais em 100 animais);

- pouco frequentes (mais de 1 mas menos de 10 animais em 1.000 animais);

- raros (mais de 1 mas menos de 10 animais em 10.000 animais);

- muito rara (menos de 1 animal em 10.000 animais, incluindo relatos isolados).

Caso detete efeitos graves ou outros efeitos não mencionados neste folheto, informe o médico

veterinário.

7.

ESPÉCIES-ALVO

Caninos (Cães) e Felinos (Gatos).

8.

DOSAGEM EM FUNÇÃO DA ESPÉCIE, VIA(S) E MODO DE ADMINISTRAÇÃO

O medicamento veterinário deve ser administrado oralmente, seja diretamente na boca ou misturado

com alimentos.

A dose é 0,1 ml/kg de peso corporal (equivalente a 5 microgramas/kg de peso corporal de cabergolina)

uma vez por dia, durante 4 a 6 dias consecutivos, dependendo da gravidade do estado clínico.

Se os sinais persistirem ao fim de um único ciclo de tratamento ou se tornarem a surgir no final do

tratamento pode repetir-se o ciclo de tratamento.

Recomenda-se enxaguar e secar a seringa após cada aplicação.

9.

INSTRUÇÕES COM VISTA A UMA UTILIZAÇÃO CORRECTA

O peso do animal deve ser apurado com exatidão antes da administração.

a. Remover a cobertura da embalagem do adaptador do frasco para injetáveis. Não remover o

adaptador do frasco para injetáveis da embalagem blister.

b. Fixar o adaptador ao frasco para injetáveis; utilizar a embalagem blister para segurar o

adaptador. Aplicar o adaptador no frasco para injetáveis exercendo pressão até o perfurador

atravessar a rolha e o adaptador encaixar.

c. Remover e eliminar a embalagem blister.

d. Prender a seringa ao adaptador pressionando firmemente a seringa contra o adaptador do frasco

para injetáveis a fim de evitar fugas do medicamento veterinário durante a extração da dose a

partir do frasco para injetáveis.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 15 de 16

e. Retirar o medicamento veterinário do frasco para injetáveis para a seringa, mantendo o frasco

invertido.

f. Remover a seringa do adaptador.

g. O medicamento veterinário encontra-se agora pronto para ser administrado.

Recomenda-se enxaguar e secar a seringa após cada aplicação.

a. b.

f. g.

10.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Não aplicável.

11.

PRECAUÇÕES ESPECIAIS DE CONSERVAÇÃO

Tal como embalado para venda: conservar e transportar refrigerado (2 °C-8 °C).

Após a primeira abertura: conservar a temperatura inferior a 25 °C.

Prazo de validade após a primeira abertura do acondicionamento primário: 14 dias.

Conservar na vertical.

Manter o frasco bem fechado dentro da embalagem exterior de forma a proteger da luz.

Não congelar.

Não utilizar depois de expirado o prazo de validade indicado no rótulo.

Manter fora da vista e do alcance das crianças.

12.

ADVERTÊNCIA(S) ESPECIAL(AIS)

Advertências especiais para cada espécie alvo:

Os tratamentos de suporte adicionais devem incluir a restrição da ingestão de água e hidratos de

carbono e aumento do exercício.

Precauções especiais a adoptar pela pessoa que administra o medicamento aos animais:

Lavar as mãos depois de administrar. Evitar o contato com a pele e olhos, lavar imediatamente

quaisquer salpicos.

Mulheres com potencial reprodutivo e a amamentar não devem manusear o medicamento veterinário

ou devem usar luvas descartáveis durante a administração do medicamento veterinário.

As pessoas com hipersensibilidade conhecida à cabergolina ou qualquer outro dos componentes do

medicamento veterinário devem evitar o contacto com o medicamento veterinário.

Não deixar seringas cheias sem vigilância na presença de crianças. Em caso de ingestão acidental,

especialmente no caso de uma criança, dirija-se imediatamente a um médico e mostre-lhe o folheto

informativo ou o rótulo.

Gestação e lactação:

A cabergolina tem a capacidade de provocar abortos nas fases finais da gestação e não deve ser

administrada a animais gestantes. O diagnóstico diferencial entre a gestação e falsa gestação deve ser

efetuado corretamente.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária – DSMDS

Última revisão do texto em abril de 2017

Página 16 de 16

O medicamento veterinário encontra-se indicado para a supressão da lactação (cessação da produção

de leite): a inibição da secreção da prolactina causada pela cabergolina provoca um fim rápido da

lactação e uma redução do tamanho das glândulas mamárias. O medicamento veterinário não deve ser

administrado a animais lactantes exceto em caso de necessidade de supressão da lactação.

Interações medicamentosas e outras formas de interação:

Uma vez que a cabergolina exerce o seu efeito terapêutico por estimulação direta dos recetores da

dopamina,

medicamento

veterinário

não

deve

administrado

concomitantemente

medicamentos que tenham atividade antagonista da dopamina (como fenotiazinas, butirofenonas,

metoclopramida), dado que estes podem reduzir os efeitos inibidores da prolactina.

Dado que a cabergolina pode induzir hipotensão (pressão sanguínea baixa) temporária, o medicamento

veterinário não deve ser administrado a animais tratados concomitantemente com medicamentos

hipotensores.

Sobredosagem (sintomas, procedimentos de emergência, antídotos):

Os dados experimentais indicam que uma única sobredosagem com cabergolina pode provocar o

aumento

probabilidade de

vómitos

pós-tratamento

possivelmente

um aumento de

pressão

sanguínea baixa pós-tratamento.

Em caso de necessidade, devem ser postas em prática medidas gerais de apoio para remoção de

qualquer medicamento veterinário por absorver e manutenção da tensão arterial.

Como

antídoto, deve ser ponderada a administração parentérica de medicamentos veterinários antagonistas

da dopamina, tais como a metoclopramida.

Incompatibilidades:

Não misturar o medicamento veterinário com uma solução aquosa (p. ex., leite). Na ausência de

estudos

compatibilidade,

este

medicamento

veterinário

não

deve

misturado

outros

medicamentos veterinários.

13.

PRECAUÇÕES

ESPECIAIS

DE

ELIMINAÇÃO

DO

MEDICAMENTO

NÃO

UTILIZADO OU DOS SEUS DESPERDÍCIOS, SE FOR CASO DISSO

Os medicamentos não devem ser eliminados no lixo ou esgotos domésticos.

Pergunte ao seu médico veterinário como deve eliminar os medicamentos que já não são necessários.

Estas medidas contribuem para a protecção do ambiente.

14.

DATA DA ÚLTIMA APROVAÇÃO DO FOLHETO INFORMATIVO

Abril de 2017.

15.

OUTRAS INFORMAÇÕES

Apresentações: 7 ml, 15 ml e 24 ml.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

Medicamento veterinário sujeito a receita médico-veterinária.

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação