ÓXIDO DE ZINCO CALIER, 1000 mg/g, pré-mistura medicamentosa para alimento medicamentoso para suínos (leitões)

Portugal - português - DGAV (Direção Geral de Alimentação e Veterinária)

Compre agora

Ingredientes ativos:
Óxido De Zinco 1000.0 mg/g
Disponível em:
Calier Portugal, S.A
Código ATC:
QA07XA91
DCI (Denominação Comum Internacional):
Zinc oxide
Forma farmacêutica:
Pré-mistura medicamentosa para alimento medicamentoso
Via de administração:
Via oral
Tipo de prescrição:
MSRMV - Medicamento Sujeito a Receita Médico-Veterinária
Grupo terapêutico:
Suínos
Área terapêutica:
Óxido de Zinco
Resumo do produto:
Intervalo de Segurança: Carne e Vísceras (suínos) - 7 dias; ; Saco(s) - 1 unidade(s) - 25 Kg 112/01/08NFVPT Autorizado Sim
Número de autorização:
112/01/08NFVPT

Leia o documento completo

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

1.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

ÓXIDO

DE

ZINCO

CALIER,

1000

mg/g,

pré-mistura

medicamentosa

para

alimento

medicamentoso para suínos (leitões)

2.

COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Cada g contém:

Substância Activa:

Óxido de Zinco

1000

Excipientes:

Para a lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

3.

FORMA FARMACÊUTICA

Pré-mistura medicamentosa para alimento medicamentoso.

Pó branco ou branco ligeiramente amarelado.

4.

INFORMAÇÕES CLÍNICAS

4.1

Espécie(s) alvo

Suínos (leitões).

4.2

Indicações para utilização, especificando as espécies alvo:

Leitões: Prevenção de diarreias pós-desmame.

4.3

Contra-indicações

Não utilizar no caso de conhecida hipersensibilidade à substância activa.

4.4

Advertências especiais para cada espécie-alvo

Estudos revelaram que o óxido de zinco é benéfico nos leitões em risco de desenvolvimento de

diarreia ligeira a moderada. Porém, não estão disponíveis quaisquer estudos acerca do risco dos leitões

desenvolverem formas graves/hemorrágicas de diarreia.

A administração desta pré-mistura para alimento medicamentoso pode alterar alguns parâmetros

biológicos (fosfatase alcalina, actividade α-amilase), mas estas alterações desaparecem logo que

termine o tratamento.

4.5

Precauções especiais de utilização

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

Uma vez que o zinco se acumula no solo e pode, a partir de determinadas concentrações, afectar a

fauna e a flora, devem assim ser tomadas as seguintes precauções no tratamento e utilização de

estrumes provenientes de leitões tratados:

O método mais adequado para eliminar o zinco no estrume consiste no tratamento biológico das

fezes nas instalações especificamente equipadas para reduzir teores de nitrogénio e de fósforo.

No caso de os estrumes serem utilizados sem tratamento prévio, devem ser aplicadas medidas

de gestão de risco com análise prévia do teor de zinco na/s parcela/s de terra nas quais se

pretende fazer o espalhamento, de acordo com o disposto na tabela seguinte:

Zn (mg/Kg) no solo

ACÇÃO a tomar

< 150

Nenhuma

150 – 200

Para calcular a fertilização NPK nas culturas, aplicar fertilizantes acidificantes

para permitir a mobilidade do zinco no solo, ou fertilizantes fosfatados

alcalinos permitindo a retenção de zinco no solo e a extracção através de

culturas

200 – 250

Além

acção

acima

referida,

devem

utilizadas

culturas

secas

crescimento rápido (ervilhaca, cevada + ervilhaca, entre outros) ou culturas

irrigadas (luzerna ou outras plantas campestres), com conhecida capacidade

para extrair o zinco do solo.

250 – 300

Utilizar

técnicas

fitorremediação

espécies

cultivadas

(Brassica

carinata,

Brassica

juncea)

espécies

selvagens

(Aramantus

sp)

capacidade comprovada para mobilizar e extrair o zinco do solo, e capazes de

serem transformadas em alimento rico em zinco para os animais de produção.

> 300

Reduzir a quantidade de estrume aplicada à parcela de terra analisada ou

realizar as aplicações espaçadas no tempo, até que a concentração esteja

conforme uma das situações descritas nos casos acima mencionados.

A temperatura de granulação dos alimentos medicamentosos não deve exceder os 55ºC.

Precauções especiais para uso nos animais

O medicamento veterinário só deve ser administrado a animais com risco de diarreia, por exemplo, se

os leitões forem crias de porcas com um historial de casos regulares de diarreia pós-desmame.

Os alimentos com concentrações elevadas de zinco podem estimular a ocorrência de resistências ao

zinco na microflora intestinal dos leitões e podem desempenhar um papel na co-seleção de MRSA e

no aumento da proporção de E.coli multirresistente.

Precauções especiais a adoptar pela pessoa que administra o medicamento veterinário aos

animais

Evitar o contacto directo com a pele e mucosas bem como a inalação do pó.

Utilizar máscara respiratória protectora de acordo com a Norma Europeia EN 140 com filtro EN 143

quando misturar ou manusear este medicamento veterinário. Em caso de inalação de pó a pessoa

exposta deve ser retirada para local arejado, de preferência para o ar livre. No de se observarem

perturbações consultar um médico.

Utilizar óculos de protecção impermeáveis quando adicionar ou manusear o medicamento veterinário.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

Em caso de contacto com os olhos, lavá-los com água abundante. Se a irritação persistir procurar

aconselhamento médico.

Utilizar vestuário de protecção adequado para evitar o contacto directo com a pele e mucosas. Em caso

de contacto com a pele, lavar a área afectada com água abundante.

A roupa contaminada deve ser removida e lavada antes de ser utilizada de novo.

Lavar as mãos após o manuseamento do medicamento veterinário.

Em caso de ingestão acidenta, beber água abundante e consultar um médico de imediato e mostrar-lhe

o folheto informativo ou rótulo.

Outras precauções relativas ao impacto no ambiente

O zinco é muito tóxico para organismos aquáticos, mas pode afetar o crescimento, sobrevivência e

reprodução de plantas e animais aquáticos e terrestres. O zinco é persistente nos solos e pode

acumular-se em sedimentos. A toxicidade dependerá das condições ambientais e tipos de habitat. O

risco

ambiental

pode

reduzido

através

cumprimento

seguintes

medidas.

Ao espalhar estrume proveniente de animais tratados, a carga total máxima de zinco conforme

definido nos regulamentos nacionais ou locais deve ser estritamente respeitada. O estrume não diluído

de leitões tratados não deve ser aplicado no solo. A diluição com estrume de animais ou porcas não

tratadas é necessário para que a quantidade total de estrume de leitões tratados seja o mais baixo

possível e nunca exceda os 40% de proporção quando o estrume de leitões desmamados e porcas é

armazenado em conjunto. O medicamento veterinário nunca deve ser administrado em quintas onde a

mistura de estrume de animais tratados com estrume de animais não tratados não é possível.

A biodisponibilidade do zinco, e consequentemente o risco ambiental, varia entre tipos de solo. O

estrume de leitões tratados não deve ser espalhado sobre tipos de solo vulneráveis, que tenham sido

identificados

como

solos

arenosos,

drenados

ácidos

≤6).

O estrume contendo zinco não deve ser espalhado na mesma área de terra em anos sucessivos para

evitar

acumulação

zinco,

pode

causar

efeitos

adversos

ambiente.

Ao espalhar estrume de animais tratados, a distância mínima até às águas superficiais conforme

definido nos regulamentos nacionais ou locais deve ser estritamente respeitada, e deve ser aplicada

uma zona tampão mínima de 3 m, porque o estrume contém zinco, o que pode causar efeitos adversos

no ambiente aquático.

4.6. Reacções adversas (frequência e severidade)

A administração desta pré-mistura para alimento medicamentoso pode causar fezes de cor branca

amarelada contudo esta coloração desaparece uma vez terminado o tratamento.

Na administração prolongada a deficiência de cobre é possivelmente associada à anemia hipocrómica.

Além disso, são descritas situações de depressão do crescimento, redução do consumo de alimentos e

dores nas articulações.

A administração da pré-mistura medicada pode alterar determinados parâmetros biológicos (fosfatase

alcalina, atividade da α-amilase), que são revertidos após a interrupção do tratamento.

4.7

Utilização durante a gestação e lactação

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

Este medicamento veterinário destina-se a leitões pelo que a sua utilização durante a gestação e a

lactação não é aplicável.

4.8

Interacções com outros medicamentos e outras formas de interacção:

Os fatores que afetam a biodisponibilidade oral do zinco incluem a presença de minerais na dieta que

competem por transporte (Fe, Cu) e substâncias interferentes que se podem ligar ao zinco (fitato-Ca).

Doses elevadas de zinco também podem afetar a disponibilidade de minerais, como Fe e Cu.

4.9

Quantidades a serem administradas e via de administração

Via oral

Para incorporação no alimento apenas em unidades de fabrico de alimentosos medicamentosos para

animais autorizadas.

Leitões: 85 mg de oxido de zinco/ Kg p.v. por dia, durante 14 dias pós desmame (equivalente a 3.1 Kg

de Oxido Zinco Calier Pré-Mistura para alimento medicamentoso/Tn de alimento composto ou

equivalente a 2500 g de zinco/ ton de alimento composto).

Para assegurar uma dispersão homogénea de óxido de zinco no alimento composto final, recomenda-

se a mistura prévia da pré-mistura medicamentosa com uma quantidade adequada de ingredientes

alimentares, antes da sua incorporação na mistura final.

O alimento medicado deve ser a única fonte de alimento, durante um período máximo de 14 dias após

o desmame.

A temperatura de granulação dos alimentos medicamentosos não deve exceder os 55ºC.

4.10 Sobredosagem (sintomas, procedimentos de emergência, antídotos):

A administração do medicamento veterinário através do alimento a leitões recentemente desmamados

à dose de 85 mg/Kg p.v./dia durante 14 dias, de 85 mg/Kg p.v./dia durante 28 dias e à dose de 225

mg/Kg p.v./dia durante 14 dias, não produziram qualquer tipo de alteração no comportamento e no

estado geral do animal.

4.11 Intervalo de segurança

Suínos (leitões)

Carne e vísceras: 7 dias

5.

PROPRIEDADES FARMACOLÓGICAS

Grupo farmacoterapêutico: Anti-diarreicos.

Código ATCVet: QA07XA91

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

Elevados níveis de óxido de zinco (2500 ppm) exercem um efeito positivo na incidência de diarreias e

no crescimento dos leitões desmamados precocemente.

5.1.

Propriedades farmacodinâmicas

O zinco está envolvido na actividade de muitas metaloenzimas e no metabolismo dos ácidos moleicos,

proteínas, glúcidos, etc.

O óxido de zinco está indicado na prevenção de diarreias provocadas por E. Coli após o desmame. Os

iões de zinco exibem um efeito inibidor na cadeia respiratória de E. Coli, sobre as enzimas succinato-

oxidase e NADH – oxidase.

5.2

Propriedades farmacocinéticas

A administração proposta para o óxido de zinco provoca elevados níveis de zinco no plasma, fígado e

rins. O zinco é excretado principalmente, através das fezes e, em menor extensão, através da urina.

Existe um mecanismo de regulação homeostática do zinco no intestino através do qual o zinco

excretado no lúmen intestinal é reabsorvido.

6.

INFORMAÇÕES FARMACÊUTICAS

6.1. Lista de excipientes

Nenhum

6.2

Incompatibilidades

Na ausência de estudos de compatibilidade, este medicamento veterinário não deve ser misturado com

outros medicamentos veterinários.

6.3

Prazo de validade

Prazo de validade do medicamento veterinário na embalagem de venda: 24 meses

Prazo de validade da pré-mistura no alimento: 3 meses.

Prazo de validade depois de aberta a embalagem primária: o medicamento deverá ser imediatamente

utilizado.

6.4

Precauções particulares de conservação

Conservar na embalagem de origem.

6.5

Natureza e conteúdo do recipiente

Sacos de 25 Kg com válvula de papel e as quatro camadas seguintes:

- Papel Kraft semi-extensível

- Folha de polietileno de elevada densidade

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

- Papel Kraft semi-extensível

- Papel Kraft branco semi-extensível

6.6

Precauções

especiais

de

eliminação

do

medicamento

não

utilizado

ou

dos

seus

desperdícios, se existirem

O medicamento veterinário não utilizado ou os seus resíduos devem ser eliminados de acordo com os

requisitos nacionais.

Após utilização devem ainda ser respeitadas as medidas referidas no ponto 5.3.

EXTREMAMENTE PERIGOSO PARA PEIXES E VIDA AQUÁTICA. Não contamine contaminar

as águas de superficiais ou valas com o produto medicamento veterinário ou recipientes usados

7.

RESPONSÁVEL PELA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO

CALIER PORTUGAL, S.A.

Centro Empresarial Sintra-Estoril II, Ed. C, R. Pé de Mouro

Estrada de Albarraque

2710 - 335 Sintra

8. AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO NÚMERO

Nº de Registo: 112/01/08NFVPT

9. DATA DA PRIMEIRA AUTORIZAÇÃO/RENOVAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO

31 de Dezembro de 2008 / de 16 de Dezembro de 2015

Medicamento veterinário sujeito a receita médico-veterinária.

Devem ser consideradas as orientações oficiais relativas à incorporação de pré-misturas para alimento

medicamentoso no alimento final.

DATA DA REVISÃO DO TEXTO

Dezembro 2015

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

ROTULAGEM

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

ROTULAGEM (FOLHETO INFORMATIVO)

ÓXIDO DE ZINCO CALIER, 1000 mg/g, pré-mistura medicamentosa para alimento medicamentoso

para suínos (leitões)

1.

NOME E ENDEREÇO DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO

MERCADO E DO TITULAR DA AUTORIZAÇÃO DE FABRICO RESPONSÁVEL

PELA LIBERTAÇÃO DO LOTE, SE FOREM DIFERENTES

Titular da autorização de introdução no mercado:

CALIER PORTUGAL, S.A.

Centro Empresarial Sintra-Estoril II, Ed. C, R. Pé de Mouro

Estrada de Albarraque

2710 - 335 Sintra

Fabricante responsável pela libertação dos lotes:

Laboratórios Calier, S.A.

C/ Barcelonès, 26. Pla del Ramassà.

08520 LES FRANQUESES DEL VALLÈS.

BARCELONA.

2.

NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO

ÓXIDO DE ZINCO CALIER, 1000 mg/g, pré-mistura medicamentosa para alimento medicamentoso

para suínos (leitões)

3.

DESCRIÇÃO DA(S) SUBSTÂNCIA(S) ATIVA(S) E OUTRA(S) SUBSTÂNCIA(S)

Cada g contém:

Substância Ativa:

Oxido de Zinco

1000

4.

INDICAÇÃO (INDICAÇÕES)

Leitões: Prevenção de diarreias pós-desmame.

5.

CONTRAINDICAÇÕES

Não utilizar no caso de conhecida hipersensibilidade à substância ativa.

6.

REAÇÕES ADVERSAS

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

A administração desta pré-mistura para alimento medicamentoso pode causar fezes de cor branca

amarelada contudo esta coloração desaparece uma vez terminado o tratamento.

Na administração prolongada a deficiência de cobre é possivelmente associada à anemia hipocrómica.

Além disso, são descritas situações de depressão do crescimento, redução do consumo de alimentos e

dores nas articulações.

A administração da pré-mistura medicada pode alterar determinados parâmetros biológicos (fosfatase

alcalina, atividade da α-amilase), que são revertidos após a interrupção do tratamento.

Caso detete efeitos graves ou outros efeitos não mencionados neste folheto, informe o seu médico

veterinário.

7.

ESPÉCIES-ALVO

Suínos (leitões).

8.

DOSAGEM EM FUNÇÃO DA ESPÉCIE, VIA(S) E MODO DE ADMINISTRAÇÃO

Via oral

Para incorporação no alimento apenas em unidades de fabrico de alimentosos medicamentosos para

animais autorizadas.

Leitões: 85 mg de óxido de zinco/ Kg p.v. por dia, durante 14 dias pós desmame (equivalente a

3.1 Kg de Oxido Zinco Calier Pré-Mistura para alimento medicamentoso/Tn de alimento

composto ou equivalente a 2500 g de zinco/ ton de alimento composto).

9.

INSTRUÇÕES COM VISTA A UMA UTILIZAÇÃO CORRETA

Para assegurar uma dispersão homogénea de óxido de zinco no alimento composto final,

recomenda-se a mistura prévia da pré-mistura medicamentosa com uma quantidade adequada

de ingredientes alimentares, antes da sua incorporação na mistura final.

O alimento medicado deve ser a única fonte de alimento, durante um período máximo de 14 dias

após o desmame.

A temperatura de granulação dos alimentos medicamentosos não deve exceder os 55ºC.

10.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Suínos (leitões)

Carne e vísceras: 7 dias

11.

PRECAUÇÕES ESPECIAIS DE CONSERVAÇÃO

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

Manter fora da vista e do alcance das crianças.

Este medicamento veterinário não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.

Prazo de validade após a primeira abertura do recipiente: utilização imediata.

Prazo de validade quando incorporado no alimento farináceo ou granulado: 3 meses

12.

ADVERTÊNCIA(S) ESPECIAL(AIS)

Estudos revelaram que o óxido de zinco é benéfico nos leitões em risco de desenvolvimento de

diarreia ligeira a moderada. Porém, não estão disponíveis quaisquer estudos acerca do risco dos leitões

desenvolverem formas graves/hemorrágicas de diarreia.

A administração desta pré-mistura para alimento medicamentoso pode alterar alguns parâmetros

biológicos (fosfatase alcalina, actividade α-amilase), mas estas alterações desaparecem logo que

termine o tratamento.

4.6

Precauções especiais de utilização

Uma vez que o zinco se acumula no solo e pode, a partir de determinadas concentrações, afectar a

fauna e a flora, devem assim ser tomadas as seguintes precauções no tratamento e utilização de

estrumes provenientes de leitões tratados:

O método mais adequado para eliminar o zinco no estrume consiste no tratamento biológico das

fezes nas instalações especificamente equipadas para reduzir teores de nitrogénio e de fósforo.

No caso de os estrumes serem utilizados sem tratamento prévio, devem ser aplicadas medidas

de gestão de risco com análise prévia do teor de zinco na/s parcela/s de terra nas quais se

pretende fazer o espalhamento, de acordo com o disposto na tabela seguinte:

Zn (mg/Kg) no solo

ACÇÃO a tomar

< 150

Nenhuma

150 – 200

Para calcular a fertilização NPK nas culturas, aplicar fertilizantes acidificantes

para permitir a mobilidade do zinco no solo, ou fertilizantes fosfatados

alcalinos permitindo a retenção de zinco no solo e a extracção através de

culturas

200 – 250

Além

acção

acima

referida,

devem

utilizadas

culturas

secas

crescimento rápido (ervilhaca, cevada + ervilhaca, entre outros) ou culturas

irrigadas (luzerna ou outras plantas campestres), com conhecida capacidade

para extrair o zinco do solo.

250 – 300

Utilizar

técnicas

fitorremediação

espécies

cultivadas

(Brassica

carinata,

Brassica

juncea)

espécies

selvagens

(Aramantus

sp)

capacidade comprovada para mobilizar e extrair o zinco do solo, e capazes de

serem transformadas em alimento rico em zinco para os animais de produção.

> 300

Reduzir a quantidade de estrume aplicada à parcela de terra analisada ou

realizar as aplicações espaçadas no tempo, até que a concentração esteja

conforme uma das situações descritas nos casos acima mencionados.

A temperatura de granulação dos alimentos medicamentosos não deve exceder os 55ºC.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

Precauções especiais para uso nos animais

O medicamento veterinário só deve ser administrado a animais com risco de diarreia, por exemplo, se

os leitões forem crias de porcas com um historial de casos regulares de diarreia pós-desmame.

Os alimentos com concentrações elevadas de zinco podem estimular a ocorrência de resistências ao

zinco na microflora intestinal dos leitões e podem desempenhar um papel na co-seleção de MRSA e

no aumento da proporção de E.coli multirresistente.

Precauções especiais a adoptar pela pessoa que administra o medicamento veterinário aos

animais

Evitar o contacto directo com a pele e mucosas bem como a inalação do pó.

Utilizar máscara respiratória protectora de acordo com a Norma Europeia EN 140 com filtro EN 143

quando misturar ou manusear este medicamento veterinário. Em caso de inalação de pó a pessoa

exposta deve ser retirada para local arejado, de preferência para o ar livre. No de se observarem

perturbações consultar um médico.

Utilizar óculos de protecção impermeáveis quando adicionar ou manusear o medicamento veterinário.

Em caso de contacto com os olhos, lavá-los com água abundante. Se a irritação persistir procurar

aconselhamento médico.

Utilizar vestuário de protecção adequado para evitar o contacto directo com a pele e mucosas. Em caso

de contacto com a pele, lavar a área afectada com água abundante.

A roupa contaminada deve ser removida e lavada antes de ser utilizada de novo.

Lavar as mãos após o manuseamento do medicamento veterinário.

Em caso de ingestão acidenta, beber água abundante e consultar um médico de imediato e mostrar-lhe

o folheto informativo ou rótulo.

Outras precauções relativas ao impacto no ambiente

O zinco é muito tóxico para organismos aquáticos, mas pode afetar o crescimento, sobrevivência e

reprodução de plantas e animais aquáticos e terrestres. O zinco é persistente nos solos e pode

acumular-se em sedimentos. A toxicidade dependerá das condições ambientais e tipos de habitat. O

risco

ambiental

pode

reduzido

através

cumprimento

seguintes

medidas.

Ao espalhar estrume proveniente de animais tratados, a carga total máxima de zinco conforme

definido nos regulamentos nacionais ou locais deve ser estritamente respeitada. O estrume não diluído

de leitões tratados não deve ser aplicado no solo. A diluição com estrume de animais ou porcas não

tratadas é necessário para que a quantidade total de estrume de leitões tratados seja o mais baixo

possível e nunca exceda os 40% de proporção quando o estrume de leitões desmamados e porcas é

armazenado em conjunto. O medicamento veterinário nunca deve ser administrado em quintas onde a

mistura de estrume de animais tratados com estrume de animais não tratados não é possível.

A biodisponibilidade do zinco, e consequentemente o risco ambiental, varia entre tipos de solo. O

estrume de leitões tratados não deve ser espalhado sobre tipos de solo vulneráveis, que tenham sido

identificados

como

solos

arenosos,

drenados

ácidos

≤6).

O estrume contendo zinco não deve ser espalhado na mesma área de terra em anos sucessivos para

evitar

acumulação

zinco,

pode

causar

efeitos

adversos

ambiente.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

Ao espalhar estrume de animais tratados, a distância mínima até às águas superficiais conforme

definido nos regulamentos nacionais ou locais deve ser estritamente respeitada, e deve ser aplicada

uma zona tampão mínima de 3 m, porque o estrume contém zinco, o que pode causar efeitos adversos

no ambiente aquático

Utilização durante a gestação e lactação

Este medicamento veterinário destina-se a leitões pelo que a sua utilização durante a gestação e a

lactação não é aplicável.

Imcompatibilidades

Os fatores que afetam a biodisponibilidade oral do zinco incluem a presença de minerais na dieta que

competem por transporte (Fe, Cu) e substâncias interferentes que se podem ligar ao zinco (fitato-Ca).

Doses elevadas de zinco também podem afetar a disponibilidade de minerais, como Fe e Cu.

Interações com outros medicamentos e outras formas de interação:

A biodisponibilidade oral do zinco pode variar devido à sua interação com outros elementos tais como

cálcio, cobre, ferro e cádmio, cuja presença pode ocorrer no trato digestivo.

Sobredosagem (sintomas, procedimentos de emergência, antídotos):

A

administração

do

medicamento

veterinário

através

do

alimento

a

leitões

recentemente

desmamados à dose de 85 mg/Kg p.v./dia durante 14 dias, de 85 mg/Kg p.v./dia durante 28 dias e

à dose de 225 mg/Kg p.v./dia durante 14 dias, não produziram qualquer tipo de alteração no

comportamento e no estado geral do animal.

13.

PRECAUÇÕES ESPECIAIS DE ELIMINAÇÃO DO MEDICAMENTO NÃO

UTILIZADO OU DOS SEUS DESPERDÍCIOS, SE FOR CASO DISSO

O medicamento veterinário não utilizado ou os seus resíduos devem ser eliminados de acordo com a

legislação em vigor.

14.

DATA DA ÚLTIMA APROVAÇÃO DO FOLHETO INFORMATIVO

Dezembro 2015

15.

OUTRAS INFORMAÇÕES

Nº de Registo: 112/01/08NFVPT

Medicamento veterinário sujeito a receita médico-veterinária.

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária - DGAMV

Ultima aprovação dos textos: Dezembro 2015

Página 1 de 19

Devem ser consideradas as orientações oficiais relativas à incorporação de pré-misturas para alimento

medicamentoso no alimento final.

USO VETERINÁRIO

Produtos Similares

Pesquisar alertas relacionados a este produto

Ver histórico de documentos

Compartilhe esta informação