Bromexina Tussilene 1.6 mg/ml Xarope

Portugal - português - INFARMED (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Bromexina
Disponível em:
Laboratórios Azevedos - Indústria Farmacêutica, S.A.
Código ATC:
R05CB02
DCI (Denominação Comum Internacional):
Bromexina
Dosagem:
1.6 mg/ml
Forma farmacêutica:
Xarope
Composição:
Bromexina, cloridrato 1.6 mg/ml
Via de administração:
Via oral
Classe:
5.2.2 - Expetorantes
Tipo de prescrição:
MNSRM Medicamento não sujeito a receita médica
Grupo terapêutico:
N/A
Área terapêutica:
bromhexine
Indicações terapêuticas:
Duração do Tratamento: Curta ou Média Duração
Resumo do produto:
Frasco 1 unidade(s) - 100 ml Não Comercializado Número de Registo: 5664677 CNPEM: 50011766 CHNM: 10017539 Grupo Homogéneo: N/A; Frasco 1 unidade(s) - 100 ml Não Comercializado Número de Registo: 5664701 CNPEM: 50011766 CHNM: 10017539 Grupo Homogéneo: N/A; Frasco 1 unidade(s) - 200 ml Não Comercializado Número de Registo: 5664669 CNPEM: 50011758 CHNM: 10022066 Grupo Homogéneo: N/A; Frasco 1 unidade(s) - 200 ml Não Comercializado Número de Registo: 5664727 CNPEM: 50011758 CHNM: 10022066 Grupo Homogéneo: N/A; Frasco 1 unidade(s) - 150 ml Não Comercializado Número de Registo: 5664651 CNPEM: 50011766 CHNM: 10119063 Grupo Homogéneo: N/A; Frasco 1 unidade(s) - 150 ml Não Comercializado Número de Registo: 5664719 CNPEM: 50011766 CHNM: 10119063 Grupo Homogéneo: N/A
Status de autorização:
Autorizado
Número de autorização:
15/H/0057/001
Data de autorização:
2015-09-25

Leia o documento completo

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

Folheto informativo: Informação para o Utilizador

Bromexina Tussilene 1, 6 mg/ml Xarope

Cloridrato de bromexina

Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois

contém informação importante para si.

Tome este medicamento exatamente como está descrito neste folheto, ou de acordo

com as indicações do seu médico ou farmacêutico.

Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.

Caso precise de esclarecimentos ou conselhos, consulte o seu farmacêutico.

Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não

indicados neste folheto, fale com o seu médico ou farmacêutico. Ver secção 4.

Se não se sentir melhor ou se piorar após 7 dias, tem de consultar um médico.

O que contém este folheto:

1. O que é Bromexina Tussilene e para que é utilizado

2. O que precisa de saber antes de tomar Bromexina Tussilene

3. Como tomar Bromexina Tussilene

4. Efeitos secundários possíveis

5. Como conservar Bromexina Tussilene

6. Conteúdo da embalagem e outras informações

1. O que é Bromexina Tussilene e para que é utilizado

Bromexina Tussilene xarope está indicado como adjuvante mucolítico do tratamento

antibacteriano das infeções respiratórias em presença de hipersecreção brônquica.

Bromexina Tussilene reduz a viscosidade das secreções brônquicas. O muco torna-se

mais fluido. Bromexina Tussilene tem um efeito estimulador sobre a mucosa

brônquica para produzir secreções brônquicas mais fluidas. Além disso, fica facilitada

a drenagem do material tensioativo dos alvéolos pulmonares e dos brônquios.

Juntamente com a ativação do epitélio ciliar da mucosa brônquica, estes mecanismos

mantêm e melhoram a capacidade de autopurificação das vias aéreas. Facilita e

acelera a eliminação do muco dos alvéolos pulmonares com a sua ação fluidificante e

expetorante.

Se não se sentir melhor ou se piorar após 7 dias, tem de consultar um médico.

2. O que precisa de saber antes de tomar Bromexina Tussilene

Não tome Bromexina Tussilene:

se tem alergia (hipersensibilidade) à bromexina ou a qualquer outro componente

deste medicamento (indicados na secção 6);

se sofre de úlcera gastroduodenal;

- se sofre de doenças hereditárias raras em que haja incompatibilidade com um dos

excipientes

medicamento

(ver

Informações

importantes

sobre

alguns

componentes de Bromexina Tussilene).

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

Advertências e precauções

Fale com o seu médico ou farmacêutico antes de tomar Bromexina Tussilene

Se tem tendência para sofrer de problemas gástricos, se sofre de doença hepática ou

de insuficiência renal ou se tem asma, não tome Bromexina Tussilene sem consultar

previamente o seu médico;

Se notar alterações na pele ou nas mucosas durante o tratamento com Bromexina

Tussilene, que apareçam simultaneamente com outros sintomas como febre, dores

no corpo, rinite, tosse e garganta inflamada, contacte imediatamente o seu médico

e, como precaução, suspenda a toma deste medicamento.

Tem havido notificações de reações da pele graves associadas à administração de

bromexina. Se desenvolver uma erupção na pele (incluindo lesões nas membranas

mucosas, tais como da boca, garganta, nariz, olhos, órgãos genitais), pare de utilizar

Bromexina Tussilene e contacte o seu médico imediatamente.

Outros medicamentos e Bromexina Tussilene

Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar, ou tiver tomado

recentemente, ou se vier a tomar outros medicamentos.

Não associe Bromexina Tussilene com medicamentos antitússicos nem com secantes

de secreções, pois possuem um efeito contrário ao pretendido.

Gravidez, amamentação e fertilidade

Se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar,

consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar este medicamento.

Se está grávida deve evitar tomar Bromexina Tussilene, pois existem poucos dados

disponíveis sobre o uso de bromexina durante a gravidez.

Desconhece-se se a bromexina é excretada no leite materno, consequentemente

Bromexina Tussilene não deve ser tomado durante a amamentação.

Não

existem

dados

sugiram

qualquer

efeito

Bromexina

Tussilene

fertilidade. Contudo, não foi estudado o efeito de Bromexina Tussilene na fertilidade

humana.

Condução de veículos e utilização de máquinas

Não foi estudado o efeito de Bromexina Tussilene na capacidade de conduzir ou

utilizar máquinas.

Bromexina Tussilene contém sorbitol. Se foi informado pelo seu médico que tem

intolerância a alguns açúcares, contacte-o antes de tomar este medicamento.

Bromexina Tussilene pode ter um efeito laxante moderado. O valor calórico do

sorbitol é de 2,6 kcal/g.

Bromexina Tussilene contém álcool.

A quantidade de álcool em cada ml é 23,04 mg.

Este medicamento contém 2,88 % (vol.) de etanol (álcool) por dose, ou seja, até

120 mg por dose, equivalente a 2,88 ml de cerveja, 1,20 ml de vinho. A dose

recomendada deste medicamento em adultos vai aumentar a concentração de álcool

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

no sangue em cerca de 2,7 mg/L. Prejudicial para os indivíduos que sofrem de

alcoolismo.

Para ter em consideração quando utilizado em mulheres grávidas ou a amamentar,

crianças e em grupos de alto risco tais como doentes com problemas de fígado ou

epilepsia.

Fale com o seu médico ou farmacêutico antes de dar a tomar este medicamento a

uma criança com menos de 6 anos de idade.

Os efeitos do álcool em crianças com menos de 6 anos de idade podem incluir

sonolência,

alterações

comportamento

dificuldades

concentração

participação nas actividades escolares. Os cuidadores (p.ex. professores) devem ter

cuidados extra quando estas crianças realizarem actividades tais como andar de

bicicleta ou praticar outros desportos.

Bromexina Tussilene contém propilenoglicol (E1520).

Pode causar sintomas semelhantes ao do álcool.

Bromexina Tussilene contém para-hidroxibenzoato de propilo e para-hidroxibenzoato

de metilo.

Pode causar reações alérgicas (possivelmente retardadas).

3. Como tomar Bromexina Tussilene

Tome este medicamento exatamente como está descrito neste folheto, ou de acordo

com as indicações do seu médico ou farmacêutico. Fale com o seu médico ou

farmacêutico se tiver dúvidas.

Administração por via oral.

5 ml de xarope = 1 colher de chá

A dose recomendada é:

Crianças dos 2 aos 6 anos: 1,25 ml (1/4 colher de chá), 3 vezes ao dia.

Crianças dos 6 aos 12 anos: 2,5 ml (1/2 colher de chá), 3 vezes ao dia.

Adultos e crianças com mais de 12 anos: 5 ml (1 colher de chá), 3 vezes ao dia.

No início do tratamento, poderá ser necessário aumentar a dose diária total, até um

máximo de 48 mg (6 colheres de chá), nos adultos.

Bromexina Tussilene provoca uma diminuição da viscosidade do muco e o aumento

da remoção do mesmo, sendo esperado um aumento da expetoração e da tosse,

durante o tratamento com Bromexina Tussilene.

A administração do xarope pode ser realizada com auxílio do dispositivo para

administração, existente no interior da embalagem.

Se tomar mais Bromexina Tussilene do que deveria

Não são conhecidos casos de sobredosagem com Bromexina Tussilene. No entanto,

caso acidentalmente tome mais Bromexina Tussilene do que o recomendado e venha

sofrer

alguns

efeitos

adversos

Bromexina

Tussilene,

consulte

imediatamente o seu médico. Pode ser necessário fazer tratamento para aliviar os

sintomas da sobredosagem.

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

Caso se tenha esquecido de tomar Bromexina Tussilene

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu

médico ou farmacêutico.

4. Efeitos secundários possíveis

Como todos os medicamentos, este medicamento pode causar efeitos secundários,

embora estes não se manifestem em todas as pessoas.

Bromexina

Tussilene

geralmente

tolerado.

entanto,

embora

pouco

frequentes, podem ocorrer: náuseas, vómitos, diarreia e dor na parte superior do

abdómen.

Raros: podem afetar até 1 em cada 1.000 pessoas:

Reações de hipersensibilidade

Erupção na pele, urticária

Desconhecido: a frequência não pode ser calculada a partir dos dados disponíveis

Reações

anafiláticas

incluindo

choque

anafilático,

angioedema

(inchaço

aparecimento rápido na pele, nos tecidos subcutâneos, na mucosa ou submucosa) e

prurido

Reações adversas cutâneas graves (incluindo eritema multiforme, síndrome de

Stevens-Johnson/necrólise epidérmica tóxica e pustulose exantematosa generalizada

aguda).

Mais raramente pode ainda ocorrer: broncospasmo.

Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não

indicados neste folheto, fale com o seu médico ou farmacêutico.

Comunicação de efeitos secundários

Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não

indicados neste folheto, fale com o seu médico, ou farmacêutico ou enfermeiro.

Também poderá comunicar efeitos secundários diretamente ao INFARMED, I.P.

através dos contactos abaixo. Ao comunicar efeitos secundários, estará a ajudar a

fornecer mais informações sobre a segurança deste medicamento.

INFARMED, I.P.

Direção de Gestão do Risco de Medicamentos

Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53

1749-004 Lisboa

Tel: +351 21 798 73 73

Linha do Medicamento: 800222444 (gratuita)

Sítio da internet: http://www.infarmed.pt/web/infarmed/submissaoram

E-mail: farmacovigilancia@infarmed.pt

5. Como conservar Bromexina Tussilene

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

Manter o frasco bem fechado.

Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Validade após a primeira abertura do frasco: 30 dias.

Não utilize este medicamento após o prazo de validade impresso na embalagem

exterior, após "VAL.". O prazo de validade corresponde ao último dia do mês

indicado.

Não utilize este medicamento se verificar que o xarope se tornou turvo.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico.

Pergunte ao seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza.

Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.

6. Conteúdo da embalagem e outras informações

Qual a composição de Bromexina Tussilene

A substância ativa é cloridrato de bromexina. Cada ml de xarope contém 1,6 mg de

cloridrato de bromexina.

- Os outros componentes são: propilenoglicol (E1520), sacarina sódica (E954),

sorbitol

líquido

(não

cristalizável),

aroma

tangerina,

etanol

96%,

para-

hidroxibenzoato de metilo, para-hidroxibenzoato de propilo, água purificada.

Qual o aspeto de Bromexina Tussilene e conteúdo da embalagem

Bromexina Tussilene, é apresentado em frascos de vidro âmbar, com tampa Astra,

contendo

de xarope.

Xarope

límpido,

incolor

ligeiramente amarelado, com sabor adocicado e odor a tangerina.

Cada embalagem contém um dispositivo para administração (copo-medida ou colher-

medida).

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante

Titular da Autorização de Introdução no Mercado

Laboratórios Azevedos – Indústria Farmacêutica S.A.

Estrada Nacional 117-2, Alfragide

2614-503 Amadora

Portugal

Fabricante

Sofarimex - Indústria Química e Farmacêutica, S.A.

Avenida das Indústrias - Alto de Colaride – Agualva

2735-213 Cacém

Este folheto foi revisto pela última vez em

Leia o documento completo

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

1 - NOME DO MEDICAMENTO

Bromexina Tussilene 1,6 mg/ml Xarope

2 - COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada ml de xarope contém 1,6 mg de cloridrato de Bromexina.

Excipientes com efeito conhecido:

Contém 774 mg de sorbitol líquido por cada ml de xarope.

Contém 24 mg de etanol 96% por cada ml de xarope.

Contém 40 mg de propilenoglicol (E1520) por cada ml de xarope.

Contém 0,9 mg de para-hidroxibenzoato de metilo por cada ml de xarope.

Contém 0,1 mg de para-hidroxibenzoato de propilo por cada ml de xarope.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3 - FORMA FARMACÊUTICA

Xarope.

Xarope límpido, incolor a ligeiramente amarelado, com sabor adocicado e odor a

tangerina.

4 - INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1 Indicações terapêuticas

Adjuvante mucolítico do tratamento antibacteriano das infeções respiratórias em

presença de hipersecreção brônquica.

4.2 Posologia e modo de administração

Posologia:

Bromexina Tussilene xarope 1,6 mg/ml (5 ml ธ 1 colher de chá)

Crianças 2-6 anos: 1,25 ml, 3 vezes ao dia

Crianças 6-12 anos: 2,5 ml, 3 vezes ao dia

Adultos e crianças com mais de 12 anos: 5 ml, 3 vezes ao dia

No início do tratamento, poderá ser necessário aumentar a dose diária total, até um

máximo de 48 mg, nos adultos.

O xarope é isento de açúcar e por isso adequado para diabéticos.

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

Doentes tratados com Bromexina Tussilene devem ser informados de um aumento

esperado no fluxo das secreções.

Nas indicações respiratórias agudas, caso os sintomas não melhorem ou se agravem

durante o tratamento, deverá ser procurado aconselhamento médico.

A administração do xarope pode ser feita com o auxílio do dispositivo para

administração, existente no interior da embalagem.

4.3 Contraindicações

Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer dos excipientes mencionados na

secção 6.1.

Bromexina

Tussilene não

deve ser usado

doentes

sofram

de úlcera

gastroduodenal.

caso

doenças

hereditárias

raras

haja

incompatibilidade com um excipiente do medicamento (ver secção 4.4.), o uso do

medicamento é contraindicado.

4.4 Advertências e precauções especiais de utilização

O uso do mucolítico implica a diminuição da viscosidade do muco e o aumento da

remoção do mesmo, quer através da atividade ciliar do epitélio, quer pelo reflexo da

tosse, sendo portanto de esperar um aumento da expetoração e da tosse. Convém

chamar a atenção dos doentes para a possibilidade de um aumento notório da

secreção brônquica durante o tratamento.

Os mucolíticos possuem a capacidade de afetar a barreira mucosa gástrica, razão

pela qual deverão ser utilizados com precaução em indivíduos suscetíveis a úlceras

gastroduodenais.

A eliminação da bromexina ou dos seus metabolitos encontra-se reduzida em caso

de doença hepática ou de insuficiência renal. A sua administração em doentes com

estas patologias deverá ser efetuada com aconselhamento médico.

Recomenda-se uma administração igualmente cuidadosa aos doentes asmáticos.

Tem havido notificações de reações cutâneas graves tais como eritema multiforme,

síndrome de Stevens-Johnson (SJS)/necrólise epidérmica tóxica (NET) e pustulose

exantematosa generalizada aguda (PEGA) associadas à administração de bromexina.

Se existirem sintomas ou sinais de uma erupção cutânea progressiva (por vezes

associada a bolhas ou lesões na mucosa), o tratamento com bromexina deve ser

imediatamente descontinuado e deve procurar-se ajuda médica.

Adicionalmente, durante a fase inicial do síndrome de Stevens Johnson ou da NET, o

doente pode inicialmente apresentar propatia não específica do tipo influenza,

caracterizada, por exemplo, por febre, dores no corpo, rinite, tosse e garganta

inflamada. Esta propatia não especifica do tipo influenza, pode levar a que seja

erradamente iniciado um tratamento sintomático com medicação para a tosse e

constipação.

Bromexina Tussilene contém sorbitol.

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

Doentes com problemas hereditários raros de intolerância à frutose não devem

tomar este medicamento.

Bromexina Tussilene contém álcool (etanol 96%).

A quantidade de álcool em cada ml é 23,04 mg.

Este medicamento contém 2,88 % (vol.) de etanol (álcool) por dose, ou seja, até

115,2 mg por dose, equivalente a 2,88 ml de cerveja, 1,20 ml de vinho. A dose

recomendada deste medicamento em adultos vai aumentar a concentração de álcool

no sangue em cerca de 2,7 mg/L.

Prejudicial para os indivíduos que sofrem de alcoolismo.

Para ter em consideração quando utilizado em mulheres grávidas ou a amamentar,

crianças e em grupos de alto risco tais como doentes com problemas de fígado ou

epilepsia.

Em crianças até aos 6 anos, a dose recomendada deste medicamento aumenta a

concentração de álcool no sangue entre 3,84 mg/L e 4,8 mg/L. O aumento de

concentração de álcool no sangue não deve exceder 10 mg/L em crianças com

menos de 6 anos de idade. Este medicamento deve ser usado com precaução nesta

faixa etária. A informação disponível sobre a toxicidade aguda e crónica do álcool na

população pediátrica é limitada.

Os efeitos do álcool em crianças com menos de 6 anos de idade podem incluir

sonolência,

alterações

comportamento

dificuldades

concentração

participação nas actividades escolares. Os cuidadores (p.ex. professores) devem ter

cuidados extra quando estas crianças realizarem actividades tais como andar de

bicicleta ou praticar outros desportos. O uso de medicamentos contendo álcool em

crianças com menos de 6 anos de idade deve ser especificamente justificado tendo

em consideração a imaturidade enzimática, a potencial acumulação de etanol e a

falta de informação sobre potencial toxicidade. O benefício do uso de medicamentos

contendo álcool deve ser superior os potenciais riscos.

Bromexina

Tussilene

contém

propilenoglicol

(E1520).

Pode

causar

sintomas

semelhantes ao do álcool.

Bromexina Tussilene contém para-hidroxibenzoato de propilo e para-hidroxibenzoato

de metilo. Pode causar reações alérgicas (possivelmente retardadas).

Não utilizar o xarope se este se tornar turvo.

4.5 Interações medicamentosas e outras formas de interação

Não associar antitússicos nem secantes de secreções, pois possuem um efeito

contrário ao pretendido.

Nenhuma interação clinicamente relevante com outros medicamentos foi relatada.

4.6 Fertilidade, gravidez e aleitamento

Gravidez

Existem dados limitados sobre o uso de bromexina em mulheres grávidas.

Os estudos em animais não indicam que existam efeitos nocivos, diretos ou

indiretos, relativamente à toxicidade reprodutiva.

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

Como medida de precaução, é preferível evitar a utilização de Bromexina Tussilene

durante a gravidez.

Amamentação

Desconhece-se se a bromexina/metabolitos são excretados no leite humano.

Os dados farmacodinâmicos/toxicológicos disponíveis em animais demonstraram a

excreção da bromexina/metabolitos no leite materno.

Não pode ser excluído o risco para o lactente.

Bromexina Tussilene não deve ser utilizado durante a amamentação.

Fertilidade

Não foram realizados estudos sobre o efeito de Bromexina Tussilene na fertilidade

humana.

Com base na experiência pré-clínica disponível, não há indicação de possíveis efeitos

do uso de bromexina na fertilidade.

4.7 Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Não foram realizados estudos sobre o efeito de Bromexina Tussilene na capacidade

de condução e utilização de máquinas.

4.8 Efeitos indesejáveis

Doenças do sistema imunitário:

Raros: Reações de hipersensibilidade

Desconhecido: Reações anafiláticas, incluindo choque anafilático, angioedema e

prurido.

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino:

Broncospasmo

Doenças gastrointestinais:

Náuseas, vómitos, diarreia e dor abdominal superior.

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos

Raros: erupção cutânea, urticária

Desconhecido: reações adversas cutâneas graves (incluindo eritema multiforme,

síndrome de Stevens-Johnson/necrólise epidérmica tóxica e pustulose exantematosa

generalizada aguda).

Notificações suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é

importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-

risco do medicamento. Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer

suspeitas de reações adversas através de:

INFARMED, I.P.

Direção de Gestão do Risco de Medicamentos

Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53

1749-004 Lisboa

Tel: +351 21 798 73 73

Linha do Medicamento: 800222444 (gratuita)

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

Sítio da internet: http://www.infarmed.pt/web/infarmed/submissaoram

E-mail: farmacovigilancia@infarmed.pt

4.9 Sobredosagem

Não foram notificados sintomas específicos de sobredosagem no Homem, até à data.

De acordo com notificações de sobredosagem acidental e/ou erros de medicação, os

sintomas observados são consistentes com os efeitos adversos conhecidos do

Bromexina Tussilene nas doses recomendadas e podem necessitar tratamento

sintomático.

5 - PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

5.1 Propriedades farmacodinâmicas

Grupo

farmacoterapêutico:

5.2.2

Aparelho

respiratório.

Antitússicos

expetorantes. Expetorantes, código ATC: R05CB02

A bromexina possui a capacidade farmacodinâmica de diminuir a viscosidade do

muco e de estimular a atividade do epitélio ciliado, permitindo o aumento da

depuração mucociliar.

Ensaios clínicos demonstraram que a bromexina tem um efeito secretolítico e

secretomotor do aparelho brônquico permitindo uma ação fluidificante e expetorante.

Na sequência da administração de bromexina, há um aumento das concentrações de

antibiótico

(amoxaciclina,

eritromicina,

oxitetraciclina)

expetoração

secreções broncopulmonares.

5.2 Propriedades farmacocinéticas

Absorção

A bromexina é completa e rapidamente absorvida no trato gastrointestinal. Após

administração

oral,

formulações

sólidas

líquidas

apresentam

biodisponibilidade

semelhante.

biodisponibilidade

absoluta

cloridrato

bromexina é cerca de 22,2±8,5% e 26,8±13,1%, para os comprimidos e solução de

bromexina, respetivamente.

O metabolismo de primeira passagem atinge cerca de 75-80%.

ingestão

concomitante

alimentos

leva

aumento

concentrações

plasmáticas de bromexina.

Distribuição

Após administração intravenosa a bromexina foi rápida e extensamente distribuída

pelo organismo com um volume médio de distribuição (Vss) até 1209±206 L (19

L/Kg). Foi estudada a distribuição no tecido pulmonar (brônquico e parênquimal),

após administração oral de 32 mg e 64 mg de bromexina. As concentrações de

bromexina no tecido pulmonar, duas horas pós dose, foram 1,5 a 4,5 vezes

superiores no tecido brônquico e 2,4 a 5,9 vezes superiores no parênquima

pulmonar, comparativamente com as concentrações no plasma.

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

A bromexina inalterada apresenta uma ligação às proteínas plasmáticas de 95%

(ligação não restritiva).

Biotransformação

A bromexina é quase completamente metabolizada numa variedade de metabolitos

hidroxilados

ácido

dibromantranílico.

Todos

metabolitos

própria

bromexina são provavelmente conjugados sob a forma de N-glucoronidos e O-

glucorunidos. Não há indícios significativos de alteração do padrão metabólico devido

à sulfonamida, oxitetraciclina ou eritromicina. Assim são improváveis quaisquer

interações com substratos do citocromo P450 2C9 ou 3A4.

Eliminação

bromexina

fármaco

elevada

taxa

eliminação

(após

administração intravenosa a taxa de eliminação no fluxo sanguíneo hepático é cerca

de 843-1073 ml/min, resultando numa elevada variabilidade inter e intraindividual

(CV> 30%). Após administração de bromexina marcada radioactivamente, cerca de

97,4±1,9% da dose foi recuperada na urina sob a forma radioativa, sendo menos de

1% recuperada como composto inicial. As concentrações plasmáticas de bromexina

evidenciam um declínio exponencial. Após administração oral de doses únicas entre

8 e 32 mg, a semivida de eliminação terminal variou entre 6,6 e 31,4 horas. A

semivida relevante para previsão da farmacocinética de dose múltipla é de cerca de

1 hora, não se verificando, por isso, acumulação após dose múltipla. (fator de

acumulação 1,1).

Características gerais

A bromexina evidencia uma farmacocinética proporcional à dose após administração

oral de doses entre 8 e 32 mg.

Não há dados sobre a farmacocinética da bromexina nos idosos ou em doentes com

insuficiência renal ou hepática. A larga experiência clínica não originou preocupações

de segurança relevantes nestas populações.

Também não foram realizados estudos de interação com anticoagulantes orais ou

digoxina. A farmacocinética da bromexina não é afetada, de modo relevante, pela

coadministração de ampicilina ou oxitetraciclina. De acordo com uma comparação

histórica, não foi evidenciada nenhuma interação relevante entre a bromexina e a

eritromicina. A inexistência de qualquer notificação relevante de interação durante o

longo período de comercialização do medicamento sugere que não há potencial de

interação substancial com estes fármacos.

5.3 Dados de segurança pré-clínica

O cloridrato de bromexina apresentou baixa toxicidade aguda: a DL50 oral foi > 5

g/kg em ratos, > 4 g/kg em coelhos, > 10 g/kg em cães e > 1 g/kg em ratos recém-

nascidos. A DL50 intraperitonial em ratos foi 2 g/kg. Os valores da DL50 para o

xarope foram > 10 ml/kg em ratinhos e em ratos. Não foram observados sinais

clínicos específicos de toxicidade com estas doses.

Em estudos de toxicidade de dose oral repetida, realizados durante 5 semanas, os

ratinhos toleraram doses de 200 mg/kg de cloridrato de bromexina, representando o

“nível de efeitos adversos não observados” (NOAEL). Com doses de 2000 mg/kg, a

mortalidade

elevada.

poucos

animais

sobreviventes

demonstraram

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

aumento reversível no peso do fígado e no colesterol sérico. Os ratos toleraram

doses de 25 mg/kg durante 26 ou 100 semanas, enquanto com doses de 500 mg

ocorreram convulsões e mortes. Os hepatócitos centrilobulares alargaram devido a

alterações dos vacúolos. Um outro estudo de 2 anos confirmou que doses até 100

mg/kg

são

toleradas,

enquanto

doses

mg/kg

ocorreram

esporadicamente convulsões em alguns animais. Os cães toleraram doses de 100

mg/kg (NOAEL), oralmente, durante 2 anos.

Bromexina xarope (0,8 mg/ml) foi bem tolerado até 20 ml/kg em ratos, havendo

esteatose

hepática

centrolobular

reversível

simples.

Após

administração

intramuscular de 8 mg de solução injetável, em cães, durante 6 semanas, não foi

observada qualquer irritação local ou toxicidade sistémica.

Uma injeção intrarterial única de 4 mg de bromexina foi bem tolerada em coelhos e

cães. As lesões após injeção intramuscular em coelhos foram comparáveis às obtidas

após administração de soro fisiológico. O cloridrato de bromexina mostrou atividade

hemolítica in-vitro.

O cloridrato de bromexina não foi nem embriotóxico nem teratogénico (segmento II)

com doses orais até 300 mg/kg em ratos e 200 mg/kg em coelhos. A fertilidade

(segmento I) não foi alterada com doses até 300 mg/kg. O “NOAEL” durante o

desenvolvimento peri e pós- natal (segmento III) foi de 25 mg/kg.

O cloridrato de bromexina não revelou qualquer potencial mutagénico no ensaio de

mutação bacteriana e no teste dos micronúcleos da medula de ratinhos.

O cloridrato de bromexina não apresentou potencial tumorigénico em estudos de 2

anos em ratos, após administração de doses até 400 mg/kg, bem como em cães

após administração de doses até 100 mg/kg.

6 - INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1 Lista dos excipientes

Propilenoglicol (E1520)

Sacarina Sódica (E954)

Sorbitol líquido (não cristalizável)

Aroma de tangerina

Etanol 96%

Para-hidroxibenzoato de metilo

Para-hidroxibenzoato de propilo

Água purificada

6.2 Incompatibilidades

Não aplicável.

6.3 Prazo de validade

3 anos.

APROVADO EM

07-03-2019

INFARMED

Após a primeira abertura do frasco: 30 dias.

6.4 Precauções especiais de conservação

Manter o frasco bem fechado.

Condições de conservação do medicamento após primeira abertura, ver secção 6.3.

6.5 Natureza e conteúdo do recipiente

Frascos de vidro âmbar Tipo III, com tampa Astra, de 125 ml contendo 100 ml de

xarope ou em frascos de 200 ml contendo 150 ml ou 200 ml de xarope. Cada

embalagem contém um dispositivo para administração (copo-medida ou colher-

medida).

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

6.6 Precauções especiais de eliminação e manuseamento

Qualquer medicamento não utilizado ou resíduos devem ser eliminados de acordo

com as exigências locais.

7 - TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

Laboratórios Azevedos – Indústria Farmacêutica S.A.

Estrada Nacional 117-2, Alfragide

2614-503 Amadora

Portugal

8 - NÚMEROS DE AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

9-DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO / RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO DE

INTRODUÇÃO NO MERCADO

10 - DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Leia o documento completo

APROVADO EM

25-09-2015

INFARMED

Relatório Público de Avaliação

Discussão Científica

Bromexina Tussilene

Bromexina, cloridrato

15/H/0057/001

APROVADO EM

25-09-2015

INFARMED

INTRODUÇÃO

Os Laboratórios Azevedos – Indústria Farmacêutica, S.A. submeteram um pedido de

Autorização de Introdução no Mercado para o medicamento Bromexina Tussilene 1,6

mg/ml xarope

contendo

bromexina,

cloridrato,

estando

indicado

como

adjuvante

mucolítico

tratamento antibacteriano das infeções respiratórias em presença de hipersecreção brônquica.

Este pedido de Autorização de Introdução no Mercado refere-se a um uso bem estabelecido, por ter

demonstrado

substância

ativa

bromexina,

cloridrato

clínico

estabelecido

comunidade Europeia há pelo menos 10 anos, com eficácia e segurança reconhecida, de acordo com a

documentação bibliográfica científica submetida.

A Autorização de Introdução no Mercado foi concedida a 25-09-2015 com base no artigo 20ºdo Decreto-Lei

n.º 176/2006, de 30 de agosto.

A legibilidade do Folheto Informativo foi comprovada através da referência ao relatório

público

avaliação

medicamento

Bromexina

Tussilene

mg/ml

xarope,

processo n.º 10/H/0186/001 autorizado desde 31-08-2010.

Aspetos de qualidade

Introdução

Bromexina Tussilene 1,6 mg/ml xarope contém como substância ativa 1,6 mg de bromexina, cloridrato por

cada ml de xarope.

Bromexina Tussilene 1,6 mg/ml xarope apresenta-se na forma de xarope límpido, incolor a ligeiramente

amarelado, com sabor adocicado e odor a tangerina.

O medicamento, cuja forma farmacêutica é xarope é acondicionado em frasco de vidro âmbar Tipo III.

Os excipientes são: água purificada, aroma de tangerina, etanol 96%, para-hidroxibenzoato de metilo, para-

hidroxibenzoato

propilo,

propilenoglicol

(E1520),

sacarina

sódica

(E954),

sorbitol

líquido

(não

cristalizável).

Substância Ativa

A substância ativa bromexina, cloridrato encontra-se em conformidade com os requisitos regulamentares

europeus em vigor

e é uma substância ativa conhecida que está descrita na Farmacopeia

Europeia

(Ph. Eur.). A Ph. Eur é um livro oficial (farmacopeia) no qual os métodos de análise das

substâncias e respetivas especificações se encontram descritos pelas autoridades da União Europeia.

A substância ativa é um pó cristalino, branco ou quase branco.

especificações

estabelecidas

para

substância

ativa

são

consideradas

adequadas

para

controlar

qualidade e cumprir os requisitos da monografia da Ph. Eur. Foi fornecida documentação relativa à análise de

lotes que demonstra a conformidade com as especificações para 6 lotes de escala de produção.

Medicamento

APROVADO EM

25-09-2015

INFARMED

O desenvolvimento do medicamento foi descrito, a escolha dos excipientes foi justificada e as suas funções

devidamente explicadas. Os excipientes usados são bem conhecidos e seguros nas concentrações propostas.

Todos os excipientes, com excepção do aroma de tangerina, estão descritos na

Farmacopeia

Europeia.

Para

aroma

tangerina

foram

apresentadas

especificações a que devem obedecer bem como a metodologia analítica a ser usada.

As especificações do medicamento apresentadas cobrem apropriadamente os parâmetros para a dosagem

deste medicamento. Foram apresentados os resultados de validação dos métodos analíticos. As análises de

lote foram realizadas em 3 lotes. Os resultados da análise dos lotes mostram que o produto acabado cumpre

as especificações propostas.

As condições utilizadas nos ensaios de estabilidade estão de acordo com a norma orientadora internacional

(ICH)

relativa

estes

estudos.

testes

controlo

especificações

para

medicamento

estão

adequadamente preparados.

O prazo de validade de 3 anos (o

medicamento não necessita de quaisquer

precauções especiais de

conservação) para a embalagem fechada e o prazo de validade de 30 dias, e as condições de armazenamento

(manter o frasco bem fechado) para a embalagem aberta para o medicamento são considerados aceitáveis.

aspetos PRÉ-CLÍNICOS

Para este medicamento foi demonstrado que a substância ativa bromexina, cloridrato tem um uso clínico bem

estabelecido na Comunidade Europeia há pelo menos 10 anos, com eficácia e segurança reconhecida, pelo

que foi elaborada a avaliação da documentação

bibliográfica

científica submetida. Tal é considerado

aceitável para este tipo de pedido. A segurança e a eficácia do medicamento encontram-se bem estabelecidas.

O cloridrato de bromexina apresentou baixa toxicidade aguda: a DL50 oral foi > 5 g/kg em ratos, > 4 g/kg em

coelhos, > 10 g/kg em cães e > 1 g/kg em ratos recém-nascidos. A DL50 intraperitonial em ratos foi 2 g/kg.

Os valores da DL50 para o xarope foram > 10 ml/kg em ratinhos e em ratos. Não foram observados sinais

clínicos específicos de toxicidade com estas doses. Em estudos de toxicidade de dose oral repetida, realizados

durante 5 semanas, os ratinhos toleraram doses de 200 mg/kg de cloridrato de bromexina, representando o

“nível de efeitos adversos não observados” (NOAEL). Com doses de 2000 mg/kg, a mortalidade foi elevada.

Os poucos animais sobreviventes demonstraram um aumento reversível no peso do fígado e no colesterol

sérico. Os ratos toleraram doses de 25 mg/kg durante 26 ou 100 semanas, enquanto com doses de 500 mg

ocorreram convulsões e mortes. Os hepatócitos centrilobulares alargaram devido a alterações dos vacúolos.

Um outro estudo de 2 anos confirmou que doses até 100 mg/kg são bem toleradas, enquanto com doses de

400 mg/kg ocorreram esporadicamente convulsões em alguns animais. Os cães toleraram doses de 100 mg/kg

(NOAEL), oralmente, durante 2 anos. Bromexina xarope (0,8 mg/ml) foi bem tolerado até 20 ml/kg em ratos,

havendo esteatose hepática centrolobular reversível simples. Após administração intramuscular de 8 mg de

solução injetável, em cães, durante 6 semanas, não foi observada qualquer irritação local ou toxicidade

sistémica. Uma injeção intrarterial única de 4 mg de bromexina foi bem tolerada em coelhos e cães. As lesões

após injeção intramuscular em coelhos foram comparáveis às obtidas após administração de soro fisiológico.

O cloridrato de bromexina mostrou atividade hemolítica in-vitro. O cloridrato de bromexina não foi nem

embriotóxico nem teratogénico (segmento II) com doses orais até 300 mg/kg em ratos e 200 mg/kg em

coelhos. A fertilidade (segmento I) não foi alterada com doses até 300 mg/kg. O “NOAEL” durante o

desenvolvimento peri e pós- natal (segmento III) foi de 25 mg/kg. O cloridrato de bromexina não revelou

qualquer potencial mutagénico no ensaio de mutação bacteriana e no teste dos micronúcleos da medula de

ratinhos. O cloridrato de bromexina não apresentou potencial tumorigénico em estudos de 2 anos em ratos,

após administração de doses até 400 mg/kg, bem como em cães após administração de doses até 100 mg/kg.

aspetos clinicos

Para este medicamento foi demonstrado que a substância ativa bromexina, cloridrato tem um uso clínico bem

estabelecido na comunidade Europeia, há pelo menos 10 anos, com eficácia e segurança reconhecida, e foi

elaborada a avaliação da documentação bibliográfica científica submetida. Tal é considerado aceitável para

este tipo de pedido.

APROVADO EM

25-09-2015

INFARMED

Estando indicado como adjuvante mucolítico do tratamento antibacteriano das infeções respiratórias em

presença de hipersecreção brônquica.

Plano de Farmacovigilância

INFARMED,

considera

Resumo

Sistema

Farmacovigilância

fornecido

pedido

Autorização de Introdução no Mercado aceitável de acordo com a nova legislação para a farmacovigilância

aplicada na União Europeia (UE), que substituiu volume 9 das Regras que regem os medicamentos na União

Europeia.

Plano de Gestão de Risco

O plano de Gestão de Risco foi apresentado pelo titular.

Conclusões, Avaliação da relação benefício/risco e recomendações

O processo avaliado apresenta dados de qualidade, segurança e eficácia adequados.

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação